Aprender com as “mãos na massa”

Projeto “Jovens Investigadores” proporciona contacto entre estudantes do ensino secundário e investigadores da Faculdade

posters afixados

Este ano, os alunos de 12.º ano produziram 15 posters referentes aos projetos de investigação desenvolvidos

Mónica Vilhena

Na Escola Básica e Secundária Alfredo da Silva (EBSAS), a componente prática das disciplinas de 12.º ano, Biologia e Química, consiste no desenvolvimento de um projeto de investigação. “Jovens investigadores” é o projeto da escola do Barreiro que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

“Jovens investigadores” surgiu no ano letivo 2018/2019, a partir do interesse e curiosidade dos alunos de Biologia do 12.º ano em estabelecer relações com a universidade, os seus laboratórios e investigadores. Enquanto antigas alunas da Ciências ULisboa, as professoras da EBSAS responsáveis pelo projeto, Mónica Vilhena e Ana Sofia Neves, desafiaram os professores da Faculdade a colaborarem como professores orientadores.

As professoras da EBSAS responsáveis pelo projeto foram alunas na Ciências ULisboa: Mónica Vilhena, alumna do curso de Recursos Faunísticos e Ambiente e mestrado em Conservação da Diversidade Animal; e Ana Sofia Neves, alumna do curso de Ensino da Física e da Química – variante Química.

Tendo iniciado em 2018/2019, com 31 alunos, o projeto teve uma paragem em 2019/2020 e retomou em 2020/2021. A terceira edição aconteceu este ano letivo, e contou com a participação de 74 alunos. O número de alunos envolvidos tem vindo a aumentar, dado o crescente interesse por parte dos estudantes, e a expansão do projeto para a disciplina de Química.

Maria Teresa Rebelo, professora do Departamento de Biologia Animal (DBA) e Ana Cristina Figueiredo, professora do Departamento de Biologia Vegetal, ambas investigadoras do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) são as professoras da Faculdade envolvidas no projeto desde a primeira edição. Às investigadoras juntaram-se este ano mais seis colegas da Faculdade: Carlos Assis, do DBA, Ana Paula Paiva, Jorge Correia, Maria Estrela Jorge, Maria José Brito, e Susana Santos, do Departamento de Química e Bioquímica.

Para além da Ciências ULisboa, integram este projeto professores e investigadores da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro (ESTB) (Instituto Politécnico de Setúbal), do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), e mais recentemente, da Escola Superior Agrária (Instituto Politécnico de Coimbra).

“Jovens investigadores” é um projeto integrado no programa curricular dos alunos de Biologia e Química, no âmbito da avaliação dos domínios de autonomia curricular. Este parâmetro de avaliação pretende que os alunos desenvolvam as matérias das disciplinas de forma prática, integrando competências transversais e permitindo adaptar a componente prática da disciplina a projetos de investigação.

posters
Este ano foram 15 os projetos de investigação apresentados
Fonte Mónica Vilhena

Este ano foram 15 as temáticas trabalhadas pelos alunos, nas áreas da Biologia e da Química: macroinvertebrados bentónicos, diagnóstico da COVID-19, o efeito do tempo e do ambiente nas moedas antigas, plantas invasoras, aditivos alimentares, a versatilidade do ligando H2Salen, recursos piscícolas marinhos, azeite e ervas aromáticas, voláteis dos pinheiros na saúde, produção de bioetanol, reciclagem metálica, deposição electroless, amigos e inimigos da oliveira, polímeros condutores e estado sanitário de um povoamento de sobreiro. Os alunos dividiram-se em grupos de quatro a seis alunos e escolheram um dos temas.

O trabalho de investigação de cada grupo é orientado por um professor ou investigador, que acompanha todo o processo. O trabalho começa com a definição das temáticas, e segue as seguintes etapas: pesquisa bibliográfica, escrita da proposta de projeto, trabalho prático, recolha e tratamento de dados, elaboração de poster científico, exposição e apresentação final do trabalho.

O trabalho desenvolve-se de outubro a maio, e divide-se entre a Escola e a Faculdade, em trabalho de campo ou laboratório, dependendo da natureza do projeto, num total de cerca de 30 horas de trabalho. “Os alunos metem as mãos na massa, como numa aula prática aqui na Faculdade (…) eles fazem trabalhos de investigação mesmo a sério!”, conta Maria Teresa Rebelo. A professora afirma que os alunos aprendem muito sobre metodologias científicas, a tratar dados e fazer relatórios, aprendizagens incomuns no âmbito do percurso curricular.

grupo de alunos e o poster do trabalho
Professora Ana Cristina Figueiredo com grupo de alunos, durante a sessão de apresentação dos posters, nas instalações da ESTB, no passado dia 27 de maio
Fonte Mónica Vilhena

“Os alunos metem as mãos na massa, como numa aula prática aqui na Faculdade (…) eles fazem trabalhos de investigação mesmo a sério!” Maria Teresa Rebelo

Para além da apresentação final, também nos 1.º e 2.º períodos os alunos apresentam os resultados a todos os colegas envolvidos no projeto. Ana Sofia Neves, uma das professoras responsáveis pelo projeto, conta que o feedback dos professores tem sido muito positivo - docentes de outras disciplinas, como a Física, notam que os alunos envolvidos neste projeto têm mais à vontade na comunicação, quando apresentam projetos no âmbito das suas disciplinas, em comparação com aqueles que não participam no projeto.

As promotoras da iniciativa reconhecem as mais valias do projeto, não só para os alunos, mas também para os professores envolvidos, na medida em que lhes permite manterem-se informados e atualizados face ao estudo das diferentes temáticas.

Do trabalho realizado resultaram já diversos posters científicos, quatro deles já saíram das portas da escola: em setembro de 2021, dois posters sobre insetos participaram no XIX Congresso Ibérico de Entomologia; em abril de 2022, foram apresentados dois posters sobre a reciclagem metálica no XV Congresso Nacional de Cientistas em Ação, em Estremoz, um dos quais obteve uma Menção Honrosa. Um dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos recebeu ainda o prémio Desafios Invasoras.pt - Desafio 2: Fenologia, na edição de 2021/2022, que consistiu na monitorização do ciclo de vida de seis espécies invasoras durante seis meses, um trabalho que resultou na produção de um poster com os resultados da investigação.

grupo de alunos na FCUL
Grupo de alunos do projeto em visita aos laboratórios de Química da Faculdade
Fonte Mónica Vilhena

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Páginas