Opinião

E quando a terra tremer, sabes o que fazer?

Hoje celebra-se o Dia Internacional para a Redução de Catástrofes. Em Portugal, às 10h13m, individualmente ou em grupo, e onde quer que estejam, vários cidadãos vão fazer um simulacro de sismo.

Este simulacro, no qual todos podem participar, é inspirado no exercício ShakeOut. Este ano, cerca de 25 milhões de pessoas espalhadas por todo o mundo vão participar no ShakeOut executando em conjunto as três ações de autoproteção durante um sismo: baixar, proteger, aguardar.

pub institucional
Três ações de autoproteção durante um sismo

E em Portugal, temos de nos preocupar com os tremores de terra? A resposta dos Portugueses a esta pergunta tende a ser polarizada: quem já vivenciou um sismo forte (por exemplo, o sismo de Fevereiro de 1969 — um sismo grande, de magnitude 7.9, com epicentro ao largo do cabo de S. Vicente) tem uma perceção elevada do risco sísmico. Estas pessoas sabem que Portugal é por vezes abalado por sismos fortes. As pessoas que nunca sentiram um sismo forte (muitas nunca sentiram um sismo de todo) tendem a pensar que os tremores de terra são eventos que acontecem noutros lugares, a outras pessoas.

Na verdade, Portugal é um país com uma longa história de sismos destrutivos. Portugal continental situa-se ao lado da fronteira entre duas placas litosféricas (também chamadas placas tectónicas): Euroasiática e Africana. A colisão entre estas duas placas deforma a camada mais superficial da Terra, a litosfera, que acaba por quebrar, gerando sismos. O movimento entre as duas placas é lento, por isso a deformação litosférica em Portugal é lenta, e todo o ciclo sísmico de acumulação e libertação de tensão também é lento. Consequentemente, os intervalos entre sismos são em geral longos. O que por um lado é bom: não temos sismos frequentes que causem danos. Mas por outro lado é mau: como não temos sismos que causem danos frequentemente, perdemos a memória coletiva do risco sísmico, e a população eventualmente reverte para um sentimento de falsa segurança. Os sismos fortes em Portugal são eventos extremos: ocorrem raramente, mas têm o potencial de causar uma enorme destruição.

Tira cinco minutos durante o dia de hoje para rever os sete passos para estares mais preparado e bem protegido durante um sismo. E às 10h13, dia 13/10, não te esqueça de baixar, proteger, aguardar. Um dia que sintas um tremor de terra, o teu corpo vai lembrar-se mais fácil e rapidamente do que deve fazer.
 

Mapa
Mapa de Portugal continental. Portugal continental está localizado a norte do limite entre as placas da Núbia (África) e Ibéria (Eurásia). Nesta região, a fronteira entre placas acomoda uma convergência oblíqua orientada noroeste-sudeste, que ocorre a uma taxa lenta da ordem de 4 mm/ano. A figura mostra a topografia no fundo oceânico adjacente, falhas potencialmente ativas (linhas verdes) identificadas na base de dados europeia de falhas sismogénicas (EDSF), a falha da Glória (linha azul) que localiza o limite entre as placas de acordo com o modelo NNR-MARVEL56 [Argus et al., 2011], sismos históricos com magnitude superior a 5,5 (círculos coloridos) identificados na base de dados do SHARE European Earthquake Catalogue (SHEEC), e a sismicidade registada instrumentalmente desde 1961 (pontos roxos)
Fonte Cedida por SC

Em agenda
Integrado no Dia Internacional para a Redução das Catástrofes, realiza-se uma homenagem póstuma ao Professor Mendes Victor, professor da Faculdade de Ciências da ULisboa que dedicou a sua vida ao estudo da geofísica e da sismologia.

Susana Custódio, investigadora do Instituto Dom Luiz
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa seguram o prémio de primeiro lugar na segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa venceram a segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Pages