Em homenagem

Edward O. Wilson (1929-2021)

Eminente biólogo evolucionista e entomologista

A colony of tiny ants swarming an area of the patio stone

Edward O. Wilson foi inequivocamente um dos maiores mirmecologistas, ou estudioso de formigas, de sempre

Storyblocks
Edward Osborn Wilson
Edward O. Wilson (1929-2021)
Fonte Wikipedia

Edward Osborn Wilson , académico da Universidade de Harvard durante mais de quatro décadas, vencedor de dois prémios Pulitzer, lendário biólogo evolucionista na esteira de Dobzansky ou Ernst Mayr, muitas vezes apelidado de um novo Darwin, faleceu a 26 de dezembro de 2021, em Burlington (Mass.) nos Estados Unidos, aos 92 anos.

Como veremos adiante era um dos maiores mirmecologistas da atualidade, ou seja um entomologista especializado em formigas (Hymenoptera, Formicoidea), e que se destacou em várias frentes da Biologia moderna, como pioneiro da Biogeografia experimental, estudioso do comportamento social em insetos, apaixonado pela compreensão biológica do comportamento humano e um dos maiores e eloquentes defensores da diversidade biológica do Planeta. Também conhecido como o pai da Biodiversidade, deixou-nos, para além de inúmeros papers especializados de elevado impacto, numerosos livros de referência e reflexão sobre aqueles temas.

Destaco seguidamente alguns desses títulos: “The Theory of Island Biogeography” (1967), obra pioneira sobre biogeografia experimental em colaboração com Robert MacArthur, um biomatemático de excelência falecido prematuramente; “The Insect Societies” (1971), uma reinterpretação, através da Biologia moderna, da organização, cuidados parentais, altruísmo  e outros aspetos do comportamento social das sociedades dos insetos; “Sociobiology: The New Synthesis” (1975), o controverso mas seminal livro onde, pela Biologia Evolutiva, Wilson analisa o comportamento dos diversos animais sociais e o do próprio homem; “On Human Nature (1978), uma explanação dos seus pontos de vista sobre os debates que “Sociobiology” estimulou, por englobar os humanos; “The Ants (1990), um verdadeiro magnum opus sobre as formigas e ainda hoje não ultrapassado, como se tratará adiante; “The Diversity of Life (1992), eloquente relato da evolução da vida no planeta, de como as espécies divergiram e das sérias ameaças que no século XX já pendiam sobre as mesmas; “Naturalist (1994), história fascinante da aventura da sua vida, desde o miúdo que explorou as costas do Alabama e da Flórida até ao professor catedrático de renome da Universidade de Harvard;  “Consilience: The Unity of Knowledge (1998), provocador ensaio no seu pressuposto de que tudo no universo do nosso conhecimento se encontra organizado num pequeno número de leis naturais fundamentais; “The Creation: An Appeal to Save Life on Earth (2006), um alarme para a urgente proteção da Biodiversidade; "A Window on Eternity: A Biologist's Walk Through Gorongosa National Park” (2014), onde oferece o seu testemunho pessoal sobre as expedições e trabalhos que conduziu no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique; “Half-earth, our Planet´s Fight for Life (2016), a sua proposta para salvar a Biodiversidade global; ou, finalmente, “Genesis: The Deep Origin of Societies” (2019), onde o autor pretende demonstrar que a única via para inteiramente podermos compreender o comportamento da espécie humana é investigarmos as histórias evolutivas das espécies não humanas. Este livro mereceu de Al Gore o seguinte comentário: “O mais reconhecido biólogo evolucionista dos nossos tempos transcende as fronteiras das diversas disciplinas instituídas para nos oferecer uma inestimável análise sobre quem somos”.

Como se produziu atrás, é bom relembrar, Edward O. Wilson foi inequivocamente um dos maiores mirmecologistas, ou estudioso de formigas, de sempre.

Essa foi a sua grande paixão desde miúdo e que acabou por atravessar toda a sua vida. Aliás, como ele próprio destaca no seu livro “Naturalist” (1994), “most children have a bug period. I never grew out of mine”. De facto, para além dos inúmeros artigos em revistas da especialidade sobre esta matéria, e até de outros livros sobre formigas, a sua verdadeira obra-prima nesta matéria é o monumental tratado, primorosamente ilustrado, intitulado “The Ants”, publicado em 1990 e compreendendo 732 magníficas páginas (Springer-Berlag, Berlin). Foi feito em coautoria com Bert Hoelldobler . Este magnum opus, que logo no ano imediato ao da sua publicação foi vencedor de um prémio Pulitzer, foi especificamente dedicado pelos autores às futuras gerações de mirmecologistas. De relevar, que esta obra já com mais de 30 anos, e onde praticamente são tratados com profundidade todos os tópicos que interessam à mirmecologia, continua a ser monografia ainda hoje longe de ultrapassada. Desde a importância das formigas, classificação e origens, ciclo da vida colonial, altruísmo, comunicação, homeostase social, etc., etc., tudo ali foi tratado em mais de setecentas páginas com informação detalhada e ilustrações e fotografias de excelente qualidade.

É talvez curioso notar que entre outros grandes evolucionistas do passado, nomeadamente Charles Darwin, Theodosius Dobzhansky ou Ernst Mayr, existe uma surpreendente similitude nos seus percursos científicos. Antes das suas empreitadas de maior fôlego, que são os estudos ligados a uma melhor compreensão da evolução biológica, todos eles começaram por adquirir formação científica em estudos de cariz taxonómico ou sistemático.

Darwin iniciou a sua carreira de investigador firmado com a sua monografia sobre os cirrípedes i.e., os crutáceos marinhos que incluem as cracas e os percebes. A estes seus estudos dedicou mais de oito anos, tendo sido o seu volume inaugural “A Monograph on the Cirripedia, with Figures of all the Species. The Lepadidae or Pedunculated Cirripedes”, Ray Society of London (1851). Por sua vez, Dobzhansky iniciou-se na investigação com uma tese de doutoramento sobre a taxonomia de mosquinhas do género Drosophila e, por seu lado, Mayr adquiriu saber biológico inicial como taxonomista de aves, ou seja, como ornitologista. Foi através desses grupos e estudos que estes biólogos adquiriram fôlego e credibilidade entre os seus pares para se aventurarem em voos mais altos, como é o caso da Biologia Evolutiva ou Evolucionista.

Só depois de ter adquirido conhecimentos aprofundados sobre as formigas é que Wilson se sentiu atraído por analisar as forças seletivas que moldam o comportamento social animal, bem como o do próprio homem, esse ser que continua verdadeiro enigma para tantos cientistas e filósofos. É claro que analisar o nosso comportamento social através dos insetos sociais como as formigas eussociais, i.e., mesmo as de grau mais elevado na escala da sociabilidade, é empreendimento arrojado e que, possivelmente, não se esgota em modelos comportamentais necessariamente menos complexos que o nosso. Seguramente nós humanos estaremos sujeitos a muitos dos imperativos adaptativo-evolutivos dos outros animais, mas há que contar com as influências da nossa cultura altamente complexa e muito individualizada, o que poderá mascarar e até alterar esses imperativos fundamentalmente de base biológica.

Mas seja como for, muitas das suas explicações afiguram-se plausíveis e têm sido progressivamente aceites. De realçar que foi o seu saber acumulado e arrojo que permitiram também levantar novas questões, mesmo que ainda não tenhamos respostas inequívocas. É este o processo do avanço da ciência e Edward O. Wilson foi indubitavelmente um dos grandes cientistas do século XX e do nosso tempo. Quem o admirava irá sentir falta do seu entusiasmo e carisma.

José Alberto Quartau, professor catedrático aposentado da Ciências ULisboa e membro do cE3c
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Carlos Pires

Carlos Pires, professor da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz, é o primeiro autor do artigo “Uma teoria geral para estimar a transferência de informação em sistemas não lineares”, publicado na Physica D: Nonlinear Phenomena, volume 458, em fevereiro, e no qual desenvolve um formalismo matemático de estimação da causalidade entre variáveis interatuantes.

Atividades na HortaFCUL, num Dia Aberto em 2015

Em outubro de 2024 a HortaFCUL assinala 15 anos de existência. Os resultados apresentados no relatório "Living the sustainable development: a university permaculture project as an ecosystem service provider - The HortaFCUL case study (2009-2023)" apresentam o impacto regenerativo e transformador da HortaFCUL.

Pessoa a observar o céu

De 15 a 18 de fevereiro, a Física está em destaque na cidade de Lisboa, no Encontro Nacional de Estudantes de Física (ENEF). Este é um evento que pretende reunir estudantes e profissionais na Ciências ULisboa, procurando dar uma perspetiva diferente do ensino da Física a nível universitário.

Revegetação com especies autoctones

“O projeto em curso no Lousal mostra que é possível conciliar a atividade de mineração com a devolução do território à natureza com o mínimo impacto possível”, escreve Jorge Buescu na crónica publicada na revista Ingenium n.º 183, referente ao primeiro trimestre de 2024.

Pontos de interrogação

 Vladimir Konotop, professor da Ciências ULisboa, participou num estudo publicado este mês na Nature Photonics - “Observação da Localização da Luz em Quasicristais Fotónicos” -, em colaboração com investigadores da Universidade Jiao Tong de Xangai (China) e da Academia de Ciências Russa  (Rússia).

Aluna a fazer uma apresentação numa sala de aula

Inês Sofia Cruz Dias e Ana Carolina Preto Oliveira, estudantes da Ciências ULisboa, apresentaram os seus relatórios da disciplina Voluntariado Curricular, 1.º semestre, no passado dia 22 de janeiro. Sensibilizar os estudantes para as temáticas da solidariedade, tolerância, compromisso, justiça e responsabilidade social e proporcionar-lhes oportunidades para o desenvolvimento de competências transversais são alguns dos objetivos do Voluntariado Curricular.

Cristina Simões, Fernando Antunes, José Pereira-Leal, Jorge Maia Alves, Andreia Valente, Hugo Ferreira, Rui Ferreira e Pedro Almeida

Os projetos Lusoturf e TAMUK são os vencedores da 1.ª edição do Concurso de Projetos de Inovação Científica, uma iniciativa promovida pela Ciências ULisboa e FCiências.ID, com o apoio do Tec Labs.

Membro da FLAD, Marcelo Rebelo de Sousa e José Ricardo Paula

José Ricardo Paula, investigador da Ciências ULisboa, vencedor do FLAD Science Award Atlantic 2023, teve a honra de receber o prémio pelas mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Para o diretor da Ciências ULisboa, Luís Carriço, este prémio é um reconhecimento do mérito e da excelência da investigação que se faz na faculdade: “Estou muito orgulhoso, mas não estou surpreendido. O trabalho que o José Ricardo Paula desenvolveu é brilhante e o próprio Presidente da República fez questão de referir isso. O nosso investigador está de parabéns, bem como a faculdade”.

Ana Sofia Reboleira

O projeto “Barrocal-Cave: Conservation, monitoring and restoration assessment of the world-class cave biodiversity hotspot in Portugal foi distinguido com o 2.º lugar do Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023. Ana Sofia Reboleira é a investigadora responsável por este projeto, que tem como instituição proponente a FCiências.ID.

Fotografia de Henrique Leitão

O Papa nomeou a 10 de janeiro o cientista Henrique Leitão como membro do Comité Pontifício de Ciências Históricas, informou o Vaticano. A Agência Ecclesia refere que o novo membro deste comité colaborou com o Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, enquanto coautor do ‘Clavis Bibliothecarum‘ (2016), um levantamento de catálogos e inventários de bibliotecas da Igreja Católica em Portugal.

Fotografia de Beatriz Amorim

Beatriz Amorim foi premiada com uma bolsa Marie Sklodowska-Curie, uma iniciativa da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA, sigla em inglês). A estudante do último ano de mestrado em Engenharia Física, na Ciências ULisboa, participa a partir de 15 de janeiro e durante seis meses, num projeto inovador na Alemanha, no âmbito do Programa GET_INvolved do FAIR.

Henrique de Gouveia e Melo e Henrique Leitão

“As três últimas décadas foram excecionais para os estudos de História Marítima, da Ciência Náutica, da Cosmografia e da Cartografia portuguesas”, diz Henrique Leitão, investigador da Ciências ULisboa, a propósito da atribuição do Prémio Academia de Marinha 2023, ocorrido no passado dia 9 de janeiro, durante a Sessão Solene de Abertura do Ano Académico de 2024.

Membros da expedição em frente do RV Pelagia

A Ciências ULisboa destacou no passado mês de dezembro - na EurekAlert - uma história sobre um estudo, que relata evidências sem precedentes de respostas ecológicas do fitoplâncton calcificante à deposição de nutrientes fornecidos pela poeira do Sara. O trabalho publicado na Frontiers in Marine Science tem como primeira autora Catarina Guerreiro, micropaleontóloga e investigadora em bio geociências marinhas na Ciências ULisboa.

Cientista em gruta

Um estudo publicado na Scientific Reports e coordenado por Ana Sofia Reboleira, professora no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), analisou mais de 100000 medições de temperaturas em grutas localizadas em diversas zonas climáticas, desde as tropicais às subárticas, passando por Portugal continental e ilhas.

Identidade gráfica da crónica com imagem de Andreia Sofia Teixeira

A crónica da autoria da Comissão de Imagem do Departamento de Informática da Ciências ULisboa visa realçar a investigação feita pelos docentes e investigadores deste departamento. A segunda crónica dá a conhecer Andreia Sofia Teixeira.

Pessoas junto ao edifício do MARE, na Ciências ULisboa

Com o intuito de colaborar no desenvolvimento de um parque eólico offshore flutuante ao largo da Figueira da Foz, o MARE e a IberBlue Wind (IBW) assinaram a 5 de dezembro passado um protocolo que estabelece os moldes da parceria futura. A colaboração da IBW com o MARE irá permitir estudar os eventuais impactos da instalação da infraestrutura nos ecossistemas marinhos da área de implementação, e propor soluções que mitiguem os eventuais impactos negativos na componente ecológica e na atividade da pesca.

A Ciências ULisboa foi palco do mais recente workshop da International Atomic Energy Agency (IAEA). O “Regional Workshop on Nuclear and Radiation Education - Strategies and Approaches to Enhance Capacity Building in Nuclear Education and Training” realizou-se entre os dias 4 e 7 de dezembro e contou com a presença de 37 representantes de 25 países europeus e asiáticos, assim como de especialistas internacionais e delegados da IAEA.

Ricardo Trigo e membros da ULisboa e CGD

Ricardo Trigo é professor no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigador no Instituto Dom Luiz, no RG1 – Climate change, atmosphere-land-ocean processes and extremes. Este ano foi distinguido, pela segunda vez, pela ULisboa e Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área das Ciências da Terra e Geofísica. O primeiro prémio científico atribuído pela ULisboa e pela CGD ao cientista ocorreu em 2017. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

salão nobre da Reitoria da ULisboa

Na edição de 2023 dos Prémios Científicos ULisboa / Caixa Geral de Depósitos (CGD) foram atribuídos 20 prémios e 20 menções honrosas a professores e investigadores da Universidade. Os cientistas da Ciências ULisboa alvo desta distinção foram Alysson Bessani, Ricardo Trigo e Vladimir Konotop, com prémios no valor de 6.500€; e Carla Silva, Jaime Coelho, José P. Granadeiro e Rita Margarida Tavares, com menções honrosas.

Alysson Bessani e membros da ULisboa e CGD

Alysson Bessani é professor no Departamento de Informática e investigador no LASIGE Computer Science and Engineering Research Centre da Ciências ULisboa. Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área das Ciências da Computação e Engenharia Informática. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Luís Carriço e memebros da ULisboa e CGD

José P. Granadeiro é professor no Departamento de Biologia Animal e investigador no grupo de investigação Biologia da Adaptação e Processos Ecológicos do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM). Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com uma menção honrosa, na área de Biologia, Engenharia Biológica, Bioquímica e Biotecnologia. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Imagem gráfica da rubrica com fotografia de André Rodrigues

A crónica da autoria da Comissão de Imagem do Departamento de Informática da Ciências ULisboa visa realçar a investigação feita pelos docentes e investigadores deste departamento. A primeira dá a conhecer André Rodrigues.

Carla Silva com membros da ULisboa e da CGD

Carla Silva é professora no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigadora no Instituto Dom Luiz, no RG5 – Energy Transition. Este ano foi distinguida pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos com uma menção honrosa, na área de Engenharia do Ambiente e Energia. Leia a entrevista com a cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Rita Margarida Cardoso e membros da ULisboa e CGD

Rita Margarida Cardoso é investigadora no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigadora no Instituto Dom Luiz (IDL), no RG1 – Climate change, atmosphere-land-ocean processes and extremes. Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com uma menção honrosa, na área das Ciências da Terra e Geofísica. Leia a entrevista com a cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Vladimir Konotop e membros da ULisboa e da CGD

Vladimir Konotop é professor no Departamento de Física e investigador no Centro de Física Teórica e computacional da Ciências ULisboa. Este ano foi distinguido pela segunda vez, pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área de Física e Materiais. O primeiro prémio científico atribuído pela ULisboa e pela CGD ao cientista ocorreu em 2017. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Páginas