Física

Entrevista com…Tomás Aquino

Cara do aluno entrevistado
Cedida por TA

Foi com o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” que Tomás Aquino, de 23 anos, assistente do Departamento de Física da FCUL, venceu o Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).
O aluno "brilhante", com média final de 19 valores, tanto na licenciatura, como no mestrado, destaca a importância dos colegas e professores para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.
No futuro pretende continuar ligado à investigação e, se possível, ensinar, um gosto adquirido com a oportunidade de ser assistente na cadeira de Métodos Numéricos.

FCUL -  Como caracteriza o seu percurso académico e científico?

Tomás Aquino (TA) - Fui para o curso de Física fascinado pela magia da profissão que imaginava desde miúdo ao ver filmes relacionados com a área. Quando crescemos percebemos o que realmente nos interessa e, por isso, segui a área dos Sistemas Complexos e não a das Cosmologias que fazem parte do imaginário das pessoas quando se fala em Física. Fiz tanto a licenciatura como o mestrado em Física na FCUL.

FCUL - Como surgiu a ideia de desenvolver o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” e, posteriormente, a decisão de se candidatar ao Programa de Estímulo à Investigação da FCG?

TA - Quando terminei a tese de mestrado, relacionada com células estaminais, surgiu a oportunidade de desenvolver este projeto da Gripe, com colegas que já tinha trabalhado anteriormente no Centro de Física da Matéria Condensada da UL. A professora Ana Nunes lembrou-se então que seria uma ótima oportunidade participar no Progama da FCG. Incentivou-me a concorrer e assim foi.

FCUL - De que forma encarou a distinção feita ao seu trabalho pela FCG?

TA - Foi uma situação engraçada… Não estava em Portugal, estava a visitar família em Dublin. Telefonaram-me e, por acaso, atendi a chamada dos responsáveis da FCG informando-me que tinha sido distinguido pelo meu projeto. Não estava mesmo à espera porque o concurso abriu este ano para toda a área da Física e, portanto, pensei, a concorrência é tanta que não vamos conseguir. Por isso, fiquei muito surpreendido e contente, tal como a minha família que estava comigo quando recebi a notícia.

FCUL - Gostaria de pedir que apresentasse abreviadamente o projeto pelo qual foi distinguido e que irá desenvolver.

TA - A Gripe é um vírus cuja estrutura genética se altera muito e, desta forma, é bastante difícil de ser combatido pelo sistema imunitário. Pretendemos compreender como é que este processo funciona, como é que o vírus da Gripe evolui geneticamente e como evolui a sua propagação. O objetivo é, portanto, descrever e compreender o processo para depois prever o que se passa.

FCUL - Que contributo considera que o seu projeto irá prestar à área científica em que se insere?

TA - Acredito que vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação.

FCUL - O que ambiciona fazer futuramente? Que etapas profissionais pretende alcançar?

TA - Pretendo continuar a fazer investigação e, por ter tido a experiência de dar aulas este ano e o ano passado, gostaria muito de poder ensinar também. É ótimo poder dar aulas porque lidamos com imensa gente diferente e ensina-nos a comunicar com o público, é muito importante e dá-me imenso gozo.

FCUL - E quer ficar em Portugal ou ir para o estrangeiro?

TA - Em agosto vou seguir para doutoramento nos EUA, mais precisamente na Universidade de Notre Dame no Indiana. Em princípio vou trabalhar num projeto relacionado com a malária. Neste momento, digo que quero voltar, mas não sei o que poderá acontecer já que vou lá estar quatro ou cinco anos e muita coisa pode acontecer, muitas oportunidades podem surgir. Mas gosto imenso de Portugal! Ao contrário do que as pessoas dizem, fazemos bom trabalho, temos sol e comidas maravilhosas e ainda nos dão liberdade para fazer o que queremos. Vive-se bem e existe um bom ambiente para trabalhar, se pudesse continuava em Portugal.

FCUL - Tendo em conta o seu percurso académico, pergunto-lhe de que forma a FCUL contribuiu para o seu desenvolvimento profissional e pessoal?

TA - A FCUL contribuiu para o meu desenvolvimento de várias formas, isto porque fiz aqui tanto a licenciatura como o mestrado. Tive colegas fantásticos. Lembro-me do meu colega Jesus, que agora está a fazer doutoramento em Edimburgo na área da Astrofísica, que era uma pessoa com uma intuição fantástica e me ensinou imenso. Foram anos espetaculares, ao lado de pessoas extraordinárias.

Do lado dos professores também tive contacto com pessoas fantásticas como o professor Augusto Barroso, por exemplo, que considero ser uma daquelas pessoas que nasceu a ensinar. A professora Cecília Ferreira, do Departamento de Matemática, também me marcou bastante assim como a professora Ana Nunes, que me tem dado apoio em todos os meus projetos e proporcionado imensas possibilidades para evoluir profissionalmente.

Todos estes marcos na minha passagem pela FCUL contribuíram para o meu desenvolvimento profissional e pessoal.

FCUL - Foi convidado a ser assistente aqui na Faculdade, como é que se sente neste papel?

TA - Esta experiência deu-me imenso gozo. Ao início é muito cansativo porque não estamos habituados ao ritmo, estamos sempre em movimento e a falar. Estar em palco exige que tenhamos muita energia e boa disposição para transmitir a mensagem aos alunos. Esta oportunidade ensinou-me a comunicar uma mensagem de forma clara e direta e, ao mesmo tempo, aprendi com os alunos. O mais importante é o facto de contactarmos com muita gente diferente que tem algo a dizer. Este ano tive 60 alunos e tive que me adaptar a todos eles, faz-nos crescer imenso!

FCUL - Que conselhos deixa aos colegas que tenham um percurso académico idêntico ao seu e pretendam seguir a área da investigação e candidatar-se, por exemplo, a iniciativas como a do Programa de Estímulo à Investigação?

TA - Para alcançar o sucesso é preciso trabalhar, trabalhar muito! Aqui não há segredo. Foi o que sempre fiz desde que cheguei à FCUL. No entanto, gosto de dizer às pessoas que não podem dedicar todo o tempo ao trabalho, é necessário viajar, sair e conhecer pessoas. Eu, por exemplo, fui viajar seis meses quando terminei o mestrado e foi bastante importante para recuperar energias e regressar em força ao trabalho.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Vista aérea de florestas de mangal no arquipélago dos Bijagós

O estudo da autoria de Mohamed Henriques, José Pedro Granadeiro, Theunis Piersma, Seco Leão, Samuel Pontes e Teresa Catry realizado no ecossistema influenciado por mangal, uma importante área de invernada para aves costeiras migratórias na Via Migratória do Atlântico Este, classificada com Reserva da Biofera pela UNESCO, será publicado em julho deste ano no Marine Environmental Research, volume 169.

Cartas com Ciência

O conhecimento e a empatia não têm fronteiras, prova disso é o projeto Cartas com Ciência, que parte das palavras dos cientistas para criar laços e encurtar distâncias no que à educação diz respeito.

Satélite

"Com a Engenharia Geográfica/Geoespacial sabemos de onde vimos, para onde vamos, qual o melhor caminho e ainda o que vamos encontrar", escreve Paula Redweik, professora do DEGGE por acasião do centenário do curso.

Exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now”

Catarina Pombo Nabais coordena o SAP Lab - Laboratório Ciência-Arte-Filosofia do Centro de Filosofia das Ciências da ULisboa e em entrevista dá conta da importância da relação interdisciplinar entre ciência e arte e dos projetos futuros.

Pepino do mar

Os pepinos do mar - espécies de equinodermes ainda muito desconhecidas - cumprem uma importante função ecológica: reciclam a matéria orgânica dos sedimentos e redistribuem nutrientes. O grupo de Pedro Félix, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e da Ciências ULisboa, é o único atualmente a trabalhar na ecologia e aquacultura de pepinos do mar em Portugal.

Anfiteatro com várias cadeiras e uma pessoa sentada a ler

O Grupo de Fala e Linguagem Natural dedica-se à Inteligência Artificial com enfoque especial no Processamento de Linguagem Natural e é o coordenador da PORTULAN CLARIN Infraestrutura de Investigação para a Ciência e Tecnologia da Linguagem.

cientista ao microscópio

Maria Helena Garcia, professora do DQB Ciências ULisboa e Andreia Valente, investigadora do DQB Ciências ULisboa, lideram A Something in Hands – Investigação Científica, Lda, uma spin-off desta Faculdade, que recebeu 100 mil euros da Portugal Ventures e que visa desenvolver novos medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos.

Centro de Testes Ciências ULisboa

O Centro de Testes Ciências ULisboa recebeu o primeiro lote de 110 zaragatoas a 1 de maio de 2020, provenientes de um conjunto de cinco lares de terceira idade do concelho de Mafra, no que viriam a ser os primeiros de várias dezenas de milhar de testes de diagnóstico molecular da COVID-19.

Logotipo Radar

Décima quinta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque volta a ser a Nevaro.

Há um conjunto de normas e princípios legais que regulam as relações dos indivíduos em sociedade. O direito de autor é um deles. Todo o conteúdo produzido e publicado em órgãos de comunicação social é considerado conteúdo editorial. Estas obras coletivas estão protegidas pelos direitos de autor.

Iris Silva

Iris Silva, investigadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) na Ciências ULisboa, venceu pela segunda vez o Best Young Investigator Award da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS), segundo comunicado de imprensa emitido esta sexta-feira pela Faculdade. O galardão será atribuído durante o 44th European Cystic Fibrosis Conference, que se realiza online entre 9 e 12 de junho de 2021.

Margarida Ribeiro e Hugo Anjos, alunos de Ciências ULisboa do mestrado em Bioestatística

Em reunião do Infarmed, os alunos Margarida Ribeiro e Hugo Anjos, do mestrado em Bioestatística, receberam palavras de agradecimento da DGS pelo trabalho desenvolvido em contexto COVID-19.

Pessoas a trabalhar numa mesa

O projeto SKIES (SKilled, Innovative and Entrepreneurial Scientists), iniciado em março passado e com a duração de 18 meses, pretende fornecer a estudantes de doutoramento e jovens investigadores doutorados na área da Astronomia um conjunto de competências ao nível da ciência aberta, inovação e empreendedorismo.

Tachydromia stenoptera

Ana Rita Gonçalves concluiu o mestrado em Biologia da Conservação na Ciências ULisboa e no âmbito da sua tese estudou a morfologia de todas as moscas-formiga conhecidas da Península Ibérica e de Itália - dez espécies no total. Quatro delas são novas para a Ciência e uma apenas existe em Portugal.

Imagem gráfica das comemorações do aniversário da Faculdade

Esta segunda-feira, dia 19 de abril, a Faculdade celebra 110 anos. Para acompanhar a cerimónia comemorativa que será realizada uma vez mais online no próximo dia 21 de abril, a partir das 14h00, deverá ligar-se ao canal YouTube.

Exposição Variações Naturais – uma viagem pelas paisagens de Portugal

Após 18 meses de desenvolvimento de projeto e montagem, Variações Naturais – uma viagem pelas paisagens de Portugal abriu portas ao público em novembro passado e vai estar em exibição até 25 de novembro de 2022.

Ícaro Dias da Silva recebeu uma menção honrosa na última edição (2019) dos Prémios Científicos ULisboa / Caixa Geral de Depósitos. O investigador do IDL Ciências ULisboa estuda a geodinâmica das margens continentais relacionadas com a abertura e fecho de oceanos no Paleozoico.

Barcos de pesca em Almograve, Portugal

No âmbito do projeto MarCODE já foram recolhidas mais de 1000 amostras de pescado e marisco - robalo, dourada, raia-lenga, pescada, carapau, polvo, cavala, ouriço e percebes. A amostragem decorreu nas lotas nacionais da DOCAPESCA. As amostras encontram-se a ser processadas analiticamente nos laboratórios do MARE e do BioISI, nos polos da Faculdade.

Imagem de mãos dadas

Até ao próximo mês de julho, cerca de 70 famílias de cuidadores informais no território continental português participam no programa “Famílias Seguras – Cuidar de quem Cuida” lançado pela Ciências ULisboa, através do seu Centro de Testes, em parceria com a Associação Nacional de Cuidados Informais.

Logotipo Radar

Décima quarta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Sala com microfone

O jornalismo científico tem a responsabilidade de tornar a mensagem científica compreensível para o público leigo. Jornalistas e cientistas têm o dever cívico de contribuir para a qualidade da informação.

Trajeto de transferência eletrónica num óxido metálico misto de molibdénio e tungsténio

Os fenómenos de transferência de eletrões são omnipresentes em toda a natureza e em Biologia Molecular representam ainda a “transdução de energia”, isto é o transporte de eletrões através de uma enzima ou proteína. Os resultados desta investigação podem ajudar a melhorar a compreensão de como os eletrões se movem nas junções moleculares em dispositivos eletrónicos, ou na transferência de eletrões em biomoléculas com mediação de espécies metálicas.

Pormenor da conceção artística do interior do futuro telescópio espacial de raios X Athena, da ESA

A componente ótica portuguesa, liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que irá integrar o futuro telescópio espacial europeu nos raios X, passou na revisão de requisitos e entra agora na fase de projeto. O IA lidera o conceito e desenho de um sistema de metrologia, ou OBM (do inglês “Onboard Metrology System”), que permitirá orientar com exatidão o espelho do Athena, um telescópio espacial nos raios X, para o sensor de cada um dos dois instrumentos científicos desta missão.

Alunos e professor no campus da Faculdade

A equipa CGD/MATHFCUL ficou classificada em 5.º lugar na final nacional do Global Management Challenge 2020. Exigência foi a palavra escolhida pela equipa para classificar esta experiência. "Fico muito satisfeito e grato pela dedicação e crescimento destes meus alunos", diz João Telhada, professor do DEIO Ciências ULisboa e mentor da equipa.

Mulher esconde rosto com relógio

"O efeito da mudança de hora no consumo de energia é cada vez menos relevante nas nossas sociedades desenvolvidas e, por isso, a avaliação da sua premência deve valorizar sobretudo outros efeitos, como o impacto na saúde, na economia ou no bem-estar dos cidadãos", escreve Miguel Centeno Brito, professor do DEGGE Ciências ULisboa e investigador do IDL.

Pages