Cooperação entre Portugal e Angola

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Última Revisão —

Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro

UAN

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Abias Moma Hungo
“Proposta para um Sistema de Indicadores de Eficácia para a Gestão de Áreas de Conservação Caso de Estudo do Parque Nacional de Cangandala”
Filipe Mpembele Kodo
“Base para um Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Cangandala”
Albertina Nzuzi
“A Valorização Económica de Bens e Serviços de Ecossistemas do Parque Nacional do Maiombe”
Domingos M. António Francisco
“Estudo das Comunidades Vegetais do Parque Nacional de Cangandala”
Edith António G. Neto
“Estudo das Comunidades Vegetais do Corredor do Cuanza”
Lutuango Joaquim Júnior
“Elaboração de um Programa de Controlo da Qualidade da Água Consumo Humano para a Cidade de Caxito, Província do Bengo”
Joaquim Ituamba
“Programa de Controlo de Qualidade da Água Consumida em Luanda”
Fulgêncio M. G.P. Manuel
“Levantamento das Unidades Recicladoras ou com potencial de Reciclagem de Resíduos Existente em Angola”
Tomásia Saleth Adão
“Contribuição para o Estudo Geobotânico da Parte Norte do Parque Nacional da Quiçama”
Cecília Fernanda Arraz da Silva Bernardo
“Contribuição à Planificação da Adaptação às Alterações Climáticas o Sector da Agricultura em Angola”

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

O curso coordenado por Esperança da Costa, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Agostinho Neto (FCUAN) e por José Guerreiro, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, funcionou nas instalações da FCUAN, em Luanda e contou com a participação de 21 docentes. Além das aulas, os discentes participaram em visitas de estudo, seminários e frequentaram estágios de 15 a 30 dias em Portugal.

O mestrado em Gestão e Governança Ambiental possibilita a formação de especialistas nas áreas de conservação da natureza; conservação e gestão de parques naturais; auditorias e avaliação de impactes ambientais e saneamento e gestão de resíduos.

Os estudantes deste curso têm desenvolvido as suas dissertações procurando apresentar solução para as problemáticas ambientais da realidade angolana.

O curso resulta do protocolo de cooperação celebrado entre as referidas instituições de ensino superior, durante o Centenário de Ciências, ocorrido a 19 de abril de 2011.

No âmbito deste acordo foram desenvolvidos os mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, com o apoio financeiro de outras entidades, nomeadamente os Ministérios de Ambiente de Angola e Portugal, a BP Angola, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto Camões.

Esperança da Costa e José Guerreiro esperam formar a primeira geração de especialistas capazes de enfrentar o duplo desafio das alterações climáticas e do desenvolvimento sustentável. O desenvolvimento de linhas de investigação nas áreas de conservação da biodiversidade, recuperação de ecossistemas degradados e gestão de resíduos é uma das prioridades desta parceria, assim como a interação entre a universidade e o tecido empresarial por forma a contribuir para a preservação do ambiente ao nível local, regional e nacional.

Docentes Ciências ULisboa

José Guerreiro
Jorge Palmeirim
Cristina Maria Sousa Catita
João Catalão
José Pedro Granadeiro
Lino Costa
Maria Filomena Camões
Dulce Pássaro
Alexandre Milheiras Costa
Filipe Duarte Santos
Gil Penha Lopes
Rui Taborda

Docentes UAN

Raul Araújo
Esperança da Costa
Carmen Santos
Liz Matos
Joaquim Sucure
João Serôdio
Arsénio Machado
Maria de Lurdes
Manuel Quintino


Filipe Kodo

Filipe Kodo foi um dos dez alunos a concluir este ano o mestrado em Gestão e Governança Ambiental. Começou o curso em abril de 2014. O que mais gostou foi a forma como o curso está estruturado, destacando a transversalidade do plano curricular.

“Inscrevi me no curso porque apesar de trabalhar já há alguns anos como técnico de biodiversidade, precisava de um conhecimento mais dirigido, mais específico, mais especializado e mais integrador, que me facilitasse o entendimento principalmente nos processos de avaliação de impacte ambiental”, refere Filipe Kodo, cujos planos passam por dedicar-se à área de investigação da governança das áreas protegidas.


Cecília Silva Bernardo com Gil Penha Lopes
Fonte CS

 

Cecília Silva Bernardo, licenciada em Relações Internacionais e finalista deste mestrado, “gostou da troca de experiência entre colegas e professores e do facto de poderem contar com a colaboração da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa”. Inscreveu-se no curso pois queria aprofundar os conhecimentos na área da gestão e governação ambiental. Agora pretende continuar a trabalhar e ingressar num doutoramento ligado ao ambiente e às alterações climáticas.

De acordo com José Guerreiro, em breve serão os alunos do mestrado em Microbiologia Aplicada a defender as suas teses. Também essas dissertações procuram responder a necessidades concretas no setor da saúde em Angola.

Disciplinas

Introdução à Política e Governança do Ambiente
Direito do Ambiente
Ecologia e Biodiversidade de Angola 
Sistemas de Informação Geográfica em Ambiente
Planeamento, Ordenamento e Gestão Territorial
Conservação da Natureza e Biodiversidade
Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento
Controle Integrado da Poluição e Riscos Ambientais
Auditorias e Sistemas de Gestão Ambiental
Abastecimento, Saneamento e Tratamento de Resíduos
Alterações Climáticas, Energia e Ambiente
Gestão Ambiental do Mar e da Zona Costeira
Políticas e Convenções Internacionais
Economia do Ambiente
Projeto/Seminário

“Angola é um país com muitos desafios na área da gestão e governança ambiental. Luanda, a capital de Angola, com mais de seis milhões de habitantes, só dispõe de um aterro sanitário; o atual regulamento de caça em vigor data de 1957, ainda não temos uma legislação específica para governança das áreas protegidas; mais da metade dos parques nacionais e reservas naturais foram invadidas pelas populações. O executivo angolano elegeu o fomento do ecoturismo nas áreas protegidas como um dos sectores para diversificação da economia nacional, face a queda do preço do petróleo no mercado internacional.”
Filipe Kodo


Universidade Agostinho Neto
Fonte UAN

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A experiência destes anos mostra que as avaliações feitas pelos estudantes são um bom indicador da qualidade do ensino e que são úteis para a sua melhoria.

“Esta oportunidade deu-me uma valiosa experiência profissional e cada dia foi uma nova lição aprendida. Contudo, considero que o que se destacou foram as pessoas incríveis que aqui conheci”, declara Jake Smith, estudante de Francês, Espanhol e Português na Universidade de Nottingham, no Reino Unido e estagiário durante cerca de dois meses na Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno da Faculdade de Ciências.

Na próxima sessão do 60 Minutos de Ciência convidamos o astrónomo Rui Agostinho para nos ajudar a responder à pergunta: Afinal… o que é a Estrela de Natal? A resposta será desvendada em mais uma sessão 60 Minutos de Ciência no MUHNAC-ULisboa, no dia 16 de novembro.

João Luís Andrade e Silva, professor catedrático aposentado da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu esta sexta-feira, dia 10 de novembro, aos 89 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de novembro é com Emília Real, assistente técnica do Departamento Física de Ciências.

Nos últimos anos, a UNESCO financiou o projeto internacional - "Complex Systems Digital Campus (UniTwin)" - recorrendo a uma plataforma de e-Meeting, e esse exercício mostrou o caminho certo (alternativo aos massive open online courses ou MOOC) para esta nova experiência pedagógica da informática na educação. Quer isto dizer que a tecnologia, quando bem explorada, pode ser mesmo benéfica.

Em junho deste ano Alice Nunes terminou o programa doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais. Esta quinta-feira, durante o 16.º Encontro Nacional de Ecologia, a decorrer até amanhã no Salão Nobre da Reitoria da ULisboa, apresenta esse trabalho – “Plant functional trait response to climate in Mediterranean drylands: contribution to restoration and combat of desertification”, classificado em segundo lugar nesta primeira edição do Prémio da SPECO.

O prémio Nobel da Química foi atribuído em 2017, em partes iguais, a três investigadores, Jacques Dubochet (Universidade de Lausana, Suiça), Joachim Frank (Universidade de Columbia, Nova Iorque, EUA) e Richard Henderson (Laboratório MRC de Biologia Molecular, Cambridge, UK) pelo desenvolvimento da microscopia crioelectrónica que permite a resolução da estrutura de biomoléculas em solução com alta resolução.

Em 2017 a “Medalha Dr. Janusz Pawliszyn” foi atribuída a José Manuel Florêncio Nogueira, professor do Departamento de Química e Bioquímica, coordenador do grupo de Ciência e Tecnologia de Separação do Centro de Química e Bioquímica de Ciências e representante português na European Society for Separation Science.

Em 2017 o Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia celebra dez anos. Para comemorar a efeméride, a unidade de I&D realiza no próximo dia 8 de novembro, a partir das 18h00, no anfiteatro da FCiências.ID, sito no edifício C1, piso 3, a primeira distinguished lecture com Jürgen Renn, prestigiado historiador das ciências e diretor do Max Planck Institute for the History of Science.

A representação do campus da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em 3D utilizando tecnologias inovadoras fornece dados de apoio à gestão e utilização de recursos.

“Nos meus projetos lido diariamente com a Biologia, a que aprendi na faculdade e ao longo da minha vida, e com o desenho que me acompanha como forma de olhar, entender e comunicar”, declara o ilustrador científico Pedro Salgado, antigo aluno de Ciências.

.

Cerca de 39 alunos do BioSys participaram no segundo encontro de estudantes deste programa doutoral. O evento ocorreu em Beja este mês. Também em outubro terminam as candidaturas a 11 bolsas de doutoramento da próxima edição do BioSys.

Uma vez mais Ciências participou na Maratona Interuniversitária de Programação (MIUP), este ano organizada pela Universidade do Minho. A equipa de Ciências - Caracóis Hipocondríacos -, composta pelos alunos Nuno Burnay, Robin Vassantlal e Guilherme Espada, ficou em 3.º lugar, ao resolver quatro dos nove problemas da competição.

Imagina que tens um jarro vazio e um conjunto de pedras grandes, seixos, gravilha e areia. Agora, imagina que para encher o jarro, vais colocando primeiro a areia e a gravilha e só no fim, as pedras maiores... O que achas que acontece? Será que vai caber tudo e de que forma?... E se colocássemos as pedras grandes primeiro?

As alterações climáticas podem mudar a natureza do impacto do lagostim-vermelho-da-Louisiana (Procambarus clarkii) nos ecossistemas.

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade.

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

Páginas