2013 Ano Internacional da Estatística

Estatística, Economia e Gestão: uma aliança forte e duradoura

Cedida por Teresa Alpuim

A história da Estatística está indissociavelmente ligada à Economia e à administração dos Estados. A palavra Estatística tem origem na expressão latina “Statisticum Collegium” (Conselho de Estado) e na palavra italiana “statista” que significa estadista ou político. Desde a Antiguidade, uma preocupação dos governantes foi conhecer com razoável rigor a dimensão e composição das populações que dirigiam, o valor das terras sob o seu domínio, os rendimentos que estas produziam, as receitas em impostos que podiam auferir, etc.. Não esqueçamos que Jesus Cristo nasceu num estábulo, porque Maria e José tiveram de se deslocar de Nazaré a Belém, terra natal de José, pois segundo Mateus, o imperador Octávio Augusto ordenou o recenseamento de todos os habitantes do mundo romano, tendo estes que se alistar nas respetivas cidades.

O estudo mais avançado sobre como exprimir todas as componentes naturais, sociais e políticas de um Estado em números foi iniciado por William Petty (1623-1687), na Grã-Bretanha, com o nome de Aritmética Política (Political Arithmetic). Segundo ele, esta abordagem permitiria obter uma base sólida para tomar decisões sobre os assuntos de Estado evitando controvérsias políticas. Pensa-se que o trabalho de Petty foi muito influenciado pelas ideias de John Graunt que publicou, em 1662, o livro “Observações naturais e políticas sobre as tabelas de mortalidade de Londres” e que, por isso, é hoje considerado um dos fundadores da Demografia. Os trabalhos de Petty e Graunt, em simultâneo com o desenvolvimento da Teoria da Probabilidade, permitiram que o famoso matemático e astrónomo britânico, Edmond Halley, publicasse um trabalho, em 1693, em que utilizava dados reais das Tabelas de Mortalidade de Breslaw para estabelecer prémios anuais de seguros de vida.
Apontamentos estatísticos
Fonte: istockphoto.com

Pode-se dizer que o trabalho de Halley deu origem à atividade seguradora relacionada com fundos de pensões e seguros de vida baseada em princípios científicos tal como a conhecemos hoje, isto é, às Ciências Atuariais. No entanto, a necessidade de segurar valores importantes contra riscos e incertezas é muito mais antiga e tem origem no comércio marítimo na Grécia. Nesse tempo, o financiamento para o transporte de carga marítima era, em geral, da responsabilidade de um ou vários indivíduos com riqueza, que concordavam em nada receber caso esta se perdesse. Mas se o navio chegasse a bom porto o segurador recebia de volta essa quantia, acrescida de uma pesada taxa de juro. As Ciências Atuariais desenvolveram-se em estreita relação com a Estatística e hoje em dia utilizam métodos estatísticos complexos e incluem uma grande variedade de ramos de atividade.

O estudo das variáveis e conceitos económicos, como procura, oferta, preços, quantidades produzidas, rendimento, etc. desde cedo utilizou Matemática e Estatística. Uma geração após William Petty e John Graunt, Gregory King (1648-1712) é considerado o primeiro economista estatístico, e mesmo Adam Smith citou o seu trabalho na “Riqueza das Nações”, cerca de um século mais tarde. Para além de vários trabalhos de natureza estatística sobre a produção, o comércio e a população de Inglaterra no século XVII, King introduziu o conceito de elasticidade de um bem, desde então muito utilizado pelos economistas. Hoje em dia chama-se Econometria à aplicação da Matemática e da Estatística às teorias económicas, com o objetivo de testar hipóteses e de prever tendências futuras. Este termo, Econometria, foi introduzido pelo economista Norueguês, Ragnar Frisch que recebeu o prémio Nobel exatamente pelo seu trabalho nesta área da Economia.
Circulação de transportes
Fonte: istockphoto.com

Desde os finais do século XIX que a Estatística começou também a ser utilizada como uma ferramenta importante na gestão industrial e dos serviços. Walter Shewhart, físico, engenheiro e estatístico americano, é conhecido como o pai do Controlo Estatístico de Qualidade cujos princípios básicos desenvolveu enquanto trabalhou nos Bell Telephone Laboratories desde a sua fundação em 1925 até 1956. Inspirando-se nas ideias de Shewhart, com quem colaborou, William Deming desenvolveu o controlo de qualidade e a gestão industrial, e é hoje conhecido pelo seu trabalho nos anos 50 no Japão, tendo contribuído de uma forma significativa para o desenvolvimento industrial daquele país. Também Agner Erlang (1878-1929), matemático, estatístico e engenheiro dinamarquês, contribuiu com resultados importantes para a Teoria da Probabilidade, estabelecendo os princípios do que é hoje conhecido como a teoria das filas de espera, no âmbito do seu trabalho para a Companhia de Telefones de Copenhaga.

Hoje em dia a Estatística é importante em muitos aspetos da gestão empresarial como, por exemplo, a gestão de carteiras de investimentos financeiros ou a gestão de risco. A Estatística está a transformar a Gestão de Marketing, através do Marketing Analítico e Relacional ou CRM (Customer Relationship Management) em que métodos estatísticos e técnicas de bases de dados permitem uma gestão de clientes mais eficiente e bem-sucedida. Pode-se dizer, sem risco de exagero, que a Estatística é a mais social das ciências exatas.

Presentemente, a FCUL oferece um Mestrado em Matemática Aplicada à Economia e Gestão, em que se estuda a aplicação da Estatística e de outras áreas de Matemática Aplicada à Economia e diversas especialidades da Gestão, como Risco e Finanças, Qualidade, Marketing, Produção, etc.. Este mestrado surgiu em consequência do trabalho de um grupo de docentes de Estatística, Investigação Operacional, Análise Numérica, Economia e Gestão que tem por objetivo, através do ensino e da investigação aplicada, aproximar a FCUL da vida empresarial e acrescentar maior valor económico aos conhecimentos que aqui se ensinam e aqui se criam.

Teresa Alpuim, professora do DEIO-FCUL

Ciências é uma das cinco instituições da ULisboa que integra o projeto ALHTOUR. O principal resultado deste projeto é a criação do HEALx-LAB, um living lab para potenciar a inovação e a colaboração entre a academia, a indústria, a administração pública e a sociedade civil na área do turismo de saúde na região de Lisboa.

António Branco, professor do DI Ciências ULisboa, é o novo presidente da ELRA-European Language Resources Association, a principal associação científica europeia para o processamento da linguagem natural e uma das mais importantes associações a nível mundial nesta subárea da Inteligência Artificial.

"Revendo as discussões nos últimos anos sobre a Inteligência Artificial (IA), a ideia da superinteligência (super-homem) e da frieza dos comportamentos dos agentes artificiais, quando comparados com os seres humanos, concluímos que o medo à IA só será ultrapassado com uma nova postura da IA, virada para a enfâse nos benefícios", escreve Helder Coelho, professor do DI Ciências ULisboa.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de dezembro é com Raúl Ferreira, assistente operacional da Oficina Gráfica da Área de Serviços Técnicos de Ciências ULisboa.

“Às vezes é mesmo preciso 'sair da cabeça e dar ouvidos ao corpo'. Dar atenção aos sinais físicos e às sensações”, escreve na rubrica habitual a psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Leia a entrevista com Soraia Pereira, vencedora do Prémio SPE2018 e que descobriu o interesse pela Estatística no último ano da licenciatura em Matemática.

O novo livro de Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática de Ciências ULisboa é apresentado ao público em dezembro. Leia a entrevista com o matemático e escritor que através da Matemática "rasga horizontes e abre novos mundos a mentes sequiosas".

"Até agora, os cientistas cidadãos das comunidades GROW implementaram/instalaram 2.000 sensores com o intuito de avaliar a humidade, temperatura e radiação solar do solo nos diferentes GROW Places. No próximo ano deverão ser implementados cerca de 10.000 sensores. Este é considerado o maior levantamento de dados de diversas propriedades do solo na Europa, realizado por cidadãos", escreve em artigo de opinião Gil Penha-Lopes, investigador do DBV Ciências ULisboa e cE3c.

O projeto “NitroPortugal -Strengthening Portuguese research and innovation capacities in the field of excess reactive nitroge” promove livro infantil “A história do azoto, bom em pequenino e mau em grande”.

A British Ecological Society anunciou esta sexta-feira, dia 30 de novembro, os vencedores do concurso anual de fotografia Capturing Ecology. Entre as várias fotografias premiadas encontram-se as de Adrià López Baucells, estudante do programa doutoral Biodiversidade, Genética e Evolução e investigador do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Cientistas portugueses estiveram envolvidos na primeira medição espacial do redemoinho de massa que orbita um buraco negro de centenas de milhões de massas solares.

Soraia Pereira, investigadora do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa e antiga aluna de Ciências ULisboa, vence Prémio Sociedade Portuguesa de Estatística 2018.

Uma equipa liderada por Ciências ULisboa descobriu antibióticos derivados de açúcares, que matam células de espécies de Bacillus spp, incluindo Bacillus anthracis, um micróbio causador da doença antrax, que ataca animais e seres humanos e é um agente de bioterrorismo.

No Dia Nacional do Mar trazemos à memória os 20 anos da EXPO’98 e da Ponte Vasco da Gama e a reabilitação daquela área, na qual participaram vários professores de Ciências ULisboa e investigadores do extinto Instituto de Oceanografia, atual MARE.

Estudo coordenado por Ana Duarte Rodrigues, investigadora do DHFC e do CIUHCT, demonstra que plantas autóctones do Algarve são mais sustentáveis do que as espécies exóticas introduzidas na paisagem e que esgotam os recursos hídricos da região.

“A Federação Europeia de Ecologia (FEE) tem objetivos muito claros – um deles é o de alargar o conhecimento ecológico à Europa”, diz Cristina Máguas, primeira portuguesa a ser eleita presidente da rede europeia de ecólogos. A tomada de posse ocorre em janeiro de 2019.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa.

Ciências ULisboa organiza no seu campus a competição internacional destinada a treinar equipas multidisciplinares de estudantes universitários para a inovação e o empreendedorismo na área da saúde. A equipa vencedora irá participar no EIT Health Winners Event, em Londres, nos próximos dias 11 e 12 de dezembro.

Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

O 1.º Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias foi atribuído a Paula Matos. A investigadora do cE3c do polo de Ciências ULisboa irá apresentar a tese em Biologia e Ecologia das Alterações Globais no 17.º Encontro Nacional de Ecologia.

João Alexandre Medina Corte-Real, professor jubilado da Universidade de Évora, docente em Ciências ULisboa durante mais de 30 anos, faleceu a 31 de outubro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Saiba mais sobre a síndrome de burnout, na rubrica habitual da psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Há um buraco negro supermassivo, escondido, no centro da Via Láctea anunciou o ESO. O GRAVITY, que tornou possível esta observação, foi desenvolvido por um consórcio internacional, do qual fazem parte investigadores de Ciências ULisboa e da FEUP, integrados no CENTRA.

Ciências ULisboa, através do cE3c e do IDL, é um dos 37 membros fundadores do Centro de Competências na Luta contra a Desertificação criado pelo Governo este verão.

Contributo da HortaFCUL para a sustentabilidade do campus em 2017/2018.

Páginas