FCUL no mundo

"Imperdível, enriquecedor, inesquecível"

Cedida por Pedro Mendes Pereira

Pedro Mendes Pereira é aluno do mestrado integrado em Engenharia da Energia e do Ambiente, na FCUL. Aos 22 anos, o gosto por viajar conduziu-o à pesquisa de oportunidades Erasmus. O destino escolhido? Holanda. É lá que se encontra desde agosto de 2013, na Eindhoven University of Technology.

No país que o acolheu, identifica diversas oportunidades de trabalho nas áreas da ciência, bem como reconhece o apoio dado a estudantes, investigadores e professores.
Regressar ou ficar? É uma questão sem resposta pronta. Por agora, aproveitar a experiência a diferentes níveis é a certeza que o acompanha.

Para mais informações sobre este tipo de iniciativa, os estudantes da FCUL podem sempre contactar o Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional - internacional@fc.ul.pt - , onde encontram oportunidades além-fronteiras e, assim,podem optar por embarcar numa experiência rica em aprendizagens.

Conheça os pormenores da experiência do estudante Pedro Mendes Pereira na entrevista a seguir apresentada.

FCUL - O que despertou o interesse em ter uma experiência além-fronteiras?

Pedro Mendes Pereira (PMP) - O desejo surgiu pela experiência de viajar e o gosto que tenho em fazê-lo, de conhecer outras realidades. Isto não se faz num fim de semana ou numa semana, em que apanhamos um avião e vamos para Madrid, Londres ou Paris. O Erasmus dá ao estudante a oportunidade de viver uma temporada longe da sua zona de conforto, com tudo o que tem de bom e de mau. Só assim podemos compreender de facto a realidade que nos acolheu. Para além disso, a situação do país teve também um papel importante na decisão. Portugal vive um momento mau mas que pode vir a ser o melhor que lhe aconteceu, compete-nos a nós gerações mais jovens virar as dificuldades a nosso favor. Como? Buscando em outras sociedades o que se faz de melhor e aplicando-o no nosso país. Não é fácil, mas Roma não se fez num dia. Claro que o apoio que os governantes dão atualmente à investigação científica e à indústria em Portugal não é suficiente. Mas oportunidades aparecem para todos, há que saber aproveitá-las. O mundo vive hoje os primeiros efeitos da globalização e todos podemos fazer algo pelo nosso país mesmo estando fora.

FCUL - A quem recorreu, dentro da FCUL e fora dela, para pedir informações e/ou conselhos sobre este assunto?

PMP - Recorri à família, a amigos com experiências fora do país e aos professores. Os professores são, na minha opinião, pessoas com um papel fundamental nesta questão. Mais do que por vezes eles próprios se apercebem. Uma conversa entre um aluno e um professor sobre estudar fora, uma conversa de cinco minutos, pode influenciar a vida do aluno para sempre. No meu caso, a conversa não durou sequer cinco minutos e um email tornou tudo mais facilitado.


Fonte: Cedida por Pedro Mendes Pereira
Legenda: Ao longo da sua estadia, o aluno da FCUL recebeu a visita de amigos portugueses

FCUL - Sempre soube para onde ir nesta aventura ou a incerteza quanto ao destino também fez parte do roteiro?

PMP - A incerteza faz parte do roteiro. Obviamente que sabia para onde não queria ir. Ficar na Europa era uma certeza, sobretudo por questões económicas. 

FCUL - Porquê estudar fora do país?

PMP - É um desafio. A língua é diferente, os métodos de aprendizagem também. Acho que é enriquecedor a todos os níveis e dá uma versatilidade enorme a quem o faz expondo a pessoa a uma forma diferente de ver as mesmas coisas.

FCUL - Como descreve o país que o acolheu?

PMP - A Holanda é um país calmo no seu dia-a-dia. É maravilhoso deslocarmo-nos de bicicleta para todo o lado. Há muita harmonia no ar. Não é um país perigoso, de todo, pelo menos que o tenha sentido até agora. Apenas uns roubos de bicicletas. Existem inúmeras oportunidades de trabalho aqui. Falo em relação às áreas da Engenharia e Arquitectura em particular mas também à ciência em geral. O apoio é grande, há investimento nestas áreas e isso torna os estudantes, os investigadores e os professores mais valorizados do que em Portugal.

FCUL - Como é o dia-a-dia do estudante no local onde se encontra?

PMP - Estudar, viajar e festejar.

FCUL - Escolha três palavras que caracterizem a sua experiência.

PMP - Imperdível, enriquecedor, inesquecível.

FCUL - Há alguma situação engraçada ou que o tenha marcado, por qualquer outra razão, que queira destacar?

PMP - No primeiro dia houve uma situação muito curiosa. Todos nós temos um respeito enorme pelos professores e, talvez por isso, o distanciamento entre aluno e professor seja tão grande na maior parte das vezes. Não quer dizer que aqui não exista, mas a formalidade do primeiro dia quebrou-se ao fim do dia num dos bares da universidade partilhando umas belas imperiais com um dos mais respeitados professores daqui.


Fonte: Cedida por Pedro Mendes Pereira
Legenda: "Estar atento e fazer amigos é fundamental. Sobretudo divertirem-se e aproveitarem ao máximo a experiência, o que ela tem para oferecer!", enfatizou o aluno da FCUL

FCUL - De que tem mais saudades longe de terras lusas?

PMP - Família, amigos e de ver os jogos do SL Benfica em HD.

FCUL - Que importância julga ter a experiência Erasmus no percurso académico e profissional de quem a teve?

PMP - Pode decidir o nosso futuro a curto prazo. Uma oportunidade de trabalho pode surgir. No futuro pode ser decisivo para perceber se queremos trabalhar fora e se estamos preparados para tal.

FCUL - Julga que este marco na sua vida terá influência na sua vida profissional futura?

PMP - Certamente. É uma experiência que nos irá acompanhar para sempre.

FCUL - Qual a importância de ter uma experiência além-fronteiras no contexto da área científica que estuda?

PMP - Enorme. A ciência faz-se em todo o lado, não nos podemos centrar apenas no que se passa em Portugal.


Fonte: Cedida por Pedro Mendes Pereira
Legenda: Pedro está desde agosto de 2013 a estudar na Eindhoven University of Technology

FCUL - Que diferenças encontra na forma como é encarada a ciência aí e em Portugal?

PMP - Não encontro diferenças em relação a quem a pratica. Em relação a quem a gere, as diferenças passam sobretudo pela muito maior valorização que aqui é dada aos recursos humanos e materiais e consequentemente ao maior investimento disponibilizado para infraestruturas na área de I&D.

FCUL - O que irá trazer na bagagem de regresso para Portugal?

PMP - Bolachas, queijo, chocolates e saudades, muitas.

FCUL - Que conselhos deixa aos colegas que queiram ter uma experiência Erasmus e àqueles que ainda têm dúvidas?

PMP - Vão, é importante sair da zona de conforto principalmente enquanto somos jovens.


Fonte: Cedida por Pedro Mendes Pereira
Legenda: Para além do tempo dedicado ao estudo, Pedro aproveita para conviver com os colegas de Erasmus - Texel, norte da Holanda

FCUL - Que dicas lhe dá caso queiram embarcar nesta aventura?

PMP - Escolham bem o sítio para onde vão, em relação ao que pretendem para o vosso futuro e à área em que estão a estudar. Encontra-se de tudo. Boas e más pessoas. Estar atento e fazer amigos é fundamental. Sobretudo, divertirem-se e aproveitarem ao máximo a experiência, o que ela tem para oferecer!

FCUL - Que verbo julga vir a aplicar quanto ao seu futuro próximo: ficar no país de origem ou regressar ao estrangeiro?

PMP - É uma questão difícil de responder neste momento. Estou a realizar a minha tese de mestrado fora e perspetiva-se que várias portas se possam abrir para mim. Gostaria de tentar estabelecer-me em Portugal depois de terminar este período, mas sei que depois desta experiência a minha abertura para regressar ao estrangeiro será também completamente diferente, muito maior do que antes de vir. As barreiras e dificuldades que todos sentem ao início foram experienciadas e ultrapassadas, um possível regresso seria pouco mais do que “normal”.

Raquel Salgueira Póvoas
info.ciencias@fc.ul.pt
Representação de cinco estrelas e de braço humano

Os rankings “Times Higher Education (THE) World University Rankings 2024 by Subject”, “QS World University Rankings by Subject 2023” e “ShangaiRanking’s Global Ranking of Academic Subjects 2023” atribuem à ULisboa posições de destaque nas áreas de ensino e investigação da Faculdade.

Bombeiro e participante a apagar um fogo com extintor no campus

Em outubro, Ciências ULisboa organizou um conjunto de ações de sensibilização dedicadas à segurança no campus da Faculdade. A iniciativa “Ciências em Segurança”, promovida pela Associação de Estudantes, contou com a ajuda do Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade  e do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa. 

Catarina Frazão Santos

O Conselho Europeu de Investigação atribui bolsa de arranque, no valor de 1,499,819.00 euros, a Catarina Frazão Santos, investigadora e docente no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora integrada no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, pelo seu projeto “Planeamento do Uso Sustentável do Oceano na Antártida num contexto de Alterações Ambientais Globais (PLAnT)”.

imagem ilustrativa de inteligencia artificial

"Conceitos que no passado eram aplicados exclusivamente à mente e ao cérebro humano estão agora a ser aplicados aos sistemas computacionais", escreve Klaus Gärtner, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

"Este acontecimento é uma oportunidade para divulgar e celebrar a qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa”, diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Faculdade para a área da investigação, a propósito da 5.ª edição do Dia da Investigação e Inovação.

imagem gerada por IA

"A realização de determinadas funções biológicas é explicada como efeito de uma “computação natural” executada pelo organismo. O objetivo destes programas é, como bem exemplificado por este recente artigo de Joshua Bongard e Michel Levin, promover uma confluência entre biologia e engenharia", escreve Lorenzo Baravalle, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas a escavar na terra

Pegadas de dinossauros com 195 milhões de anos foram descobertas em Alvaiázere, no distrito de Leiria, sendo as mais antigas da Península Ibérica, segundo estudo publicado na revista científica Historical Biology. Carlos Neto de Carvalho, investigador do Instituto Dom Luiz, é um dos autores do trabalho.

Anfiteatro com pessoas

A 4.ª edição do acontecimento organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Física (Physis), em colaboração com IA Ciências ULisboa e o Núcleo de Física e de Engenharia Física (NFEF) da Ciências ULisboa começou esta sexta-feira, dia 13 de outubro, no campus da Faculdade e termina este domingo, dia 15. Um dos pontos altos do programa é o debate “Há futuro na exploração espacial?”.

anffiteatro com cientistas

A Ciências ULisboa conta com 26 investigadores colocados nos rankings “World’s Top 2% Scientists”, de acordo com o mais recente estudo publicado pela Elsevier, comprovando a relevância da sua produção científica.

Laureados com o Nobel da Química

O Nobel da Química de 2023 foi atribuído conjuntamente a Moungi G. Bawendi, Louis E. Brus e Alexei I. Ekimov, pelo trabalho que levou à descoberta e ao desenvolvimento de pontos quânticos, nanopartículas tão minúsculas que o seu tamanho determina as suas propriedades, segundo comunicado oficial da Real Academia das Ciências da Suécia.

rato

O estudo “Resistência a rodenticidas anticoagulantes desafia esforços do controlo de pragas em Portugal” - realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar – visa recolher informações que tornem a gestão do ratinho doméstico mais eficiente, minimizando os seus impactos.

Katalin Karikó e Drew Weissman

A 2 de outubro de 2023 o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina foi atribuido a Katalin Karikó e Drew Weissman por descobertas biotecnológicas subjacentes à formulação das vacinas de mRNA (RNA mensageiro) para COVID-19. Em todo o mundo, mais de três mil milhões de pessoas receberam pelo menos duas doses destas vacinas (vacinas Comirnaty da Pfizer e Spikevax da Moderna). Em Portugal, cerca de sete milhões de pessoas receberam pelo menos três doses.

Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Centro de Congressos de Lisboa com vários participantes do EUPVSEC 2023

A 40th European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition - EUPVSEC 2023 realizou-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica.

obra de Wassily Kandinsky

"Descobertas recentes na neurociência cognitiva - por António Damásio, Vittorio Gallese e Frans de Waal, entre outros - posicionam a empatia como um facto neurobiológico", escreve Graça P. Corrêa, investigadora do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas numa escavação numa jazida de fósseis

Novo estudo publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society descreve um novo dinossáurio saurópode que viveu na Península Ibérica há 122 milhões de anos. Esta nova espécie de dinossáurio, apelidada de Garumbatitan morellensis, foi descrita a partir de restos descobertos em Morella (Castelló, Espanha) por uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis e permitiu ampliar a diversidade de dinossáurios conhecida num dos melhores registos fósseis do Cretácico Inferior da Europa.

sensor de radiação no topo de um veículo

Um novo estudo desenvolvido por investigadores da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz com a colaboração de parceiros em França (Mines Paris - PSL) e Luxemburgo (LIST), publicado na revista Progress in Photovoltaics: Research and Applications, explora o potencial em ambiente urbano de veículos solares em 100 cidades em cinco continentes.

auditório lotado

18 de setembro foi o primeiro dia de aulas para mais de 800 novos alunos matriculados nas licenciaturas da Ciências ULisboa na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso. A sessão de boas-vindas aos novos alunos decorreu às 11h30, no auditório 3.2.14.

Luís Fernando Marques Mendes foi um biólogo inteiramente dedicado à Entomologia, desde que se licenciou em 1971 pela Ciências ULisboa. Faleceu na passada quinta-feira, 14 de setembro, após prolongada doença. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

Pages