Principal parceiro do concurso é o consórcio europeu de inovação EIT Health

LxUs representa Portugal pela 1.ª vez no SenSus 2019

Grande parte da equipa é da área de Engenharia Biomédica e Biofísica

LxUs

Catarina Pinto, Pedro Francisco, Mariana Figueira, Alexandra Sousa, Maria Quitério, Rita Maçorano, Francisca Canais, Beatriz Donato, Ana Nascimento, Nuno Gonçalves, Bruno Santos, Rafael Almada, Rita Alves e Afonso Santos

LxUs

Expetativas da primeira equipa portuguesa no SenSus

Toda a equipa cresceu bastante com este desafio, tanto a nível pessoal como profissional. Para além disso, estamos confiantes de que a nossa solução de biossensor poderá de facto ser útil na nossa sociedade. 

Especificamente, em Portugal, o panorama atual para os pacientes de AR não é muito favorável: existem apenas 27 centros com especialidade de reumatologia, sendo que todos estes são localizados nas grandes cidades. Desta forma, os pacientes residentes em locais mais remotos têm que realizar grandes deslocações, onde muitas vezes têm ainda uma longa fila de espera. Por consequência, em média, os pacientes de AR fazem checkups apenas duas a três vezes por ano, o que é de longe insuficiente. Por outro lado, sabe-se que o Sistema Nacional de Saúde (SNS) gasta em média 26 milhões de euros em vão no tratamento da AR (visto que este é comparticipado). Isto é, de todas as despesas do Estado com os pacientes desta doença, existe um desperdício desta dimensão, visto que existem muitos pacientes cujo tratamento não está a funcionar e que continuam a fazê-lo sem ter conhecimento deste facto, precisamente pela falta de uma monitorização regular. 

É aí que o nosso biossensor pode fazer toda a diferença: se este for inserido em centros de saúde, haverá uma melhor gestão dos pacientes, sendo que os pacientes de locais mais remotos poderão simplesmente deslocar-se ao centro de saúde mais próximo de modo a realizarem um teste de monitorização da eficácia do seu tratamento (nomeadamente, dos seus níveis de ADL). Através da nossa app, os resultados deste teste são automaticamente enviados ao médico reumatologista responsável, que poderá requerer uma ida do paciente ao centro especializado apenas se necessário. É assim possível haver uma monitorização mais regular, o que tem, obviamente, bastantes vantagens para o paciente. Da perspetiva do SNS, estimamos que com a utilização desta nossa solução (tendo em conta os preços de venda que prevemos serem os indicados), haja uma poupança de cerca de 42,5% por ano por paciente com tratamento comparticipado!

No contexto da competição SensUs estamos confiantes de que teremos uma boa performance, de que conseguiremos demonstrar o valor da educação académica em Portugal, e por fim de que conseguiremos explorar potenciais sinergias e parcerias com todos os stakeholders envolvidos. Temos ainda a expetativa de conseguir divulgar a competição SensUs, consciencializar a população acerca da AR e dos seus desafios atuais e do nosso trabalho enquanto equipa.

LxUs

O evento final do SenSus, uma competição anual internacional de sensores na área da saúde, direcionada para estudantes, ocorre a 30 de agosto, culminando assim vários meses de trabalho da primeira equipa portuguesa a participar neste evento internacional – LxUs -, composta por alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa, grande parte deles da área de Engenharia Biomédica e Biofísica (EBB).

A equipa portuguesa está a competir para desenvolver biossensores para medição de adalimumabe (ADL) – um fármaco biológico, utilizado para tratar doenças reumatológicas, nomeadamente a artrite reumatoide (AR). 

O principal parceiro do concurso é o consórcio europeu de inovação EIT Health. Cada ano, uma doença com grande impacto para a sociedade é escolhida como target pela organização e pelos diferentes stakeholders.

 “Como estudantes de engenharia somos bastante pró-ativos, sendo que a ideia de podermos transpor os nossos conhecimentos teóricos para algo concreto e palpável, com uma finalidade real, é bastante aliciante. Para além disso, grande parte da equipa é de Engenharia Biomédica e Biofísica, pelo que a possibilidade de desenvolver algo que possa realmente fazer a diferença na saúde de uma pessoa (neste caso, ajudando no tratamento da AR, que é uma doença bastante incidente no nosso país), é bastante gratificante.”
Francisca Canais e Rita Maçorano

“Apesar dos imprevistos e ansiedades de última hora, estamos convictos de que realizámos um bom trabalho. Conseguimos desenvolver um biossensor capaz de avaliar as concentrações de ADL dentro do seguinte intervalo de doses terapêuticas: 5 a 8 µg/mL – o que são resultados bastante bons”, explicam os jovens da LxUs.

As equipas participantes da edição SenSus 2019 apresentam e demonstram os seus biossensores no decorrer do “SensUs Innovation Days”, na Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda. Os biossensores vão ser avaliados através de múltiplos critérios, tais como a performance analítica, a criatividade e o potencial de industrialização. O júri será composto por representantes da academia, da indústria e da área de healthcare.

“‘Tecnologicamente falando’ o nosso biossensor é composto por três componentes principais: o sistema de deteção (que inclui um laser), a solução de nanopartículas de ouro e a app de smartphone”, contam os estudantes, que consideram que os seus pontos fortes são a solidez, multidisciplinaridade, know-how técnico, espírito dinâmico e empreendedor.

LxUs no Facebook e  Instagram

A LxUs é composta por 15 estudantes de Ciências e da Faculdade de Farmácia (FF) da ULisboa, de áreas como EBB, Engenharia Física, Física e Ciências Farmacêuticas. São eles: Catarina Pinto, Pedro Francisco, Mariana Figueira, Alexandra Sousa, Maria Quitério, Rita Maçorano, Francisca Canais, Beatriz Donato, Ana Nascimento, Nuno Gonçalves, Bruno Santos, Rafael Almada, Rita Alves e Afonso Santos.

O grupo tem como supervisor, Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física (DF), investigador no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica e coordenador do mestrado integrado em EBB em Ciências ULisboa. Daniel Vilhena, físico e antigo aluno de Ciências ULisboa, é o team coach do grupo.

Os team leaders são Nuno Gonçalves, estudante de EF e Rita Maçorano, aluna de EBB.

“Temos um professor que é um verdadeiro empreendedor e catalisador de projetos. O professor Hugo Ferreira através das suas ligações ao EIT Health foi convidado a reunir uma equipa para participar nesta competição. Ele fez-nos a proposta, a cada um de nós, selecionando pessoas com os perfis e valências indicadas.”
Francisca Canais e Rita Maçorano

“Tivemos o apoio de especialistas em diferentes áreas e que foram cruciais para o desenvolvimento do nosso biossensor, tais como Catarina P. Reis, investigadora em Nanotecnologias - colaboradora do IBEB Ciências ULisboa - e professora na FF ULisboa; Manuel Abreu, investigador do DF e do LOLS Ciências ULisboa e Guiomar Evans, professora do DF e investigadora do polo de Ciências ULisboa do BioISI - Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas”, contam os jovens, que sublinham ainda a “ajuda crucial” de Duarte Sousa Tavares, especialista em administração hospitalar e em gestão de serviços de saúde; de Helena Canhão, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, médica no Hospital Lusíadas, presidente eleita da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e fundadora da plataforma Patient Innovation; e do Tec Labs – Centro de Inovação de Ciências ULisboa, que os apoiou em todo o processo, facilitando também um espaço de trabalho.

O grupo de estudantes numa primeira fase deste projeto identificou as dificuldades do dia-a-dia dos doentes de AR, mediante visitas à SPR. Paralelamente também exploraram o potencial de modelo de negócio do biossensor: Duas das estudantes do grupo – Francisca Canais e Rita Maçorano – têm background em empreendedorismo e são cofundadoras da spin-off de Ciências ULisboa Nevaro, tal como Hugo Ferreira.

Visite o SensUs Digital esta sexta-feira e participe no live stream do evento final. Mesmo à distância tem a possibilidade de votar nas equipas para o prémio de Public Inspiration.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jovem a ler um livro perto de uma janela

Conhece a Técnica do Pomadoro? Esta prática monitoriza o estudo, garantindo períodos de alta produtividade e concentração. Leia as dicas de João Oliveira, estagiário no GAPsi Ciências ULisboa, sobre como gerir as distrações e manter a organização.

Logotipo Radar

Décima primeira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Vídeochamada com membros do ATP no complexo interdisciplinar a partir do KITP, na Califórnia, em abril de 2014

Alumnus Vítor V. Vasconcelos: Galardoado com Prémio Bragança Gil pretende aplicar conceitos e métodos da Física aos sistemas sociais.

O Instituto de Biossistemas e Ciências integrativas (BioISI), unidade de investigação sediada na Faculdade, promoveu no passado dia 26 de novembro um encontro científico para apresentar e partilhar os seus últimos projetos, resultados científicos e colaborações.

Telemóvel e teclado

Uma mudança cultural e a criação de uma nova mentalidade na conceção de ferramentas para atividades profissionais e privadas para todos os cidadãos europeus, na posse das suas totais capacidades ou com alguma limitação, é o objetivo da ação LEAD-ME COST, que tem Carlos Duarte, professor do Departamento de Informática, investigador do LASIGE Ciências ULisboa, como membro do comité de gestão desta ação.

Crianças invisuais, a interagir com adaptações e novos ambientes de programação

Professores, investigadores e alunos da Ciências ULisboa estão a estudar e desenvolver novos ambientes de programação inclusiva para crianças no LASIGE.

Oceano e costa

O Conselho Europeu de Investigação atribuiu recentemente uma bolsa Synergy no valor de 10,4 milhões de euros ao projeto 4-OCEANS, liderado por Cristina Brito, professora do Departamento de História e investigadora do Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais Humanas da Universidade Nova de Lisboa, antiga aluna da Ciências ULisboa.

Biblioteca e livros

2020 é um ano que ficará para a história por muitas razões relacionadas com a pandemia, mas também pelos avanços registados na ciência que estuda os fotões, particularmente na fotónica linear e não linear e cujos estudos foram publicados na Nature, Nature Photonics e Science e contaram com a colaboração teórica de Vladimir Konotop, professor do Departamento de Física e investigador do Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa.

Pormenor da capa do livro

O livro “Alterações Climáticas Desafios para Portugal depois do Acordo de Paris” pretende mostrar a diversidade temática associada ao problema das alterações climáticas, e fornecer ao leitor interessado uma fonte acessível e em português, que lhe permita ficar a par dos desenvolvimentos mais recentes nas diferentes áreas abordadas.

Telhados fotovoltaicos

Definir um modelo genérico de laboratório vivo para as universidades - Living Lab Universitário -, adaptável ao resto da sociedade, é o grande objetivo do projeto europeu TR@NSNET, que junta em consórcio a Ciências ULisboa, a Universidade da Beira Interior, a Université Toulouse III Paul Sabatier (UT3), a Université de La Rochelle, ambas em França e a Universidad Politecnica de Madrid, em Espanha.

Portátil e pessoas

No ano letivo 2020/2021, todos os estudantes da Ciências ULisboa que tenham interesse e dúvidas sobre as carreiras da União Europeia poderão contactar Beatriz Rocha por email eucareers.fcul@gmail.com ou via Instagram! A aluna da Ciências ULisboa do 2.º ano de Biologia está disponível para aconselhar e explicar todo o processo de recrutamento na UE.

Simulação de marés oceânicas

“Weak tides during Cryogenian glaciations” da autoria de J. A. Mattias Green, Hannah S. Davies, João C. Duarte, Jessica R. Creveling e Christopher Scotese foi publicado esta sexta-feira, 4 de dezembro, na revista científica Nature Communications.

ULisboa

Em Portugal a ULisboa continua a liderar o US News 2021 Best Global Universities Rankings. Na edição de 2021 foram avaliadas 1748 instituições.  "Não é com certeza estranho a esta subida o empenho de todos os que trabalham na nossa Faculdade em particular durante este ano pejado de tantas dificuldades”, comenta Pedro Almeida, subdiretor da Ciências ULisboa.

Pedro Castro

Pedro Castro desenvolve modelos e algoritmos com base em programação linear inteira mista. O investigador no DEIO e CMAFcIO Ciências ULisboa é um dos vencedores do Prémio Científico ULisboa/CGD 2019.

Logotipo radar

Décima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a PrimeMakers.

Estudo valida Twitter para cibersegurança

Investigadores do LASIGE Ciências ULisboa e da Universidade de Londre apontam várias vantagens para a utilização do Twitter como fonte de notícias e alertas de cibersegurança, descritas num artigo realizado no âmbito do projeto DiSIEM, destacado como uma história de sucesso pela Comissão Europeia.

Tabela periódica

O livro “Os Elementos em Ciências - Uma viagem pela Tabela Periódica” editado pela Ciências ULisboa, no âmbito das comemorações dos 150 anos da tabela periódica, integra 73 textos sobre 88 elementos químicos, da autoria de 92 autores.

Duas pegadas de dinossáurios carnívoros e marcas interpretadas como rastos de natação de crocodilos, com os respetivos mapas de profundidade

A revista científica Lethaia publica este mês um novo trabalho sobre pegadas de dinossáurios terópodes e “crocodilos” do registo fóssil do Jurássico Superior da Bacia Lusitânica, em Portugal. O artigo contou com a participação das paleontólogas do Instituto Dom Luiz, polo Ciências ULisboa, Vanda Faria dos Santos e Elisabete Malafaia.

Imagem artística do satélite Ariel a caminho do ponto de Lagrange L2

Pedro Mota Machado, professor do DF Ciências ULisboa e investigador do IA, é o representante nacional da missão Ariel, que irá estudar em detalhe as atmosferas de exoplanetas.

Guilherme Carrilho da Graça

Guilherme Carrilho da Graça é um dos vencedores do Prémio Científico Universidade de Lisboa/Caixa Geral de Depósitos 2019.

Jens Hagemeyer, Carola Haumann e Ulrich Rückert

O projeto VEDLIoT, iniciado este mês e com uma duração de três anos, visa desenvolver uma plataforma de aprendizagem autónoma para a Internet das Coisas. O CoR-Labda Universidade de Bielefeld, na Alemanha, coordena este consórcio, composto por 12 parceiros, entre eles a FCiências.ID.

Centro de Testes Ciências ULisboa

Ciências ULisboa, através do seu Centro de Testes, e em parceria com a Associação Nacional de Cuidadores Informais lançam este mês “Famílias Seguras – Cuidar de Quem Cuida”, um programa gratuito de rastreio regular à COVID-19 para cuidadores informais, pessoas cuidadas e seus familiares em convivência direta e que conta com o Alto Patrocínio de sua Excelência o Presidente da República.

Mulheu a tapar o rosto

"Quando o medo de falhar deixa de ser tolerável, geralmente surgem sensações que geram tanto desconforto na pessoa, ao nível físico e psicológico que conduzem à adoção de estratégias menos saudáveis na gestão desse medo. Assistimos a dois grandes grupos de estratégias: o controlo e o evitamento", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Primeira estrutura móvel com posto de colheitas biológicas está instalada no exterior do campus da Ciências ULisboa, entre o edifício C6 e a Faculdade de Letras da ULisboa

A primeira estrutura móvel com posto de colheitas biológicas no âmbito do projeto FIGHT COVID, lançado recentemente pela Faculdade e pela SGS Portugal, parceiras desde 2015, está instalada no exterior do campus da Ciências ULisboa, entre o edifício C6 e a Faculdade de Letras da ULisboa. 

Pódio

Em Portugal, a ULisboa continua a ser a universidade líder do Performance Ranking of Scientific Papers for World Universities 2020, mais conhecido por National Taiwan University (NTU) Ranking, que avalia o posicionamento das universidades de acordo com a respetiva produtividade, impacto e excelência dos artigos científicos produzidos em 24 áreas do saber.

Páginas