Cooperação entre Portugal e Angola

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Última Revisão —

Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro

UAN

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Abias Moma Hungo
“Proposta para um Sistema de Indicadores de Eficácia para a Gestão de Áreas de Conservação Caso de Estudo do Parque Nacional de Cangandala”
Filipe Mpembele Kodo
“Base para um Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Cangandala”
Albertina Nzuzi
“A Valorização Económica de Bens e Serviços de Ecossistemas do Parque Nacional do Maiombe”
Domingos M. António Francisco
“Estudo das Comunidades Vegetais do Parque Nacional de Cangandala”
Edith António G. Neto
“Estudo das Comunidades Vegetais do Corredor do Cuanza”
Lutuango Joaquim Júnior
“Elaboração de um Programa de Controlo da Qualidade da Água Consumo Humano para a Cidade de Caxito, Província do Bengo”
Joaquim Ituamba
“Programa de Controlo de Qualidade da Água Consumida em Luanda”
Fulgêncio M. G.P. Manuel
“Levantamento das Unidades Recicladoras ou com potencial de Reciclagem de Resíduos Existente em Angola”
Tomásia Saleth Adão
“Contribuição para o Estudo Geobotânico da Parte Norte do Parque Nacional da Quiçama”
Cecília Fernanda Arraz da Silva Bernardo
“Contribuição à Planificação da Adaptação às Alterações Climáticas o Sector da Agricultura em Angola”

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

O curso coordenado por Esperança da Costa, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Agostinho Neto (FCUAN) e por José Guerreiro, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, funcionou nas instalações da FCUAN, em Luanda e contou com a participação de 21 docentes. Além das aulas, os discentes participaram em visitas de estudo, seminários e frequentaram estágios de 15 a 30 dias em Portugal.

O mestrado em Gestão e Governança Ambiental possibilita a formação de especialistas nas áreas de conservação da natureza; conservação e gestão de parques naturais; auditorias e avaliação de impactes ambientais e saneamento e gestão de resíduos.

Os estudantes deste curso têm desenvolvido as suas dissertações procurando apresentar solução para as problemáticas ambientais da realidade angolana.

O curso resulta do protocolo de cooperação celebrado entre as referidas instituições de ensino superior, durante o Centenário de Ciências, ocorrido a 19 de abril de 2011.

No âmbito deste acordo foram desenvolvidos os mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, com o apoio financeiro de outras entidades, nomeadamente os Ministérios de Ambiente de Angola e Portugal, a BP Angola, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto Camões.

Esperança da Costa e José Guerreiro esperam formar a primeira geração de especialistas capazes de enfrentar o duplo desafio das alterações climáticas e do desenvolvimento sustentável. O desenvolvimento de linhas de investigação nas áreas de conservação da biodiversidade, recuperação de ecossistemas degradados e gestão de resíduos é uma das prioridades desta parceria, assim como a interação entre a universidade e o tecido empresarial por forma a contribuir para a preservação do ambiente ao nível local, regional e nacional.

Docentes Ciências ULisboa

José Guerreiro
Jorge Palmeirim
Cristina Maria Sousa Catita
João Catalão
José Pedro Granadeiro
Lino Costa
Maria Filomena Camões
Dulce Pássaro
Alexandre Milheiras Costa
Filipe Duarte Santos
Gil Penha Lopes
Rui Taborda

Docentes UAN

Raul Araújo
Esperança da Costa
Carmen Santos
Liz Matos
Joaquim Sucure
João Serôdio
Arsénio Machado
Maria de Lurdes
Manuel Quintino


Filipe Kodo

Filipe Kodo foi um dos dez alunos a concluir este ano o mestrado em Gestão e Governança Ambiental. Começou o curso em abril de 2014. O que mais gostou foi a forma como o curso está estruturado, destacando a transversalidade do plano curricular.

“Inscrevi me no curso porque apesar de trabalhar já há alguns anos como técnico de biodiversidade, precisava de um conhecimento mais dirigido, mais específico, mais especializado e mais integrador, que me facilitasse o entendimento principalmente nos processos de avaliação de impacte ambiental”, refere Filipe Kodo, cujos planos passam por dedicar-se à área de investigação da governança das áreas protegidas.


Cecília Silva Bernardo com Gil Penha Lopes
Fonte CS

 

Cecília Silva Bernardo, licenciada em Relações Internacionais e finalista deste mestrado, “gostou da troca de experiência entre colegas e professores e do facto de poderem contar com a colaboração da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa”. Inscreveu-se no curso pois queria aprofundar os conhecimentos na área da gestão e governação ambiental. Agora pretende continuar a trabalhar e ingressar num doutoramento ligado ao ambiente e às alterações climáticas.

De acordo com José Guerreiro, em breve serão os alunos do mestrado em Microbiologia Aplicada a defender as suas teses. Também essas dissertações procuram responder a necessidades concretas no setor da saúde em Angola.

Disciplinas

Introdução à Política e Governança do Ambiente
Direito do Ambiente
Ecologia e Biodiversidade de Angola 
Sistemas de Informação Geográfica em Ambiente
Planeamento, Ordenamento e Gestão Territorial
Conservação da Natureza e Biodiversidade
Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento
Controle Integrado da Poluição e Riscos Ambientais
Auditorias e Sistemas de Gestão Ambiental
Abastecimento, Saneamento e Tratamento de Resíduos
Alterações Climáticas, Energia e Ambiente
Gestão Ambiental do Mar e da Zona Costeira
Políticas e Convenções Internacionais
Economia do Ambiente
Projeto/Seminário

“Angola é um país com muitos desafios na área da gestão e governança ambiental. Luanda, a capital de Angola, com mais de seis milhões de habitantes, só dispõe de um aterro sanitário; o atual regulamento de caça em vigor data de 1957, ainda não temos uma legislação específica para governança das áreas protegidas; mais da metade dos parques nacionais e reservas naturais foram invadidas pelas populações. O executivo angolano elegeu o fomento do ecoturismo nas áreas protegidas como um dos sectores para diversificação da economia nacional, face a queda do preço do petróleo no mercado internacional.”
Filipe Kodo


Universidade Agostinho Neto
Fonte UAN

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa organiza de 24 a 28 de julho de 2017 a 4.ª edição do “Ser Cientista”.

No próximo ano letivo Ciências apresenta três novos cursos: Biologia dos Recursos Vegetais, Cultura Científica e Divulgação das Ciências e Data Science.

Preparado para mineração nos fundos marinhos profundos? E para viver sem telemóvel? Venha visitar a exposição Mar Mineral e compreender a relação.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de julho é com Andreia Santos, técnica superior do Gabinete de Apoio Psicopedagógico (GAPsi) da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências.

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

Em 2017, o Prémio Bronstein foi atribuído a Mercedes Martín-Benito, investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em reconhecimento pelo seu importante contributo para a Cosmologia Quântica em Loop.

Em 2017 a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa acolhe o IV Encontro Internacional da Casa das Ciências, que ocorre entre 10 e 12 de julho.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências, professora de Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha, Maria de Matos.

Ciências fez parte do roteiro da viagem de finalistas de uma turma de 9.º da Escola Básica Integrada Francisco Ferreira Drummond.

A unidade curricular Projeto Empresarial contou, em 2017, com a participação de nove alunos de mestrado de Ciências e 38 alunos da licenciatura de Finanças do ISCTE-IUL. Na sessão final de apresentação dos trabalhos desenvolvidos, o projeto Ecovital distinguiu-se.

Se olharmos bem para os seres humanos, capazes de sentir, pensar e sonhar, de criar, interpretar e compreender ideias, teorias e conceitos, perguntamos como a matéria de que são feitos foi então capaz de dar origem a estados mentais, incluindo mesmo a faculdade de consciência? A resposta a esta questão está cada vez mais ao alcance da consiliência (síntese), entre as neurociências, a psicologia, a robótica, e a inteligência artificial (aprendizagem).

Novo estudo com recurso a análises genéticas revela que o sapo-asiático que está a invadir a ilha de Madagáscar terá origem numa população do Camboja e Vietname.

“Ao transformarmos o problema dos resíduos orgânicos, numa oportunidade para melhorarmos o solo do campus de Ciências, ou seja, a matriz que suporta a vida, estamos a melhorar as plantas que aqui crescem com externalidades positivas para o ambiente”, declara David Avelar, guardião da HortaFCUL.

Exposição de design inclui projetos de comunicação de ciência, fruto de uma parceria entre o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e a Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Miguel Morgado-Santos, doutorando de Ciências, descobriu um peixe apenas com genes de pai, da espécie bordalo (Squalius alburnoides). Este é o primeiro caso de androgénese natural em vertebrados, sem qualquer manipulação durante o processo de reprodução.

Mafalda Carapuço continua a falar sobre a onda da Nazaré. Em maio passado esteve na Biblioteca São Francisco Xavier, com uma turma do 2.º ano da Escola Moinhos do Restelo. Este mês participou no colóquio "Nazaré e o Mar", ocorrido na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Será a ética determinante na sustentabilidade de uma sociedade de consumo? Este é o tema aborado porSofia Guedes Vaz, no dia 22 de junho, pelas 17h30, no MUHNAC-ULisboa.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Nuno Rato, coordenador do Gabinete de Orçamento e Prestação de Conta da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências.

Ao longo do ano são muitos os alunos dos ensinos básico e secundário que visitam a Faculdade. Este ano letivo cerca de 63 estudantes, entre os 9 e 10 anos, da Escola Básica Maria Lamas, em Odivelas, conheceram os Departamentos de Biologia Animal, Biologia Vegetal e Química e Bioquímica.

A empresa Surftotal associou-se ao Instituto Dom Luiz e à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, num projeto que visa testar a utilização de surfcams instaladas na costa portuguesa para melhor monitorização costeira.

“É um jogo que trabalha consistentemente o raciocínio e a capacidade de prever os acontecimentos, muito como no xadrez. Para além disso, ajuda nas relações interpessoais, visto que é um jogo de parceiros e é necessário muita confiança mútua para ter sucesso”, reforça Afonso Ribeiro, aluno do 1.º ano de Matemática Aplicada, membro do curso de Bridge da FCUL.

O concurso de programação do Departamento de Informática recebeu 45 participantes, alunos do ensino secundário, na edição de 2017.

Hoje em dia quando se fala de imaginação (criatividade, inovação) queremos dizer, na maior parte dos casos, antecipação e surpresa. Um empresário, um investigador, um professor querem captar a atenção do outro, inventando e brincando com o possível ou o provável. Por isso, falamos frequentemente de criar imagens, ideias, ou mesmo histórias (veja-se o tópico criatividade computacional, e o grupo de Amílcar Cardoso da Universidade de Coimbra).

O Air4, um protótipo para medição de gases indicadores da qualidade do ar, associado a um modelo de análise de mapas e a uma aplicação mobile, ficou em 2.º lugar no 1.º Hackathon de Tra

Páginas