Navsafety, uma ajuda na gestão do tráfego marítimo

Ciências ULisboa integrou consórcio do projeto, com a colaboração de cinco investigadores do IDL

vários barcos no mar
Hamish Kale [Unsplash]

Cinco docentes e investigadores do Instituto Dom Luiz (IDL) participaram no consórcio do projeto NAVSAFETY, cujo principal objetivo foi o desenvolvimento de uma plataforma digital de auxílio às entidades portuárias na gestão do tráfego marítimo. O projeto, coordenado pela Universidade de Aveiro (UA), e financiado pelo programa Fundo Azul, terminou no mês de setembro.

logotipo do projeto
Logotipo do projeto
Fonte IDL

NAVSAFETY – “Tecnologias emergentes de deteção remota no suporte em tempo real à segurança da navegação em zonas portuárias” foi levado a cabo por um consórcio entre o Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo da UA, a Ciências ULisboa, o Instituto Superior de Engenharia do Porto, a Simbiente, uma empresa de gestão de recursos naturais, a Direção Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e a Administração do Porto da Figueira da Foz.

Os investigadores do IDL envolvidos no projeto foram Ana Nobre Silva, Bárbara Proença, Cristina Lira, César Andrade e Rui Taborda. O principal objetivo foi o desenvolvimento de uma ferramenta de monitorização, em tempo real, para auxílio nas operações de acesso a portos com problemas específicos relacionados com a forte dinâmica dos fundos marinhos.

O protótipo desenvolvido baseia-se na recolha de dados de vídeo-monitorização sobre a zona de acesso ao porto. Numa primeira fase, esta ferramenta fornece informação sobre a superfície do mar, nomeadamente sobre as ondas que se propagam na região adjacente ao porto. A partir do conhecimento da velocidade de propagação destas ondas obtêm-se indicações indiretas sobre a profundidade. A este processo de cálculo de profundidade a partir da velocidade de propagação das ondas dá-se o nome de “inversão batimétrica”, um dado que fornece indicadores de profundidade bastante úteis para a gestão de acesso aos portos.

vários ecras de telemovel com o prototipo da aplicação
Protótipo da plataforma
Fonte Navsafety

O caso de estudo escolhido para o projeto foi o porto da Figueira da Foz. Neste local, explica Bárbara Proença, existe uma necessidade constante de obter um conhecimento atualizado sobre o fundo do mar, devido à elevada dinâmica sedimentar que origina a formação de uma grande barra arenosa submarina. Quando a barra se desenvolve em frente ao canal de navegação, diminuindo a profundidade do canal de acesso ao porto, esta pode impedir a entrada das embarcações de maior calado (parte submersa do navio), existindo um risco acrescido de acidentes na entrada e saída do porto. Para certas condições de agitação marítima, e com a presença da barra submarina desenvolvida, podem ocorrer fenómenos de rebentação das ondas que colocam em risco a segurança da navegação.

Navsafety contou com um financiamento de cerca de 180 000 €. Arrancou em julho de 2019 e teve uma duração de três anos e três meses.

A 19 de julho o projeto foi apresentado a seis eurodeputados da Comissão das Pescas do Parlamento Europeu, que se encontravam de visita a Portugal para conhecer as con­di­ções operacionais de alguns por­tos nacionais, bem como so­luções tecnológicas disponíveis no mercado e algumas das tecnologias em desenvolvi­men­to nos centros de conhecimento, como é o caso deste projeto. O acontecimento teve destaque no Diário de Aveiro.

Para além da investigação científica e tecnológica inerente, os investigadores centraram-se na aplicação real e transferência de conhecimento sobre as características do fundo submarino, uma necessidade transversal a vários portos, em particular os mais suscetíveis a problemas de assoreamento. O desenvolvimento de ferramentas práticas irá permitir perceber em que locais existem problemas de assoreamento, possibilitando prever possíveis falhas na segurança da navegação.

O protótipo desenvolvido foi testado, com a realização de um exercício de previsão da batimetria na área de estudo, por ocasião de uma tempestade que colocou à prova o algoritmo desenvolvido. “Os resultados foram muito bons e colocaram em evidência o potencial, mas também a responsabilidade que a operacionalização de um sistema desta natureza apresenta”, partilha Bárbara Proença.

Para a investigadora, “o balanço é muito positivo, não só pelo trabalho que foi desenvolvido, através de colaborações e parcerias que se consolidaram, mas também pelas perspetivas de trabalho futuro”. Cumpridos os objetivos a que se propuseram, será agora necessário operacionalizar a ferramenta, que, diz Bárbara Proença, implica ainda “um longo e desafiante caminho a percorrer”

Está disponível no YouTube um webinar no qual foi apresentado o projeto.

GJ com IDL Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

Páginas