Principal parceiro do concurso é o consórcio europeu de inovação EIT Health

LxUs representa Portugal pela 1.ª vez no SenSus 2019

Grande parte da equipa é da área de Engenharia Biomédica e Biofísica

LxUs

Catarina Pinto, Pedro Francisco, Mariana Figueira, Alexandra Sousa, Maria Quitério, Rita Maçorano, Francisca Canais, Beatriz Donato, Ana Nascimento, Nuno Gonçalves, Bruno Santos, Rafael Almada, Rita Alves e Afonso Santos

LxUs

Expetativas da primeira equipa portuguesa no SenSus

Toda a equipa cresceu bastante com este desafio, tanto a nível pessoal como profissional. Para além disso, estamos confiantes de que a nossa solução de biossensor poderá de facto ser útil na nossa sociedade. 

Especificamente, em Portugal, o panorama atual para os pacientes de AR não é muito favorável: existem apenas 27 centros com especialidade de reumatologia, sendo que todos estes são localizados nas grandes cidades. Desta forma, os pacientes residentes em locais mais remotos têm que realizar grandes deslocações, onde muitas vezes têm ainda uma longa fila de espera. Por consequência, em média, os pacientes de AR fazem checkups apenas duas a três vezes por ano, o que é de longe insuficiente. Por outro lado, sabe-se que o Sistema Nacional de Saúde (SNS) gasta em média 26 milhões de euros em vão no tratamento da AR (visto que este é comparticipado). Isto é, de todas as despesas do Estado com os pacientes desta doença, existe um desperdício desta dimensão, visto que existem muitos pacientes cujo tratamento não está a funcionar e que continuam a fazê-lo sem ter conhecimento deste facto, precisamente pela falta de uma monitorização regular. 

É aí que o nosso biossensor pode fazer toda a diferença: se este for inserido em centros de saúde, haverá uma melhor gestão dos pacientes, sendo que os pacientes de locais mais remotos poderão simplesmente deslocar-se ao centro de saúde mais próximo de modo a realizarem um teste de monitorização da eficácia do seu tratamento (nomeadamente, dos seus níveis de ADL). Através da nossa app, os resultados deste teste são automaticamente enviados ao médico reumatologista responsável, que poderá requerer uma ida do paciente ao centro especializado apenas se necessário. É assim possível haver uma monitorização mais regular, o que tem, obviamente, bastantes vantagens para o paciente. Da perspetiva do SNS, estimamos que com a utilização desta nossa solução (tendo em conta os preços de venda que prevemos serem os indicados), haja uma poupança de cerca de 42,5% por ano por paciente com tratamento comparticipado!

No contexto da competição SensUs estamos confiantes de que teremos uma boa performance, de que conseguiremos demonstrar o valor da educação académica em Portugal, e por fim de que conseguiremos explorar potenciais sinergias e parcerias com todos os stakeholders envolvidos. Temos ainda a expetativa de conseguir divulgar a competição SensUs, consciencializar a população acerca da AR e dos seus desafios atuais e do nosso trabalho enquanto equipa.

LxUs

O evento final do SenSus, uma competição anual internacional de sensores na área da saúde, direcionada para estudantes, ocorre a 30 de agosto, culminando assim vários meses de trabalho da primeira equipa portuguesa a participar neste evento internacional – LxUs -, composta por alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa, grande parte deles da área de Engenharia Biomédica e Biofísica (EBB).

A equipa portuguesa está a competir para desenvolver biossensores para medição de adalimumabe (ADL) – um fármaco biológico, utilizado para tratar doenças reumatológicas, nomeadamente a artrite reumatoide (AR). 

O principal parceiro do concurso é o consórcio europeu de inovação EIT Health. Cada ano, uma doença com grande impacto para a sociedade é escolhida como target pela organização e pelos diferentes stakeholders.

 “Como estudantes de engenharia somos bastante pró-ativos, sendo que a ideia de podermos transpor os nossos conhecimentos teóricos para algo concreto e palpável, com uma finalidade real, é bastante aliciante. Para além disso, grande parte da equipa é de Engenharia Biomédica e Biofísica, pelo que a possibilidade de desenvolver algo que possa realmente fazer a diferença na saúde de uma pessoa (neste caso, ajudando no tratamento da AR, que é uma doença bastante incidente no nosso país), é bastante gratificante.”
Francisca Canais e Rita Maçorano

“Apesar dos imprevistos e ansiedades de última hora, estamos convictos de que realizámos um bom trabalho. Conseguimos desenvolver um biossensor capaz de avaliar as concentrações de ADL dentro do seguinte intervalo de doses terapêuticas: 5 a 8 µg/mL – o que são resultados bastante bons”, explicam os jovens da LxUs.

As equipas participantes da edição SenSus 2019 apresentam e demonstram os seus biossensores no decorrer do “SensUs Innovation Days”, na Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda. Os biossensores vão ser avaliados através de múltiplos critérios, tais como a performance analítica, a criatividade e o potencial de industrialização. O júri será composto por representantes da academia, da indústria e da área de healthcare.

“‘Tecnologicamente falando’ o nosso biossensor é composto por três componentes principais: o sistema de deteção (que inclui um laser), a solução de nanopartículas de ouro e a app de smartphone”, contam os estudantes, que consideram que os seus pontos fortes são a solidez, multidisciplinaridade, know-how técnico, espírito dinâmico e empreendedor.

LxUs no Facebook e  Instagram

A LxUs é composta por 15 estudantes de Ciências e da Faculdade de Farmácia (FF) da ULisboa, de áreas como EBB, Engenharia Física, Física e Ciências Farmacêuticas. São eles: Catarina Pinto, Pedro Francisco, Mariana Figueira, Alexandra Sousa, Maria Quitério, Rita Maçorano, Francisca Canais, Beatriz Donato, Ana Nascimento, Nuno Gonçalves, Bruno Santos, Rafael Almada, Rita Alves e Afonso Santos.

O grupo tem como supervisor, Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física (DF), investigador no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica e coordenador do mestrado integrado em EBB em Ciências ULisboa. Daniel Vilhena, físico e antigo aluno de Ciências ULisboa, é o team coach do grupo.

Os team leaders são Nuno Gonçalves, estudante de EF e Rita Maçorano, aluna de EBB.

“Temos um professor que é um verdadeiro empreendedor e catalisador de projetos. O professor Hugo Ferreira através das suas ligações ao EIT Health foi convidado a reunir uma equipa para participar nesta competição. Ele fez-nos a proposta, a cada um de nós, selecionando pessoas com os perfis e valências indicadas.”
Francisca Canais e Rita Maçorano

“Tivemos o apoio de especialistas em diferentes áreas e que foram cruciais para o desenvolvimento do nosso biossensor, tais como Catarina P. Reis, investigadora em Nanotecnologias - colaboradora do IBEB Ciências ULisboa - e professora na FF ULisboa; Manuel Abreu, investigador do DF e do LOLS Ciências ULisboa e Guiomar Evans, professora do DF e investigadora do polo de Ciências ULisboa do BioISI - Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas”, contam os jovens, que sublinham ainda a “ajuda crucial” de Duarte Sousa Tavares, especialista em administração hospitalar e em gestão de serviços de saúde; de Helena Canhão, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, médica no Hospital Lusíadas, presidente eleita da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e fundadora da plataforma Patient Innovation; e do Tec Labs – Centro de Inovação de Ciências ULisboa, que os apoiou em todo o processo, facilitando também um espaço de trabalho.

O grupo de estudantes numa primeira fase deste projeto identificou as dificuldades do dia-a-dia dos doentes de AR, mediante visitas à SPR. Paralelamente também exploraram o potencial de modelo de negócio do biossensor: Duas das estudantes do grupo – Francisca Canais e Rita Maçorano – têm background em empreendedorismo e são cofundadoras da spin-off de Ciências ULisboa Nevaro, tal como Hugo Ferreira.

Visite o SensUs Digital esta sexta-feira e participe no live stream do evento final. Mesmo à distância tem a possibilidade de votar nas equipas para o prémio de Public Inspiration.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Teletrabalho

"É verdade, as coisas precisam ser feitas, mas, se não fizermos uma boa gestão de nós próprios, estamos potencialmente a acabar com a única fonte que pode produzir - nós", alerta a psicóloga Andreia Santos, na rubrica habitual do GAPsi, deixando também algumas dicas para quem está em teletrabalho.

Imagem artística relacionada com uma nuvem de pensamentos

“Após pequenas ou grandes tempestades que se passem dentro de casa, vem o diálogo e a negociação para que os tempos de cada um sejam respeitados”, escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa, na rubrica habitual.

ETAR de Alcântara

O Ministério do Ambiente e Ação Climática anunciou o lançamento do projeto de investigação COVIDETECT e a criação de um sistema de alerta precoce da presença do vírus SARS-CoV-2, agente etiológico da COVID-19, através da análise de águas residuais. O projeto de investigação começa a 20 de abril. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica.

O aniversário da Ciências ULisboa será celebrado online com todos aqueles que se puderem juntar a 22 de abril no Facebook da Faculdade. A celebração incluirá a tradicional mensagem de Luís Carriço, diretor da Faculdade; as distinções e prémios atribuídos a alunos, professores e funcionários; entre outras surpresas e desafios, que serão partilhados nos próximos dias nas redes sociais. Fique atento e participe!

Imagem artística da precessão de Schwarzschild

Observações levadas a cabo pelo Very Large Telescope (VLT) do European Southern Observatory (ESO), situado no deserto chileno do Atacama, revelam pela primeira vez que a S2, uma das estrelas em órbita do buraco negro supermassivo, situado no centro da Via Láctea, se desloca tal como previsto pela Teoria da Relatividade Geral de Einstein.

Livro e caneta

Mais um artigo da equipa do GAPsi Ciências ULisboa, desta vez da psicóloga Bruna Francisco, que deixa uma questão em forma de desafio: “O que tens descoberto sobre ti, durante esta quarentena?”.

Fotografia de peixe do género Squalius em Portugal

O projeto “Acaso ou maldição? As consequências da hibridação num mundo em mudança”, premiado recentemente com uma bolsa Young Investigator pelo Human Frontier Science Program (HFSP), no valor de cerca de 1,1 milhões de euros, vai procurar responder a esta grande questão da Biologia, nos próximos três anos, de acordo com comunicado de imprensa emitido recentemente.

Maria de Sousa

Maria de Sousa, imunologista, professora emérita da Universidade do Porto e do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar e investigadora honorária do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, faleceu durante a madrugada de dia 14 de abril. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Imagem de uma figura feminina

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre a complexidade das emoções e alerta: "é importante termos estratégias que nos permitam regulá-las".

Navio oceanográfico alemão Meteor

“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte, professor do Departamento de Geologia (DG) da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz (IDL) e um dos membros da equipa portuguesa presente na campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW.

Artigo de opinião realça a importância dos jornalistas confirmarem as suas fontes

“Um estudo isolado pode sempre, ser, apenas uma coincidência, uma imperfeição estatística, um acaso”, escreve Tiago Marques, professor do DBA Ciências ULisboa e investigador do CEAUL, num artigo que realça a importância dos jornalistas confirmarem as suas fontes.

Ciências ULisboa vai criar um Centro de Testes à COVID-19

Ciências ULisboa vai criar um Centro de Testes (CT) à COVID-19 no seu campus, no Campo Grande, em Lisboa. Os testes de despistagem à COVID-19 deverão começar daqui a duas semanas consistindo, numa primeira fase, em cerca de 100 análises diárias, estando  também previsto a sequenciação e o rastreamento epidemiológico.

Imagem com um ponto de interrogação

Andreia Santos, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre os diálogos internos que se manifestam numa sensação de urgência, insuficiência e falta de controlo, que são reflexo de um sentimento de culpa. Conheça algumas dicas que podem ajudar a lidar com estas dúvidas, que são tão comuns como naturais.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Vawlt Technologies.

Imagem gráfica do projeto "O que faço aqui?"

Rodrigo Amaro e Silva, Patrícia Jordão, Sérgio Chozas, Ana Cristina Pires e Miguel Inácio são os primeiros entrevistados no âmbito do projeto “O que faço aqui?”, lançado recentemente nas redes sociais e no site da Faculdade.

Composição fotográfica alusiva à missão da Faculdade

“Portugal pode por isso estar certo de que, nesta época de crise, toda a comunidade da Ciências Ulisboa beneficia de um ambiente de trabalho seguro e sustentável, que não compromete a qualidade da sua missão”, escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Tec Labs - Centro de Inovação Ciências ULisboa

No Tec Labs – Centro de Inovação e incubadora da Ciências ULisboa são várias as empresas, spin-off, proto-company e startups a trabalhar para encontrar soluções que ajudem doentes, profissionais, unidades hospitalares e autoridades governamentais nesta “luta”, que só poderá ser vencida pelo esforço conjunto.

Skype, Zoom e Houseparty são boas apostas para combinar eventos sociais

"Socializar por meio de momentos lúdicos, rir e partilhar ideias sobre novos projetos são excelentes formas de dirigir a nossa atenção para além da preocupação. Ajuda-nos a colocar o foco da nossa energia ao serviço daquilo que nos faz bem e sentirmo-nos ligados", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Mapa

O Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa participa no desenvolvimento do mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal, um projeto coordenado pelas Universitat Rovira i Virgili, em Tarragona, e Universidad de Zaragoza, em Zaragoza, ambas em Espanha e que em Portugal tem como parceiros a NOS, a Data Science Portuguese Association e a Closer Consulting.

Grupo de investigadores do HIT-CF Europe

Cerca de 502 pessoas com mutações raras de fibrose quística (FQ) foram recrutadas pelo projeto inovador HIT-CF Europe, financiado pela União Europeia através do Horizonte 2020 e que conta com a participação de Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa, coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e líder do grupo português neste consórcio.

Medicamentos

Ao longo dos últimos dias, vários colegas da Ciências ULisboa e de outras faculdades entraram em contacto com Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal, manifestando disponibilidade para contribuir com o seu conhecimento e meios no auxílio à análise dos dados, modelação e projeção do futuro da epidemia.

O Conselho Pedagógico da Ciências ULisboa preparou um conjunto de orientações relacionadas com as ferramentas de apoio ao ensino à distância, disponíveis no site da Faculdade e que visam ajudar os professores, investigadores e alunos durante este período de tempo sem aulas presenciais, uma medida implementada no âmbito do Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Imagem gráfica associada ao Plano de Contingência em Ciências COVID-19

A Direção da Ciências ULisboa determinou um conjunto de medidas que pretendem contribuir para a contenção da propagação do novo coronavírus e que vigoram até ao próximo dia 27 de março, podendo ser ajustadas conforme a necessidade e a evolução da situação.

Reunião de arranque do Colégio POLAR2E

O POLAR2E tem como objetivo criar sinergias em áreas como as ciências da criosfera, a modelação climática, a ecologia de ambientes extremos, a deteção remota, a construção em ambientes extremos, a astrobiologia e a engenharia aeroespacial dentro da Universidade.

Grupo de campus ambassadors da Jerónimo Martins, de diferentes faculdades de todo o país

No ano letivo de 2019/2020, todos os estudantes da Faculdade com interesse e dúvidas quanto aos Young Talent Programmes da Jerónimo Martins (JM) poderão contactar Catarina Bernardo, por email ou via LinkedIn! A aluna finalista de Biologia da Faculdade está disponível para responder a dúvidas sobre as várias oportunidades da JM para jovens universitários.

Páginas