Física

Entrevista com…Tomás Aquino

Cara do aluno entrevistado
Cedida por TA

Foi com o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” que Tomás Aquino, de 23 anos, assistente do Departamento de Física da FCUL, venceu o Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).
O aluno "brilhante", com média final de 19 valores, tanto na licenciatura, como no mestrado, destaca a importância dos colegas e professores para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.
No futuro pretende continuar ligado à investigação e, se possível, ensinar, um gosto adquirido com a oportunidade de ser assistente na cadeira de Métodos Numéricos.

FCUL -  Como caracteriza o seu percurso académico e científico?

Tomás Aquino (TA) - Fui para o curso de Física fascinado pela magia da profissão que imaginava desde miúdo ao ver filmes relacionados com a área. Quando crescemos percebemos o que realmente nos interessa e, por isso, segui a área dos Sistemas Complexos e não a das Cosmologias que fazem parte do imaginário das pessoas quando se fala em Física. Fiz tanto a licenciatura como o mestrado em Física na FCUL.

FCUL - Como surgiu a ideia de desenvolver o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” e, posteriormente, a decisão de se candidatar ao Programa de Estímulo à Investigação da FCG?

TA - Quando terminei a tese de mestrado, relacionada com células estaminais, surgiu a oportunidade de desenvolver este projeto da Gripe, com colegas que já tinha trabalhado anteriormente no Centro de Física da Matéria Condensada da UL. A professora Ana Nunes lembrou-se então que seria uma ótima oportunidade participar no Progama da FCG. Incentivou-me a concorrer e assim foi.

FCUL - De que forma encarou a distinção feita ao seu trabalho pela FCG?

TA - Foi uma situação engraçada… Não estava em Portugal, estava a visitar família em Dublin. Telefonaram-me e, por acaso, atendi a chamada dos responsáveis da FCG informando-me que tinha sido distinguido pelo meu projeto. Não estava mesmo à espera porque o concurso abriu este ano para toda a área da Física e, portanto, pensei, a concorrência é tanta que não vamos conseguir. Por isso, fiquei muito surpreendido e contente, tal como a minha família que estava comigo quando recebi a notícia.

FCUL - Gostaria de pedir que apresentasse abreviadamente o projeto pelo qual foi distinguido e que irá desenvolver.

TA - A Gripe é um vírus cuja estrutura genética se altera muito e, desta forma, é bastante difícil de ser combatido pelo sistema imunitário. Pretendemos compreender como é que este processo funciona, como é que o vírus da Gripe evolui geneticamente e como evolui a sua propagação. O objetivo é, portanto, descrever e compreender o processo para depois prever o que se passa.

FCUL - Que contributo considera que o seu projeto irá prestar à área científica em que se insere?

TA - Acredito que vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação.

FCUL - O que ambiciona fazer futuramente? Que etapas profissionais pretende alcançar?

TA - Pretendo continuar a fazer investigação e, por ter tido a experiência de dar aulas este ano e o ano passado, gostaria muito de poder ensinar também. É ótimo poder dar aulas porque lidamos com imensa gente diferente e ensina-nos a comunicar com o público, é muito importante e dá-me imenso gozo.

FCUL - E quer ficar em Portugal ou ir para o estrangeiro?

TA - Em agosto vou seguir para doutoramento nos EUA, mais precisamente na Universidade de Notre Dame no Indiana. Em princípio vou trabalhar num projeto relacionado com a malária. Neste momento, digo que quero voltar, mas não sei o que poderá acontecer já que vou lá estar quatro ou cinco anos e muita coisa pode acontecer, muitas oportunidades podem surgir. Mas gosto imenso de Portugal! Ao contrário do que as pessoas dizem, fazemos bom trabalho, temos sol e comidas maravilhosas e ainda nos dão liberdade para fazer o que queremos. Vive-se bem e existe um bom ambiente para trabalhar, se pudesse continuava em Portugal.

FCUL - Tendo em conta o seu percurso académico, pergunto-lhe de que forma a FCUL contribuiu para o seu desenvolvimento profissional e pessoal?

TA - A FCUL contribuiu para o meu desenvolvimento de várias formas, isto porque fiz aqui tanto a licenciatura como o mestrado. Tive colegas fantásticos. Lembro-me do meu colega Jesus, que agora está a fazer doutoramento em Edimburgo na área da Astrofísica, que era uma pessoa com uma intuição fantástica e me ensinou imenso. Foram anos espetaculares, ao lado de pessoas extraordinárias.

Do lado dos professores também tive contacto com pessoas fantásticas como o professor Augusto Barroso, por exemplo, que considero ser uma daquelas pessoas que nasceu a ensinar. A professora Cecília Ferreira, do Departamento de Matemática, também me marcou bastante assim como a professora Ana Nunes, que me tem dado apoio em todos os meus projetos e proporcionado imensas possibilidades para evoluir profissionalmente.

Todos estes marcos na minha passagem pela FCUL contribuíram para o meu desenvolvimento profissional e pessoal.

FCUL - Foi convidado a ser assistente aqui na Faculdade, como é que se sente neste papel?

TA - Esta experiência deu-me imenso gozo. Ao início é muito cansativo porque não estamos habituados ao ritmo, estamos sempre em movimento e a falar. Estar em palco exige que tenhamos muita energia e boa disposição para transmitir a mensagem aos alunos. Esta oportunidade ensinou-me a comunicar uma mensagem de forma clara e direta e, ao mesmo tempo, aprendi com os alunos. O mais importante é o facto de contactarmos com muita gente diferente que tem algo a dizer. Este ano tive 60 alunos e tive que me adaptar a todos eles, faz-nos crescer imenso!

FCUL - Que conselhos deixa aos colegas que tenham um percurso académico idêntico ao seu e pretendam seguir a área da investigação e candidatar-se, por exemplo, a iniciativas como a do Programa de Estímulo à Investigação?

TA - Para alcançar o sucesso é preciso trabalhar, trabalhar muito! Aqui não há segredo. Foi o que sempre fiz desde que cheguei à FCUL. No entanto, gosto de dizer às pessoas que não podem dedicar todo o tempo ao trabalho, é necessário viajar, sair e conhecer pessoas. Eu, por exemplo, fui viajar seis meses quando terminei o mestrado e foi bastante importante para recuperar energias e regressar em força ao trabalho.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Grupo de investigadores do HIT-CF Europe

Cerca de 502 pessoas com mutações raras de fibrose quística (FQ) foram recrutadas pelo projeto inovador HIT-CF Europe, financiado pela União Europeia através do Horizonte 2020 e que conta com a participação de Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa, coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e líder do grupo português neste consórcio.

Medicamentos

Ao longo dos últimos dias, vários colegas da Ciências ULisboa e de outras faculdades entraram em contacto com Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal, manifestando disponibilidade para contribuir com o seu conhecimento e meios no auxílio à análise dos dados, modelação e projeção do futuro da epidemia.

O Conselho Pedagógico da Ciências ULisboa preparou um conjunto de orientações relacionadas com as ferramentas de apoio ao ensino à distância, disponíveis no site da Faculdade e que visam ajudar os professores, investigadores e alunos durante este período de tempo sem aulas presenciais, uma medida implementada no âmbito do Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Imagem gráfica associada ao Plano de Contingência em Ciências COVID-19

A Direção da Ciências ULisboa determinou um conjunto de medidas que pretendem contribuir para a contenção da propagação do novo coronavírus e que vigoram até ao próximo dia 27 de março, podendo ser ajustadas conforme a necessidade e a evolução da situação.

Reunião de arranque do Colégio POLAR2E

O POLAR2E tem como objetivo criar sinergias em áreas como as ciências da criosfera, a modelação climática, a ecologia de ambientes extremos, a deteção remota, a construção em ambientes extremos, a astrobiologia e a engenharia aeroespacial dentro da Universidade.

Grupo de campus ambassadors da Jerónimo Martins, de diferentes faculdades de todo o país

No ano letivo de 2019/2020, todos os estudantes da Faculdade com interesse e dúvidas quanto aos Young Talent Programmes da Jerónimo Martins (JM) poderão contactar Catarina Bernardo, por email ou via LinkedIn! A aluna finalista de Biologia da Faculdade está disponível para responder a dúvidas sobre as várias oportunidades da JM para jovens universitários.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Segunda rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a UpHill.

Na sequência das orientações da Direção-Geral da Saúde e procurando evitar desta forma alarmismos desnecessários, sem descurar uma atuação prudente e responsável, Ciências ULisboa elaborou o Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Primeira reunião do IDEA-FAST

Tiago Guerreiro, professor do DI e investigador do LASIGE Ciências ULisboa, participa no IDEA-FAST, um projeto inovador na área da saúde digital, com um orçamento de 42 milhões de euros.

Estatística

“O CEAUL tem pessoas com uma contribuição notável para a Estatística em Portugal”, escreve o investigador Tiago Marques, a propósito do último congresso da Sociedade Portuguesa de Estatística.

Golfinhos

Que espécies encontrarão os cadetes do NRP Sagres? Que informação se esconde na cor do mar? Estas são algumas das questões a que o CIRCULARES, um projeto de ciência cidadã irá responder durante a viagem de circum-navegação, que deverá terminar em janeiro de 2021.

Ana Rita Carlos

Ana Rita Carlos, investigadora no polo da Faculdade do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e antiga aluna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas premiadas na 16ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, com um estudo sobre os mecanismos que desencadeiam as distrofias musculares congénitas.

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho integram o grupo de trabalho dedicado ao encandeamento por <i>laser</i> no visível, efeitos e proteção

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho, investigadores do Departamento de Física e do Laboratory of Optics, Lasers and Systems da Ciências ULisboa, foram distinguidos com o Scientific Achievement Award e com o SET Panel Excellence Award, pelo Conselho de Ciência e Tecnologia da NATO.

Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas

Mais de 500 pessoas inscreveram-se no Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas, uma iniciativa organizada pela Ciências ULisboa em parceria com o IDL e a CML, no âmbito da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. O acontecimento visa debater a melhor investigação em alterações climáticas que é realizada em Portugal. O programa integra oito sessões temáticas e uma sessão de posters, com 47 trabalhos.

Comitiva da Faculdade no “Matchmaking” da EIT Health

Ciências ULisboa participou no “Matchmaking” da EIT Health. “O balanço final é bastante positivo pois foi possível obter a participação da Faculdade em duas summer schools e ainda angariar parceiros para propostas campus e innovation lideradas ou comparticipadas pela Faculdade”, refere Ana Faisca, técnica do GAI da Direção de I&D da Ciências ULisboa.

Primeira prova das OUB

Em Portugal existem atualmente 12 licenciaturas de Bioquímica com um total de 615 vagas. Leia o artigo da autoria do professor Francisco Pinto sobre o importante dinamismo desta comunidade estudantil.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Levada Wanderungen, Madeira

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

Constituição da AMONET no notário em 2004

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

Vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF no JBT

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

Homenagem a Helena Iglésias Pereira

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

Pormenor da impressão artística do processo de fusão da galáxia NGC 6240

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Carlos Lopes e Margarida Amaral

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

Páginas