Dictum et factum

Paulo Silva

Paulo Silva

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O último Dictum et factum de 2016 é com Paulo Silva, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Paulo Silva (PS) - Tive, como todas as crianças, sonhos de vir a ter uma atividade profissional extraordinária (mergulhador, astronauta…) ou outras, mais normais, mas que me parecia serem valorizadas pelas pessoas à minha volta. Relativamente cedo apercebi-me que tinha mais pendor e maior interesse por áreas científicas e fui orientando os meus estudos essencialmente para as áreas da Química. Acabei por deixar a Química e vim para cá, para a FCUL, estudar Física. Acho que se pode concluir que a resposta à questão é não…

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

PS -Estava a trabalhar como professor no Instituto Politécnico de Beja mas com um contrato a termo certo que estava a terminar. Por essa altura a FCUL abriu um concurso para técnico superior, para prestar serviço no Departamento de Física. As funções designadas para esse posto de trabalho eram-me bastante familiares já que envolviam essencialmente a preparação e manutenção de laboratórios para aulas de física experimental. Tendo passado uma boa parte da minha vida profissional anterior precisamente dedicada ao ensino de física experimental (frequentemente sem qualquer apoio técnico), estava bastante consciente de como o técnico superior a contratar poderia dar uma boa contribuição. Era portanto um trabalho que achei que tinha condições para fazer. Isto, a juntar à vontade de pretender trabalhar na região de Lisboa e de ser uma instituição que conhecia bem, levou-me a concorrer. Acabei por ficar.

Qual foi o 1.º emprego?

PS - Fiz algumas coisas antes mas a primeira vez que tive um contrato de trabalho foi como professor da disciplina de Ciências Físico-Químicas do (então) curso unificado na (então) Escola Secundária da Falagueira.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

PS - Há três anos.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

PS - Vim trabalhar para os laboratórios de ensino do Departamento de Física e, apesar de já conhecer relativamente bem o ambiente, tive de fazer alguma adaptação às pessoas com quem ia trabalhar, bem como às rotinas já estabelecidas. Houve também um período inicial em que me dediquei a conhecer os equipamentos e as montagens experimentais mais usadas nas aulas.

E agora como é o seu dia-a-dia?

PS - Posso dizer que é bastante variado.

Manter os laboratórios a funcionar nos períodos letivos ocupa-me bastante tempo. Por um lado há uma razoável diversidade de unidades curriculares experimentais que usam equipamentos diferentes e ocupam os mesmos laboratórios, sendo necessária a sua permanente redistribuição pelos espaços, de modo a satisfazer as necessidades das várias unidades curriculares. Por outro lado, há sempre avarias e pequenos incidentes no decurso das atividades letivas a que é necessário dar resposta.

Ocupo-me ainda de fazer uma manutenção de primeira linha ao parque informático dos laboratórios.

Nos períodos não letivos há sempre equipamento que necessita de alguma manutenção ou de alguma reparação, há sempre consumíveis que é necessário repor e, com alguma frequência, é necessário adquirir novos equipamentos.

Há também tarefas de natureza um pouco complementar a que me dedico. Participo quase sempre nas atividades de divulgação em que o Departamento de Física intervém e, em virtude da atual organização da Faculdade, há um conjunto de tarefas que não são função de ninguém para as quais todos nós acabamos por dar alguma contribuição.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

PS - Gosto de colaborar no desenvolvimento de novas montagens experimentais ou na exploração de novos equipamentos quando estes são adquiridos. Ocasionalmente tenho oportunidade de interatuar com os estudantes, o que me dá também prazer. Gosto ainda de colaborar na organização das atividades de divulgação em que o Departamento de Física participa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

PS - Há bastantes tarefas de natureza mais rotineira e que requerem menos criatividade… Claro que são fundamentais para manter as aulas a funcionar, pelo que não me custa fazê-las. Desagrada-me bastante mais testemunhar quotidianamente, nas minhas deambulações pelos laboratórios, a falta de zelo com que esses espaços são utilizados, por desconhecimento, por descuido ou por simples falta de civismo. Por outro lado, como em todas as instituições com a complexidade da FCUL, o trabalho de uma pessoa é muito interdependente do trabalho das restantes. Detesto quando me vejo impedido de fazer o meu trabalho convenientemente porque alguém não fez a sua parte.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

PS - A Faculdade é um espaço onde se produz e se transmite o conhecimento em áreas científicas de ponta. Evidentemente há outros aspetos na sua missão mas estes são os que mais valorizo e é bom trabalhar num local onde se vê o progresso científico a acontecer.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

PS - O princípio de ter um estado que presta serviços aos cidadãos que o compõem. A realidade fica, por vezes, aquém deste princípio. Os serviços prestados poderiam ser mais diversificados e de melhor qualidade. Mas existem. E isso já é bom.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

PS - Empenhado.

Porquê?

PS - Porque quando acredito no que estou a fazer, em particular ao nível profissional, ponho a minha energia e o melhor das minhas capacidades ao serviço dos objetivos a concretizar.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Imagens do campus, laboratórios e salas de aula

Entrevista com os professores Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro - membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina -, sobre o mestrado em Bioquímica e Biomedicina. Até maio de 2022, cerca de 165 alunos concluíram com sucesso este mestrado, criado em 2009.

Imagens relacionadas com o mestrado em Bioquímica e Biomedicina

"Há importantes mudanças no plano de estudos. Simplificámos o percurso formativo, abolindo áreas de especialidade, mas dando grande liberdade aos alunos para a escolha das optativas que mais lhes interessam e ampla escolha", escrevem Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro, membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina.

bioplásticos

O BioLab Lisboa é palco do evento Young Creators – BioLab Edition, que se realiza entre 4 e 8 de julho e cujas inscrições terminam a 2 de julho. O programa destina-se a pessoas com mais de 12 anos. O objetivo desta iniciativa é incentivar a criatividade e o desenvolvimento de novas ideias, através do acesso a equipamentos e ao conhecimento na área da Biotecnologia.

Jovem em frente ao computador

A 1.ª fase de candidaturas aos mestrados da Faculdade decorre até 11 de julho. Esteja atento às redes sociais da Faculdade e conheça os testemunhos de quem frequenta estes cursos. Para Fernanda Oliveira, subdiretora da Direção, “a Faculdade tem uma oferta formativa muito diversificada”.

Complexo não covalente de composição [KrSF5]+ (Fig. 1), que provem duma molécula estável, [KrSF6]+ (Fig. 2), em resultado da reação direta de hexafluoreto de enxofre com crípton ionizado

Este ano comemora-se os 60 anos da descoberta da reatividade dos gases nobres nomeadamente do xénon. Nuno A. G. Bandeira, investigador do Departamento de Química e Bioquímica e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre os gases nobres, suas aplicações e um estudo recente da sua autoria e de cientistas do Centro de Química Estrutural e que apresenta um novo composto de crípton.

Logotipo GMC

A primeira fase de decisões da primeira volta do Global Management Challenge 2022 terminou no passado dia 14 de junho. Em competição estiveram 206 equipas a nível nacional - compostas por estudantes, quadros de empresas ou mistas -, duas delas incluem estudantes da Ciências ULisboa.

Grande auditório da Faculdade com pessoas

Vale a pena recordar os 111 anos comemorados no grande auditório da Faculdade no canal YouTube, numa viagem imaginária a Marte, com a tradicional entrega de prémios e distinções e outros momentos singulares, assim como conhecer a opinião daqueles que participaram no evento.

sao jorge ao fundo e logotipo da iniciativa

“Andamentos da Ciência” é o novo ciclo de conferências da Ciências ULisboa que arranca no próximo dia 22 de junho. Nesta iniciativa, especialistas de diferentes áreas do conhecimento vão partilhar o saber sobre os temas mais atuais da sociedade, na forma de comunicações inspiradas nas palestras TED.

quatro estudantes

O Departamento de Geologia atribuiu 14 cartas de reconhecimento de mérito aos melhores alunos da licenciatura em Geologia de 2019/2020 e de 2020/2021. O Gabinete de Jornalismo entrevistou alguns dos estudantes distinguidos na ocasião. Saiba o que pensam sobre o curso que frequentaram na Faculdade e o que estão a fazer neste momento.

conjunto de pessoas no palco

Numa cerimónia realizada durante a Feira Nacional da Agricultura 2022, em Santarém, foi apresentado e contratualizado o projeto AdaptForGrazing, inscrito no Plano de Recuperação e Resiliência. O projeto é coordenado por Cristina Branquinho, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade e investigadora do cE3c.

Praia

No próximo dia 17 de junho, na praia de Albarquel, em Setúbal, decorrem as atividades “Ida à Maré e Festa na Praia”, promovidas pelo projeto bLueTIDE. Estas atividades contam com a participação de investigadores do MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa, com o apoio da Incubadora do Mar & Indústria da Figueira da Foz.

Ato solene da atribuição do título no Centro Cultural Alcazaba de Mérida

Ricardo Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigador do Instituto Dom Luiz, recebe título doutor honoris causa da Universidade da Extremadura, numa cerimónia que teve lugar no Centro Cultural Alcazaba de Mérida, em Badajoz, Espanha, no passado dia 1 de junho.

Galardoados com os Prémios Verdes

O COVIDETECT é o vencedor dos Prémios Verdes na categoria investigação. “É uma distinção que muito nos honra e que reforça o caráter inovador e visionário do projeto”, diz Mónica Vieira Cunha, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa, investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e coordenadora científica do consórcio.

lancha hidrográfica leva os alunos para o rio

Durante o mês de maio, uma turma de alunos do 3.º ano, finalistas do curso de Engenharia Geoespacial deslocou-se em trabalho de campo até à Praia de Santo Amaro, em Oeiras, para realizar um levantamento topo-hidrográfico da praia. O trabalho constitui o projeto final da disciplina de Hidrografia, ministrada pelo professor Carlos Antunes.

Anfiteatro com os participantes da homenagem

Este ano a celebração do Dia Mundial da Terra no Departamento de Geologia foi ainda mais especial:organizaram a conferência “A evolução da Geologia costeira em Portugal e principais desafios futuros” com o objetivo de surpreender e homenagear César Andrade, professor na Faculdade há 43 anos. A reportagem inclui vários testemunhos de colegas e antigos alunos.

Joana Ribeiro, Bárbara Henriques e Filipa Carvalho no simpósio

A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (SPDM) atribuiu uma bolsa de apoio à investigação Dr. Aguinaldo Cabral, no valor de 10.000€, a Bárbara Henriques, investigadora do Departamento de Química e Bioquímica e investigadora principal do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), polo da Ciências ULisboa. É a primeira vez que um investigador da Ciências ULisboa recebe este prémio.

Cinco alumni e logotipo da rubrica

Esta foi a pergunta feita a cinco alumni da Ciências ULisboa durante o mês de maio. A primeira série de lives transmitidas em direto no Instagram também está disponível no canal YouTube da Faculdade. Estas primeiras cinco conversas descontraídas e enriquecedoras contaram com a presença de Eduardo Matos, Dário Hipólito, Ana Prata, Margarida Ribeiro e João Graça Gomes.

Planta de tomate

“O efeito da competição e simbiose na virulência de um parasita de plantas" - um projeto coordenado pelas cientistas Alison Duncan e Sara Magalhães - é um dos quatro projetos vencedores da 1.ª edição do Prémio Tremplin Mariano Gago.

Paisagem antártica na zona de estudo

As alterações climáticas amplificam as ondas de calor no continente antártico. Esta é a conclusão apresentada pelos cientistas Sergi González-Herrero, David Barriopedro, Ricardo M. Trigo, Joan Albert López-Bustins e Marc Oliva num artigo publicado na Communications Earth & Environment.

Alexandre M. Ramos, Francisco S. N. Lobo, Margarida D. Amaral e Sara C. Madeira

Alexandre M. Ramos, Francisco S. N. Lobo, Margarida D. Amaral e Sara C. Madeira são as personalidades da Faculdade distinguidas com os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2021. Os seus colegas Cláudio M. Gomes e Francisco Malta Romeiras também são agraciados nesta edição com menções honrosas. A cerimónia de atribuição destes prémios e menções honrosas acontece no próximo dia 28 de junho, no salão nobre da Reitoria da ULisboa.

Páginas