Entrevista a José María Moreno Madrid

A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães

espaço da exposição

A exposição está patente até junho de 2023

DCI Ciências ULisboa
José Madrid
José María Moreno Madrid
Fonte DCI Ciências ULisboa

Entrevista a José María Moreno Madrid, curador da exposição “A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães”, inaugurada no dia 3 de novembro de 2022. A exposição constitui uma mostra cartográfica sobre a construção da imagem do Estreito de Magalhães nos inícios da Idade Moderna. Pode ser visitada até junho de 2023, na Galeria de Ciências (Edifício C4).

A exposição é realizada no âmbito do projeto “Making the Earth Global: Early Modern Nautical Rutters and the Construction of a Global Concept of the Earth (RUTTER)”. José María Moreno Madrid é aluno de doutoramento em História e Filosofia das Ciências e investigador no Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT).

 

Em que consiste o projeto RUTTER?

José María Moreno (JMM) - O projeto RUTTER “Making the Earth Global” é um projeto financiado pelo European Research Council (ERC) com uma Advanced Grant e liderado pelo professor Henrique Leitão. O nosso objetivo principal é, através do estudo de documentação náutica dos séculos XVI-XVIII, principalmente roteiros portugueses e espanhóis, explorar e entender fenómenos naturais e científicos que ilustram o processo de globalização que começou na Idade Moderna.

Quem são as entidades e pessoas envolvidas?

JMM - O projeto RUTTER depende do European Research Council (ERC), e é formado por um amplo grupo de especialistas e académicos de vários países (Portugal, Espanha, Itália, Alemanha). Os seus perfis e linhas de investigação podem ser consultados no site do projeto.

Sobre que tema se debruça a sua tese de doutoramento?

JMM - Na minha tese de doutoramento analiso as relações entre ciência, nomeadamente ciência náutica, e império na Idade Moderna, com especial atenção aos impérios ibéricos no século XVI. Estou concentrado em como as viagens oceânicas de longa distância se tornaram entidades tecnológicas definidas, incluindo enquadramentos legais, técnicos, científicos e logísticos muito particulares.

Na exposição são exibidos 22 mapas, que documentam a evolução da representação do Estreito de Magalhães ao longo de 100 anos (de 1520 a 1620). Como surgiu esta ideia de expor estes documentos na Galeria de Ciências da Faculdade?

JMM - A ideia vem diretamente de um livro que escrevi em coautoria com o professor Henrique Leitão – “Desenhando a Porta do Pacífico. Mapas, cartas e outras representações visuais do Estreito de Magalhães, 1520-1671”. A exposição é, em certa medida, uma reflexão museográfica das ideias que explorámos no livro.

pessoas na inauguração da exposição
A inauguração da exposição decorreu no passado dia 3 de novembro
Fonte DCI Ciências ULisboa

Como foi trabalhar com o professor Henrique Leitão na edição dos dois livros: “Atravessando a Porta do Pacífico” e “Desenhando a Porta do Pacífico”?

JMM - Foi um verdadeiro luxo! Aprendi e desfrutei muito na escrita de ambos os livros. Estamos atualmente a trabalhar num novo projeto sobre a questão da longitude como problema científico no início do século XVI, que esperamos seja publicado em breve.

Para além dos mapas, que mais podemos encontrar na exposição?

JMM - Um dos objetivos da exposição é mostrar que houve muitos outros objetos visuais, para além dos mapas, no processo de construção da imagem do Estreito de Magalhães. Por isso apresentam-se também esboços e desenhos mais rudimentares feitos por pilotos, e até planos de fortificações desenhados por engenheiros para proteger o passo do Estreito. Na mesma lógica são apresentados vários roteiros, isto é, documentos náuticos redigidos por pilotos com indicações para as suas navegações que, em muitas ocasiões, serviam como base para o desenho dos mapas.

Na tour virtual explica que há uma ideia de um certo determinismo na evolução dos mapas cartográficos, mas que a ideia não é assim tão correta. Pode explicar porquê?

JMM - É tentador pensar que, à medida que a ciência cartográfica avançava e o nível tecnológico das expedições aumentava, o nível de precisão geográfica dos mapas que representam o Estreito de Magalhães iria aumentar de maneira simultânea. Mas, na verdade, não foi isto que aconteceu. Fatores como as informações utilizadas para desenhar os mapas, o tipo de objeto cartográfico que se está a desenhar ou a própria complexidade do Estreito resultaram em mapas de diversas “qualidades”, independentemente da cronologia em que estiveram a ser desenhados.

O que mais o fascina na história dos descobrimentos marítimos e rotas náuticas?

JMM  - Desde o ponto de vista da história da ciência e da tecnologia, são processos realmente fascinantes. Surgiram novos problemas científicos nunca antes levantados - tais como o controle da navegação de longa distância ou os desafios derivados da navegação astronómica -, e, portanto, soluções completamente novas, que ainda precisam de ser estudadas em pormenor. Estes novos problemas são eminentemente tecnológicos, mas outras vezes são também de teor conceptual.

O que diria a quem ainda não visitou a exposição?

JMM  - Recomendo imenso fazer uma visita, especialmente àquelas pessoas que não estejam muito familiarizadas com o tópico. Não só pela beleza dos documentos e objetos apresentados, mas pelo substrato técnico e científico que os tornou possíveis. Assim, a mostra permite perceber um pouco melhor os processos de construção visual de um espaço geográfico nos inícios da Idade Moderna, quando ainda não existiam GPS’s ou Google Earth.

 

 

 

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
foto dos tres finalistas

Filipa Rocha, estudante de doutoramento na Ciências ULisboa, alcançou o 2.º lugar do Prémio Jovens Inventores 2023, atribuído pelo Instituto Europeu de Patentes. O prémio corresponde a um valor pecuniário de dez mil euros. A cerimónia de entrega de prémios decorreu esta manhã, em Valência, Espanha.

fotografia de grupo

Foi assinado um protocolo de cooperação entre Ciências ULisboa, a FCiências.ID, o cE3c e a empresa dinamarquesa Copenhagen Infrastructure Partners, que visa a investigação e mitigação dos impactos da exploração eólica offshore ao largo da Figueira da Foz.

Logotipo da ACL

Cristina Branquinho e Isabel Trigo foram eleitas em 2023 respetivamente sócias correspondentes nacionais da Classe de Ciências -  Ciências Biológicas e Ciências da Terra e do Espaço – da Academia das Ciências de Lisboa (ACL).

O projeto EDUCOAST, promovido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, desenvolve programas educacionais para diversos níveis de ensino e para profissionais, na área das geociências costeiras e marinhas, tendo como base o trabalho de campo e as práticas experimentais.

Conceção artística do telescópio espacial Euclid no espaço

A missão espacial Euclid da Agência Espacial Europeia (ESA) irá penetrar nos últimos 10 mil milhões de anos de história do Universo para tentar compreender pela primeira vez o que está a acelerar a expansão do Universo. O lançamento do telescópio espacial Euclid está previsto para 1 de julho. O telescópio vai observar durante seis anos mais de um terço do céu. A participação portuguesa na missão Euclid é coordenada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

João Pedro e Vera no laboratório

Ciências ULisboa integrou recentemente o projeto “Autonomia 21”, um projeto da Associação Pais 21 cujo objetivo é integrar jovens com Trissomia 21 no mercado de trabalho. O dinamizador desta ideia na Faculdade foi Federico Herrera, professor do DQB e investigador do BioISI. No âmbito deste projeto, Ciências ULisboa recebeu dois jovens que estão neste momento a estagiar num dos laboratórios da Faculdade.

José Pedro Granadeiro e Rui Rebelo

A expedição Selvagens 50 organizada pelo Instituto das Florestas e Conservação da Natureza da Madeira reuniu cerca de 40 especialistas de diversas instituições, entre os quais se incluem os professores do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, José Pedro Granadeiro (aves marinhas) e Rui Rebelo (répteis terrestres).

Conceção artística de um exoplaneta semelhante a Vénus, em órbita da sua estrela

Uma equipa de investigadores escolheu um planeta a 106 anos-luz, com 1,37 vezes o diâmetro da Terra, descoberto em 2022, para apresentar a primeira simulação a três dimensões do clima de um planeta de tipo rochoso com as características que atualmente conhecemos em Vénus.

Grupo de alunos e professores

A 9.ª edição da final nacional das Olimpíadas Portuguesas da Geologia decorreu nos dias 3 e 4 de junho, no Centro Ciência Viva de Estremoz / Pólo de Estremoz da Universidade de Évora, com a participação de 25 estudantes vindos de diversas regiões do País, incluindo uma delegação dos Açores (São Roque do Pico).

Rádão

O professor do DQB Ciências ULisboa e investigador do BioISI Ciências ULisboa é o primeiro autor de um novo artigo publicado no jornal Physical Chemistry – Chemical Physics da Royal Society of Chemistry, onde foram estudados diferentes compostos de rádon e xénon - dois gases nobres – e onde as suas propriedades energéticas e de ligação química foram analisadas.

Fundo do oceano

Ricardo Melo, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do MARE, integra o júri do Prémio Mário Ruivo – Gerações Oceânicas. As candidaturas da 3.ª edição deste prémio decorrem até 31 de julho.

Carlos Nieto de Castro

Carlos Nieto de Castro chegou à Faculdade em 1982 com a missão de criar uma escola de Termodinâmica e Processos de Transporte. Em abril de 2019 jubilou-se. Ainda assim, o seu trabalho enquanto investigador continua: todos os dias úteis chega à Faculdade pelas 8h30/9h00. Conheça o percurso do cientista.

3 alunos numa mesa, na semana da sustentabilidade

Neste Dia Mundial do Ambiente recordamos a Semana da Sustentabilidade, organizada por núcleos de estudantes da Faculdade, com o apoio da Associação de Estudantes e do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade.

José Guerreiro, docente do Departamento de Biologia Animal e investigador do MARE, iniciou funções esta quinta-feira, dia 1 de junho, como presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Miguel Miranda e a plateia

O professor e geofísico Jorge Miguel Miranda deu a sua última aula na passada sexta-feira, e despediu-se do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, laboratório do Estado que presidiu nos últimos dez anos.

pessoas numa sala com computadores

Esta segunda-feira, dia 29 de maio, Ciências ULisboa recebeu a visita de Oksana Zholnovych, ministra da Política Social da Ucrânia, e Miguel Fontes, secretário de Estado do Trabalho. Os governantes visitaram uma turma durante uma ação de formação do programa UPskill, com o intuito de ficar a conhecer melhor este projeto.

12 finalistas do 3 MT

Patrícia Chaves foi distinguida com o segundo lugar, na primeira edição da competição 3MT – Três Minutos de Tese dinamizada pela Universidade de Lisboa. O pódio ficou completo com Catarina Botelho, em primeiro lugar, e Matteo Pisano, em terceiro lugar, ambos do Instituto Superior Técnico. Os nossos parabéns aos vencedores e a todos os finalistas!

Auditório com pessoas

Ciências ULisboa está de parabéns! 100% dos seus ciclos de estudos avaliados no segundo ciclo de avaliação (2017-2022) foram acreditados sem condições, pelo período máximo (seis anos), pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

Grupo de pessoas

Entre os dias 13 e 17 de março deste ano realizou-se a excursão geológica de campo na Bacia Lusitânica (bacia sedimentar mesozóica na região centro-oeste de Portugal), a pedido da SHELL e organizada pela empresa GeoLogica (Portugal), do geólogo Pedro Barreto, antigo aluno de Geologia da Faculdade.

Jorge Miguel Miranda

No próximo dia 26 de maio, pelas 11h00, terá lugar no Grande Auditório da Faculdade a cerimónia de jubilação de Jorge Miguel Miranda, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia na Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luís (IDL) e presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

oceano

José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), foi nomeado perito da World Ocean Assessment III junto da Division for Ocean Affairs and the Law of the Sea (DOALOS) – ONU.

Médicos avaliam funções respiratórias de bébe

Carlos Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador principal do grupo de investigação em Fibrose Quística do Instituto de Biossistemas & Ciências Integrativas, foi distinguido com um financiamento de 220 mil USD (€ 204.100,57), pela associação Emily’s Entourage.

Filipa Rocha

A estudante de doutoramento na Ciências ULisboa e professora assistente no IST desenvolveu um sistema que utiliza blocos tangíveis para promover a aprendizagem digital inclusiva para crianças com deficiência visual, ensinando assim literacia digital e eliminando barreiras educativas.

cérebro

O primeiro grande modelo de Inteligência Artificial generativa para a língua portuguesa, para cada uma das variantes, do Brasil e de Portugal, gratuito, em código aberto e com acesso universal está disponível desde este mês e tem 900 milhões de parâmetros. "Trata-se de um marco histórico muito importante na preparação tecnológica da língua portuguesa para a era digital", diz António Branco, professor do DI Ciências ULisboa.

Joaquim Alvez Gaspar

Encontra a resposta a esta pergunta na exposição final do projeto Medea-Chart - As Cartas Náuticas Medievais e Renascentistas: origem, uso e evolução, inaugurada a 18 de maio, no Instituto Hidrográfico e em exibição até setembro deste ano. Joaquim Alves Gaspar, investigador principal do projeto, efetuou uma visita guiada à exposição.

Páginas