Processo de compostagem em Ciências

Como está Ciências a melhorar a gestão dos resíduos orgânicos?

“Ao transformarmos o problema dos resíduos orgânicos, numa oportunidade para  melhorarmos o solo do campus de Ciências, ou seja, a matriz que suporta a vida, estamos a melhorar as plantas que aqui crescem com externalidades positivas para o ambiente”

ACI Ciencias

O compostor de Ciências surge integrado numa iniciativa que visa contribuir para a redução da pegada ecológica desta instituição. Como o faz? Pela melhoria na gestão dos seus resíduos orgânicos, valorizando-os através do processo de compostagem.

Pretende-se transformar o que atualmente é tido como resíduos dos jardins, bares e cantinas da Faculdade, num produto de alta qualidade, reduzindo assim o impacto atual de exportação de resíduos deste sistema para fora do campus e a consequente dependência de fontes externas de adubos.

O compostor é o elemento fundamental para transformar um processo linear, que termina em resíduos, num processo cíclico de nutrientes do campus, produzindo composto que melhora o solo.

Ao melhorarmos o solo do campus de Ciências, ou seja, a matriz que suporta a vida, estamos a melhorar as plantas que aqui crescem com externalidades positivas para o ambiente.

Deste projeto fazem parte as equipas de trabalho: Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade; Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços; Centro de investigação em Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais - CE3C; Projeto de Permacultura – HortaFCUL.

 

O que é o processo de compostagem?

Compostagem é o conjunto de técnicas aplicadas para controlar a decomposição de materiais orgânicos, com a finalidade de obter, no menor tempo possível, um material estável, rico em húmus e nutrientes minerais, com atributos físicos, químicos e biológicos superiores (sob o aspecto agronómico) àqueles encontrados nas matérias-primas. Para além de proteger o ambiente reduzindo o transporte e concentração de lixo orgânico, o processo de compostagem ainda permite obter um produto de grande valor – o composto – que se pode colocar em vasos e canteiros pois é um ótimo fertilizante natural.

Processo de Compostagem

1. Transporte e deposição de resíduos orgânicos de jardim

A empresa de jardinagem na sua atividade diária gere e mantém os jardins de Ciências efetuando podas de árvores e arbustos, que são cortados em grandes volumes de outubro a fevereiro. Depois, cortam os relvados de 15 em 15 dias (resultando cerca de 15 sacos por mês, 18m3/ano); e executam a limpeza e recolha de folhas secas todos os dias (com menor incidência de março a outubro), resultando em cerca de 16 sacos por mês (19,2 m3/ano)).

2. Receção e armazenamento temporário dos resíduos orgânicos

A equipa de jardinagem armazena as sobras de jardins na zona de receção e armazenamento de resíduos orgânicos, no sítio da compostagem, e separa-os consoante a sua tipologia previamente definida no Guia do Compostor FCUL elaborado para o efeito:

Resíduos verdes finos - resíduos de jardins frescos, geralmente húmidos e de cor verde como aparas frescas de relva, ervas, plantas verdes e flores.

Resíduos castanhos finos - resíduos de jardim secos como aparas secas de relva, restos de plantas (sem doenças e pesticidas), folhas e ramos finos secos, palha, aparas de madeira e caruma (pouca quantidade).

Resíduos grossos - resíduos grossos (de 1 a 4 cm de diâmetro) que irão precisar de ser triturados antes de irem para o compostor.

3. Triagem e pré-tratamento dos resíduos

Antes de se iniciar a pilha de compostagem, os resíduos sofrem um pré-tratamento que consiste na sua limpeza (filtragem de resíduos não compostáveis, como plásticos) e trituração do material grosso com o biotriturador. Este pré-tratamento é efetuado pelo guardião do compostor.

O compostor localiza-se no extremo norte do campus de Ciências, junto ao IBEB, parque das estufas, PermaLab e 2.ª circular. Este projeto resulta de uma parceria entre Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade, Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços, Centro de investigação em Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais - CE3C, Projeto de Permacultura – HortaFCUL.

4. Criação da pilha de compostagem

O ciclo de compostagem começa com a criação da pilha de compostagem que se inicia com uma camada de material solto que é colocado em baixo para manter o arejamento da pilha num nível harmonizado e ajudar na drenagem de excesso da água. De seguida, vão-se sobrepondo camadas de resíduos verdes e de resíduos castanhos, sendo que as camadas do material castanho devem ter o dobro da espessura do material verde para manter a razão C/N (carbono/azoto) adequada.

5. Manutenção das pilhas

O objetivo do compostor é manter os quatro principais determinantes da degradação nos níveis adequados para a compostagem acontecer: i) razão carbono/azoto (razão entre material castanho e verde), ii) temperatura (dimensão adequada da pilha e camada protetora para isolamento), iii) humidade (regar ou tapar, para evitar evaporação ou proteger da chuva em excesso) e iv) arejamento (revolver o composto e manter uma camada solta em baixo).

Para garantir o bom equilíbrio dos fatores determinantes, o ciclo começa com a criação da pilha de compostagem no contentor um, que é depois transferida para o contentor dois e subsequentemente para o contentor três.

Se o composto ficar demasiado húmido, convém colocar uma camada de material solto no chão antes de revolver o material lá dentro. O intervalo entre os revolvimentos deve ser inferior a um mês e superior a duas semanas. Depois de dois revolvimentos, o composto pode sair do compartimento três ou, caso não haja destino imediato, deixado nesse compartimento a maturar.

6. Composto

Como resultado do processo são produzidos o “composto” e “lixiviados”.
Os lixiviados do compostor serão encaminhados por um sistema de drenagem para uma bacia de drenagem onde serão devidamente tratados através da utilização, de forma otimizada, da estrutura e da dinâmica funcional de elementos biológicos de zonas húmidas naturais.
O composto, um material rico em nutrientes que pode ser utilizado como fertilizante orgânico nos jardins e hortas da FCUL.

7. Utilização do composto

O composto, ao ser aplicado (de volta) nos jardins e hortas de Ciências tem benefícios para o solo, as plantas e ambiente. No solo melhora o arejamento e a sua capacidade de retenção da água e dos adubos, torna-o fofo e aveludado por agregação das partículas suas constituintes. Relativamente às plantas, promove um maior crescimento das raízes, reduz a ocorrência de doenças, porque facilita o desenvolvimento de microrganismos benéficos, fornece um conjunto de nutrientes que as plantas necessitam, de forma equilibrada, libertando-os lentamente ao longo de um largo período de tempo. A sua aplicação ao solo, na fase de crescimento e formação das árvores ou arbustos, é responsável pelo aumento do diâmetro dos troncos e ramos e pelo maior desenvolvimento das plantas. Também a nível ambiental se podem referir vários benefícios começando pela redução da aplicação de adubos e pesticidas; redução da contaminação das águas subterrâneas e superficiais devido ao aumento da capacidade de retenção do solo para os constituintes dos adubos, herbicidas e pesticidas; prevenção da erosão do solo, uma vez que favorece a agregação das suas partículas constituintes; aumento da infiltração da água, pois combate a compactação nos solos.

David Avelar e Florian Ulm, Projeto de Permacultura – HortaFCUL
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rosto do investigador

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

Célia Lee

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

 BARCOSOLAR.EU

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Centro de Dados da FCUL

"Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017)", escreve Helder Coelho em mais um ensaio.

Imagem da Orion A

A missão Gaia dedica-se a observar estrelas. A sua finalidade é mapear a Via Láctea em 3D. O primeiro lançamento de dados ocorreu em 2016. O próximo acontece a 25 de abril e corresponde à primeira entrega com distâncias, velocidades e vários outros parâmetros astrofísicos para a maioria das estrelas.

Trabalho em Bio Hacking

Ciências colabora com o módulo Bio Hacking na iniciativa Young Creators 2018. Esta é a segunda vez que a Faculdade integra o projeto.

Equipa de trabalho CEAUL

O Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa realizou o seu primeiro workshop no dia 17 de março.

Homem a espreguiçar

Sabendo que no nosso dia-a-dia, por motivos laborais ou outros, ficamos sentados muito tempo, que medidas deveremos tomar para minimizar os seus efeitos?

Pormenor da Lua

Martin Schilller e Martin Bizzarro, investigadores da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca e Vera Assis Fernandes, investigadora do Museu de História Natural de Berlim, na Alemanha e colaboradora do Instituto Dom Luiz, desafiam a teoria dominante sobre a formação dos corpos planetários do sistema solar e a própria origem do sistema Terra - Lua.

Conceção artística de um exoplaneta a passar (transitar) em frente da sua estrela

A missão Ariel tem como objetivo descrever as atmosferas dos exoplanetas. A equipa de investigação é composta por 12 investigadores, sete deles têm ligação a Ciências.

Imagem de motivação

Uma das formas de lidar com a ansiedade e o medo é ganhar perspetiva.

Rosto de Henrique Cabral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o biólogo Henrique Cabral e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Edifício C2

A primeira reunião do projeto PROSEU “PROSumers for the Energy Union: mainstreaming active participation of citizens in the energy transition”, financiado pelo Horizonte 2020 e com a duração de três anos, realiza-se no campus de Ciências, nos dias 22 e 23 de março.

Carrinho

Dez empresas discutem os últimos avanços no sector da mobilidade sustentável.

Sala de aulas

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes.

Papel ardido

Saí da FCUL ao fim da tarde rumo ao meu fim de semana. Para trás ficou um edifício imponente a fervilhar de vida, e ao mesmo tempo já a minha casa! A casa que nos ampara, nos ensina e, a mim, permitia uma entrada num mundo tão fortemente diferente do vivido por mim noutro lugar.

Pessoas na Politécnica recuperam objetos no rescaldo do incêndio

Ainda durante o rescaldo do incêndio iniciaram-se as operações de salvamento e recuperação do que ainda fosse possível salvar e recuperar.

Imagem abstrata

Dez países juntam-se para o estudo do património dos materiais plásticos.

Edifício da Escola Politécnica

Politénica (FCUL)... escrever e ou pensar sobre “ELA”, hoje, ainda me emociona...

Pormenor de uma palmeira

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Rosto de Marta Antunes

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de março é com Marta Antunes, técnico superior do Departamento de Geologia de Ciências.

Bombeiro apaga fogo

Era madrugada e o edifício da Faculdade de Ciências de Lisboa, na rua da Escola Politécnica, ardia. Dezoito de março, seriam duas horas da madrugada. Um salto da cama, um vestir rápido e uma fuga apressada ao encontro das labaredas.

Escola Politécnica

Passaram 40 anos do incêndio da “outra” Faculdade. São já poucos os que vivenciaram, alguns os que ficaram marcados. Para os mais novos, o “fogo na Politécnica” é apenas uma história que ouviram contar.

Mar

Qual o impacto das poeiras provenientes do Sahara na produtividade marinha do Oceano Atlântico tropical, particularmente nos coccolitóforos (fitoplâncton calcário)? Esta é a principal questão que irá marcar o trabalho de Catarina Guerreiro, investigadora do MARE.

Páginas