Entrevista com… Maria Filomena Camões

“Tudo vale a pena…”

Foi com alegria e sentimento de missão cumprida que Maria Filomena Camões, doutorada em Química (Química-Física) e professora do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, recebeu a notícia de que lhe teria sido atribuída a Bolsa Europeia de Investigação (REG), Steps Towards pH Measurements in Seawater, no valor de 130 000 euros.
Das diversas metas alcançadas ao longo do seu percurso esta é, segundo a investigadora, uma das que se orgulha. Durante dois anos, irá conduzir uma investigação fundamental na área da Química-Física, sobre a atividade de espécies iónicas em soluções aquosas de elevada força iónica, orientada para soluções salinas semelhantes à água do mar. Fique a conhecer os pormenores deste trabalho bem como a mensagem de incentivo destinada aos jovens investigadores que agora enfrentam tempos conturbados.


Maria Filomena Camões

FCUL - Como recebeu a notícia de que lhe teria sido atribuída esta bolsa?

Maria Filomena Camões (MFC) – Recebi com a alegria serena que vem do sentimento de “missão cumprida”. De facto são muitos anos de trabalho, constante e entusiasta, em que, com o apoio imprescindível e inexcedível da família e a dedicação de colaboradores que vejo reconhecido o mérito do meu contributo para o progresso científico da área em que trabalho desde o meu doutoramento. Parafraseando Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena…”.

FCUL - Em que consiste o trabalho para o qual a bolsa é atribuída?

MFC - Basicamente é um estudo fundamental, na área da Química-Física, da atividade de espécies iónicas em soluções aquosas de elevada força iónica, orientada para soluções salinas semelhantes à água do mar. Espécies químicas alvo são designadamente os iões cloreto, Cl-, e os iões hidrogénio, H+, definidores do parâmetro químico mais medido, pH, indicador da acidez livre das soluções aquosas. Contrariamente ao que acontece para soluções diluídas, em que o comportamento das espécies se poderá considerar próximo do comportamento ideal, isto é sem interações, ou em que as interações podem ser calculadas com elevada confiança através de modelos fidedignos de soluções eletrolíticas (Bates-Guggenheim), tal não é o caso para soluções de elevada concentração e complexidade. Para além de alterações de atividade iónica, a existência de equilíbrios químicos simultâneos leva também a alterações de concentração. O trabalho planeado, e agora em curso, corresponde a uma estratégia para avaliar quantitativamente essas interações, descriminando entre interações eletrostáticas e específicas provenientes das várias espécies presentes. Os resultados eletroanalíticos obtidos permitiram já esboçar representações gráficas e o estabelecimento preliminar de relações algébricas que conduzirão à construção de um modelo válido (tipo Pitzer) para águas de elevada salinidade.

FCUL - Qual a importância da investigação para a área científica em que se insere? Qual o carácter de inovação?

MFC - A importância imediata, atendendo ao enquadramento em que o trabalho surgiu, será a de fornecer as ferramentas de cálculo para a correta interpretação física e química do significado dos valores experimentais de pH medidos em água do mar, o que até aqui tem sido reconhecidamente deficiente e abaixo dos níveis de qualidade necessários para estudos oceanográficos. A acidificação dos oceanos, de que o pH é indicador, está a verificar-se como consequência da crescente dissolução do gás de estufa dióxido de carbono, CO2, com as consequentes alterações, designadamente ao nível do sistema carbonato, e com implicações na especiação e inerente biodisponibilidade dos elementos químicos.

A importância, em termos globais, é a que vem da construção do conhecimento científico, que, mais tarde ou mais cedo será usado na compreensão dos fenómenos que nos rodeiam. Só havendo Ciência, poderá haver aplicação da Ciência seja ao que for.

A inovação é tipo “ovo de Colombo”, depois de se saber, parece fácil. Só que “saber” significa um longo caminho de amadurecimento do conhecimento. De facto, não inventei nenhum aparelho ou produto novo. Limitei-me a por em prática pensamentos críticos novos, com metodologias que já dominava e que, obviamente, tenho vindo a melhorar.

Curiosamente, chego à conclusão que, para este salto, foi decisivo o estudo de preparação para as aulas de Química Básica III que lecionei nos anos 80. A abordagem que desenvolvi na altura para a introdução do conceito de potencial químico e de energia livre parcial de Gibbs e que publiquei nas “Folhas” da Disciplina (Equilíbrio em Solução (I), M. Filomena G.F.C. Camões, FCUL – 1982) foi agora revisitada e está saindo à luz do dia num artigo de revisão submetido para publicação, com uma equipa internacional pluridisciplinar de autores de luxo.

FCUL - Esta investigação irá complementar um outro trabalho, correto? De que se trata?

MFC - Um grupo de Institutos Nacionais de Metrologia (NMI) organizou um projeto de investigação, OCEAN - ENV05 “Metrologia na salinidade e acidificação dos oceanos” no âmbito do Programa Europeu de Investigação em Metrologia (EMRP), que teve início em setembro de 2011, com a duração de três anos, portanto até agosto de 2014. O objetivo deste projeto é o de estabelecer a cadeia de rastreabilidade metrológica de pH ao Sistema Internacional de Unidades, SI, desde as medições de rotina, de campo, ou no laboratório, passando pelos métodos secundários e primários, avaliando os valores de incerteza associados aos respetivos resultados. Desenvolver-se-ão soluções tampão de pH de referência para calibração de aparelhos medidores de pH e serão efetuadas recomendações sobre procedimentos tendentes a melhorar as bases de dados de valores de pH de água do mar com qualidade adequada a utilização em modelos climáticos. Foi a nossa colaboração (CCMM) com o IPQ neste projeto que levou a que nos tenha ocorrido o estudo complementar que preenche as lacunas científicas existentes, agora merecedor desta REG (Bolsa Europeia de Excelência de Investigação) Steps towards pH measurements in seawater.

Nova curiosidade é o facto de a solução tampão de pH agora selecionada ser a mistura TRIS-TRIS·HCl que desenvolvi na minha tese de doutoramento, quando o objetivo era fazer uma seleção de bases orgânicas para calibração evitando o conhecido erro alcalino (New Procedure for Calibrating Glass Electrodes, M.Filomena G.F.C. Camões and Arthur K. Covington, Anal. Chem. 46, 1974, 1547).

Fonte: Maria Filomena Camões
Legenda: Vitrine de exposição “Um Século de Medições de pH” organizada no Museu de Ciência da UL

FCUL - Há quanto tempo trabalha em coordenação com o laboratório de pH?

MFC - Eu diria, desde sempre, mas, por laboratório de pH estará certamente a referir-se apenas e concretamente ao laboratório que, desde 2005, está no IPQ, transferido do C8 da FCUL, onde, em 2002, eu o tinha montado com a colega M. José Guiomar, na sequência de financiamento do Projeto ApHA (Accurate pH Measurements-FCT/MCT-QUIM (2001-2003)), de que foi coordenadora. Antes disso M. José Guiomar defendeu a tese de doutoramento em 1991 com um projeto desenvolvido sob minha supervisão, no laboratório anterior que montei no Núcleo de Química- Física, ainda nas antigas instalações da FCUL na Escola Politécnica, quando em 1973 regressei de Inglaterra, onde, por proposta do falecido professor Fernando Carvalho Barreira (1928-1976) conduzi o meu projeto de doutoramento na Universidade de Newcastle-upon-Tyne, entre 1970 e 1973. É uma história longa com muitos capítulos.

É interessante mencionar, por exemplo, que em 1971, ao regressar a Newcastle depois das Férias de Verão, deparei-me estupefacta com a descoberta de que foi um português (Algernon Freire Marreco) o primeiro Professor de Química do King’s College da Universidade de Durham, que veio a dar origem à Universidade de Newcastle-upon-Tyne; decorriam as celebrações do 1.º centenário (Folhas de Ouro da Química -Freire Marreco e eu- um século depois, M.Filomena G.F.C. Camões, Química, 120, 2011, 55-56). A História tem destes caprichos. A Medalha e Prémio A. F. Marreco continuam a ser a mais alta distinção para a melhor tese de mestrado em Química da Universidade de Newcastle-upon-Tyne.

O laboratório de pH, no C8, e as competências desenvolvidas no nosso grupo de investigação, nessa altura ainda CECUL (Centro de Eletroquímica e Cinética da UL), eram já reconhecidos internacionalmente. Apesar das dificuldades logísticas com que tivemos que lidar, atingimos as condições de Laboratório Primário de pH, o que se tornou apelativo para o instituto metrológico nacional, o IPQ. Também as entidades financiadoras nacionais começaram a apontar nesse sentido. Pensando na procura de condições que garantissem a sua continuidade, a saída para o IPQ, deu-se por acordo entre as partes. Após alguns anos de oscilações nos recursos humanos, o Laboratório conta agora com pessoal efetivo, cuja formação e orientação científica asseguramos e com quem desenvolvemos investigação.

FCUL - A FCUL tem um protocolo de colaboração com o IPQ, que importância atribui a esta ligação?

MFC - As várias instituições têm os seus objetivos específicos, mas estes são muitas vezes parcialmente comuns; a Ciência está subjacente a tudo. Colaborando, há benefícios mútuos. É o caso desta parceria que se solidificou pelas sinergias conseguidas. Claro que os protocolos só funcionam com pessoas que tenham igual interesse e envolvimento no trabalho e se entendam no burilar das eventuais dificuldades que as especificidades de cada uma possam constituir e ser entrave a trabalho de equipa harmoniosamente desenvolvido. Estabelecidas que sejam as infraestruturas materiais, é este realmente o grande desafio para o sucesso de qualquer protocolo.

FCUL - Que importância julga ter no seu percurso profissional?

MFC - O meu percurso profissional tem um passado longo e um futuro necessariamente curto. Mas foi o passado que me conduziu a este presente que ditará o futuro, meu e dos que dele fizerem parte. Todos temos lugar e todos somos importantes neste organigrama. Das várias metas que atravessei esta é certamente uma das que me orgulho; outras se seguirão.

FCUL - Que expectativas tem quanto ao projeto?

MFC - As expectativas são, primeiro que tudo, dar cumprimento à verificação experimental do pensamento científico em que assenta a investigação a que me propus para os próximos dois anos. Adicionalmente há a perspetiva bibliométrica e espero ver isso refletido em mais um salto significativo nas publicações e citações, o que desejavelmente afetará positivamente o futuro profissional dos meus colaboradores. Todos os dias nos estão a surgir ideias novas que enriquecem a investigação e o plano está constantemente a ser validado e enriquecido. São já evidentes os grandes passos que estão a ser dados e o seu impacto em áreas de aplicação que têm estado dormentes.

FCUL - Quais os primeiros passos a dar na investigação, após a atribuição da bolsa?

MFC - Tive acesso à Bolsa a partir de setembro de 2012, o que já me permitiu contratar dois colaboradores, um para doutoramento, outro já doutorado (que curiosamente tinha feito o projeto de licenciatura comigo há 12 anos) e proceder à aquisição de equipamento. Há que desenvolver o plano de investigação estabelecido e o calendário é exigente. Este reforço de recursos está a dar uma alma nova ao trabalho e multiplicam-se as situações em que somos solicitados a apresentar comunicações, participar em debates científicos e em ações de formação diversas.

FCUL - Em tempos conturbados como os que estamos a atravessar, que mensagem de incentivo deixa aos jovens investigadores?

MFC - Costumo dizer que a melhor avaliação de alguém se faz, quando esse alguém não se apercebe que está a ser avaliado. Isso significa que devemos nivelar a nossa atuação sempre por cima. E isso significa que à competência profissional é fundamental associar o comportamento ético que incute confiança no desempenho de cada um. Desenvolvam-se como pessoas de bem. É isso que é perene.

Estudem com persistência e confiança. Não desistam perante as dificuldades; são elas e os desafios que nos fazem crescer. Não confiem no facilitismo. A paixão pelo trabalho, a beleza da descoberta, a alegria de partilhar o conhecimento, a suprema realização de fazer parte de uma equipa em quem se confia tanto a nível do desempenho profissional, como a nível pessoal, valem mais que dinheiro abundante; e sem pessoas não há números…
Estejam abertos à mudança e à inovação; de forma mais do que apropriada invoco Camões: “Não sejam Velhos do Restelo”.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciências@fc.ul.pt
Cartas com Ciência

O conhecimento e a empatia não têm fronteiras, prova disso é o projeto Cartas com Ciência, que parte das palavras dos cientistas para criar laços e encurtar distâncias no que à educação diz respeito.

Satélite

"Com a Engenharia Geográfica/Geoespacial sabemos de onde vimos, para onde vamos, qual o melhor caminho e ainda o que vamos encontrar", escreve Paula Redweik, professora do DEGGE por acasião do centenário do curso.

Exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now”

Catarina Pombo Nabais coordena o SAP Lab - Laboratório Ciência-Arte-Filosofia do Centro de Filosofia das Ciências da ULisboa e em entrevista dá conta da importância da relação interdisciplinar entre ciência e arte e dos projetos futuros.

Pepino do mar

Os pepinos do mar - espécies de equinodermes ainda muito desconhecidas - cumprem uma importante função ecológica: reciclam a matéria orgânica dos sedimentos e redistribuem nutrientes. O grupo de Pedro Félix, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e da Ciências ULisboa, é o único atualmente a trabalhar na ecologia e aquacultura de pepinos do mar em Portugal.

Anfiteatro com várias cadeiras e uma pessoa sentada a ler

O Grupo de Fala e Linguagem Natural dedica-se à Inteligência Artificial com enfoque especial no Processamento de Linguagem Natural e é o coordenador da PORTULAN CLARIN Infraestrutura de Investigação para a Ciência e Tecnologia da Linguagem.

cientista ao microscópio

Maria Helena Garcia, professora do DQB Ciências ULisboa e Andreia Valente, investigadora do DQB Ciências ULisboa, lideram A Something in Hands – Investigação Científica, Lda, uma spin-off desta Faculdade, que recebeu 100 mil euros da Portugal Ventures e que visa desenvolver novos medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos.

Centro de Testes Ciências ULisboa

O Centro de Testes Ciências ULisboa recebeu o primeiro lote de 110 zaragatoas a 1 de maio de 2020, provenientes de um conjunto de cinco lares de terceira idade do concelho de Mafra, no que viriam a ser os primeiros de várias dezenas de milhar de testes de diagnóstico molecular da COVID-19.

Logotipo Radar

Décima quinta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque volta a ser a Nevaro.

Há um conjunto de normas e princípios legais que regulam as relações dos indivíduos em sociedade. O direito de autor é um deles. Todo o conteúdo produzido e publicado em órgãos de comunicação social é considerado conteúdo editorial. Estas obras coletivas estão protegidas pelos direitos de autor.

Iris Silva

Iris Silva, investigadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) na Ciências ULisboa, venceu pela segunda vez o Best Young Investigator Award da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS), segundo comunicado de imprensa emitido esta sexta-feira pela Faculdade. O galardão será atribuído durante o 44th European Cystic Fibrosis Conference, que se realiza online entre 9 e 12 de junho de 2021.

Margarida Ribeiro e Hugo Anjos, alunos de Ciências ULisboa do mestrado em Bioestatística

Em reunião do Infarmed, os alunos Margarida Ribeiro e Hugo Anjos, do mestrado em Bioestatística, receberam palavras de agradecimento da DGS pelo trabalho desenvolvido em contexto COVID-19.

Pessoas a trabalhar numa mesa

O projeto SKIES (SKilled, Innovative and Entrepreneurial Scientists), iniciado em março passado e com a duração de 18 meses, pretende fornecer a estudantes de doutoramento e jovens investigadores doutorados na área da Astronomia um conjunto de competências ao nível da ciência aberta, inovação e empreendedorismo.

Tachydromia stenoptera

Ana Rita Gonçalves concluiu o mestrado em Biologia da Conservação na Ciências ULisboa e no âmbito da sua tese estudou a morfologia de todas as moscas-formiga conhecidas da Península Ibérica e de Itália - dez espécies no total. Quatro delas são novas para a Ciência e uma apenas existe em Portugal.

Imagem gráfica das comemorações do aniversário da Faculdade

Esta segunda-feira, dia 19 de abril, a Faculdade celebra 110 anos. Para acompanhar a cerimónia comemorativa que será realizada uma vez mais online no próximo dia 21 de abril, a partir das 14h00, deverá ligar-se ao canal YouTube.

Exposição Variações Naturais – uma viagem pelas paisagens de Portugal

Após 18 meses de desenvolvimento de projeto e montagem, Variações Naturais – uma viagem pelas paisagens de Portugal abriu portas ao público em novembro passado e vai estar em exibição até 25 de novembro de 2022.

ferramenta de saída de campo

Ícaro Dias da Silva recebeu uma menção honrosa na última edição (2019) dos Prémios Científicos ULisboa / Caixa Geral de Depósitos. O investigador do IDL Ciências ULisboa estuda a geodinâmica das margens continentais relacionadas com a abertura e fecho de oceanos no Paleozoico.

Barcos de pesca em Almograve, Portugal

No âmbito do projeto MarCODE já foram recolhidas mais de 1000 amostras de pescado e marisco - robalo, dourada, raia-lenga, pescada, carapau, polvo, cavala, ouriço e percebes. A amostragem decorreu nas lotas nacionais da DOCAPESCA. As amostras encontram-se a ser processadas analiticamente nos laboratórios do MARE e do BioISI, nos polos da Faculdade.

Imagem de mãos dadas

Até ao próximo mês de julho, cerca de 70 famílias de cuidadores informais no território continental português participam no programa “Famílias Seguras – Cuidar de quem Cuida” lançado pela Ciências ULisboa, através do seu Centro de Testes, em parceria com a Associação Nacional de Cuidados Informais.

Logotipo Radar

Décima quarta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Sala com microfone

O jornalismo científico tem a responsabilidade de tornar a mensagem científica compreensível para o público leigo. Jornalistas e cientistas têm o dever cívico de contribuir para a qualidade da informação.

Trajeto de transferência eletrónica num óxido metálico misto de molibdénio e tungsténio

Os fenómenos de transferência de eletrões são omnipresentes em toda a natureza e em Biologia Molecular representam ainda a “transdução de energia”, isto é o transporte de eletrões através de uma enzima ou proteína. Os resultados desta investigação podem ajudar a melhorar a compreensão de como os eletrões se movem nas junções moleculares em dispositivos eletrónicos, ou na transferência de eletrões em biomoléculas com mediação de espécies metálicas.

Pormenor da conceção artística do interior do futuro telescópio espacial de raios X Athena, da ESA

A componente ótica portuguesa, liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que irá integrar o futuro telescópio espacial europeu nos raios X, passou na revisão de requisitos e entra agora na fase de projeto. O IA lidera o conceito e desenho de um sistema de metrologia, ou OBM (do inglês “Onboard Metrology System”), que permitirá orientar com exatidão o espelho do Athena, um telescópio espacial nos raios X, para o sensor de cada um dos dois instrumentos científicos desta missão.

Alunos e professor no campus da Faculdade

A equipa CGD/MATHFCUL ficou classificada em 5.º lugar na final nacional do Global Management Challenge 2020. Exigência foi a palavra escolhida pela equipa para classificar esta experiência. "Fico muito satisfeito e grato pela dedicação e crescimento destes meus alunos", diz João Telhada, professor do DEIO Ciências ULisboa e mentor da equipa.

Mulher esconde rosto com relógio

"O efeito da mudança de hora no consumo de energia é cada vez menos relevante nas nossas sociedades desenvolvidas e, por isso, a avaliação da sua premência deve valorizar sobretudo outros efeitos, como o impacto na saúde, na economia ou no bem-estar dos cidadãos", escreve Miguel Centeno Brito, professor do DEGGE Ciências ULisboa e investigador do IDL.

A distribuição potencial dos continentes no Arcaico e a profundidade do oceano em metros

Mattias Green, professor da Bangor University (BU), no Reino Unido, coorientador de Hannah Davies, estudante do programa doutoral Earthsystems, ganhou uma Bolsa Leverhulme no valor de 245.884,00 £, equivalente a 287.331,58 €, para estudar o clima da Terra no Arcaico, juntamente com João C Duarte, professor do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz e membro da comissão coordenadora do referido programa. 

Páginas