Verão na ULisboa

“Os sonhos são para realizar”

“Conhecer e experimentar o ritmo e espírito da vida académica” foi a proposta feita pela ULisboa, neste verão. Durante duas semanas, alunos dos ensinos básico, dos 8.º e 9.º anos, e secundário, dos 10.º, 11.º, 12.º anos, foram, veterinários, artistas plásticos, arquitetos, biólogos, advogados, escritores, engenheiros, entre outras profissões.

No total foram 21 os programas com diferentes atividades científicas, lúdicas e desportivas, à disposição dos estudantes, distribuídos pelas duas primeiras semanas de julho.


O Verão na ULisboa é uma iniciativa da Universidade de Lisboa que proporciona a oportunidade de conhecer e experimentar o ritmo e o espírito da vida académica
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

A Faculdade de Ciências da ULisboa participou nas duas semanas desta iniciativa convidando os alunos a “Investigar Ciências” na 1ª semana e, na 2.ª semana, a “Descobrir Ciências”.

Miguel Gonçalves, coordenador do Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura (GCIC) de Ciências, deu conta do processo de preparação do evento: “em Ciências, tudo foi preparado ao pormenor para que estes ‘futuros alunos’ pudessem desfrutar ao máximo esta sua experiência universitária, para muitos a primeira, de uma forma prática, objetiva mas também divertida”.


Os laboratórios de Ciências abriram-se para que os estudantes pudessem experimentar, investigar e descobrir
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

Organizadas por áreas científicas, as semanas foram diversificadas em atividades. Quarenta “cientistas”, entre os 13 e os 16 anos, trocaram ideias com especialistas, manusearam equipamentos laboratoriais, participaram em workshops e atividades práticas, realizaram experiências, discutiram resultados e chegaram a conclusões.

“[Os estudantes] foram surpreendidos com conhecimento e confrontados com técnicas e laboratórios que os motivaram para voos mais altos. Isso transpareceu nos diálogos e atitudes, particularmente nos alunos do Ensino Secundário, [através] da dinâmica criada nos pequenos grupos, no gosto pelas experiências montadas, além do interesse geral pela ciência”, explicou o professor do Departamento de Física, Rui Agostinho.
 


"A avaliar pela satisfação no final das duas semanas, foi fácil constatar que alguns tinham pena de o tempo ter passado tão rápido", comentou o coordenador do GCIC
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

Inês Ferreira, do 9.º ano da Escola Secundária Moinhos da Arroja, sempre gostou de ciências, quis “descobrir mais sobre esta temática”, e inscreveu-se no Verão da ULisboa. A área de maior interesse para si é a Biologia. Durante a sua passagem pela Faculdade quis perceber se seria esta a área a seguir no futuro. No final da semana, comentou: “consegui perceber que é mesmo isto que quero porque, para além das atividades, conversei com os monitores que me deram resposta a imensas dúvidas e curiosidades que trazia”.

Na área das Ciências da Vida e da Saúde, entre outras atividades, os alunos experimentaram a manipulação e clonagem molecular para estudo da função génica. Nas Ciências Físicas, compreender as aplicações dos lasers nas lentes oculares ou observar manchas solares com o telescópio, foram alguns dos desafios que entusiasmaram os jovens.
 


Durante duas semanas, os professores, investigadores e alunos de Ciências responderam às questões e curiosidades dos jovens cientistas
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

Como é que o planeta Terra funciona desde o núcleo até à estratosfera? Como se desenvolve o aproveitamento da energia solar?, foram algumas das questões a que os alunos obtiveram resposta na área das Ciências da Terra e do Ambiente.

No que respeita às Ciências Químicas e Matemáticas, manipular elementos químicos que constituem a matéria, resolver enigmas matemáticos e compreender possíveis aplicações da Estatística e da Matemática no quotidiano, por exemplo, captaram a atenção dos participantes.
 


Organizadas por áreas científicas, as semanas foram diversificadas em atividades
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

Nos dias dedicados às Tecnologias da Informação e Comunicação, os estudantes entraram no domínio da arquitetura de computadores e configuração de redes, superaram os diferentes desafios de programação que os engenheiros informáticos prepararam e compreenderam como a multimédia afeta o dia-a-dia da sociedade.

“Diversão”, “aprendizagem” e “experiência”, foram as palavras escolhidas por Ana Rita Ruivo, do 12.º ano da Escola Secundária Quinta do Marquês, para caraterizar a semana passada em Ciências. Para ela, passar alguns dias do seu verão aqui foi importante porque a ajudou a “clarificar que [assuntos] correspondem aos [diferentes] cursos” e também porque lhe permitiu “ [ter contacto com] experiências que nunca tinha feito”. Para além disso, a estudante de 16 anos reforçou as relações de amizade: “consegui fazer amizades com quase todos os colegas. Para melhorar este grupo, tivemos uns monitores ótimos, que nos apoiaram em tudo e que de certeza ficarão na nossa memória”. 
 


Nos dias dedicados às Tecnologias da Informação e Comunicação, enre outras atividades, os estudantes entraram no domínio da arquitetura de computadores e configuração de redes
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

O coordenador do GCIC acrescentou ainda que “a avaliar pela satisfação no final das duas semanas, foi fácil constatar que alguns tinham pena de o tempo ter passado tão rápido. [Percebeu-se que, para eles,] tinha sido uma experiência incrível que não se importariam de repetir”.

A reforçar esta satisfação, Dário Hipólito, aluno do mestrado em Biologia da Conservação e monitor central das atividades em Ciências, declarou: “o mais marcante é ouvir ‘é para aqui (FCUL) que eu venho!’”, é sinal que conseguimos passar algo e cativá-los”. Para Dário, outro aspeto importante do evento foi “passar a mensagem de que têm um longo futuro à frente mas que existem instituições, como a nossa, que estão de braços abertos para os receber e os guiar ao longo de vários anos”. Por isso, deixou a mensagem a todos os que acompanhou durante duas semanas: “os sonhos são para realizar senão para quê sonhar? Não desistam do que querem, mas sempre com respeito e humildade”.
 


Para além dos ensinamentos adquiridos, o Verão na ULisboa permitiu a interação de alunos de diferentes escolas
Fonte ULisboa, por Dário Hipólito

Para além das atividades desenvolvidas nas escolas, os participantes visitaram o Museu Nacional de História Natural e da Ciência, realizaram atividades desportivas no Estádio Universitário de Lisboa e um jantar convívio, onde se reuniram todos os grupos divididos pelas diferentes escolas da ULisboa.

Cada estudante recebeu um diploma de participação, - “o primeiro diploma que receberam de uma universidade, agora já podem dizer que são 'diplomados’”, como referiu, em jeito de brincadeira, o subdiretor da Faculdade, professor Pedro Ré.

Terminado o Verão na ULisboa, resta acrescentar que ao longo do ano as portas estarão sempre abertas para que todos possam continuar a descobrir e aprender com Ciências.

As fotografias com alguns dos momentos que marcaram a iniciativa estão disponíveis nos álbuns fotográficos do Facebook de Ciências1.ª semana e 2.ª semana -, e no Facebook da ULisboa.

Assista ainda à reportagem do Verão na ULisboa nas diferentes escolas no vídeo a seguir apresentado.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Liceu Camões

Helder Coelho, Luís Correia, João Pedro Neto e Hugo Miranda apresentam palestras num dos liceus mais antigos da capital, criado em 1902.

Pormenor de uma obra de arte

O primeiro número será divulgado na próxima segunda-feira, dia 3 de fevereiro. Inclui notícias, eventos, concursos, destaques e vídeos publicados no Portal da FCUL.

Kamil Feridun Turkman

O Conselho de Escola recomendou a todos os seus membros a organização de sessões de esclarecimento e auscultação pública dos seus pares, dentro dos departamentos, associações de estudantes e não docentes. Esse processo irá decorrer desde a publicação do edital até ao fim da audição pública prévia à eleição do diretor.

Lisete Sousa

Um pouco por todo o mundo há cada vez mais estatísticos a trabalharem exclusivamente em Bioinformática. Um dos pioneiros foi Terry Speed, que viu o seu vasto trabalho na área da Bioinformática reconhecido este ano com a atribuição do prémio australiano “Prime Minister's Prizes for Science”.

“Todas as oportunidades devem estar acessíveis a todas as crianças. Enquanto investigadores, apenas podemos mostrar-lhes o fascínio da ciência e provar-lhes que esta não é uma atividade 'para outros', que eles próprios podem sonhar com uma carreira na investigação ou noutras carreiras indispensáveis ao desenvolvimento do país”, declararam os cientistas da FCUL.

Na FCUL, só nas áreas da Biologia, Física e Química, existem mais de duzentos espaços laboratoriais, realizando-se, em cada um, dezenas de atividades diferentes e a cada novo projeto estão associadas outras tarefas diferentes das anteriores.

The doctoral programs in Mathematics of the Faculdade de Ciências (FCUL) and of Instituto Superior Técnico (IST) of the University of Lisbon are now partners under the LisMath Program, funded by the Portuguese Foundation for Science and Technology. The competition for scholarships under the LisMath will be officially announced on 18/1 and will be open 3/2 to 31/3.

Para melhor preparar a sua participação nas calls do Horizon 2020, deverá acompanhar e participar nos Info & Brokerage Events.

Os Work Programmes são a via para pré-selecionar calls do seu interesse.

Agora é Web of Science

“Tomar consciência da existência [de] necessidades e poder contribuir para satisfazer algumas delas é um privilégio que temos quando participamos neste tipo de projetos”, declarou o professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia, Jorge Maia Alves.

Campus da FCUL

Os programas doutorais em Matemática da Faculdade de Ciências e do Instituto Superior Técnico da nova Universidade de Lisboa são parceiros no âmbito do Programa LisMath, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Joana Almaça, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina e Diana Faria não têm dúvidas em afirmar que foram “contaminadas pelo ‘bichinho da ciência’”, por isso, os planos futuros passam por “contribuir para o conhecimento dos mecanismos responsáveis por algumas patologias dos humanos”.

De 4 de janeiro a 1 de fevereiro de 2014,  a Biblioteca do C4 também está aberta aos sábados, das 9h00

A FCUL abriu as portas do Departamento de Física aos alunos da Escola Secundária Vergílio Ferreira, de Lisboa. Durante uma manhã, 26 alunos do 12.º ano exploraram os mistérios da Física.

O percurso académico e profissional da cientista é marcado pela experiência profissional além-fronteiras.

Prémio ANACOM URSI Portugal 2013

O estudo “Técnica multimodal inovadora baseada em PEM-UWB para deteção de cancro da mama e respetiva classificação” é da autoria da cientista Raquel Conceição.

O trabalho da jovem cientista também passa pela criação de uma rede de investigadores europeia, que colabore no desenvolvimento de aplicações médicas na frequência de micro-ondas e agilize processos de ensaios clínicos e de comercialização de novos equipamentos médicos.

“Os ocupantes cumpriram as instruções, saíram do edifício de forma muito ordeira e a evacuação foi feita com rapidez”, declarou Júlia Alves, assessora para a Segurança do Trabalho na FCUL.

Marília Antunes

“[Tê-la na nossa equipa] é absolutamente enriquecedor e imprescindível para a boa continuação do nosso trabalho”, comenta Sandra Garcês, coordenadora do projeto "An Evidence-Based Approach to Optimize Therapeutic Decisions Involving Biological Drugs”, distinguido com o Prémio Pfizer de Investigação Clínica 2013, que contou com a participação da cientista da FCUL.

The European Commission has presented on December 11th  the first calls for projects under Horizon 2020, the European Union's €80 billion research and innovation programme.

Consulte as apresentações disponíveis.

 

Para além de Paulo Urbano o estudo contará com a participação de um bolseiro e a consultoria do investigador Joel Lehman, da University of Texas at Austin. O financiamento total excede os 22.000 euros.

Autores do artigo publicado no Journal of Catalysis

Carla D. Nunes, Cristina I. Fernandes, Marta S. Saraiva, Teresa G. Nunes e Pedro D. Vaz trabalham há dois anos num estudo que visa o desenvolvimento de catalisadores mais eficientes e facilmente separáveis para reciclagem.

Páginas