Cartas com Ciência

Cartas com Ciência

O conhecimento e a empatia não têm fronteiras, prova disso é o projeto Cartas com Ciência, que parte das palavras dos cientistas para criar laços e encurtar distâncias no que à educação diz respeito

Cartas com Ciência

Sabia que é possível fazer chegar a crianças e jovens dos países lusófonos o “bichinho” pelo ensino superior e por carreiras científicas?

O segredo para o conseguir fazer é juntar-se ao projeto Cartas com Ciência, que cria conversas entre cientistas e crianças nestes países com o objetivo de mitigar barreiras e preconceitos relacionados com o ensino superior e carreiras científicas.

Ou seja, a Cartas com Ciência “leva a ciência a todos os cantos da lusofonia, uma carta de cada vez”.

Este projeto foi criado por Mariana Alves e Rafael Galupa, ambos investigadores portugueses (estudante de doutoramento e pós-doc, respetivamente) no Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL) e, o Rafael, alumnus da Ciências ULisboa, no curso de Biologia. Os jovens cientistas participavam no projeto americano “Letters to a Pre-Scientist”, que organiza trocas de cartas com estudantes em escolas americanas de contextos desfavorecidos, e não tiveram dúvidas: este modelo seria muito enriquecedor se desenvolvido em versão língua portuguesa para chegar a muitas comunidades nos países de língua portuguesa que têm pouco acesso à ciência.

A Cartas com Ciência foi oficialmente lançada no dia 5 de maio de 2020, a propósito do primeiro Dia Mundial da Língua Portuguesa. É uma spin-off da Native Scientist.
Desde então, 93 cientistas de língua portuguesa já responderam a cartas que chegaram às mãos de 93 crianças e jovens dos 9 aos 17 anos, que com elas aprendem, pensam e sonham.

Trinta e oito desses cientistas têm ligação a Ciências ULisboa. Neste momento, há sete cientistas da Faculdade em correspondência com sete estudantes: três na turma de Dili, dois na turma de Coimbra, um na turma de Odivelas e um na turma de São Tomé.

A primeira comunicação chega pelo estudante, as cartas partem dos mais variados cantos do mundo. Devido à pandemia atual e às limitações de correio que impõe, a equipa tem centralizado alguma receção e envio de cartas em Portugal para facilitar a logística.

Rodrigo Amaro e Silva, doutorado em Ciências Geofísicas e da Geoinformação pelo Instituto Dom Luiz e investigador no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), é um dos cientistas do projeto. O cientista troca cartas com Pedro, estudante de 10 anos que frequenta a escola participante de Coimbra.

Desde o início da  no ano 2009, que Rodrigo percebeu gostar mesmo de comunicar ciência. Foi isso que o levou a participar em várias atividades de divulgação, a dar aulas aqui na Faculdade, e até a fazer uma formação para guia no Museu da Eletricidade em Lisboa.

A ideia de colocar crianças e cientistas em contacto e o facto de recorrer a correspondência por carta despertou imediatamente o interesse do cientista.

Com o seu contributo pretende “humanizar a ciência e os cientistas”. Isto porque, reforça, “é fundamental para derrubar possíveis barreiras imaginárias que afastem crianças curiosas da ciência e da educação”.

A forma como as crianças podem passar a encarar a Ciência e o impacto que terá no seu futuro, entusiasmam Rodrigo.

“Estou convicto de qualquer criança sai valorizada e vê a ciência de outra maneira depois de participar na Cartas com Ciência. Mas vejo duas grandes vantagens no cruzamento de cientistas com crianças de países (de língua oficial portuguesa) diferentes do seu: o reforço da união e multiculturalidade que a língua portuguesa nos oferece; o incentivo à curiosidade e à educação, que ainda hoje é dos melhores “elevadores sociais” e mecanismos de desenvolvimento socioeconómico que temos à nossa disposição”.

De ambos os lados, de quem escreve – tal como o Rodrigo -  e de quem recebe as cartas, o feedback tem sido muito positivo, como explicam os responsáveis Mariana e Rafael: “todos os professores que estão a participar mostram-se muito satisfeitos com a experiência, e relatam-nos também as reações de contentamento dos estudantes, especialmente no momento de receberem as cartas. Têm-nos enviado também muitas fotos e vídeos dos estudantes a ler as suas cartas, às vezes uns para os outros. 89% dos estudantes “conheceram” pela primeira vez um(a) cientista através destas trocas de cartas. Há muito entusiasmo também da parte da comunidade científica; ao fim de três meses de lançarmos o projeto tínhamos mais de 600 inscrições. Os cientistas que já têm trocado cartas mostram-se também muito positivos: 80% escolhem a palavra “gratificante” e 72% a palavra “divertida” para descrever a experiência”.

A ligação criada entre estudantes e cientistas é uma conquista que em muito agrada à organização, há uma história que prova exatamente isso, como contam: “uma professora de um dos grupos [de estudantes que trocam correspondência] contou-nos que estava muito curiosa para saber o que os cientistas tinham escrito nas suas cartas de resposta às cartas dos alunos, mas nenhum dos alunos a deixou ler as cartas que receberam! Como notou uma investigadora envolvida na Cartas com Ciência, é provavelmente um sinal de que os alunos já estabeleceram um tipo de relação com os seus cientistas respetivos, relação essa que consideram privada. É mesmo este o nosso objetivo, que estas cartas (com ciência) permitam aos estudantes criar sentimentos de identificação e de pertença com os seus cientistas, e por extensão, com a ciência e as carreiras científicas”

A aposta na formação em Comunicação de Ciência

Os cientistas que participam no projeto não só aprendem com os mais novos a quem explicam a sua área científica, como também têm a oportunidade de receber formação em Comunicação de Ciência pela equipa Cartas com Ciência.

Outro dos objetivos do projeto é proporcionar formação e experiência em comunicação científica a investigadores de várias origens e em diferentes fases das suas carreiras, para capacitá-los a estabelecerem interações mais significativas com a sociedade isto porque “os cientistas têm geralmente pouco à-vontade para explicar o seu trabalho a não-especialistas”.

Se já lhe apetece pegar na caneta (ou talvez ir direto ao computador) saiba com pode escrever cartas de “amor” pela ciência e participar neste projeto:

Se trabalha em Ciência, pode responder a cartas e inspirar as novas gerações.

Se é professor, pode inscrever-se para participar no projeto e organizar um  dos programas da iniciativa com a sua turma.

Se quer apadrinhar, pode fazer uma doação para apoiar a participação de crianças lusófonas nos programas.

Se faz parte de uma empresa, pode tornar-se mecenas e contribuir para um futuro com mais oportunidades para todas as crianças.

Se representa uma universidade ou instituição científica, pode tornar-se parceiro e divulgar o projeto pela sua rede de contactos, cientistas e alumni na CPLP.

Se quer simplesmente ficar a par do trabalho Cartas com Ciência, visite o site e as redes sociais da iniciativa, e inscreva-se para receber a carta de novidades.

Raquel Salgueira Póvoas, ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

robot e criança

Ecossistema de grandes modelos de linguagem de IA Generativa para a língua portuguesa foi expandido com novas versões dos modelos Albertina e Gervásio.

Participantes da 1.ª edição do JAB

A 1ª edição do JAB, um evento inovador destinado a jovens empreendedores, organizado pela JUST - Júnior Iniciativa de Ciências ocorreu nos dias 22 e 23 de março passado e teve como foco a Educação de Qualidade, quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável.

Pessoas

Uma comitiva da Shanghai Ocean University (SHOU), cuja origem remonta à Escola de Pesca da Província de Jiangsu, fundada em 1912, visitou Ciências ULisboa no passado dia 25 de março. Wang Hongzhou, presidente do Conselho da universidade chinesa, elogiou o avanço da investigação realizada na Ciências ULisboa, destacando as boas práticas de gestão, interdisciplinaridade e foco na missão. Durante a ocasião, Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa, reconheceu a importância das relações bilaterais com a China.

Alunos dinarmarqueses junto à tabela periódica

Um grupo de 25 estudantes do ensino secundário do Egedal Gymnasium & HF, da Dinamarca, visitou a Ciências ULisboa no passado dia 21 de março.

Sala com pessoas

A “Sessão de demonstração do serviço CONNECT – Caso de uso #1, Estuário do Tejo” ocorreu no passado dia 13 de março.

Várias pessoas no stand da Fcauldade Futurália

Como já vem sendo tradição, a Ciências ULisboa esteve presente na 15.ª edição da Futurália, a maior feira de educação, formação e empregabilidade do país, que se realizou entre 20 e 23 de março, na FIL - Feira Internacional de Lisboa e que juntou muitos visitantes, especialmente candidatos ao ensino superior. A Direção da Ciências ULisboa agradece aos mais de 200 estudantes voluntários e aos cerca de 70 professores, investigadores, entre outros profissionais que se vestiram de azul para esclarecerem as dúvidas dos candidatos ao ensino superior, lançando ainda o convite para visitarem a Faculdade no próximo Dia Aberto, que se realiza no próximo dia 8 de maio e cujas inscrições podem ser feitas aqui. Até lá!

Imagem do Miguel Pires durante a competição ocorrida em videoconferência

Miguel Pires, estudante da licenciatura de Engenharia Geoespacial da Ciências ULisboa, venceu a edição portuguesa do Esri Young Scholars Award e que lhe dá a oportunidade de apresentar o seu projeto Dashboard CicLisboa no maior evento de Sistemas de Informação Geográfica a nível mundial - o Esri User Conference e a Education Summit -, ambos a decorrer no próximo mês de julho, em San Diego, na Califórnia (EUA).

Pessoa numa praia com neve

A missão da Ciências ULisboa é criar, transmitir e difundir conhecimento científico e tecnológico, promovendo uma cultura de aprendizagem permanente, valorizando o pensamento crítico e a autonomia intelectual. Nesta “casa“ todos os dias alunos, professores, investigadores, entre outros profissionais encontram motivos para cuidar do nosso planeta. Bem hajam!

Dia Internacional das Florestas 2024

Leia o testemunho de António Vaz Pato, estudante do mestrado de Biologia da Conservação e guardião da HortaFCUL, a propósito desta efeméride e assista ao vídeo que preparamos para celebrar esta data especial nas nossas redes sociais: YouTube, Facebook, LinkedIn e Instagram.

céu

João Pires Ribeiro, professor aposentado do Departamento de Física da Ciências ULisboa, faleceu dia 18 de março, em Lisboa, aos 83 anos. A Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos seus familiares, amigos, colegas e antigos estudantes.

Tiago Oliveira, Ricardo Mendes e Alysson Bessani

A Vawlt, uma spin-off da Ciências ULisboa, conseguiu angariar 2,15 milhões de euros e três novos investidores - a Lince Capital, a Basinghall e a Beta Capital - para impulsionar ainda mais a inovação do seu produto, elevando o investimento total acumulado para os três milhões euros.

imagem da Reitoria da ULisboa

A ULisboa é uma vez mais a universidade portuguesa melhor classificada a nível nacional no SCImago Institutions Rankings (SIR), tendo subido este ano 25 posições, apesar deste ano terem sido analisadas mais 229 universidades. A ULisboa anunciou esta semana que está entre as 150 melhores instituições do mundo e a nível nacional lidera 12 áreas e 22 subáreas científicas, posicionando-se em 2.º lugar em quatro áreas e 21 subáreas.

Imagem do Cercal num portátil com pessoas desfocadas

A Ciências ULisboa já tem os primeiros resultados do trabalho científico que tem vindo a desenvolver na área onde vai ser implementada a central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém, um estudo considerado pioneiro pela integração de tantas componentes biológicas e pelo detalhe espacial que foi usado.

imagem de uma tartaruga no oceano

Um novo estudo internacional liderado por Catarina Frazão Santos, professora da Ciências ULisboa, identifica dez elementos-chave que promovem o desenvolvimento e a implementação de processos de planeamento do uso do oceano sustentáveis, equitativos e inteligentes do ponto de vista climático em todo o mundo. O artigo científico publicado esta terça-feira, dia 12 de março, na revista do grupo Nature - npj Ocean Sustainability - foi desenvolvido por cientistas e peritos de organizações internacionais e instituições académicas de Portugal, África do Sul, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, Itália e Reino Unido.

Várias pessoas dacomitiva do Uganda no pátio do edifício C6

Uma comitiva do Uganda visitou Ciências ULisboa no passado dia 4 de março, no âmbito do projeto ICT-4MRPQ e que visa reforçar a capacidade das instituições de ensino superior do Uganda para utilizar as TIC nos processos de gestão da qualidade do percurso de investigação dos mestrados e conceber reformas políticas para obter resultados de investigação relevantes e de elevada qualidade.

Margarida Beiral, Fadhil Musa e Luana Boavista

A Delox, spin-off da Ciências ULisboa, foi reconhecida no âmbito do EIC Accelerator, onde se destacou entre 1000 empresas europeias, tendo sido a única start-up portuguesa selecionada.

Logotipo do IDM

A Ciências ULisboa tem preparado um conjunto de atividades especiais para celebrar o Dia Internacional da Matemática (IDM, sigla em inglês), com as Jornadas de Matemática em Ciências, a  9 de março, e sete sessões abertas a estudantes, pais, professores e público em geral, nos dias 13 e 14 de março.

Vários professores no átrio do C6

O Ciências em Harmonia regressou em grande: em março há meditação e yoga, conversa sobre assédio e bullying, uma sessão dedicada à escrita criativa e um concerto de garagem. Para ficar a par destas e das outras atividades que se irão realizar entre março e maio basta ir ao site da Faculdade, entrar no Moodle ou seguir o projeto no Instagram. Na reportagem que se segue fica a saber algumas das histórias vividas pelos professores - Ana Rute Domingos, Carlos Assis, Carlos Duarte, Carlos Marques da Silva, Cristina Catita, Cristina Borges, Maria Estrela Melo Borges, Nuno Matela e Rui Borges -, quando eram estudantes. Esta sessão assinalou o arranque deste projeto no segundo semestre.

Espaço da feira de emprego com muitas pessoas

A Jobshop Ciências - feira de emprego da Ciências ULisboa realiza-se entre 9 e 10 de abril. Este evento promove a aproximação dos estudantes e recém-graduados dos vários cursos de Ciências ao mercado de trabalho, através de workshops, entrevistas e do contacto direto com as empresas e outros empregadores. A segunda fase de inscrições para as empresas participarem nesta edição da Jobshop Ciências termina a 10 de março.

Luís Matias e alunos de 1.º ciclo numa sala de aula

O sismólogo Luís Matias regressou à sua escola em Alvalade, no âmbito do projeto de voluntariado da Native Scientists, que desafia cientistas a regressarem às suas escolas de 1.º ciclo para realizarem oficinas de divulgação científica.

Filipe R. Ramos a dar aulas

Filipe R. Ramos, professor da Ciências ULisboa e investigador no Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), visitou o Departamento de Matemática e Estatística da Universidade do Norte (UN), em Barranquilla, na Colômbia, entre 8 e 22 de fevereiro passado, no âmbito do intercâmbio que mantém com esta universidade e em particular com o professor Lihki Rubio, com quem está a escrever um livro sobre Machine Learning and Applications.

Herdade da Ribeira Abaixo

A exposição de fotografia “Herdade da Ribeira Abaixo: 30 anos do coração da Serra de Grândola” vai estar em exibição até 18 de março, na Biblioteca e Arquivo do município de Grândola. A estação de campo do cE3c, em estreita articulação com a Ciências ULisboa, situa-se no coração da Serra de Grândola, numa das mais vastas extensões de montado de sobro em Portugal.

conceção artística do telescópio espacial Euclid, e em fundo uma das primeiras imagens obtidas com este telescópio, do enxame de galáxias do Perseu

A 14 de fevereiro o telescópio espacial Euclid voltou-se para a constelação de Erídano, no hemisfério celeste austral, e durante 70 minutos recolheu a luz dessa região de céu escuro. O calendário de observações foi definido por uma equipa liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Mais de 27 mil fotografias irão constituir o mosaico do céu com a maior resolução alguma vez feita, serão mais de 15 biliões de pixéis. Ao fim de seis anos espera-se ter capturado a luz de mais de mil milhões de galáxias.

Batimetria do fundo do mar e topografia terrestre

Um novo estudo, recorrendo a modelos computacionais, prevê que uma zona de subdução atualmente na região do Estreito de Gibraltar se irá propagar para o interior do Atlântico e irá contribuir para a formação de um sistema de subdução atlântico – um anel de fogo atlântico. Este trabalho publicado pela Sociedade Geológica da América resulta de uma colaboração entre os professores da Ciências ULisboa – João Duarte e Filipe Rosas – e investigadores da Johannes Gutenberg University Mainz (Alemanha).

Páginas