Em homenagem a Luís Celestino Silva


Luís Celestino Silva em 2012, no seu gabinete no Departamento de Geologia da FCUL em frente ao esboço da Carta Geológica de Santo Antão
Fonte IICT

Com grande pesar e tristeza informa-se que faleceu [na manhã de 14 de fevereiro de 2017], vítima de pneumonia, o colega Luís Celestino Silva.

Luís Celestino de Sousa e Silva, ou o “Dr. Celestino” como era respeitosamente chamado pelos colegas mais novos do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), nasceu em Vila Real em 1936 e formou-se em Ciências Geológicas na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto em 1960.

Começou a trabalhar como investigador do Laboratório de Estudos Petrológicos e Paleontológicos do Ultramar (LEPPU) da Junta de Investigações do Ultramar (JIU) em 1961 e aposentou-se em 1998 como investigador coordenador do Centro de Geologia do IICT. Foi também, entre 1967 e 1975, assistente no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa onde colaborou na docência das aulas práticas de Mineralogia e Petrologia. Após a aposentação manteve colaboração assídua com os colegas do Departamento de Geologia e do LNEG. A sua paixão pela Geologia e curiosidade pelos trabalhos que se foram desenvolvendo em Cabo Verde nunca esmoreceu.

No decurso da sua carreira de geólogo efetuou numerosas campanhas nas antigas províncias ultramarinas de Moçambique, Angola e Cabo Verde, continuando a trabalhar sobre os temas da Geologia caboverdiana após a independência daquele país.

O seu trabalho ao longo de mais de quatro décadas foi objeto de numerosas publicações, de entre as quais se destacam as cartas geológicas das ilhas de Cabo Verde e um artigo na “Nature” sobre os carbonatitos extrusivos da ilha de Santiago (Silva, L.C., Le Bas, M.J., Robertson, A.H.F., 1981 – “An oceanic carbonatite volcano on Santiago, Cape Verde Islands", “Nature" 294, nº 5842, 644-645). 

Participou na Missão de Fomento e Povoamento do Zambeze (Tete, Moçambique) integrando a Brigada de Geologia e Prospeção Mineira, nas campanhas de 1962 e de 1963-64. Nos dois anos seguintes participou na Missão de Cartografia Geológica de Angola (1965-1966). Posteriormente integrou a Missão Geológica de Cabo Verde (1965-1975), onde trabalhou entre outros com os professores António Serralheiro, Carlos Matos Alves e com João Macedo. Os trabalhos em Cabo Verde foram interrompidos entre 1975-1979 por reestruturação dos serviços, e posteriormente retomados em 1980. Luís Celestino nunca desistiu de editar as cartas geológicas das ilhas da Boavista e de Santo Antão que não chegaram a ser publicadas por falta de financiamento.

Já aposentado continuou a dedicar-se ao estudo dos carbonatitos das ilhas de Cabo Verde, tendo desempenhado, na FCUL, um papel importante na orientação da tese de doutoramento de Cyntia Mourão que em parte versava a petrogénese desse tipo de rochas.

O “Dr. Celestino” era não só um petrólogo excecional e um geólogo de campo incansável, como, e acima de tudo, uma pessoa encantadora pela sua delicadeza de trato. Os colegas do Departamento de Geologia e os ex-colegas do IICT sentirão certamente a falta da sua presença assídua e das interessantes e interessadas conversas sobre a Geologia de Cabo Verde.

José Madeira, Paulo Hagendorn Alves, Rita Caldeira, João Mata, Cyntia Mourão e Ricardo Ramalho, Departamento de Geologia de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Anny Caroline Muniz, aluna do mestrado em Bioestatística de Ciências, participou no estudo “Perfil Tabágico dos Estudantes dos 2.º e 3.º ciclos das Escolas do ACES Arco Ribeirinho”, dos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo, desenvolvendo igualmente um modelo matemático para a previsão do adolescente/tipo com maior probabilidade de começar a fumar precocemente.

Qual o principal fator que provocou o crescimento das regiões exteriores das galáxias elípticas na época mais recente do Universo? Esta pergunta motivou a investigação liderada por Fernando Buitrago, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e professor convidado do Departamento de Física de Ciências, dando origem ao mais detalhado estudo publicado online em janeiro na Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

O inquérito desenvolvido pelo cE3c - no âmbito do projeto europeu “Green Surge - Green Infrastructure and Urban Biodiversity for Sustainable Urban Development and the Green Economy” -, pode ser respondido até 15 de abril de 2017.

O Lisbon Green Hackathon 2017 acontece nos dias 11 e 12 de março. As inscrições terminam a 1 de março. No âmbito do evento estão previstas outras atividades, nomeadamente um ciclo de workshops, sessões de networking, debates e apresentações de startups.

O Tec Labs abriu portas ao ecossistema de inovação e empreendedorismo de Lisboa. O dia foi marcado pela apresentação de novidades para 2017, pelo networking entre os convidados e pela partilha de eventuais projetos e parcerias futuras.

O “Dr. Celestino” era não só um petrólogo excecional e um geólogo de campo incansável, como, e acima de tudo, uma pessoa encantadora pela sua delicadeza de trato. Os colegas do Departamento de Geologia e os ex-colegas do IICT sentirão certamente a falta da sua presença assídua e das interessantes e interessadas conversas sobre a Geologia de Cabo Verde.

Em fevereiro o Tec Labs – Centro de Inovação de Ciências abre as portas aos parceiros do ecossistema empreendedor nacional.

Seguramente já terá ouvido falar em dados geográficos. Pelo nome, deduz-se que estejam relacionados com mapas e lugares. No entanto, estes dados vão muito para além das coordenadas geográficas, representando, entre outros, redes de transporte, águas subterrâneas, populações, temperatura e recursos energéticos.

O filme “O Primeiro Encontro” (“Arrival”) de Dennis Villeneuve (2016) aborda a hipótese de Sapir-Whorf, de 1939, que diz que “a linguagem pode influenciar os nossos pensamentos”. Hoje em dia, a validade desta ideia está assegurada, graças às neurociências, e é possível afirmar que aprender uma língua permite estabelecer imensas ligações no cérebro, alterando a sua estrutura, e influenciando o modo de olhar para o mundo, e ainda moldando a personalidade.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de fevereiro é com Ricardo Pereira, assistente técnico do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia de Ciências.

O cE3c acaba de lançar o programa "Vamos Jogar aos Insetos em Ordem nas Escolas?", no âmbito do qual vai oferecer 200 exemplares do jogo "Insetos em Ordem" às primeiras 50 escolas públicas, que aderirem à iniciativa.

No total, desde há 57 anos, a Fundação Calouste Gulbenkian atribuiu 83 mil bolsas de estudo em diferentes áreas. Os estudantes de Ciências fazem parte destas contas.

O financiamento atribuído ao professor do Departamento de Informática e investigador do Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala (LaSIGE) de Ciências, relaciona-se com a sua participação no projeto Hyperledger da Linux Foundation, em que a IBM, a Intel e dezenas de outras empresas colaboram para construir tecnologias de blockchain para negócios.

Partilhar o fascínio da investigação em Astronomia com crianças dos 7 aos 12 anos é um dos objetivos da iniciativa IAstro Júnior, quatro sessões gratuitas, em Lisboa e no Porto, organizadas pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e pela revista Visão Júnior.

António Branco, professor do Departamento de Informática de Ciências, volta a coordenar uma nova investigação em tradução automática profunda, desta vez entre Chinês e Português, no domínio das transações de compra e venda online.

Quando falamos de um mecanismo o que queremos dizer de facto?

O Nutriageing é um projeto a pensar nos cidadãos que se interessam por temas como nutrição, partindo de argumentos científicos simples. O seu site é composto por vídeos, receitas, explicações e dicas nutricionais.

Um novo estudo genético demonstra que as populações de duas espécies de golfinhos (Tursiops aduncus e Sousa spp.) que habitam as águas da Baía de Bengala, no Bangladesh, são diferentes do ponto de vista genético quando comparados com populações de golfinhos das mesmas espécies que vivem em áreas vizinhas.

Teresa Graça Costa Antunes Pereira da Costa, professora aposentada do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) e ex-membro do antigo Centro de Biologia Ambiental de Ciências, faleceu aos 69 anos, no dia 23 de janeiro de 2017. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Novo estudo demonstra pela primeira vez que é possível integrar à escala global os resultados obtidos através dos dois métodos mais utilizados no mundo para avaliar a “saúde” dos ecossistemas a partir dos líquenes que neles se encontram.

A 7.ª cadeira funcionou pela primeira vez no ano letivo de 1840/1841, caracterizando-se pela abordagem histórico-natural das matérias lecionadas que pouco se modificaram ao longo dos anos.

O ESNF2017 é o primeiro simpósio europeu dedicado apenas ao tema nanofluidos. Os organizadores pretendem que este momento fomente a colaboração entre cientistas, engenheiros e empresas.

Está a nascer um laboratório vivo de permacultura (PermaLab) na FCUL, uma zona que convida a implementação de projetos propostos pela permacultura e sua monitorização com metodologias científicas.

Maria Isabel Cordeiro Sevinate Pinto Rebelo Lopes, professora aposentada do Departamento de Biologia Vegetal e ex-membro do antigo Centro de Biologia Ambiental de Ciências, faleceu aos 67 anos, no dia 12 de janeiro de 2017. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O primeiro Dictum et factum de 2017 é com Ânia Finuras, bolseira de gestão da Área de Comunicação e Imagem de Ciências.

Páginas