Artigo da Weather and Climate Extremes analisa ondas de calor da Península Ibérica em agosto de 2018 e junho de 2019

Intrusões de ar com origem no norte de África

Mecanismo relevante para explicar temperaturas extremas

Ondas de calor de 1 a 7 de agosto de 2018 (à esquerda) e de 24 a 30 de junho de 2019 (à direita)

Imagem cedida por IDL Ciências ULisboa

Um grupo de investigadores descobriu que as intrusões de massas de ar provenientes do Saara aumentaram de frequência, particularmente desde meados da década de 1970, concluindo ainda que estes fenómenos atingem latitudes cada vez mais a norte no espaço europeu. O grupo integra investigadores de Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras instituições portuguesas e estrangeiras.

Os cientistas analisaram os episódios de onda de calor que afetaram a parte ocidental da Península Ibérica em agosto de 2018 e a oriental em junho de 2019, assim como a evolução das intrusões de ar saariano nos meses de verão na Península Ibérica, utilizando dados desde 1948.

Saharan air intrusions as a relevant mechanism for Iberian heatwaves: The record breaking events of August 2018 and June 2019” da autoria de Pedro M. Sousa, David Barriopedro, Alexandre M. Ramos, Ricardo García-Herrera, Fátima Espírito-Santo e Ricardo M. Trigo está disponível online desde 14 de setembro e será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes.

Pedro M Sousa
Pedro M. Sousa é o primeiro autor deste artigo disponível online e que será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes
Imagem cedida por PMS

Pedro M. Sousa, investigador do polo de Ciências ULisboa do Instituto Dom Luiz, é o primeiro autor deste artigo. O jovem cientista, antigo aluno de Ciências ULisboa, concluiu a licenciatura e o mestrado em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica, e o doutoramento em Ciências Geofísicas e da Geoinformação, tendo sido orientado por Ricardo M. Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e por David Barriopedro, do Instituto de Geociencias do Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Universidad Complutense Madrid, em Espanha.

Estas intrusões de ar com origem no norte de África representam um fenómeno bastante relevante no contexto do clima da Península Ibérica, uma vez que são frequentemente associadas a ondas de calor.

O trabalho mostra o aumento da frequência e severidade de um dos principais mecanismos responsáveis pela ocorrência das ondas de calor, fenómeno associado a grandes impactos na saúde pública, incêndios florestais ou gestão de secas. Este incremento na frequência das ondas de calor está perfeitamente alinhado com as projeções de aquecimento global indicadas pelos relatórios do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC).

O artigo analisa os episódios de ondas de calor que afetaram a região oeste da Península Ibérica (particularmente Portugal) em agosto de 2018 e também a região leste da Península em junho de 2019. Ambos os eventos foram associados a intrusões de ar provenientes do norte de África. No primeiro caso, a massa de ar com características desérticas penetrou pelo oeste peninsular, chegando à província da Galiza, algo totalmente inédito até essa ocasião. Simultaneamente, muitos recordes absolutos de temperatura máxima foram quebrados em Portugal continental, com valores na casa dos 44C na região de Lisboa.

Durante a mega onda de calor ocorrida na Europa no final do mês de junho de 2019, o ar de origem africana atravessou a zona leste da Península Ibérica, tendo chegado a atingir grande parte da Europa central, apresentando um novo recorde absoluto de extensão para norte. Este evento causou temperaturas extremas que se estenderam do Mediterrâneo espanhol ao sul da Alemanha, tendo sido registadas temperaturas superiores a 45C em França pela primeira vez, excedendo em muitos casos os registros de temperatura deixados pela famosa onda de calor de 2003.

Nota da redação referente à legenda da figura: As cores indicam o número de dias com intrusão de massa de ar quente proveniente do norte de África. Os pontos a negro identificam as regiões que, pela primeira vez (pelo menos desde 1948), foram afetadas por uma massa de ar com essas características.

ACI com IDL Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt