Filipa Rocha nomeada finalista do Prémio Jovens Inventores 2023 

Filipa Rocha

Filipa Rocha está entre os três finalistas da 2.ª edição do Prémio Jovens Inventores

Ricardo Junqueira

Filipa Rocha, estudante de doutoramento na Ciências ULisboa e professora assistente no Instituto Superior Técnico (Técnico Lisboa), desenvolveu um sistema que utiliza blocos tangíveis para promover a aprendizagem digital inclusiva para crianças com deficiência visual, ensinando assim literacia digital e eliminando barreiras educativas. Este trabalho valeu-lhe a nomeação como finalista da edição de 2023 do Prémio Jovens Inventores. O vencedor será conhecido a 4 de julho de 2023, na cerimónia transmitida ao vivo que terá lugar em Valência, em Espanha.

Cerca de 90 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo vivem com algum tipo de perda de visão, de acordo com a Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira. Os professores e pais de crianças com deficiência visual têm dificuldade em encontrar ferramentas e brinquedos educativos convencionais que não tenham de ser adaptados. Filipa Rocha desenvolveu um sistema de codificação baseado em blocos para resolver este problema e democratizar o acesso à educação digital.

Filipa Rocha está entre os três finalistas da segunda edição do Prémio Jovens Inventores, distinção estabelecida pelo Instituto Europeu de Patentes para inspirar a próxima geração de inventores. Este prémio reconhece a criatividade e talento de jovens inventores com idade igual ou inferior a 30 anos, que tenham desenvolvido soluções tecnológicas para enfrentar problemas globais e ajudar a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. O trabalho de Filipa Rocha contribui para a melhoria no acesso à educação, em particular para o ODS 4 – Educação de Qualidade e ODS 10 – Redução das Desigualdades.

 

“Acho muito importante criarmos tecnologias acessíveis e inclusivas para todos, independentemente das capacidades ou deficiências. Isto significa garantir que a tecnologia que desenvolvemos possa ser utilizada por pessoas com deficiência visual ou cegas, por exemplo, ou por pessoas com problemas de mobilidade ou destreza” Filipa Rocha 

blocos
Filipa Rocha chama à invenção “Sistema de Programação Tangível Acessível Baseado em Blocos” (em inglês, ‘Block-based Accessible Tangible Programming Systems’, BATS).
Fonte Ricardo Junqueira

Filipa Rocha está a desenvolver o seu trabalho no LASIGE e no Interactive Technologies Institute, sob a orientação de Tiago Guerreiro (Ciências ULisboa) e Hugo Nicolau (Técnico Lisboa). A base do seu trabalho é a codificação baseada em blocos – uma linguagem de programação em que o programador cria sequências de instruções arrastando e soltando blocos num monitor. Nesta invenção, os blocos são tangíveis e decorados com ícones de espuma tridimensionais, que representam por exemplo a direção de um determinado movimento ou a função de fala para comandar o comportamento de um robot. Através destes blocos, as crianças com deficiência visual podem controlar o robô, como se estivessem a jogar um jogo no computador.

Este protótipo de ferramenta de aprendizagem demorou menos de um ano a ser criado. Foi testado remotamente com cinco famílias de crianças com deficiência visual entre os 6 e 12 anos durante a pandemia de COVID-19. Quase sem financiamento para o projeto, foi através das relações que estabeleceu com escolas, associações e famílias que Filipa Rocha conseguiu dar vida a este conceito. As famílias participantes sugeriram adicionar mais blocos para treinar outros conceitos, como geografia ou matemática. O trabalho de Filipa Rocha deu passos significativos para tornar o pensamento computacional acessível a todos, especialmente a crianças com deficiência visual ou cegas.

Com o seu trabalho, Filipa Rocha tem partilhado a sua paixão pela educação ensinando a alfabetização digital através de brincadeiras, trazendo um sorriso aos rostos dos jovens enquanto estes desenvolvem capacidades como programação de computadores.

Instituto Europeu de Patentes com GCC Ciências ULisboa e Interactive Technologies Institute
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Cinquenta e cinco jovens experimentam a realidade da investigação científica na Faculdade de Ciências da ULisboa. O desafio começa esta segunda-feira, dia 21 de julho e prolonga-se até quinta-feira, dia 24.

Biologia 2014/2015

Para Ana Rita Ruivo, do 12.º ano da Escola Secundária Quinta do Marquês, passar alguns dias do seu verão em Ciências foi importante porque a ajudou a “clarificar que [assuntos] correspondem aos [diferentes] cursos” e também porque lhe permitiu “[ter contacto com] experiências que nunca tinha feito”.

António Branco, professor do Departamento de Informática de Ciências, é o coordenador do QTLeap, um projeto europeu de investigação para a tradução automática.

“É a primeira vez que tenho contacto com este ambiente. Gosto de programação e o curso que quero seguir é Engenharia Informática. Aqui, vou ganhar alguns conhecimentos”, referiu o aluno do 11.º ano da Escola Secundária da Amadora, Miguel Almeida, um dos participantes do FCUL Rally Pro.

Coleção de culturas

Este é um exemplo de como as coleções biológicas, enquanto infraestruturas científicas, podem ser instrumentais para o avanço da ciência e no potenciar e estreitar de parcerias transversais.

 A Exigo Consultores, empresa de consultoria em actividade desde 2001, focada na consultoria para o sector de saúde, principalmente a consultoria em economia da saúde, epidemiologia, análise matemática e estatística, procura

Parabéns ao aluno Pedro Lencastre, da edição de 2012/2013 do mestrado em Matemática Financeira da Faculdade de Ciências da ULisboa e do ISCTE-IUL, que ganhou uma bolsa da Global Association of Risk Professionals (GARP) para a elaboração da sua tese de mestrado na área de riscos financeiros.

alumna de Ciências e investigadora da ULisboa, galardoada este ano com o Portuguese Young Chemists Award, procura descobrir um fármaco que venha a ser útil à sociedade.

No âmbito de uma parceria estabelecida entre a Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto (FCUAN) e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), teve início em abril de 2014 o Mestrado em Microbiologia Aplicada da FCUAN

No âmbito de uma parceria estabelecida entre a Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto (FCUAN) e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), teve início em abril de 2014 o Mestrado em Microbiologia Aplicada da FCUAN

A segunda edição do FCUL Rally Pro realizou-se na tarde de 2 de julho.

De 7 de julho a 5 de setembro de 2014 as bibliotecas do C4 e do C8 têm alteração no horário de funcionamento.

Pedro Garret, Investigador de Ciências

A informação com possíveis cenários climáticos até ao final do século já está disponível para consulta de autarquias, responsáveis por licenciamentos de obras, proprietários que queiram construir e autoridades de proteção civil.

Alunos no campus de Ciências

“Quem não gostaria de gerir uma empresa sem o verdadeiro risco mas, ainda assim, de uma forma bastante realista?”, questiona João Guilherme Rodrigues, aluno de Ciências e um dos 21 concorrentes da Faculdade ao Global Management Challenge (GMC).

Qual é a maior alegria de um professor? Para a maioria é com certeza o bem-estar e o sucesso dos seus alunos.

Escolha de Ramo em Geologia / 2014

Listas definitivas divulgadas em 23 de Julho de 2014.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática da FCUL e um dos investigadores fundadores da Inteligência Artificial

“Tenho pensado em fazer um curso, uma formação extra virada para a área da Energia, não só para ajudar os meus alunos mas também por mim, por satisfação, para aprender”, conta Carlos Paulino, professor do ensino secundário.

Anfiteatro da Escola de Ciências

Universidade do Minho

Departamento de Biologia

23 a 26 de Junho

 

 

A Thomson Reuters alerta para a interrupção de serviços.

 “O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo”

O MARE organizou uma viagem a bordo de um Galeão para dar a conhecer a fauna local do Parque Marinho do Parque Natural da Arrábida. No total, 100 pessoas participaram nas iniciativas de comemoração do Dia Mundial do Ambiente organizadas por este centro.

Gostava de fazer um estágio aplicando os conhecimentos de Estatística Aplicada à área de Recursos Humanos? A Ernst & Young lança proposta.

Páginas