José Artur Martinho Simões e o admirável mundo das moléculas

José Artur Martinho Simões

"O meu principal contributo para a Ciência foi investigar a energética de moléculas usando tecnologias sofisticadas (exemplo: calorimetria fotoacústica)", diz José Artur Martinho Simões

ACI Ciências ULisboa
José Martinho Simões
Fonte ACI Ciências ULisboa

José Artur Martinho Simões é professor catedrático aposentado do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) da Ciências ULisboa. Os seus interesses científicos situam-se na área da energética molecular.

Em 1981 obteve o doutoramento no Instituto Superior Técnico. Nos dois anos seguintes realizou um pós-doutoramento no California Institute of Technology, nos EUA. Em 1988 e 1989 foi visiting research officer no National Research Council of Canada e, em 1996 e 1997, foi guest researcher no National Institute of Standards and Technology, nos EUA.

Foi secretário-geral e presidente da Sociedade Portuguesa de Química; diretor do ITQB e da Ciências ULisboa.

Em 2006 foi galardoado com o Prémio Ferreira da Silva da Sociedade Portuguesa de Química.

É autor ou coautor de mais de 100 publicações científicas e de vários livros.

Fonte: Manuel Minas da Piedade, DQB Ciências ULisboa

A ideia para esta entrevista surgiu na sequência da publicação do livro "A Anatomia das Moléculas", de José Artur Martinho Simões, pela Imprensa da ULisboa. É um livro curto que numa linguagem simples, precisa e atraente, acompanhada de muitas imagens, nos dá a conhecer o admirável mundo das moléculas, as suas propriedades, ligações e reações. Em suma, trata da linguagem das moléculas que, como o autor refere, é hoje central a inúmeros domínios do conhecimento, não se circunscrevendo ao domínio da química.

Ciências ULisboa - Quando vi este título, lembrei-me imediatamente do livro “Anatomy of Science”, publicado em 1926, pelo grande químico físico americano Gilbert Newton Lewis, a quem devemos, entre outras, a noção de ligação covalente e a designação de fotão para as partículas de luz. São ambos livros escritos por químicos cuja visão do mundo científico vai muito para além da Química. Concorda? O que nos pode dizer desta coincidência feliz?

José Artur Martinho Simões (JAMS) - Concordo! Não esquecer o livro “The World of Physical Chemistry”, de Keith J. Laidler. É uma excelente visão da Química Física. Por outro lado, o primeiro Nobel da Química foi atribuído ao químico físico van’t Hoff (1901), em reconhecimento dos serviços extraordinários que prestou pela descoberta das leis da dinâmica química e da pressão osmótica em soluções.

O título “Anatomia das Moléculas” foi sucintamente justificado na Introdução do livro. Se quisermos ir mais longe, podemos dizer que a palavra “anatomia” pode significar a estrutura das moléculas (ver Wikipédia para “anatomia”).

Infelizmente, eu desconhecia o título “Anatomy of Science” de Lewis, um dos gurus da Química. Mas, por outro lado, ainda bem que eu não conhecia o livro de Lewis. Posso agora afirmar que great minds think alike...

Ciências ULisboa - Gilbert Newton Lewis não foi único entre os químicos que olharam para além da química, quaisquer que fossem as perspetivas porque, e como, o fizeram. Recordo o químico italiano Primo Levi, sobrevivente do holocausto, e o seu livro “A Tabela Periódica” (1975), ou o bioquímico britânico C.P. Snow, autor de “As duas culturas” (1959). Como vê, atualmente a relevância de migrações disciplinares na construção da ciência?

JAMS - Creio que o casamento entre duas culturas raramente existe. Por exemplo, pode ocorrer entre uma ciência exata (a Química) e as humanidades e as artes (a Pintura). Neste caso, o casamento forte é possível e floresce. Mas se a Pintura tentar casar com a Estatística, temos divórcio pela certa.

Ciências ULisboa - A secção do seu CV designada por “Artigos vários”, inclui títulos tão eloquentes ou apelativos como sejam “Como se faz Química. Uma reflexão sobre a Química e a actividade do Químico” (1990), “Átomos, electrões e mudança” (1993), “Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Departamento de Química e Bioquímica” (1995), “Procura-se: Licenciatura nova” (1995), “De regresso aos gregos? A crise das ciências tradicionais” (2005), “A criação do espaço científico europeu: “top-down” ou “bottom up”? (2006), “A idade dos químicos” (2006), “Size matters” (2011), os dois últimos escritos em parceria. O que nos dizem sobre os seus interesses científicos no contexto de uma visão do mundo mais ampla?

JAMS - Reuni várias dezenas de artigos e entrevistas ao longo do tempo, nomeadamente sobre os meus interesses pedagógicos e de gestão universitária. Gostava de dar aulas a grandes números de alunos, estimulando perguntas.

capa do livro
Fonte ACi Ciências

A “Anatomia das Moléculas” é um pequeno grande livro, que aborda em cerca de uma centena e meia de páginas a essência da Química: os conceitos que ditam a construção de moléculas a partir de átomos; a forma como a constituição atómica e a morfologia das moléculas (a anatomia!) influencia as suas propriedades e estabilidade, bem como o modo como interatuam para originarem sólidos, líquidos ou gases e, em última análise, se transformam noutras moléculas, por meio de reações químicas. É escrito num estilo direto, fazendo-nos sentir ao longo dos 86 parágrafos (não tem capítulos!) que estamos a assistir a aulas interessantes, que nos prendem a atenção. E, apesar de a linguagem ser rigorosa (como o autor menciona tem equações!), é suficientemente clara para ser entendível por não especialistas. Essa clareza é, aliás, possível, porque se trata de alguém com imenso sentido pedagógico, que dedicou boa parte da sua carreira científica a estudar as relações entre a estrutura, a estabilidade e a reatividade molecular. A leitura da “Anatomia das Moléculas” agradará, certamente, tanto a um público com formação em Química como, simplesmente, a curiosos pelas coisas da Ciência.

Fonte: Manuel Minas da Piedade, DQB Ciências ULisboa

Ciências ULisboa - Voltando ao livro “A Anatomia das Moléculas”, quando vi a capa, uma reprodução lindíssima da difusão de tinta em água, da autoria de Eurico Correia de Melo, e quando vi a figura 8 do livro (p.20), que representa o sapato escorrega do designer israelita Kobi Levi, escolhida para ilustrar as diferenças entre Física Quântica e Física clássica, no que respeita à variação da energia de um objeto, reforcei a minha convicção do que é um químico para quem as relações entre ciência e arte são incontornáveis. O que nos pode dizer sobre elas?

JAMS - As fotografias do Eurico, meu grande amigo do Técnico e do Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB), foram excelentes para compreender vários conceitos relevantes, especialmente a entropia. Um dia longo para ambos!

Foi por acaso que deparei com o sapato de Kobi Levi. Na internet, claro. Antes de tudo, interessa-me imenso a pintura.  O meu pai científico tem nome: Jorge Calado.

Ciências ULisboa - É na ótica de alguém que vê a ciência de uma forma abrangente, que entretece relações com muitos outros domínios do saber, que insiro aspetos da sua atuação enquanto director da Faculdade, que vão da revitalização da sua imagem, incluindo o seu logotipo, de que gosto muito e que não deixou ninguém indiferente, à criação de um espaço expositivo nas suas instalações – a Galeria Ciências – ou ainda à criação do Departamento de História e Filosofia das Ciências. Concorda com esta avaliação? O que pode acrescentar?

JAMS - Claro que concordo vivamente com a nova imagem da Ciências ULisboa, com iniciativas várias. Por outro lado, criou-se um Departamento de História e Filosofia das Ciências. É uma área relevante para docentes e para estudantes.

Ciências ULisboa - Em 2006, ganhou o Prémio Ferreira da Silva. O que pode partilhar com o leitor sobre este reconhecimento?

JAMS - O Prémio Ferreira da Silva foi instituído pela Sociedade Portuguesa de Química em 1981, sendo atribuído bienalmente. Este prémio é concedido a um químico português que, pela obra científica produzida em Portugal, tenha contribuído significativamente para o avanço da Química, em qualquer das suas áreas (vd. https://www.spq.pt/premios/ferreira-silva). A lista dos 17 premiados pode ver-se no site do SPQ (https://www.spq.pt/premios/ferreira-silva/lista). Destes, sete são da ULisboa, três da Universidade Nova de Lisboa, três da Universidade do Porto, dois da Universidade de Aveiro, dois da Universidade de Coimbra.

Ciências ULisboa - De toda a sua atividade enquanto cientista, nas suas várias vertentes, o que considera ter ficado aquém do que pretendia?

JAMS - Tudo fica sempre aquém, em particular o que envolve a investigação.

Geralmente, tudo o que fazia – investigação, docência, gestão universitária – consumia muitas horas diárias. Chegava à Faculdade antes das 9 horas e trabalhava até às 20 horas. Gostava imenso de ter muitos alunos e curiosos.

Por outro lado, a organização da atividade universitária tem uma grande importância para garantir um ambiente tranquilo.

Ganhei muitos amigos e muitos saberes em lugares de várias organizações. Fui diretor do ITQB e diretor da Ciências ULisboa. No estrangeiro, num total de três anos, trabalhei no National Institute of Standards and Technology (USA), National Research Council of Canada, e no fantástico California Institute of Technology (Caltech, USA).

Ciências ULisboa - De toda a sua atividade enquanto cientista, nas suas várias vertentes, o que avalia como o seu contributo mais importante?

JAMS - O meu principal contributo para a Ciência foi investigar a energética de moléculas usando tecnologias sofisticadas (exemplo: calorimetria fotoacústica). Os resultados dessas experiências permitem avaliar a energia suficiente para quebrar uma ligação química. Por outro lado, é muito importante comparar os valores experimentais com os que podem ser obtidos usando a Química Quântica.

Ana Simões, Departamento de História e Filosofia das Ciências Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
rapariga no laboratorio

Já são conhecidos os resultados do Concurso de Projetos de I&D em Todos os Domínios Científicos de 2022, da FCT. Do total de projetos aprovados para financiamento, 33 contam com a participação da Ciências ULisboa, através da FCiências.ID, dos quais 25 enquanto instituição proponente.

grupo de alunos do programa

"Na Ciências ULisboa temo-nos esforçado ao longo dos anos para desenvolver um programa que trará uma semana inesquecível a estes jovens", escreve Ana Sofia Santos, monitora central do Verão na ULisboa, no artigo de opinião sobre o programa.

rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

mar

Novo artigo científico publicado na Frontiers in Marine Science alerta para a necessidade de uma visão global para o oceano no acordo internacional atualmente em elaboração no quadro das Nações Unidas. Artigo conta com a participação de dois professores e investigadores da Ciências ULisboa.

imagem ilustrativa do prémio

O Prémio DHFC 2021 foi atribuído a Daniele Molinini, investigador do CFCUL, membro do grupo de investigação Filosofia das Ciências Formais, Metodologia e Epistemologia.

Hugo Duminil-Copin

"Hugo Duminil-Copin é um físico-matemático que trabalha em teoria das probabilidades. Um daqueles que, durante os vinte últimos anos, regressou à fonte histórica de inspiração das matemáticas, a física teórica", escreve Jean-Claude Zambrini, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

posters afixados

“Jovens investigadores” é o projeto da EBS Alfredo da Silva, no Barreiro, que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

Pessoa a trabalhar na FCULresta

Já existem mais três miniflorestas plantadas na AML e muitas outras estão a germinar. “A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas”, escrevem David Avelar, António Alexandre e Diogo Mendes.

June Huh

"O que motiva June Huh é a busca da beleza na Matemática, e a descoberta de ligações entre diferentes áreas desta disciplina", escreve Carlos A. A. Florentino, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

Alina Shchepetkina com outra investigadora

A expedição South Atlantic Transect II (IODP 393) zarpou a 11 de junho de 2022 da Cidade do Cabo, na África do Sul, e tem uma duração de 61 dias. A equipa a bordo tem cientistas de várias partes do globo na expectativa de obter respostas para algumas questões apaixonantes e relacionadas com alterações nos ambientes da Terra durante os últimos 61 milhões de anos. Uma dessas cientistas é Alina Shchepetkina, investigadora do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa.

Membros da direção da Faculdade, Conselho de Escola e Reitor da ULisboa

Luís Carriço, professor do Departamento de Informática e investigador do LASIGE, tomou posse como diretor da Ciências ULisboa, esta quarta-feira, dia 20 de julho, numa cerimónia que juntou vários membros da Faculdade e Universidade, na sala de atos, sita no edifício C6. A boa disposição imperou no ato solene, durante o qual os professores Margarida Santos-Reis, Hugo Miranda, Jorge Relvas, Maria João Gouveia e Pedro Almeida foram indigitados subdiretores da Faculdade.

ímanes moleculares

Nuno A. G. Bandeira, investigador do DQB e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre um estudo, que constitui um marco na evolução do conhecimento e na busca de melhores materiais para aplicação na spintrónica e computação à escala quântica.

Foto do instrumento NIRPS

O espectrógrafo NIRPS, a sigla inglesa para Near-Infrared high resolution spectrograph, ou espectrógrafo no infravermelho próximo de alta resolução, cujo desenvolvimento e construção contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), observa na banda do infravermelho, no Telescópio ESO de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, complementando assim espectrógrafos como o HARPS e o ESPRESSO. 

fundo marinho

Novo artigo publicado na Nature Ecology and Evolution, por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses com ligação à Ciências ULisboa, resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho.

Anfiteatro no C8 e paryicipantes do evento

"A Conferência Internacional Hi-Phi teve um sucesso muito para além do expectável e mostrou a vitalidade do diálogo entre a História e a Filosofia das Ciências", escrevem Ana Duarte Rodrigues e João L. Cordovil, coordenadores científicos respetivamente do CIUHCT e do CFCUL, na crónica sobre o importante acontecimento.

3 alunos no labotarório

Dois anos depois de um interregno, “Ser Cientista” está de volta de 25 a 29 de julho e propõe a jovens alunos que experimentem a “vida” de um investigador.

saída de campo da Geologia

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS.

Pedreira

O mestrado em Geologia tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI. Artigo de opinião do Departamento de Geologia a propósito deste novo plano de estudos.

Mesa com vários oradores no grande auditório da Faculdade

A sessão de abertura do 30th International Carbohydrate Symposium foi antecipada e presencial, tendo sido gravada em Ciências ULisboa, para ser apresentada internacionalmente a 10 de julho, primeiro dia do simpósio. A cientista Amélia Pilar Rauter, nesta crónica, descreve o que aconteceu nessa sessão, o antes e depois… O simpósio termina a 15 de julho e segundo a presidente da International Carbohydrate Organisation  serão apresentadas as invenções e descobertas mais recentes, muitas delas relevantes para a sociedade.

dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Páginas