Artigo da Weather and Climate Extremes analisa ondas de calor da Península Ibérica em agosto de 2018 e junho de 2019

Intrusões de ar com origem no norte de África

Mecanismo relevante para explicar temperaturas extremas

Ondas de calor de 1 a 7 de agosto de 2018 (à esquerda) e de 24 a 30 de junho de 2019 (à direita). As cores indicam o número de dias com intrusão de massa de ar quente proveniente do norte de África. Os pontos a negro identificam as regiões que, pela primeira vez (pelo menos desde 1948), foram afetadas por uma massa de ar com essas características

Ondas de calor de 1 a 7 de agosto de 2018 (à esquerda) e de 24 a 30 de junho de 2019 (à direita)

Imagem cedida por IDL Ciências ULisboa

Um grupo de investigadores descobriu que as intrusões de massas de ar provenientes do Saara aumentaram de frequência, particularmente desde meados da década de 1970, concluindo ainda que estes fenómenos atingem latitudes cada vez mais a norte no espaço europeu. O grupo integra investigadores de Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras instituições portuguesas e estrangeiras.

Os cientistas analisaram os episódios de onda de calor que afetaram a parte ocidental da Península Ibérica em agosto de 2018 e a oriental em junho de 2019, assim como a evolução das intrusões de ar saariano nos meses de verão na Península Ibérica, utilizando dados desde 1948.

Saharan air intrusions as a relevant mechanism for Iberian heatwaves: The record breaking events of August 2018 and June 2019” da autoria de Pedro M. Sousa, David Barriopedro, Alexandre M. Ramos, Ricardo García-Herrera, Fátima Espírito-Santo e Ricardo M. Trigo está disponível online desde 14 de setembro e será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes.

Pedro M Sousa
Pedro M. Sousa é o primeiro autor deste artigo disponível online e que será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes
Imagem cedida por PMS

Pedro M. Sousa, investigador do polo de Ciências ULisboa do Instituto Dom Luiz, é o primeiro autor deste artigo. O jovem cientista, antigo aluno de Ciências ULisboa, concluiu a licenciatura e o mestrado em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica, e o doutoramento em Ciências Geofísicas e da Geoinformação, tendo sido orientado por Ricardo M. Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e por David Barriopedro, do Instituto de Geociencias do Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Universidad Complutense Madrid, em Espanha.

Estas intrusões de ar com origem no norte de África representam um fenómeno bastante relevante no contexto do clima da Península Ibérica, uma vez que são frequentemente associadas a ondas de calor.

O trabalho mostra o aumento da frequência e severidade de um dos principais mecanismos responsáveis pela ocorrência das ondas de calor, fenómeno associado a grandes impactos na saúde pública, incêndios florestais ou gestão de secas. Este incremento na frequência das ondas de calor está perfeitamente alinhado com as projeções de aquecimento global indicadas pelos relatórios do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC).

O artigo analisa os episódios de ondas de calor que afetaram a região oeste da Península Ibérica (particularmente Portugal) em agosto de 2018 e também a região leste da Península em junho de 2019. Ambos os eventos foram associados a intrusões de ar provenientes do norte de África. No primeiro caso, a massa de ar com características desérticas penetrou pelo oeste peninsular, chegando à província da Galiza, algo totalmente inédito até essa ocasião. Simultaneamente, muitos recordes absolutos de temperatura máxima foram quebrados em Portugal continental, com valores na casa dos 44C na região de Lisboa.

Durante a mega onda de calor ocorrida na Europa no final do mês de junho de 2019, o ar de origem africana atravessou a zona leste da Península Ibérica, tendo chegado a atingir grande parte da Europa central, apresentando um novo recorde absoluto de extensão para norte. Este evento causou temperaturas extremas que se estenderam do Mediterrâneo espanhol ao sul da Alemanha, tendo sido registadas temperaturas superiores a 45C em França pela primeira vez, excedendo em muitos casos os registros de temperatura deixados pela famosa onda de calor de 2003.

Nota da redação referente à legenda da figura: As cores indicam o número de dias com intrusão de massa de ar quente proveniente do norte de África. Os pontos a negro identificam as regiões que, pela primeira vez (pelo menos desde 1948), foram afetadas por uma massa de ar com essas características.

ACI com IDL Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Ilustração de um buraco negro ativo no centro de uma galáxia

Cientistas portugueses estiveram envolvidos na primeira medição espacial do redemoinho de massa que orbita um buraco negro de centenas de milhões de massas solares.

C6

Soraia Pereira, investigadora do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa e antiga aluna de Ciências ULisboa, vence Prémio Sociedade Portuguesa de Estatística 2018.

Representação esquemática da bicamada fosfolipídica da membrana e da sua alteração, após ação do antibiótico (à esquerda) e visualização da membrana danificada por ação de uma dose inferior à concentração mínima letal (à direita)

Uma equipa liderada por Ciências ULisboa descobriu antibióticos derivados de açúcares, que matam células de espécies de Bacillus spp, incluindo Bacillus anthracis, um micróbio causador da doença antrax, que ataca animais e seres humanos e é um agente de bioterrorismo.

Mar

No Dia Nacional do Mar trazemos à memória os 20 anos da EXPO’98 e da Ponte Vasco da Gama e a reabilitação daquela área, na qual participaram vários professores de Ciências ULisboa e investigadores do extinto Instituto de Oceanografia, atual MARE.

Talhões SUSBEAUTY

Estudo coordenado por Ana Duarte Rodrigues, investigadora do DHFC e do CIUHCT, demonstra que plantas autóctones do Algarve são mais sustentáveis do que as espécies exóticas introduzidas na paisagem e que esgotam os recursos hídricos da região.

Cristina Máguas

“A Federação Europeia de Ecologia (FEE) tem objetivos muito claros – um deles é o de alargar o conhecimento ecológico à Europa”, diz Cristina Máguas, primeira portuguesa a ser eleita presidente da rede europeia de ecólogos. A tomada de posse ocorre em janeiro de 2019.

Ana Subtil Simões

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa.

Campus Ciências ULisboa

Ciências ULisboa organiza no seu campus a competição internacional destinada a treinar equipas multidisciplinares de estudantes universitários para a inovação e o empreendedorismo na área da saúde. A equipa vencedora irá participar no EIT Health Winners Event, em Londres, nos próximos dias 11 e 12 de dezembro.

Diego Rubiera-Garcia

Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

líquenes

O 1.º Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias foi atribuído a Paula Matos. A investigadora do cE3c do polo de Ciências ULisboa irá apresentar a tese em Biologia e Ecologia das Alterações Globais no 17.º Encontro Nacional de Ecologia.

João Alexandre Medina Corte-Real, professor jubilado da Universidade de Évora, docente em Ciências ULisboa durante mais de 30 anos, faleceu a 31 de outubro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Burnout

Saiba mais sobre a síndrome de burnout, na rubrica habitual da psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Pormenor de simulação de matéria a orbitar perto de um buraco negro

Há um buraco negro supermassivo, escondido, no centro da Via Láctea anunciou o ESO. O GRAVITY, que tornou possível esta observação, foi desenvolvido por um consórcio internacional, do qual fazem parte investigadores de Ciências ULisboa e da FEUP, integrados no CENTRA.

CCDesert

Ciências ULisboa, através do cE3c e do IDL, é um dos 37 membros fundadores do Centro de Competências na Luta contra a Desertificação criado pelo Governo este verão.

HortaFCUL

Contributo da HortaFCUL para a sustentabilidade do campus em 2017/2018.

Grande auditório de Ciências ULisboa

Novo ano escolar… Vida nova para muitos caloiros… Recorde a sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2018/2019 e conheça as histórias de alguns deles.

Ciências da Sustentabilidade

O novo doutoramento da ULisboa foi concebido no âmbito do Colégio Food, Farming and Forestry e junta 42 professores de 17 faculdades e institutos da ULisboa. A primeira edição conta com 14 alunos.

navio James Clark Ross

Vanda Brotas, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do MARE ULisboa, é a coordenadora do projeto Portwims, no âmbito do qual investigadores do MARE ULisboa participam em cruzeiros oceanográficos.

Anfiteatro da fCiências.ID

A ação COST CA 16118 ou Neuro-MIG visa o estabelecimento de uma rede de médicos e cientistas para o estudo das malformações do desenvolvimento cortical humano. Em setembro passado a comissão de gestão e os grupos de trabalho desta rede estiveram reunidos em Ciências ULisboa.

<i>Deep Learning</i>

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

Paulo Motrena

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Sala de aulas com crianças

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

Campus de Ciências ULisboa

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

“Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal”

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Sara Magalhães

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

Páginas