Oportunidades e desafios na gestão de precisão e prevenção inteligente das doenças infecciosas

Case study RESISTIR

Projeto RESISTIR visa apoiar e implementar novos sistemas de medicina preditiva, personalizada, preventiva e participativa

Ciências ULisboa e a Maxdata Software apresentam a 26 de setembro, entre as 14h00 e as 17h45, na sala de atos, no edifício C6, os principais resultados do RESISTIR

RESISTIR

A análise de impacto económico e social efetuada durante o projeto sugere que esta problemática tenha afetado diretamente mais de 55.000 pessoas de um universo de 623.000 pessoas, originando mais de 70.000 dias de hospitalização excedentária e um custo superior a 26 M€ por ano para as unidades de saúde associadas ao projeto.

“Identificámos mais de cem casos em que não houve qualquer terapêutica eficaz disponível para controlo das infeções. Por cada ano de estudo foi estimado um custo médio de 989 anos de vida devido a óbitos associados às infeções e resistência aos antibióticos. É efetivamente um problema real que afeta o cidadão no presente, com consequências concretas para o nosso futuro próximo. Apenas com um firme compromisso social entre os cidadãos e as entidades gestoras da saúde pública, será possível juntos combatermos e vencermos esta batalha”, comenta o porta-voz do consórcio.

Ciências ULisboa e a Maxdata Software apresentam a 26 de setembro, entre as 14h00 e as 17h45, na sala de atos, no edifício C6, no campus da Faculdade, os principais resultados do RESISTIR. O projeto, iniciado em abril de 2016 e cofinanciado pelo Portugal 2020, visa apoiar e implementar novos sistemas de medicina preditiva, personalizada, preventiva e participativa e insere-se num consórcio que junta o BioISI - Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas, o LaSIGE - Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala; entidades empresariais na área de eHealth, sob coordenação da Maxdata Software e diversas instituições de saúde, como é o caso do Centro Hospitalar Lisboa Norte.

José Artur Paiva, diretor clínico do Centro Hospitalar de São João e Carlos Neves Martins, CEO do Idealmed Muscat Hospital no Sultanato de Omã e anterior presidente do Centro Hospitalar de Lisboa Norte, são alguns dos oradores do encontro RESISTIR, de acesso público mediante inscrição prévia.

“A execução do projeto excedeu todas as nossas expetativas e os objetivos propostos inicialmente. Quando desenhámos o projeto estávamos cientes do enorme desafio, riscos e complexidade tecnológica necessária para atingir os objetivos propostos. Criámos uma equipa multidisciplinar, e optámos por desenvolver um sistema praticamente de raiz em vez de adaptar plataformas existentes para os nossos objetivos. A execução do projeto foi altamente intensiva, com mais de 35 mil horas de trabalho e mais de um milhão de linhas de código produzidas pela equipa. Sem dúvida que esta abordagem intensiva e multidisciplinar foi uma enorme mais-valia, permitindo criar diversas soluções inovadoras de uma forma integrada para os principais pontos críticos do processo de produção de conhecimento nesta área. Foi inestimável a base de conhecimento que tivemos oportunidade de criar com os nossos parceiros, permitindo agregar informação curada de múltiplas fontes, desde dados demográficos, clínicos, científicos, e até informação meteorológica”, conta Ricardo Dias, investigador de Ciências ULisboa, coordenador do RESISTIR e porta-voz do consórcio.

Para a consórcio, o RESISTIR é um exemplo de transferência de tecnologia de sucesso, resultante das sinergias entre o conhecimento científico da Faculdade nas áreas da microbiologia, epidemiologia, bioinformática e sistemas inteligentes e a experiência de desenvolvimento de sistemas de informação hospitalares/laboratoriais da Maxdata, alicerçado nas necessidades e objetivos dos parceiros clínicos do consórcio alargado. O objetivo futuro passa também pela internacionalização do RESISTIR e pela produção de uma nova geração de soluções na área do conhecimento de precisão.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido recentemente pela Faculdade, o RESISTIR atingiu resultados de elevado impacto e qualidade. “O sistema permite a consciencialização e avaliação em tempo real do estado epidemiológico da unidade de saúde, como da sua área de influência. Destacam-se o desenvolvimento de métodos para a identificação automática e personalizada, ao nível do paciente e caso clínico, do nível de risco de desenvolvimento de infeção durante a estadia e a readmissão hospitalar; a criação de um sistema de sinalização do risco de desenvolvimento de resistência orientado para o paciente (patient-oriented), com funcionamento em curto espaço de tempo; e a capacidade de monitorização e alerta em curto espaço de tempo (minutos em vez de dias ou semanas), de surtos de origem hospitalar ou comunitária na área de influência hospitalar da unidade de saúde”, exemplifica Ricardo Dias, que acrescenta ainda que “as características diferenciadoras do projeto RESISTIR, colocam-no como um projeto altamente inovador na área da medicina de precisão, não existindo presentemente comparação no mercado internacional”.

“Esta problemática só poderá ser controlada com o compromisso, a colaboração e envolvimento de todos os stakeholders: cientistas, doentes, médicos, farmacêuticos, unidades de saúde, órgãos de governança públicos e privados.”
Ricardo Dias

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Fernando Mestre

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de julho é com Fernando Mestre, técnico superior da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências.

Enxame estelar RCW 38

Koraljka Muzic é a investigadora principal da proposta de observação, que levou à captura do enxame estelar RCW 38. Natural da Croácia, chegou a Ciências em 2017 para estudar as anãs castanhas, um dos grandes mistérios da Astronomia.

Joana S. Cristóvão e Cláudio M. Gomes

Joana S. Cristóvão estuda uma das mais abundantes proteínas do cérebro - a proteína S100B – com funções regulatórias associadas à resposta inflamatória, apresentando níveis elevados em pessoas com a doença de Alzheimer.

Cláudio M. Gomes

A ciência é global e colaborativa. Quem o diz é Cláudio M. Gomes, professor do DQB e investigador do BioISI. Recentemente, juntamente com outros cientistas descobriu um novo mecanismo bioquímico nas células nervosas, que retarda a formação dos depósitos de agregados de proteína no cérebro, causadores da doença de Alzheimer.

Comunicar pelo telemóvel

Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, menciona a importância de se resgatar a dimensão humana das relações, considerando um elemento muito importante para a sensação de descanso, especialmente em período de férias.

João Pires da Silva

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com João Pires da Silva, professor do Departamento de Química e Bioquímica que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Assembleia Geral da EMS em Praga

Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática de Ciências e presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática, foi eleito membro da Comissão Executiva da European Mathematical Society.

Terreiro do Paço em Lisboa

A primeira iniciativa do ciclo Alterações Climáticas: Impactos Biológicos e Socioeconómicos é organizada por Ciências. O próximo evento desta rede ocorre em julho e está a ser preparado pelo Instituto Superior de Agronomia.

Centro Cultural de Montargil, Ponte de Sor

O Centro Ciência Viva do Lousal (CCVL) – Mina de Ciência recebeu o prémio Melhor Projeto Público 2017. A Faculdade é membro associado e fundador da Associação CCVL garantindo a atualização e o rigor dos conteúdos comunicados.

Marta Aido junto ao globo terrestre

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Marta Aido, que trabalha no Instituto Dom Luiz.

Novos mapas de risco de incêndios florestais para 2018 resultam de um trabalho conjunto entre engenheiros florestais, estatísticos e climatólogos.

Fotografia do setup experimental

O professor do Departamento de Biologia Vegetal e membro da COST Action FA1306, que chegou agora ao fim, faz um balanço da rede transeuropeia e dá-nos a conhecer o projeto INTERPHENO e que poderá ser o primeiro passo para a constituição de uma rede nacional de fenotipagem.

Torre de pedras

"Associada à ideia de perfeccionismo surge a luta por objetivos elevados e irrealistas". Mais uma rubrica da psicóloga Andreia Santos.

Margarida Amaral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Margarida Amaral, professora do DQB e coordenadora do BioISI e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

“The Medieval and Early Modern Nautical Chart: Birth, Evolution and Use”

Joaquim Alves Gaspar, distinguido em 2016 com uma starting grant, a primeira a ser atribuída a um membro de Ciências, volta a “encantar” o Conselho Europeu de Investigação.

Uma mão com enguias

Ciências organiza a primeira reunião do projeto europeu, na qual participam mais de 50 especialistas portugueses, espanhóis e franceses, com o objetivo de debater formas de recuperação da enguia-europeia.

José Avelino Pais Lima de Faria,o proeminente cientista de 92 anos, antigo aluno de Ciências - licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1950 - volta colaborar com a Faculdade, com um artigo sobre a atividade científica, selecionando para o efeito um conjunto de eminentes personalidades. Dois dias após a publicação deste artigo, J. Lima-de-Faria faleceu. A Faculdade lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Oradores do Ignite IAstro na Assembleia da República

No âmbito da efeméride ocorreu uma sessão do Ignite IAstro na Assembleia da República. O Dia Nacional dos Cientistas é celebrado desde 2016.

Grande auditório

A nova direção de Ciências para os próximos quatro anos tomou posse a 15 de maio de 2018. Luís Carriço é o novo diretor e a sua equipa conta com cinco subdiretores: Margarida Santos Reis, Fernanda Oliveira, Jorge Maia Alves, Hugo Miranda e Pedro Almeida.

Logotipo

A final nacional da 14.ª edição das Olimpíadas de Química Júnior ocorreu a 12 de maio no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências. Os melhores classificados podem vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad, em 2019.

Pint

O Pint of Science traz para bares portugueses e internacionais assuntos científicos de forma descomplicada.

Beatriz Lampreia

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Beatriz Lampreia, assistente técnica do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica.

Marés

Investigadores de Ciências identificaram um novo ciclo global de marés que ocorre ao longo de grandes escalas de tempo geológico.

Sara Silva

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira na área da computação evolucionária.

Pedro Castro

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o engenheiro químico Pedro Castro e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Páginas