No Campus com Helder Coelho

Privacidade na era digital

Helder Coelho

Nos últimos anos, quem trabalha em Informática sabe que a proteção quanto à intromissão nos nossos dados está a ser muito discutida, nos meios de comunicação social e nos congressos científicos: computação na nuvem, segurança das tecnologias, ubiquidade e virtualidade dos ambientes, acessos inteligentes, cibercrime, ciberguerra, gestão do risco. O que se passa? A resposta é simples: existem novas ferramentas informáticas mais poderosas para analisar os dados Big Data, que são muito usadas não só em ciências sociais e políticas, mas também na saúde pública, no mundo financeiro e dos negócios. Isto é, consegue-se, simultaneamente, conhecer coisas sobre uma certa pessoa para a salvar (de uma depressão), ou para a difamar!

Suponhamos que se acede a uma multitude de tweets do Twitter ou uma enorme coleção de posts do Facebook. Se usarmos algoritmos de aprendizagem Deep Learning que são capazes de construir inferências sobre categorias (inspirados na backpropagation), relacionadas com saúde pública, identificaremos a depressão pós-parto de algumas mães. Um médico sabe que uma tal depressão tem consequências sérias, embora a descoberta e prevenção seja difícil de realizar quanto antes, pois os sinais podem aparecer associados à escrita dos textos (em geral, os bocados de textos, existentes nas redes sociais, não estão disponíveis).

Deste modo, a tecnologia da aprendizagem mecânica tanto pode conduzir ao bem, como ao mal. Do ponto de vista social, concluímos que teremos de ter algum cuidado quanto ao controlo sobre a colheita da informação, e discutir como chegar a um equilíbrio entre as vantagens e os inconvenientes do uso destas tecnologias, pois os benefícios para um doente podem também significar a invasão da sua segurança. Sem auditorias e fiscalizações certos dados podem dar origem a manchetes de um vespertino, se não acautelarmos as devidas proteções da privacidade dos cidadãos através de leis bem feitas e do seu rigoroso cumprimento.

Do mesmo modo, o uso de drones em campanhas militares, munidos de bombas, podem conduzir a massacres de inocentes, mesmo com cuidados quanto aos alvos (os chamados efeitos colaterais). As tecnologias se forem desacompanhadas, e manipuladas por agentes não credenciados, causarão danos irreparáveis em populações indefesas, e em certos casos de ambiguidade ou de incerteza quanto aos objetivos, a escolha sobre a decisão do disparo poderá ser decidida com uma alta probabilidade de risco colateral (situações típicas dos dilemas morais).

A maioria dos algoritmos de aprendizagem centram-se em problemas de aproximação funcional, em que a tarefa é incorporada numa função que está explícita, como por exemplo, a entrada é uma transação e a saída é uma fraude. Noutros casos, a função está implícita e pode ser obtida através de um processo de procura, de uma factorização, de uma optimização ou de uma simulação. Frequentemente, existem dificuldades devido à existência de complexidade. E, as intuições, previsões ou as decisões estão misturadas com os conjuntos de dados - data sets. Também é normal necessitarmos de algoritmos que sejam tratáveis do ponto de vista computacional, e como os dados são muitas vezes pessoais torna-se imperioso obter algoritmos capazes de garantir as questões da privacidade (minimizar os efeitos).

Recentemente, para enfrentar as ameaças procuraram-se outras tecnologias como a dos agentes, onde a inteligência se mistura com a distribuição e adaptabilidade. Em foco, nas reuniões técnicas, estão os mecanismos de segurança, a modelação dos adversários, a proteção das infraestruturas críticas, os métodos inspirados na teoria dos jogos, a modelação do comportamento humano, as políticas de recomendação/negociação, ou o controle de acessos.

Recentemente, a Google anunciou o SmartReply para diminuirmos a carga que muitos de nós têm com o serviço de correio (emails), as dezenas de mensagens que se vão acumulando enquanto as horas passam. Quem está interessado nesta facilidade? É segura, não invasiva, e quem ganha no fim?

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

"Associada à ideia de perfeccionismo surge a luta por objetivos elevados e irrealistas". Mais uma rubrica da psicóloga Andreia Santos.

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Margarida Amaral, professora do DQB e coordenadora do BioISI e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Joaquim Alves Gaspar, distinguido em 2016 com uma starting grant, a primeira a ser atribuída a um membro de Ciências, volta a “encantar” o Conselho Europeu de Investigação.

Ciências organiza a primeira reunião do projeto europeu, na qual participam mais de 50 especialistas portugueses, espanhóis e franceses, com o objetivo de debater formas de recuperação da enguia-europeia.

José Avelino Pais Lima de Faria,o proeminente cientista de 92 anos, antigo aluno de Ciências - licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1950 - volta colaborar com a Faculdade, com um artigo sobre a atividade científica, selecionando para o efeito um conjunto de eminentes personalidades. Dois dias após a publicação deste artigo, J. Lima-de-Faria faleceu. A Faculdade lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos familiares, amigos e colegas.

No âmbito da efeméride ocorreu uma sessão do Ignite IAstro na Assembleia da República. O Dia Nacional dos Cientistas é celebrado desde 2016.

A nova direção de Ciências para os próximos quatro anos tomou posse a 15 de maio de 2018. Luís Carriço é o novo diretor e a sua equipa conta com cinco subdiretores: Margarida Santos Reis, Fernanda Oliveira, Jorge Maia Alves, Hugo Miranda e Pedro Almeida.

A final nacional da 14.ª edição das Olimpíadas de Química Júnior ocorreu a 12 de maio no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências. Os melhores classificados podem vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad, em 2019.

O Pint of Science traz para bares portugueses e internacionais assuntos científicos de forma descomplicada.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Beatriz Lampreia, assistente técnica do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica.

Investigadores de Ciências identificaram um novo ciclo global de marés que ocorre ao longo de grandes escalas de tempo geológico.

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira na área da computação evolucionária.

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o engenheiro químico Pedro Castro e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

"É necessário um equilíbrio entre aquilo que eu e o outro precisamos", explica a psicóloga Andreia Santos, na sua rubrica habitual.

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciência, de 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

“O que é o Planeta Terra?” foi a questão que marcou o início dos workshops “Relógio Solar” e “Robot/Pintor” que decorreram no passado dia 9 de abril na Faculdade de Ciências e que contaram com a participação de 15 alunos do Colégio da Beloura em Sintra com idades entre os 4 e os 5 anos.

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

"Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017)", escreve Helder Coelho em mais um ensaio.

A missão Gaia dedica-se a observar estrelas. A sua finalidade é mapear a Via Láctea em 3D. O primeiro lançamento de dados ocorreu em 2016. O próximo acontece a 25 de abril e corresponde à primeira entrega com distâncias, velocidades e vários outros parâmetros astrofísicos para a maioria das estrelas.

Ciências colabora com o módulo Bio Hacking na iniciativa Young Creators 2018. Esta é a segunda vez que a Faculdade integra o projeto.

O Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa realizou o seu primeiro workshop no dia 17 de março.

Sabendo que no nosso dia-a-dia, por motivos laborais ou outros, ficamos sentados muito tempo, que medidas deveremos tomar para minimizar os seus efeitos?

Páginas