Entrevista com… Matilde Fidalgo

No futebol e na faculdade: os mesmos valores, a mesma dedicação

"Conciliar o futebol com a faculdade é algo muito espontâneo para mim. Desde sempre conjuguei o futebol com a vida académica e por isso estou muito habituada", conta a aluna de Ciências

ACI Ciências

Matilde Fidalgo, de 22 anos, é aluna do 5.º ano do curso de Engenharia da Energia e do Ambiente de Ciências ULisboa. Para lá da vida académica, tem uma paixão: o futebol.

É jogadora do Clube Futebol Benfica, conhecido por Fofó, e luta pela vitória da modalidade no país e além-fronteiras, na seleção feminina, na posição defesa. Conta com 51 internacionalizações, a primeira aconteceu em fevereiro de 2011. Este ano a sua equipa apurou-se para o Europeu de Futebol. Um feito nunca antes alcançado e que vai, por certo, acompanhá-la para sempre – quer seja como uma boa recordação ou como um estímulo para o alcance de outras vitórias, dentro e fora das quatro linhas.

Na entrevista a seguir apresentada, fique a saber mais sobre a história desta jovem.

O que significa pertencer a esta casa, a Ciências?

Matilde Fidalgo (MF) - Foi a casa que escolhi para continuar a minha formação após o ensino secundário e fiquei muito feliz por ter conseguido ingressar nela. Sinto-me integrada e fiz bons amigos.

Quais são os ensinamentos que considera fundamentais para a sua vida e que foram aqui adquiridos?

(MF) - A faculdade é um espaço de crescimento pessoal. A faculdade representa uma mudança grande na vida de um jovem, na medida em que o expõe a uma realidade diferente até à então vivida, nomeadamente no trato com os restante membros da instituição, e obviamente desempenha um papel fundamental na formação de indivíduos com capacidade de trabalho, autónoma e coletivamente.

E que aprendizagens traz do futebol para a vida académica?

(MF) - O futebol, sendo um desporto coletivo, obriga à capacidade de conviver e trabalhar com os pares. Além disso, o sucesso desportivo só é possível com muita devoção e trabalho, aspetos também fundamentais na vida académica.

Disciplina, esforço, dedicação. São três elementos comuns à vida de estudante e à de desportista. Como é conciliar estas duas vertentes?

(MF) - Sem dúvida, são virtudes que devem ser transversais às duas vertentes. Conciliar o futebol com a faculdade é algo muito espontâneo para mim. Desde sempre conjuguei o futebol com a vida académica e por isso estou muito habituada. Além disso, os meus treinos são normalmente à noite pelo que não se sobrepõem. A única situação mais complicada dá-se quando estou a estagiar, e portanto impossibilitada de estar nas aulas. Mas tenho tido sempre a ajuda de amigos que me ajudam a manter a par da matéria e professores compreensivos.

Há tempo para tudo, ou seja, uma ajuda a outra a acontecer?

(MF) - Há tempo para tudo. Sempre quis ter uma formação académica que me permita uma melhor perspetiva de emprego no futuro, uma vez que o futebol não me oferece essa segurança. Por outro lado, o futebol é algo que faço por gosto e não seria capaz de abandonar a modalidade e portanto tenho que conciliar as duas coisas.

Sobre o apuramento para o Europeu, como se sente com tão grande feito?

(MF) - Foi um feito inédito e sinto-me muito orgulhosa do trabalho que todas desenvolvemos. A modalidade está a crescer em Portugal e este é um marco muito importante.

Que implicações tem este apuramento para este ano letivo, o que muda?

(MF) - Pouco muda! Tenho já alguns estágios marcados e que me obrigaram a faltar às aulas, mas são independentes do Europeu. O torneio será apenas realizado entre 16 de julho e 6 agosto do próximo ano [2017], pelo que tem poucas implicações neste ano letivo.

O que se imagina a fazer daqui a cinco anos, a nível profissional e em campo?

(MF) - Daqui a cinco anos acredito estar a jogar profissionalmente e talvez tente conciliar com uma licenciatura no estrangeiro, de forma a estar ocupada quando não estiver a treinar ou jogar.

Relativamente a projetos futuros, já há algum definido que possamos conhecer?

(MF) - Nada concreto. Pretendo terminar o mestrado integrado no prazo estipulado, ou seja, este ano e a partir daí decidirei mais concretamente o que fazer.

Pode deixar uma mensagem para os estudantes de Ciências…

(MF) - Os valores associados ao desporto são complementares aos que são necessários para o sucesso académico, e por isso apelo a que não permitam que uma das vertentes leve a melhor em relação à outra, é possível conciliar tudo e vale a pena o esforço!

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

Páginas