Crónicas em Ciências

O consumo de energia e a mudança na hora

Mulher esconde rosto com relógio

O efeito da mudança de hora no consumo de energia é cada vez menos relevante nas nossas sociedades desenvolvidas

Unsplash - Rodolfo Barreto
Miguel Centeno Brito
Miguel Centeno Brito
Imagem cedida pelo autor

A introdução da mudança da hora, um horário de verão desfasado do horário de inverno, em Portugal (como em muitos outros países no mundo) remonta[1] a 1916, durante a primeira grande guerra. O objetivo era “atrasar” o pôr-do-sol e reduzir o consumo de energia nos serões estivais. Naturalmente que desde essa época foram muitas as alterações na forma como consumimos eletricidade. O peso da iluminação no consumo é hoje menos relevante, pois temos iluminação mais eficiente (LED) e muitos outros eletrodomésticos nas nossas casas[2], consumindo cada vez mais eletricidade para arrefecimento no verão, um consumo que é acentuado com o horário de verão.

Muitos foram os estudos a analisar o consumo de eletricidade e a mudança da hora, com métodos e abordagens muito diversos, e resultados que parecem sugerir que o impacto não é inequívoco, mas depende de fatores como a latitude, o clima, a diferença entre a hora solar e a hora do relógio na mudança da hora, mas também dos hábitos sociais e culturais. Por exemplo, comparando diferentes províncias no Canada, Shaffer[3] determinou que o impacto no consumo de eletricidade poderia ser negativo (até -1.3 %) como por exemplo em British Columbia, onde o sol levanta-se tarde e as pessoas são mais madrugadoras, ou positivo (+1.5%), como em Alberta, onde o sol levanta-se cedo e as pessoas têm tendência a levantar-se mais tarde.

Em Portugal, o efeito do horário de verão na redução do consumo de eletricidade foi estimado[4] em cerca de 0.5%, semelhante ao impacto na vizinha Espanha[5]. Recentemente o LNEG avaliou o impacto da mudança de hora na penetração de energias renováveis[6], avaliando se a mudança de hora seria favorável a um maior aproveitamento da energia solar produzida no final do dia, no verão, quando o consumo é mais elevado. Embora tenha sido considerado um consumo de eletricidade rígido (apenas translação do consumo em função da hora do relógio, sem alterações de padrões de consumo) os resultados apontam para um efeito negligenciável da mudança da hora, inferior a 0.02%. Parece, pois, que a mudança da hora não reduz significativamente o consumo de eletricidade nem ajuda o aproveitamento das energias renováveis.

Claro, convém lembrar que energia não é só eletricidade e por isso o impacto da mudança da hora também deveria considerar alterações de padrões de consumo em outros sectores, como por exemplo a mobilidade. Mais uma vez, esta é uma área em que ainda existem muitas lacunas de conhecimento, com resultados contraditórios. Por exemplo, Hecq et al[7] observaram um aumento da intensidade de trânsito e no consumo de combustíveis de 0.5% na Bélgica, enquanto Belzer et al[8] não identificaram impactos significativos, nos EUA. Como o consumo de energia para os transportes é duas vezes maior do que na eletricidade, este pequeno efeito, se existir, poderá ser mais significativo do que a eventual redução de consumo de eletricidade.

Podemos, pois, concluir que o efeito da mudança de hora no consumo de energia é cada vez menos relevante nas nossas sociedades desenvolvidas e, por isso, a avaliação da sua premência deve valorizar sobretudo outros efeitos, como o impacto na saúde, na economia ou no bem-estar dos cidadãos. Seja, como for, vamos lá acertar os nossos relógios no final do mês…

 


[1]  Marques M (2002), A Hora Legal em Portugal, O Observatório 8:2, Observatório Astronómico de Lisboa

[2] Estima-se que no sector residencial a iluminação corresponda a cerca de 10% do consumo de eletricidade.

[3] Shaffer B. Location Matters: Daylight Saving Time and Electricity Use. MPRA Paper 84053 University Library of Munich, Germany (2017)

[4] Bergland, Olvar & Mirza, Faisal, 2017. "Latitudinal Effect on Energy Savings from Daylight Savings Time," Working Paper Series 08-2017, Norwegian University of Life Sciences, School of Economics and Business.

[5] López M, Daylight effect on the electricity demand in Spain and assessment of Daylight Saving Time policies,

Energy Policy 140:111419 (2020)

[7] Hecq, W., Borisov, Y., & Totte, M. (1993). Daylight saving time effect on fuel consumption and atmospheric pollution. Science of The Total Environment, 133(3), 249–274. doi:10.1016/0048-9697(93)90248-5

[8] Belzer, David B., Stanton W. Hadley, and Shih-Miao Chin, 2008, Impact of Extended Daylight Saving Time on National Energy Consumption: Technical Documentation, prepared for U.S. Department of Energy, Office of Energy Efficiency and Renewable Energy, October.

http://www.eere.energy.gov/ba/pba/pdfs/epact_sec_110_edst_technical_documentation_2008.pdf

Miguel Centeno Brito, DEGGE e IDL Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Cientista Ana Russo Regressa à Escola

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas