Opinião

Novos métodos para a monitorização da realidade epidemiológica

Pormenor de ampliação e bactérias mesófilas em processo de infeção por microscopia eletrónica de varrimento

Telmo Correia e Ricardo Dias 2014

Cátia Pesquita e Ricardo Dias
Fonte ACI Ciências

Recentemente todos os 193 países-membros da ONU assinaram uma declaração conjunta para combater a proliferação da resistência aos antibióticos. Estima-se que mais de 700.000 pessoas morrem em cada ano devido a infeções resistentes a estes medicamentos. Estes números poderão estar subestimados pela não existência de um sistema global de monitorização.

Na década de 1940, a ampla disponibilidade de penicilina e a posterior descoberta da estreptomicina levou a uma redução drástica da doença e morte por doenças infeciosas. No entanto, os microrganismos causadores de doenças infeciosas têm uma notável capacidade de mutar e adquirir genes de resistência de outros organismos e, assim, desenvolver resistência aos antimicrobianos. Quando um antimicrobiano é usado, a pressão seletiva exercida pelo antimicrobiano favorece o crescimento de organismos que são resistentes à sua ação. O uso extensivo de drogas antimicrobianas das últimas décadas resultou no fenómeno de resistência a fármacos que ameaça inverter os avanços médicos do último meio século.

Nos últimos anos, o custo em saúde pública e económico causado pelo fenómeno da resistência aos antimicrobianos e falha terapêutica têm aumentado dramaticamente a nível mundial, principalmente nos países desenvolvidos e em desenvolvimento dificultando a gestão e controlo de infeção. As bactérias multirresistentes aos antimicrobianos, comummente chamados de Super-Bugs, são responsáveis pela morte de mais de 25.000 pacientes anualmente na União Europeia (UE) e por um custo anual de 1.5 mil milhões de euros no tratamento e prevenção de fatalidades causadas por estas estirpes resistentes.

Devido à emergência e magnitude do impacto desta problemática, no início de 2014, a comunidade científica internacional da área da especialidade e as principais entidades políticas da UE e dos EUA fizeram apelos internacionais aos parceiros científicos, industriais e políticos para a criação de uma solução global para a resistência aos antibióticos, atestando a elevada preocupação governamental sobre a problemática.

A resistência aos antimicrobianos é um fenómeno inevitável, pelo que a vigilância, prevenção e controlo são fulcrais, mesmo que futuramente se desenvolvam novos antibióticos, pois será apenas uma questão de tempo até que a resistência a estes seja desenvolvida.

As infeções respiratórias e nosocomiais são as principais causas do consumo de antimicrobianos em ambiente comunitário e hospitalar, respetivamente. As infeções adquiridas em ambiente hospitalar representam um risco considerável, uma vez que se associam ao aumento da morbilidade, incapacidade, mortalidade, e ao prolongamento das estadias no hospital. A situação é particularmente preocupante em Portugal, onde a taxa de prevalência de infeções nosocomiais é das mais elevadas da Europa. Tanto no caso das infeções respiratórias (origem comunitária) como das hospitalares a maioria da prescrição terapêutica é efetuada em ambiente hospitalar (serviços de urgência, internamento hospitalar). A identificação do agente microbiano envolvido num processo infecioso e o seu perfil de resistência a antibióticos é uma tarefa complexa e demorada, pelo que a prescrição terapêutica é muitas vezes realizada empiricamente, no sentido de fornecer ao paciente um cuidado atempado.

Torna-se assim imperativo o desenvolvimento e implementação de medidas de identificação, monitorização e apoio ao controlo de infeção, como também de apoio à decisão médica no âmbito de antibioterapia empírica hospitalar.

O consórcio RESISTIR tem como objetivo a produção de conhecimento aplicado a partir da fusão do big data dos sistemas de informação hospitalares em conjunto com a web big data, o que permitirá o desenvolvimento de novos métodos para a monitorização da realidade epidemiológica em tempo quase real, como o desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão médica e gestão de hospitalar.

Ricardo Dias, investigador do BioISI - Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas e Cátia Pesquita, professora do Departamento de Informática de Ciências ULisboa
RESISTIR
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas