Cooperação entre Portugal e Angola

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Última Revisão —

Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro

UAN

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Abias Moma Hungo
“Proposta para um Sistema de Indicadores de Eficácia para a Gestão de Áreas de Conservação Caso de Estudo do Parque Nacional de Cangandala”
Filipe Mpembele Kodo
“Base para um Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Cangandala”
Albertina Nzuzi
“A Valorização Económica de Bens e Serviços de Ecossistemas do Parque Nacional do Maiombe”
Domingos M. António Francisco
“Estudo das Comunidades Vegetais do Parque Nacional de Cangandala”
Edith António G. Neto
“Estudo das Comunidades Vegetais do Corredor do Cuanza”
Lutuango Joaquim Júnior
“Elaboração de um Programa de Controlo da Qualidade da Água Consumo Humano para a Cidade de Caxito, Província do Bengo”
Joaquim Ituamba
“Programa de Controlo de Qualidade da Água Consumida em Luanda”
Fulgêncio M. G.P. Manuel
“Levantamento das Unidades Recicladoras ou com potencial de Reciclagem de Resíduos Existente em Angola”
Tomásia Saleth Adão
“Contribuição para o Estudo Geobotânico da Parte Norte do Parque Nacional da Quiçama”
Cecília Fernanda Arraz da Silva Bernardo
“Contribuição à Planificação da Adaptação às Alterações Climáticas o Sector da Agricultura em Angola”

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

O curso coordenado por Esperança da Costa, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Agostinho Neto (FCUAN) e por José Guerreiro, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, funcionou nas instalações da FCUAN, em Luanda e contou com a participação de 21 docentes. Além das aulas, os discentes participaram em visitas de estudo, seminários e frequentaram estágios de 15 a 30 dias em Portugal.

O mestrado em Gestão e Governança Ambiental possibilita a formação de especialistas nas áreas de conservação da natureza; conservação e gestão de parques naturais; auditorias e avaliação de impactes ambientais e saneamento e gestão de resíduos.

Os estudantes deste curso têm desenvolvido as suas dissertações procurando apresentar solução para as problemáticas ambientais da realidade angolana.

O curso resulta do protocolo de cooperação celebrado entre as referidas instituições de ensino superior, durante o Centenário de Ciências, ocorrido a 19 de abril de 2011.

No âmbito deste acordo foram desenvolvidos os mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, com o apoio financeiro de outras entidades, nomeadamente os Ministérios de Ambiente de Angola e Portugal, a BP Angola, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto Camões.

Esperança da Costa e José Guerreiro esperam formar a primeira geração de especialistas capazes de enfrentar o duplo desafio das alterações climáticas e do desenvolvimento sustentável. O desenvolvimento de linhas de investigação nas áreas de conservação da biodiversidade, recuperação de ecossistemas degradados e gestão de resíduos é uma das prioridades desta parceria, assim como a interação entre a universidade e o tecido empresarial por forma a contribuir para a preservação do ambiente ao nível local, regional e nacional.

Docentes Ciências ULisboa

José Guerreiro
Jorge Palmeirim
Cristina Maria Sousa Catita
João Catalão
José Pedro Granadeiro
Lino Costa
Maria Filomena Camões
Dulce Pássaro
Alexandre Milheiras Costa
Filipe Duarte Santos
Gil Penha Lopes
Rui Taborda

Docentes UAN

Raul Araújo
Esperança da Costa
Carmen Santos
Liz Matos
Joaquim Sucure
João Serôdio
Arsénio Machado
Maria de Lurdes
Manuel Quintino


Filipe Kodo

Filipe Kodo foi um dos dez alunos a concluir este ano o mestrado em Gestão e Governança Ambiental. Começou o curso em abril de 2014. O que mais gostou foi a forma como o curso está estruturado, destacando a transversalidade do plano curricular.

“Inscrevi me no curso porque apesar de trabalhar já há alguns anos como técnico de biodiversidade, precisava de um conhecimento mais dirigido, mais específico, mais especializado e mais integrador, que me facilitasse o entendimento principalmente nos processos de avaliação de impacte ambiental”, refere Filipe Kodo, cujos planos passam por dedicar-se à área de investigação da governança das áreas protegidas.


Cecília Silva Bernardo com Gil Penha Lopes
Fonte CS

 

Cecília Silva Bernardo, licenciada em Relações Internacionais e finalista deste mestrado, “gostou da troca de experiência entre colegas e professores e do facto de poderem contar com a colaboração da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa”. Inscreveu-se no curso pois queria aprofundar os conhecimentos na área da gestão e governação ambiental. Agora pretende continuar a trabalhar e ingressar num doutoramento ligado ao ambiente e às alterações climáticas.

De acordo com José Guerreiro, em breve serão os alunos do mestrado em Microbiologia Aplicada a defender as suas teses. Também essas dissertações procuram responder a necessidades concretas no setor da saúde em Angola.

Disciplinas

Introdução à Política e Governança do Ambiente
Direito do Ambiente
Ecologia e Biodiversidade de Angola 
Sistemas de Informação Geográfica em Ambiente
Planeamento, Ordenamento e Gestão Territorial
Conservação da Natureza e Biodiversidade
Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento
Controle Integrado da Poluição e Riscos Ambientais
Auditorias e Sistemas de Gestão Ambiental
Abastecimento, Saneamento e Tratamento de Resíduos
Alterações Climáticas, Energia e Ambiente
Gestão Ambiental do Mar e da Zona Costeira
Políticas e Convenções Internacionais
Economia do Ambiente
Projeto/Seminário

“Angola é um país com muitos desafios na área da gestão e governança ambiental. Luanda, a capital de Angola, com mais de seis milhões de habitantes, só dispõe de um aterro sanitário; o atual regulamento de caça em vigor data de 1957, ainda não temos uma legislação específica para governança das áreas protegidas; mais da metade dos parques nacionais e reservas naturais foram invadidas pelas populações. O executivo angolano elegeu o fomento do ecoturismo nas áreas protegidas como um dos sectores para diversificação da economia nacional, face a queda do preço do petróleo no mercado internacional.”
Filipe Kodo


Universidade Agostinho Neto
Fonte UAN

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
CAP

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciênciade 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

relógio solar

“O que é o Planeta Terra?” foi a questão que marcou o início dos workshops “Relógio Solar” e “Robot/Pintor” que decorreram no passado dia 9 de abril na Faculdade de Ciências e que contaram com a participação de 15 alunos do Colégio da Beloura em Sintra com idades entre os 4 e os 5 anos.

Rosto do investigador

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

Célia Lee

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

 BARCOSOLAR.EU

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Centro de Dados da FCUL

"Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017)", escreve Helder Coelho em mais um ensaio.

Imagem da Orion A

A missão Gaia dedica-se a observar estrelas. A sua finalidade é mapear a Via Láctea em 3D. O primeiro lançamento de dados ocorreu em 2016. O próximo acontece a 25 de abril e corresponde à primeira entrega com distâncias, velocidades e vários outros parâmetros astrofísicos para a maioria das estrelas.

Trabalho em Bio Hacking

Ciências colabora com o módulo Bio Hacking na iniciativa Young Creators 2018. Esta é a segunda vez que a Faculdade integra o projeto.

Equipa de trabalho CEAUL

O Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa realizou o seu primeiro workshop no dia 17 de março.

Homem a espreguiçar

Sabendo que no nosso dia-a-dia, por motivos laborais ou outros, ficamos sentados muito tempo, que medidas deveremos tomar para minimizar os seus efeitos?

Pormenor da Lua

Martin Schilller e Martin Bizzarro, investigadores da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca e Vera Assis Fernandes, investigadora do Museu de História Natural de Berlim, na Alemanha e colaboradora do Instituto Dom Luiz, desafiam a teoria dominante sobre a formação dos corpos planetários do sistema solar e a própria origem do sistema Terra - Lua.

Conceção artística de um exoplaneta a passar (transitar) em frente da sua estrela

A missão Ariel tem como objetivo descrever as atmosferas dos exoplanetas. A equipa de investigação é composta por 12 investigadores, sete deles têm ligação a Ciências.

Imagem de motivação

Uma das formas de lidar com a ansiedade e o medo é ganhar perspetiva.

Rosto de Henrique Cabral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o biólogo Henrique Cabral e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Edifício C2

A primeira reunião do projeto PROSEU “PROSumers for the Energy Union: mainstreaming active participation of citizens in the energy transition”, financiado pelo Horizonte 2020 e com a duração de três anos, realiza-se no campus de Ciências, nos dias 22 e 23 de março.

Carrinho

Dez empresas discutem os últimos avanços no sector da mobilidade sustentável.

Sala de aulas

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes.

Papel ardido

Saí da FCUL ao fim da tarde rumo ao meu fim de semana. Para trás ficou um edifício imponente a fervilhar de vida, e ao mesmo tempo já a minha casa! A casa que nos ampara, nos ensina e, a mim, permitia uma entrada num mundo tão fortemente diferente do vivido por mim noutro lugar.

Pessoas na Politécnica recuperam objetos no rescaldo do incêndio

Ainda durante o rescaldo do incêndio iniciaram-se as operações de salvamento e recuperação do que ainda fosse possível salvar e recuperar.

Imagem abstrata

Dez países juntam-se para o estudo do património dos materiais plásticos.

Edifício da Escola Politécnica

Politénica (FCUL)... escrever e ou pensar sobre “ELA”, hoje, ainda me emociona...

Pormenor de uma palmeira

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Rosto de Marta Antunes

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de março é com Marta Antunes, técnico superior do Departamento de Geologia de Ciências.

Escola Politécnica

Passaram 40 anos do incêndio da “outra” Faculdade. São já poucos os que vivenciaram, alguns os que ficaram marcados. Para os mais novos, o “fogo na Politécnica” é apenas uma história que ouviram contar.

Páginas