Cooperação entre Portugal e Angola

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Última Revisão —

Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro

UAN

Primeiros mestres em Gestão e Governança Ambiental

Abias Moma Hungo
“Proposta para um Sistema de Indicadores de Eficácia para a Gestão de Áreas de Conservação Caso de Estudo do Parque Nacional de Cangandala”
Filipe Mpembele Kodo
“Base para um Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Cangandala”
Albertina Nzuzi
“A Valorização Económica de Bens e Serviços de Ecossistemas do Parque Nacional do Maiombe”
Domingos M. António Francisco
“Estudo das Comunidades Vegetais do Parque Nacional de Cangandala”
Edith António G. Neto
“Estudo das Comunidades Vegetais do Corredor do Cuanza”
Lutuango Joaquim Júnior
“Elaboração de um Programa de Controlo da Qualidade da Água Consumo Humano para a Cidade de Caxito, Província do Bengo”
Joaquim Ituamba
“Programa de Controlo de Qualidade da Água Consumida em Luanda”
Fulgêncio M. G.P. Manuel
“Levantamento das Unidades Recicladoras ou com potencial de Reciclagem de Resíduos Existente em Angola”
Tomásia Saleth Adão
“Contribuição para o Estudo Geobotânico da Parte Norte do Parque Nacional da Quiçama”
Cecília Fernanda Arraz da Silva Bernardo
“Contribuição à Planificação da Adaptação às Alterações Climáticas o Sector da Agricultura em Angola”

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

O curso coordenado por Esperança da Costa, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Agostinho Neto (FCUAN) e por José Guerreiro, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, funcionou nas instalações da FCUAN, em Luanda e contou com a participação de 21 docentes. Além das aulas, os discentes participaram em visitas de estudo, seminários e frequentaram estágios de 15 a 30 dias em Portugal.

O mestrado em Gestão e Governança Ambiental possibilita a formação de especialistas nas áreas de conservação da natureza; conservação e gestão de parques naturais; auditorias e avaliação de impactes ambientais e saneamento e gestão de resíduos.

Os estudantes deste curso têm desenvolvido as suas dissertações procurando apresentar solução para as problemáticas ambientais da realidade angolana.

O curso resulta do protocolo de cooperação celebrado entre as referidas instituições de ensino superior, durante o Centenário de Ciências, ocorrido a 19 de abril de 2011.

No âmbito deste acordo foram desenvolvidos os mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, com o apoio financeiro de outras entidades, nomeadamente os Ministérios de Ambiente de Angola e Portugal, a BP Angola, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto Camões.

Esperança da Costa e José Guerreiro esperam formar a primeira geração de especialistas capazes de enfrentar o duplo desafio das alterações climáticas e do desenvolvimento sustentável. O desenvolvimento de linhas de investigação nas áreas de conservação da biodiversidade, recuperação de ecossistemas degradados e gestão de resíduos é uma das prioridades desta parceria, assim como a interação entre a universidade e o tecido empresarial por forma a contribuir para a preservação do ambiente ao nível local, regional e nacional.

Docentes Ciências ULisboa

José Guerreiro
Jorge Palmeirim
Cristina Maria Sousa Catita
João Catalão
José Pedro Granadeiro
Lino Costa
Maria Filomena Camões
Dulce Pássaro
Alexandre Milheiras Costa
Filipe Duarte Santos
Gil Penha Lopes
Rui Taborda

Docentes UAN

Raul Araújo
Esperança da Costa
Carmen Santos
Liz Matos
Joaquim Sucure
João Serôdio
Arsénio Machado
Maria de Lurdes
Manuel Quintino


Filipe Kodo

Filipe Kodo foi um dos dez alunos a concluir este ano o mestrado em Gestão e Governança Ambiental. Começou o curso em abril de 2014. O que mais gostou foi a forma como o curso está estruturado, destacando a transversalidade do plano curricular.

“Inscrevi me no curso porque apesar de trabalhar já há alguns anos como técnico de biodiversidade, precisava de um conhecimento mais dirigido, mais específico, mais especializado e mais integrador, que me facilitasse o entendimento principalmente nos processos de avaliação de impacte ambiental”, refere Filipe Kodo, cujos planos passam por dedicar-se à área de investigação da governança das áreas protegidas.


Cecília Silva Bernardo com Gil Penha Lopes
Fonte CS

 

Cecília Silva Bernardo, licenciada em Relações Internacionais e finalista deste mestrado, “gostou da troca de experiência entre colegas e professores e do facto de poderem contar com a colaboração da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa”. Inscreveu-se no curso pois queria aprofundar os conhecimentos na área da gestão e governação ambiental. Agora pretende continuar a trabalhar e ingressar num doutoramento ligado ao ambiente e às alterações climáticas.

De acordo com José Guerreiro, em breve serão os alunos do mestrado em Microbiologia Aplicada a defender as suas teses. Também essas dissertações procuram responder a necessidades concretas no setor da saúde em Angola.

Disciplinas

Introdução à Política e Governança do Ambiente
Direito do Ambiente
Ecologia e Biodiversidade de Angola 
Sistemas de Informação Geográfica em Ambiente
Planeamento, Ordenamento e Gestão Territorial
Conservação da Natureza e Biodiversidade
Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento
Controle Integrado da Poluição e Riscos Ambientais
Auditorias e Sistemas de Gestão Ambiental
Abastecimento, Saneamento e Tratamento de Resíduos
Alterações Climáticas, Energia e Ambiente
Gestão Ambiental do Mar e da Zona Costeira
Políticas e Convenções Internacionais
Economia do Ambiente
Projeto/Seminário

“Angola é um país com muitos desafios na área da gestão e governança ambiental. Luanda, a capital de Angola, com mais de seis milhões de habitantes, só dispõe de um aterro sanitário; o atual regulamento de caça em vigor data de 1957, ainda não temos uma legislação específica para governança das áreas protegidas; mais da metade dos parques nacionais e reservas naturais foram invadidas pelas populações. O executivo angolano elegeu o fomento do ecoturismo nas áreas protegidas como um dos sectores para diversificação da economia nacional, face a queda do preço do petróleo no mercado internacional.”
Filipe Kodo


Universidade Agostinho Neto
Fonte UAN

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

As Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra ocorreram nos dias 29 e 30 de agosto, em Nice, na Côte d'Azur, em França. Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do ensino secundário português voltaram a conquistar medalhas.

Depois de ter passado pela Austrália, África do Sul, EUA e Reino Unido, entre outros países, a EMAPI chega a Portugal.

Valiant acredita que a ciência da aprendizagem permanece apenas explorada parcialmente, e que o uso das previsões (via a Aprendizagem) no mundo atual, tão sujeito às mudanças e às surpresas, é particularmente interessante. Por exemplo, os sistemas biológicos são altamente adaptativos, e compreender o que eles fazem, passo a passo, e porquê tem êxito, levaram-no a considerá-los como tópicos ideais para uma teoria da aprendizagem e da ciência da computação.

O “5th International Tsunami Field Symposium” realiza-se de 3 a 7 de setembro de 2017, em Lisboa e no Algarve e reúne a elite mundial no estudo de depósitos de tsunami, destaque para os dois oradores convidados - Alastair Dawson e Raphael Paris.

O projeto “Caixa Sismológica”, do Agrupamento D. Maria II, com sede na Escola Básica e Secundária Gama Barros, no Cacém, venceu o concurso internacional “Ciência na Escola”, 1.º escalão – Educação Pré-escolar, promovido pela Fundação Ilídio Pinho. Neste escalão do concurso, participaram 48 projetos, dos quais só 12 chegaram à fase final, em Coimbra.

Após perto de dez anos de planeamento e construção, o espectrógrafo ESPRESSO vai ser instalado no Very Large Telescope, do ESO, no Chile. O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é um dos membros do consórcio, pelo que terá acesso a 273 noites de observação com o VLT.

Cerca de 360 pessoas estiveram presentes na sessão Ignite IAstro e que integrou o programa do XXVII Encontro Nacional de Astronomia e Astrofísica. Em outubro a digressão ruma até à Ribeira Grande, nos Açores.

Os autores do artigo apresentam a história evolutiva de duas espécies de lagartos endémicos da Austrália - Carlia triacanth e Carlia johnstonei - revelando como se adaptaram a alterações climáticas do passado.

Com o fortalecimento da Aprendizagem (Machine Learning), a escola clássica da Inteligência Artificial ou IA (Good Old Fashion AI, GOFAI), apoiada em sistemas simbólicos, ficou entrincheirada. O livro mais recente do professor Hector Levesque, “Common Sense, the Turing Test, and the Quest for Real AI”, da MIT Press (2017), vem ajudar a não esquecermos o que a IA nos tem ensinado, ano após ano, acerca da mente, e, em particular, que o pensamento é um processo computacional. Como pode, então, a computação iluminar o pensamento?

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de agosto é com Cristina Manessiez, técnica superior da Biblioteca de Ciências.

Investigadores de Ciências e do Instituto Universitário de Lisboa desenvolvem hardware capaz de resolver tarefas robóticas, em contexto real, em menos tempo do que o alcançado até então. Os resultados foram publicados na revista científica Royal Society.

Em 2017 os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos foram atribuídos a Vladimir Konotop e Ricardo Trigo. O ano passado foi a vez de Henrique Cabral e Eric Font. Ainda não é conhecida a data da cerimónia pública de entrega das referidas distinções.

Na lista de artigos e livros notáveis da ACM Computing Reviews, a Best of Computing, encontram-se publicações de professores e investigadores do Departamento de Informática de Ciências.

Alunos do ensino secundário participaramem projetos de investigação na Faculdade de Ciências da ULisboa. O culminar da atividade deu-se com um Congresso Científico, onde os "novos cientistas" apresentaram os resultados do trabalho realizado.

A palestra "Por que não anda o tempo para trás?”acontece dia 29 de julho, pelas 21h30,no Planetário Calouste Gulbenkian,Centro Ciência Viva deBelém.

Durante duas semanas, estudantes do ensino básico e secundário conheceram o ambiente da Faculdade e os métodos de trabalho dos cursos aqui lecionados.

“Tina dos Tsunamis” ocorreu no passado dia 29 de junho, durante o campo de férias Exploradores, com um grupo de 25 crianças, entre os 7 e os 14 anos do bairro do 2.º Torrão, em Almada.

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

Páginas