Alunos de Hidrografia fazem levantamento topo-hidrográfico na Praia de Santo Amaro

Trabalhos de campo na praia: vantagens de ser aluno de Engenharia Geoespacial na Ciências ULisboa

lancha hidrográfica leva os alunos para o rio

Este ano, os alunos de Hidrografia realizaram um levantamento hidrográfico com recurso a sonda multifeixe, um sistema recentemente adquirido pela APL

GJ Ciências ULisboa

Durante o mês de maio, uma turma de alunos do 3.º ano, finalistas do curso de Engenharia Geoespacial deslocou-se em trabalho de campo até à Praia de Santo Amaro, em Oeiras, para realizar um levantamento topo-hidrográfico da praia. O trabalho constitui o projeto final da disciplina de Hidrografia, ministrada pelo professor Carlos Antunes.

O trabalho tem como objetivo obter o modelo digital de terreno da praia emersa e submersa - modelo de batimetria -, de forma a obter um modelo 3D completo da praia para avaliação da sua morfodinâmica.

Acompanhámos os dois dias de visita - 3 e 17 de maio – para ficar a conhecer o trabalho que os alunos estiveram a desenvolver.

No primeiro dia, pelas 10h00, apesar do dia ser de maio e registar algum vento, o calor do sol convidava a um mergulho. O pequeno grupo de dez alunos vestidos com coletes verdes caminhava pelo areal, junto à margem. Dois deles afastaram-se do grupo, em direção a terra, transportando um bastão com cerca de dois metros de altura, no qual é montada uma antena e um recetor GPS a funcionar em tempo real com ligação a uma estação permanente via Internet móvel.

Os restantes aguardaram perto da margem, até os dois colegas se afastarem o máximo possível até aos limites da praia. Orientaram-nos à chegada do ponto pretendido, mantendo-os em linha reta, na mesma direção. A operação foi repetida ao longo de toda a praia, em intervalos de 20 em 20 metros, sendo os pontos do início dos perfis assinalados e numerados na areia, para mais tarde serem retomados na direção do mar. Assim fizeram os primeiros perfis transversais da praia emersa.

alunos na praia
O grupo percorreu toda a extensão da praia, perfazendo um total de 37 fiadas
Fonte GJ Ciências ULisboa

O trabalho realizou-se dividindo a praia em duas secções: uma parte superior - a zona dunar seca mais afastada da zona de maré - e uma inferior, a zona molhada mais perto da margem, a face-praia. Depois de concluída a parte superior, perto das 11h00, o trabalho continuou sobre a zona da face-praia, aproveitando a baixa-mar e de forma a cobrir o máximo de terreno emerso da praia. Novamente, o grupo percorreu toda a extensão da praia, recorrendo aos pontos marcados anteriormente, perfazendo um total de 37 fiadas.

professor a ajudar dois alunos com o equipamento
Carlos Antunes e dois alunos percorreram toda a extensão da praia para traçar perfis longitudinais
Fonte GJ Ciências ULisboa

Paralelamente foi feito um outro levantamento, seguindo um percurso paralelo à margem. Carlos Antunes e dois alunos percorreram toda a extensão da praia, traçando perfis longitudinais e cobrindo as extremidades da praia e as bermas quebradas em forma de pequenos taludes. A definição do trajeto a percorrer é feita de forma “mais ou menos intuitiva”, explica o professor, de maneira a registar as alternâncias do relevo da praia - linhas de quebra - da forma mais rigorosa possível.

Sara Pires, uma das alunas participantes na atividade, diz estar a gostar de fazer este trabalho de campo, e afirma a utilidade para o seu futuro profissional, uma vez que lhe permite ganhar autonomia face aos equipamentos.

 

Levantamento hidrográfico com sonda multifeixe

imagem de satélite e plano das fiadas
Imagem de satélite e plano das fiadas do levantamento hidrográfico
Fonte CA

O segundo dia de trabalho “meteu mais água” e houve até quem ficasse enjoado com a agitação marítima!  O objetivo passou por efetuar o levantamento hidrográfico da zona submersa, recorrendo à utilização de uma lancha hidrográfica da Administração do Porto de Lisboa (APL). Este levantamento foi feito durante a maré alta, de forma a que a lancha pudesse cobrir ao máximo a zona de praia e sobrepor-se aos perfis do levantamento topográficos antes recolhidos em terra.

dois alunos, o professor e a sua bicicleta
Na Marina de Oeiras, os alunos aguardaram a chegada da lancha hidrográfica da APL
Fonte GJ Ciências ULisboa

Nesse dia, Carlos Antunes chegou de bicicleta, utilizando-a para se deslocar rapidamente pelo paredão da praia, para melhor orientar os alunos na atividade.

Os trabalhos desenvolveram-se da seguinte forma: dois alunos foram na embarcação; quatro alunos ficaram na praia, juntamente com o professor, com a tarefa de registar pontos da trajetória do barco com interseção de visadas, recorrendo a dois teodolitos - foram divididos em dois grupos, dois de um lado e dois do lado oposto da praia, ficando o professor junto de um dos grupos.

Sara Pires e Miguel Lucas foram escolhidos para ir no barco a acompanhar os trabalhos, por sorteio entre os colegas da turma. Após uma breve caminhada chegaram à Marina de Oeiras.

À chegada, esperava-os o professor com a sua bicicleta, mas a lancha ainda não tinha chegado ao cais. A embarcação ainda se encontrava a fazer calibrações do sistema de sondagem multifeixe, um sistema de tecnologia avançada recentemente adquirido pela APL. A atividade foi duplamente importante e especial, pois constituiu uma nova experiência não só para os alunos, como também para os técnicos da APL, que o testaram pela primeira vez, esclarece o professor.

ilustração do sistema multifeixe
O sistema de levantamento hidrográfico com sonda multifeixe recorre a um sonar de múltiplos feixes acústicos para mapear o fundo do mar
Fonte British Antarctic Survey

O sistema de levantamento hidrográfico com sonda multifeixe recorre a um sonar de múltiplos feixes acústicos para mapear o fundo do mar, direcionados na forma de leque transversal à direção de deslocação da lancha. A profundidade da água é calculada através do tempo de percurso do sinal e da velocidade do som na água: o sistema emite uma onda sonora que reflete no fundo do mar e é captada pelo sensor na forma de um agregado de feixes múltiplos, permitindo assim calcular a profundidade da água simultaneamente num conjunto de pontos que formam um único perfil transversal.

Este é um sistema novo, tanto para a APL como para o grupo da Faculdade. O sistema anterior utilizava o feixe simples, um método que consiste na medição de um único feixe acústico vertical. O sistema agora adotado é mais rigoroso, uma vez que um único impulso permite adquirir vários feixes. Passar com o barco pelas fiadas permite fazer uma varredura do fundo marinho, tal como uma trincha a passar por uma parede. A localização das fiadas é previamente definida tendo em conta a abertura do feixe (leque), de forma a cobrir toda a zona e não deixando nenhuma zona por “varrer”. Esta técnica de varrimento cobre tudo o que existe no fundo marinho, sendo usualmente utilizada para análise de zonas de profundidade superior a cinco metros.

Sendo mais completo, o sistema comporta também mais exigências em relação ao sistema convencional de feixe simples. Por exemplo, contém mais sensores e duas antenas GPS (ao invés de uma); é necessário saber a velocidade de som da água ao longo das várias camadas, enquanto que na técnica de feixe simples basta saber a velocidade média; contém um sensor de movimento com acelerómetros para medir o movimento relativo da embarcação devido à agitação marítima; utiliza uma técnica de guiamento que corrige a direção do feixe em tempo real, tendo em conta a mudança de direção da embarcação.

Os levantamentos hidrográficos são importantes no Tejo, e em qualquer porto marítimo ou zona hidrográfica, nomeadamente para planificar e monitorizar as operações de dragagem das areias no fundo do rio, que ocorrem todos os anos, de forma a manter a cota de segurança do fundo e permitir a navegabilidade dos grandes navios.

Após o embarque, os dois estudantes e os três técnicos da APL percorreram as 24 fiadas inicialmente planificadas, fazendo o levantamento hidrográfico da praia.

Para Miguel Lucas, a sorte de ter sido escolhido para ir no barco foi “madrasta”. O jovem enjoou logo no início da viagem, tal era a agitação marítima nessa tarde. Apesar do contratempo, o aluno conta que a experiência foi “muito enriquecedora” pois permitirá ganhar bases para realizar trabalhos semelhantes no futuro, dentro da mesma área.

Em terra, sob comando de Carlos Antunes e recorrendo a intercomunicadores rádio, os alunos iniciaram os restantes trabalhos, acompanhando os movimentos da embarcação para determinar a sua posição rigorosa a cada 10 segundos. “Atenção… preparar… fora!” é a expressão mais usada por Carlos Antunes, sendo que a palavra “fora” é o sinal para que todos registem o ponto de localização da embarcação, naquele preciso momento. A hora em que é emitido o sinal é registada num computador portátil, cujo horário é aferido e corrigido via Internet. Todos os dados adquiridos pelos diferentes equipamentos devem estar perfeitamente sincronizados, de forma a que à posição exata da embarcação corresponda uma determinada profundidade, num mesmo instante.

“Atenção…preparar…fora!” é um sinal da Engenharia Geoespacial, herdado das técnicas mais antigas, quando medições semelhantes se faziam com recurso a uma bola de chumbo, que era mandada para fora do barco; ao mesmo tempo, a medição era feita em terra, com recurso a sextantes.

Dada a forte agitação marítima que se fazia sentir nessa tarde, não foi possível realizar a atividade na sua totalidade, uma vez que as fiadas finais eram muito próximas da praia e a lancha não conseguiria operar em condições de segurança.

Vasco Veiga e Carolina Cardoso, dois dos alunos que ficaram na praia, gostaram da experiência. Para Vasco Veiga, “é sempre bom ir ao terreno e experimentar os equipamentos é o mais cativante”. Ambos acreditam que esta experiência lhes deu autonomia, algo essencial para as vidas profissionais futuras. Os finalistas consideram o curso muito acessível, equilibrado e bem estruturado, sendo que um dos pontos positivos é a elevada taxa de emprego.

 

Monitorização da Praia de Santo Amaro ocorre desde 2012

modelos
Mapa do modelo topo-batimétrico com os pontos adquiridos (7930 pontos no total) e modelo 3D da topo-batimetria, com inclusão de pontos do sistema de feixe simples realizado em 2021, dada a impossibilidade de levantamento de todos os pontos da área submersa
Fonte CA

Os levantamentos feitos em terra e no mar constituiram peças fundamentais para construir a imagem final mais aproximada possível à realidade topográfica e morfológica da praia. A cobertura total da área a modelar só é possível com um bom planeamento das fiadas a realizar. Para obter um modelo 3D completo e sem falhas, são utilizados métodos topográficos de ligação à Rede Geodésica Nacional, uma infraestrutura que define o sistema de coordenadas e altitudes.

Este exercício de levantamento topo-hidrográfico da Praia de Santo Amaro é realizado nas aulas do professor Carlos Antunes anualmente desde 2012. Ao longo dos vários anos, a análise e comparação dos dados permite perceber que zonas da praia ganham e perdem mais areia, fruto do efeito energético das ondas. No futuro, os dados permitirão perceber a amplitude da perda de areal devido à subida do nível médio do mar.

aluno com teodolito
Os levantamentamentos topo-hidrográficos na Praia de Santo Amaro são feitos desde 2012
Fonte GJ Ciências ULisboa

Os dados têm demonstrado que, de forma geral, a dinâmica na praia de Santo Amaro é relativamente estável, não se registando alterações significativas na quantidade de areia disponível no sistema morfodinâmico da praia. Este evento deve-se ao facto de a praia se encontrar virada a sul e estar mais protegida (pelo Forte de São Julião da Barra) da influência da agitação marítima, predominantemente de noroeste. De forma natural, no inverno a praia perde alguma areia e no verão volta a ganhar, sendo que em anos de grandes tempestades este equilíbrio se altera ligeiramente.

O trabalho prático constitui a base para o projeto final da disciplina de Hidrografia, para o qual os alunos trabalham em grupo, no processamento dos dados e na elaboração de um relatório. No passado dia 22 de março a turma já tinha realizado um trabalho prático de preparação no campus da Faculdade, no jardim do edifício C8, onde aprenderam os procedimentos necessários para a realização de um levantamento topo-hidrográfico com os métodos clássicos de posicionamento da sondagem. A 19 de abril realizaram um outro exercício de treino na Estação Fluvial de Belém, este com o objetivo de determinar as posições dos barcos cacilheiros e outras embarcações que cruzassem o Tejo, a cada dez segundos.

Está disponível na página de Facebook da Faculdade a reportagem fotográfica desta atividade.

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Estepe na Patagónia Argentina

O pastoreio é uma das atividades que mais área conquistou em todo o mundo, incluindo as mais áridas que, muito embora ocupem mais de 40% do planeta, albergam mais de metade de todo o gado existente nas suas pastagens. Para avaliar o impacto do pastoreio nas regiões áridas (semiáridas e sub-húmidas secas) do planeta, uma equipa internacional com mais de uma centena de investigadores, destaque para Alice Nunes e Melanie Köbel, investigadoras do cE3c Ciências ULisboa, aplicou, pela primeira vez, o mesmo método de análise em 25 países de seis continentes.

rua interior à Alameda da Universidade, na Faculdade de Ciências

A 16 de novembro de 2022 foi instalado um sensor de tubo, na entrada da rua de acesso ao edifício C7 (rua interior à Alameda da Universidade), que permite detetar a passagem de bicicletas e trotinetes. Esta instalação insere-se na atividade do projeto europeu Tr @ nsnet – Um modelo de Living Lab Universitário para a Transição Ecológica

Campus da Faculdade

A cerimónia de entrega dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2022, acontece no próximo dia 28 de novembro, pelas 17h30, no Salão Nobre da Reitoria da ULisboa.

grupo de pessoas

Ciências ULisboa coordena projeto europeu Twinning em colaboração com a Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, e a Universidade de Tel Aviv, em Israel, e em parceria com a Universidade de Cambridge, no Reino Unido. O objetivo é promover a investigação de excelência e a formação avançada em Bioquímica e Biofísica de Proteínas, com impactos e aplicações em Biomedicina e Biotecnologia.

Ibéria Medeiros

Ibéria Medeiros, professora do Departamento de Informática da Ciências ULisboa, é a protagonista do terceiro vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, divulgado no YouTube da Faculdade a 3 de novembro.

estantes com livros e revistas na biblioteca do C4

"September 2022 data-update for 'Updated science-wide author databases of standardized citation indicators'” divulga as bases de dados com os nomes dos cientistas mais citados a nível mundial em 2021 e ao longo da carreira. Estas bases de dados publicadas recentemente pela Elsevier têm o contributo de John Ioannidis, professor da Universidade de Stanford, na Califórnia.

A Faculdade presta homenagem a Carlos Sousa Reis, antigo professor da Ciências ULisboa nos domínios da Ecologia Marinha, Recursos Vivos Marinhos, Pescas e Ordenamento do Litoral.

grande auditório no evento de 2021

“Este é um momento de celebração da qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa, a ocasião ideal para a partilha de conhecimento e para o estabelecimento de colaborações", diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Ciências ULisboa para a área da investigação, a propósito do Dia da Investigação.

José Rebordão, Luís Carriço e Manuel Silva assinam o protocolo

A Faculdade e a FCiências.ID assinaram um protocolo de cooperação com a Cercal Power, uma sociedade da Aquila Clean Energy, a plataforma de energia renovável da Aquila Capital na Europa, dedicada ao desenvolvimento, construção e exploração da central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém.

Imagem de um cérebro em fundo digital

"A linha de investigação em Filosofia da Inteligência Artificial e da Computação surgiu pela primeira vez em Portugal na Ciências ULisboa, nomeadamente, no Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL), com o intuito de contribuir para um debate que interessa à sociedade no seu todo", escrevem João L. Cordovil e Paulo Castro, investigadores do CFCUL Ciências ULisboa.

logotipo do projeto

O Gabinete de Apoio Psicológico (GAPsi) da Ciências ULisboa partilhou o primeiro episódio do podcast “Chá do Dia”, no passado dia 19 de setembro. O quinto episódio deste projeto inovador já está disponível na plataforma Spotify.

Estúdio da FCCN

João Telhada é um dos protagonistas do projeto "Porquês com Ciência", nomeadamente no vídeo “É seguro pagar online com cartão VISA?”, disponível no canal YouTube da Faculdade. Para o professor do DEIO Ciências ULisboa, “a cultura científica é um aspeto essencial no progresso e desenvolvimento de um país”.

grupo de pessoas

Tom Henfrey, Giuseppe Feola, Gil Penha-Lopes, Filka Sekulova e Ana Margarida Esteves publicam na Sustainable Development, no âmbito de relatório da rede ECOLISE, da qual Ciências ULisboa faz parte.

A Faculdade presta homenagem a Henrique Manuel da Costa Guimarães, antigo aluno e professor da ULisboa, especialista em investigação sobre o ensino da Matemática.

Estátua de Alfred Nobel com flores por detrás

Os seis Prémios Nobel 2022 são anunciados entre 3 e 10 de outubro. A poucos dias de conhecer as personalidades que serão distinguidas este ano, recordamos os laureados em 2021, com a ajuda de professores e cientistas da Faculdade. Entre na breve e conheça os laureados da Fisiologia/Medicina e Física.

 

rapariga com vento no cabelo a ouvir música

"Que poder é este da música? Ela tem mesmo uma ligação com as emoções? Apesar de existirem posições contraditórias, a literatura aponta que a música é capaz de induzir emoções", escreve Marta Esteves, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa.

Sara Magalhães no estúdio da FCCN

Sara Magalhães é professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa desde 2016 e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). “Os ácaros são assim tão feios, porcos e maus?” é o tema apresentado pela professora, que inaugura o projeto “Porquês com Ciência”.

mar

Nos dias 26 e 27 de setembro decorre na Ciências ULisboa o “Fórum Oceano: Atlântico, um bem comum, visões partilhadas franco-portuguesas”, uma iniciativa organizada pela Faculdade e pelo MARE, no âmbito da Temporada Portugal-França 2022.

“Saúde, Dança e Ciência na qualidade de vida sustentável”

No próximo dia 23 de setembro irá decorrer na Ciências ULisboa um workshop que pretende sensibilizar jovens e adultos para a importância do movimento na saúde e na qualidade de vida sustentável.

livros

Ana Simões, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigadora no CIUHCT, terminou o seu mandato como vice-presidente da European Society for the History of Science no dia 10 de setembro, concluindo seis anos de envolvimento na direção.

imagem abstrata representativa de termodinamica

"Quando ensinamos temos que ter a preocupação de que os alunos compreendem as matérias da melhor forma possível, e essa é a minha forma de ensinar, que procurei refletir neste livro”, diz Patrícia Faísca, professora do DF Ciências ULisboa e autora do novo livro sobre Termodinâmica, publicado na editora CRC Press.

logotipo da iniciativa

“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Direção de Comunicação e Imagem da Faculdade e arranca no início deste ano letivo. Cinco vídeos serão lançados no YouTube até ao final de 2022 e têm como personagens principais João Telhada, Ibéria Medeiros, Marta Panão, Maria Manuel Torres e Sara Magalhães. As temáticas em foco estão relacionadas com as Bolsas de Palestras.

grupo de investigadores

O projeto LIFE PREDATOR, aprovado no âmbito do Programa LIFE, vai arrancar no próximo mês de outubro. Da equipa de trabalho europeia fazem parte sete professores e investigadores de três unidades de investigação da Faculdade, que vão colaborar no estudo e combate da espécie invasora peixe-gato europeu.

Alunos e professores

Portugal conquistou quatro medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze na 15.ª edição das Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra (IESO 2022). Esta foi a melhor participação de sempre de Portugal nestas provas internacionais.

Jovens na praia

Crónica sobre o Roteiro Entremarés da autoria do professor Carlos Duarte. Esta é a segunda aplicação que resulta da colaboração entre o Departamento de Informática da Ciências ULisboa e o Instituto de Educação da ULisboa, depois da publicação em 2017 da aplicação Roteiro dos Descobrimentos.

Páginas