Física

Entrevista com…Tomás Aquino

Cara do aluno entrevistado
Cedida por TA

Foi com o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” que Tomás Aquino, de 23 anos, assistente do Departamento de Física da FCUL, venceu o Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).
O aluno "brilhante", com média final de 19 valores, tanto na licenciatura, como no mestrado, destaca a importância dos colegas e professores para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.
No futuro pretende continuar ligado à investigação e, se possível, ensinar, um gosto adquirido com a oportunidade de ser assistente na cadeira de Métodos Numéricos.

FCUL -  Como caracteriza o seu percurso académico e científico?

Tomás Aquino (TA) - Fui para o curso de Física fascinado pela magia da profissão que imaginava desde miúdo ao ver filmes relacionados com a área. Quando crescemos percebemos o que realmente nos interessa e, por isso, segui a área dos Sistemas Complexos e não a das Cosmologias que fazem parte do imaginário das pessoas quando se fala em Física. Fiz tanto a licenciatura como o mestrado em Física na FCUL.

FCUL - Como surgiu a ideia de desenvolver o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” e, posteriormente, a decisão de se candidatar ao Programa de Estímulo à Investigação da FCG?

TA - Quando terminei a tese de mestrado, relacionada com células estaminais, surgiu a oportunidade de desenvolver este projeto da Gripe, com colegas que já tinha trabalhado anteriormente no Centro de Física da Matéria Condensada da UL. A professora Ana Nunes lembrou-se então que seria uma ótima oportunidade participar no Progama da FCG. Incentivou-me a concorrer e assim foi.

FCUL - De que forma encarou a distinção feita ao seu trabalho pela FCG?

TA - Foi uma situação engraçada… Não estava em Portugal, estava a visitar família em Dublin. Telefonaram-me e, por acaso, atendi a chamada dos responsáveis da FCG informando-me que tinha sido distinguido pelo meu projeto. Não estava mesmo à espera porque o concurso abriu este ano para toda a área da Física e, portanto, pensei, a concorrência é tanta que não vamos conseguir. Por isso, fiquei muito surpreendido e contente, tal como a minha família que estava comigo quando recebi a notícia.

FCUL - Gostaria de pedir que apresentasse abreviadamente o projeto pelo qual foi distinguido e que irá desenvolver.

TA - A Gripe é um vírus cuja estrutura genética se altera muito e, desta forma, é bastante difícil de ser combatido pelo sistema imunitário. Pretendemos compreender como é que este processo funciona, como é que o vírus da Gripe evolui geneticamente e como evolui a sua propagação. O objetivo é, portanto, descrever e compreender o processo para depois prever o que se passa.

FCUL - Que contributo considera que o seu projeto irá prestar à área científica em que se insere?

TA - Acredito que vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação.

FCUL - O que ambiciona fazer futuramente? Que etapas profissionais pretende alcançar?

TA - Pretendo continuar a fazer investigação e, por ter tido a experiência de dar aulas este ano e o ano passado, gostaria muito de poder ensinar também. É ótimo poder dar aulas porque lidamos com imensa gente diferente e ensina-nos a comunicar com o público, é muito importante e dá-me imenso gozo.

FCUL - E quer ficar em Portugal ou ir para o estrangeiro?

TA - Em agosto vou seguir para doutoramento nos EUA, mais precisamente na Universidade de Notre Dame no Indiana. Em princípio vou trabalhar num projeto relacionado com a malária. Neste momento, digo que quero voltar, mas não sei o que poderá acontecer já que vou lá estar quatro ou cinco anos e muita coisa pode acontecer, muitas oportunidades podem surgir. Mas gosto imenso de Portugal! Ao contrário do que as pessoas dizem, fazemos bom trabalho, temos sol e comidas maravilhosas e ainda nos dão liberdade para fazer o que queremos. Vive-se bem e existe um bom ambiente para trabalhar, se pudesse continuava em Portugal.

FCUL - Tendo em conta o seu percurso académico, pergunto-lhe de que forma a FCUL contribuiu para o seu desenvolvimento profissional e pessoal?

TA - A FCUL contribuiu para o meu desenvolvimento de várias formas, isto porque fiz aqui tanto a licenciatura como o mestrado. Tive colegas fantásticos. Lembro-me do meu colega Jesus, que agora está a fazer doutoramento em Edimburgo na área da Astrofísica, que era uma pessoa com uma intuição fantástica e me ensinou imenso. Foram anos espetaculares, ao lado de pessoas extraordinárias.

Do lado dos professores também tive contacto com pessoas fantásticas como o professor Augusto Barroso, por exemplo, que considero ser uma daquelas pessoas que nasceu a ensinar. A professora Cecília Ferreira, do Departamento de Matemática, também me marcou bastante assim como a professora Ana Nunes, que me tem dado apoio em todos os meus projetos e proporcionado imensas possibilidades para evoluir profissionalmente.

Todos estes marcos na minha passagem pela FCUL contribuíram para o meu desenvolvimento profissional e pessoal.

FCUL - Foi convidado a ser assistente aqui na Faculdade, como é que se sente neste papel?

TA - Esta experiência deu-me imenso gozo. Ao início é muito cansativo porque não estamos habituados ao ritmo, estamos sempre em movimento e a falar. Estar em palco exige que tenhamos muita energia e boa disposição para transmitir a mensagem aos alunos. Esta oportunidade ensinou-me a comunicar uma mensagem de forma clara e direta e, ao mesmo tempo, aprendi com os alunos. O mais importante é o facto de contactarmos com muita gente diferente que tem algo a dizer. Este ano tive 60 alunos e tive que me adaptar a todos eles, faz-nos crescer imenso!

FCUL - Que conselhos deixa aos colegas que tenham um percurso académico idêntico ao seu e pretendam seguir a área da investigação e candidatar-se, por exemplo, a iniciativas como a do Programa de Estímulo à Investigação?

TA - Para alcançar o sucesso é preciso trabalhar, trabalhar muito! Aqui não há segredo. Foi o que sempre fiz desde que cheguei à FCUL. No entanto, gosto de dizer às pessoas que não podem dedicar todo o tempo ao trabalho, é necessário viajar, sair e conhecer pessoas. Eu, por exemplo, fui viajar seis meses quando terminei o mestrado e foi bastante importante para recuperar energias e regressar em força ao trabalho.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Pages