“O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo”

 “O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo”
GCIC

Foi a bordo de um Galeão que a equipa do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente-, e alguns interessados pela temática, viajaram pelo Parque Marinho do Parque Natural da Arrábida.

A conduzir o barco esteve Alexandre Vlasov, ucraniano há 14 anos em Portugal. No verão, não há um dia em que não assuma o comando e leve passageiros a passear por aquelas águas.

“As pessoas querem ver os golfinhos e querem andar à vela, já que Portugal é ‘um país de descobridores’. Gosto de lhes mostrar a nossa costa!”, diz, notando-se o orgulho que o faz ser também mais um “desses descobridores”.


Fonte: GCIC
Legenda: No verão, não há um dia em que Alexandre Vlasov, ucraniano, não assuma o comando e leve passageiros a passear por aquelas águas. Já o faz há 10 anos

Temperatura de feição, paisagens a condizer com o entusiasmo dos participantes, tudo a postos para conhecer a fauna local.

Às 10h00 o grupo saiu do porto de Sesimbra. Ao mesmo tempo, um outro barco levou grupos de escolas, houve ainda mais um a transportar mergulhadores que se dedicaram à captação de fotografias.
 


Fonte: GCIC
Legenda:  No Galeão viajaram 27 pessoas

O evento marcou o Dia Mundial do Ambiente. O objetivo foi, segundo Henrique Cabral, professor catedrático de Ciências e diretor e coordenador científico do MARE, “dar a conhecer o centro, alertar para os problemas que afetam o mar, na atualidade, e fazer com que as pessoas sejam parte da solução destes problemas. O mar representa uma parte substantiva do planeta, tem uma grande importância em tudo o que se passa, desde o clima até aos processos de regulação dos ecossistemas e é um pouco esquecido pela sociedade. São as pessoas que contribuem para a sua conservação e para a mudança de mentalidades e se a comunidade científica estiver fechada e só falar entre pares, o nosso contributo é reduzido”.

Durante a viagem no Galeão, 27 pessoas prestaram atenção às explicações dadas por biólogos sobre as particularidades das aves marinhas e cetáceos existentes naquela área e sobre alguns dos problemas do parque marinho.

 
Fonte: GCIC
Legenda: O biólogo informou que naquela área é possível encontrar praticamente todas as aves marinhas que ocorrem ao largo da plataforma continental portuguesa 

Entre as diversas curiosidades, Paulo Catry, especialista em aves marinhas do MARE, falou “nas adaptações extraordinárias que as aves marinhas têm, como a capacidade de viver meses ou anos a fio no mar sem nunca precisarem de vir a terra descansar, o facto de poderem fazerem viagens de muitos milhares de kms – algumas conseguem ir até à África do Sul, por exemplo -, e também a sua grande longevidade - muitas vivem até aos 20, 30, 40 anos e, excecionalmente, até aos 50”.

O biólogo informou que naquela área é possível encontrar “praticamente todas as aves marinhas que ocorrem ao largo da plataforma continental portuguesa, desde alcatrazes, pardelas de varias espécies, cagarras, tordas-mergulheiras, airos, garajaus, cravinas, moleiros, alcaides, entre outros.”


Fonte: GCIC
Legenda: Paulo Catry, especialista em aves marinhas do MARE, deu conta de diferentes curiosidades das espécies existentes naquela zona

A atenção manteve-se durante as explicações dadas pelos especialistas em cetáceos. Por exemplo, Ana Rita Luís, investigadora da Unidade de Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – ISPA e membro do MARE -, mostrou um mosaico de barbatanas da população de golfinhos existente no Sado.


Fonte: GCIC
Legenda: Mosaico informativo de cetáceos avistados naquela zona

“Cada barbatana tem características específicas que nos permitem identificar o indivíduo a que pertence. No nosso mosaico temos ainda a indicação da data do primeiro avistamento, daqueles que foram vistos já em fase adulta ou juvenis e daqueles que foram avistados quando eram crias e, neste caso, é assinalado o ano do seu nascimento. Em alguns deles, temos a indicação do sexo, que é muito difícil de identificar. As fémeas reconhecem-se por associação às crias, os machos por observação da zona ventral e da barbatana”, explicou a investigadora que há sete anos trabalha nesta área e se sente fascinada pelo impacto ambiental e pela comunicação acústica.

Seguiu-se outro desafio: tentar ouvir golfinhos através de um hidrofone.

Sons da FCUL - Ouça a explicação do funcionamento de um hidrofone pela Ana Rita Luís, investigadora da Unidade de Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – ISPA e membro do MARE . Pode encontrar outros clips de audio aqui.

 

Depois das aprendizagens no mar, em terra o dia foi preenchido com bancas de atividades, no porto de Sesimbra, com o intuito de demonstrar alguma da investigação feita no MARE, como a observação de plâncton, a observação de invertebrados bentónicos, a recolha de amostra para análise genética, a análise de sons de golfinhos e peixes, entre outros. As fotografias dos mergulhadores foram ainda dadas a conhecer no concurso de fotografia programado para aquele dia.


Fonte: GCIC
Legenda: No total, 100 pessoas participaram nas iniciativas de comemoração do Dia Mundial do Ambiente organizadas por este centro que une 400 investigadores de seis universidades portuguesas

Para Cristina Lopes, estudante de Turismo a participar na iniciativa, a experiência foi bastante positiva já que, como referiu, “estes passeios servem para mostrar aos portugueses toda a riqueza que nós temos a que, por vezes, não damos valor, quer por desconhecimento, quer pela falta de curiosidade ou até pela falta de tempo”. Quanto às aprendizagens adquiridas, que serão úteis para a área profissional que pretende exercer, a do turismo, acrescentou “ver, por exemplo, estes senhores a amanhar as redes faz parte da nossa cultura, do nosso povo, temos muita coisa extraordinária para transmitir”.

No total, 100 pessoas participaram nas iniciativas de comemoração do Dia Mundial do Ambiente organizadas por este centro que une 400 investigadores de seis universidades portuguesas – ULisboa, ISPA, Universidade de Coimbra, Universidade dos Açores, Universidade de Évora e Universidade Nova de Lisboa -, e que combina “competências de investigação científica e desenvolvimento de aplicações tecnológicas aplicadas a todos os tipos de sistemas aquáticos, desde as bacias hidrográficas, estuários e zonas costeiras, até ao oceano aberto e mar profundo”.

Depois das descobertas e da contemplação de toda a envolvente o alerta foi transmitido e apreendido: despertar para a necessidade de respeitar e conservar os oceanos é preciso!

A reportagem fotográfica da iniciativa pode ser encontrada no Facebook de Ciências em https://www.facebook.com/fac.ciencias.ul?ref=hl#!/media/set/?set=a.815172401840069.1073741858.123970940960222&type=3 .

Dia do Ambiente com o MARE

“O dia foi muito positivo. Houve uma grande participação dos media o que multiplica a difusão da mensagem, houve também pessoas da comunidade local, estudantes, entre outros. Foi muito interessante” Henrique Cabral, professor catedrático de Ciências e diretor e coordenador científico do MARE

“[Esta iniciativa] é boa para os alunos pois ficam a perceber a importância destes elementos e reforçam o conhecimento de que têm de respeitar a natureza que é um bem que é de todos” Odete Fernandes, professora da área das Ciências e Tecnologias

“Viemos ver uma exposição para a qual contribuímos, através dos trabalhos realizados por nós na praia Amieira – fotografias, sinais de aviso, herbário com plantas existentes na duna. O objetivo do nosso projeto foi o de conservar as dunas e proteger e avisar as pessoas que frequentam a praia para este assunto. Esta é a área que eu gosto, a da Biologia Marinha. Por isso, esta experiência mostrou-me que trabalho se executa nesta profissão e contribuiu certamente para me ajudar a decidir que caminho seguir no futuro” Rafael Benavente, aluno do 10.º ano da área das Ciências e Tecnologias

“Achei muito interessante. Gostei bastante de ouvir o biólogo que falou sobre as aves marinhas. Participar neste dia acaba por ser muito útil pela informação que se obtém, para valorizar a zona de Sesimbra e aquilo que temos para oferecer em termos de turismo” Artur Alves, aluno do curso de Turismo

“Sou bióloga marinha de profissão, estou a fazer um curso de turismo e achei que este passeio seria uma mais-valia. Isto faz parte da minha formação, é aquilo que eu gosto e que gosto de transmitir aos outros. Já tinha feito vários passeios e voltei a fazer este. Aqui transmitem-se muitas informações que por vezes são básicas e não chegam ao público em geral, ou questões que ninguém tem noção e têm muita importância”, Ana Ferreira, aluna do curso de Turismo

Raquel Salgueira Póvoas com reportagem fotográfica de PCR, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

Apresentações públicas do Programa de Doutoramento em Biologia

Apesar do próximo ano letivo começar já dia 17 de setembro, a FCUL ainda está a receber candidaturas de alunos interessados nos seus cursos pós-graduados.

Centro de Dados da FCUL

Tal como anunciado em julho, a modernização do Centro de Dados da FCUL foi realizada durante os meses de verão e está prestes a terminar.

Vela

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Fluxo de energia bancária

“O princípio de que aumentar o capital dos bancos favorece a estabilidade bancária, para além de estar errado, penaliza países como o nosso de forma ainda mais gravosa”, refere em entrevista Pedro Gonçalves Lind, um dos autores do regular article “The Dynamics of Financial Stability in Complex Networks”.

Os cidadãos estrangeiros abrangidos pelos programas “Erasmus Mundus” e “Ciência sem Fronteiras” podem ter autorização de residência em menos de 15 dias e direito à mobilidade no espaço da União Europeia.

Jardim

Através do sistema Concursos pode aceder a mais informações sobre o convite publicado no Jornal Oficial da União Europeia.

Vela

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Adultos e criança em atividade da Ciência Viva no Verão

Até 15 de setembro, a iniciativa Ciência Viva no Verão percorre o País organizando mais de 1700 atividades científicas gratuitas para toda a população. As inscrições permanecem abertas até 15 de setembro, de acordo com o calendário de atividades. Nesta altura, já são mais de 20 mil os inscritos.

Nos dias 9 e 10 de Agosto a plataforma Moodle da FCUL vai estar inacessivel devido a uma manutenção de rotina.

As nossas desculpas pelos possiveis incómodos causados.

Liliana Caldeira junto aos posters

A investigação sempre foi um objetivo, que ganhou força após o prémio para melhor poster ser-lhe atribuído numa importante conferência internacional. Até ao final do ano, Liliana Caldeira, aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL, deverá defender a tese.

Pontos de interrogação

"Aquando da candidatura, o projeto estava numa fase embrionária e foi o Programa de Estímulo à Investigação da FCG que deu força e motivação para avançar”, diz Jocelyn Lochon, um dos vencedores da edição 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

Aluna entrevistada, sentada numa rocha

“O mais importante é saber gerir o tempo, ter alguma disciplina, definir os objetivos a alcançar e não dispersar”. A declaração pertence a Ana Bastos, jovem investigadora da FCUL e uma das vencedoras em 2011 do Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

Cara do aluno entrevistado

“Acredito que o meu projeto vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação”, refere Tomás Aquino, um dos vencedores da edição de 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

A Bial, procura um Bioestatista para a oportunidade de emprego que pode ser visualisada em maior detalhe na página através do link:

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

Estudantes sentados, junto a uma mesa

O pedido de apoio à formação pós-graduada na área da Geologia do Petróleo deve ser apresentado até 15 dias úteis, após o último dia do prazo de inscrição no respetivo curso.

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

Alunos da FCUL no pátio do C6

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Páginas