Cooperação na ULisboa

O poder da interdisciplinaridade

Última Revisão —

A colaboração de longa data entre o CEF e o CEAUL versa a aplicação de metodologias estatísticas para a construção de mapas de risco de incêndios florestais. “Este é apenas mais um exemplo entre os muitos trabalhos do CEAUL de carácter interdisciplinar e de transferência de conhecimento. Deu-se apenas o caso deste trabalho ter tido divulgação através dos meios de comunicação social dado o interesse generalizado criado pelos trágicos acontecimentos de 2017. Esperemos que venha a ser útil no apoio à decisão”, alertam os investigadores do CEAUL.

Os incêndios florestais são uma das áreas de estudo do Instituto Superior de Agronomia (ISA) e também da Faculdade de Ciências (Ciências) da Universidade de Lisboa, nomeadamente através do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL) e do Instituto Dom Luiz (IDL).

Tiago Oliveira, presidente da Estrutura de Missão para a instalação do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, em conversa com José Miguel Cardoso Pereira, professor do ISA e coordenador do grupo ForEco do Centro de Estudos Florestais (CEF), quis saber se seria possível prever onde poderiam acontecer os maiores incêndios em 2018 e qual a sua probabilidade. Para José Miguel Cardoso Pereira a questão lançada por Tiago Oliveira é "muito relevante para a gestão florestal", resultando nesta colaboração entre as três entidades da ULisboa e cujo objetivo passa por fornecer informação técnica para apoio à decisão, ajudando a definir prioridades, tais como, por exemplo, o posicionamento de aviões de combate a incêndio pela Proteção Civil ou o planeamento das missões de patrulhamento da GNR no terreno.

Os novos mapas de risco de incêndios florestais para 2018 envolvem a colaboração de engenheiros florestais, estatísticos e climatologistas.

“Quando a base de dados ficou operacional, foi enviada ao grupo do CEAUL – Kamil Feridun Turkman, Maria Antónia Turkman, Paula Pereira e Patrícia de Zea Bermudez - para tratamento estatístico”, conta Lisete de Sousa, professora do DEIO  Ciências e coordenadora do CEAUL. Este grupo teve como objetivo resolver dois problemas: por um lado, construir mapas de risco para uma divisão de Portugal continental, através de uma grelha com 21757 células de 400 hectares cada; por outro, construir mapas de risco para fogos de grandes dimensões (acima de 1000 hectares) para a divisão de Portugal continental em concelhos. O primeiro trabalho foi divulgado recentemente por alguns meios de comunicação social.

Os investigadores do CEAUL construíram modelos estatísticos para a previsão para 2018 da probabilidade de ignição para cada célula, a probabilidade de cada célula arder mais do que 250 hectares e a probabilidade, para cada concelho, de haver pelo menos um fogo de grandes dimensões, com base nos dados fornecidos por Carlos da Camara, professor do DEGGE Ciências e investigador do IDL, no que diz respeito ao valor anual do índice de severidade meteorológica de 1989 a 2017.

“A colaboração de Carlos da Camara foi essencial para perceber como é que esse índice poderia ser utilizado na construção do modelo, o qual se veio a revelar bastante importante”, contam os investigadores do CEAUL, que destacam ainda “a comunicação constante com os membros do CEF para a afinação da base de dados e afinação final do modelo, que deu origem ao mapa; e o apoio de um grupo de Trondheim, liderado por Havard Rue, que deu permissão para usar a workstation” e dessa forma resolver problemas de hardware.

mapa
As zonas com maior probabilidade de arderem mais de 250 ha em 2018 estão indicadas a laranja e vermelho num mapa com a delimitação dos concelhos
Fonte CEF e CEAUL

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
<i>Deep Learning</i>

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

Paulo Motrena

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Sala de aulas com crianças

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

Campus de Ciências ULisboa

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

“Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal”

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Sara Magalhães

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

“Tomar consciência do tipo de relação que se tem connosco pode ser muito importante, na medida em que nos ajuda a perceber de que forma andamos ou não a cuidar de nós próprios”, escreve Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, na sua rubrica habitual.

Átrio do C3

Este ano registaram-se mais de 6000 candidaturas aos cursos de Ciências ULisboa no âmbito do Concurso Nacional de Acesso. Em ambas as fases as vagas foram totalmente preenchidas. Durante a 1.ª fase de inscrições, matricularam-se 833 estudantes. A 2.ª fase de matrículas termina a 1 de outubro.

 Noite Europeia dos Investigadores

A Noite Europeia dos Investigadores foi lançada em 2005. “Ciência na cidade” é o tema desta edição que se realiza a 28 de setembro e conta com 22 iniciativas com o carimbo de Ciências ULisboa.

Ana Simões

É a primeira vez que uma cientista portuguesa preside à European Society for the History of Science. Ana Simões, professora do DHFC e cocoordenadora do CIUHCT, tomou posse como presidente desta sociedade científica, a 16 de setembro, durante o “8th ESHS Meeting”, ocorrido em Londres. O mandato de dois anos termina em 2020.

Golfinhos

Uma equipa multidisciplinar, que inclui membros do CEAUL, vai monitorizar comunidades de baleias e golfinhos ao longo da costa portuguesa. O objetivo é criar um atlas dos cetáceos em Portugal e protegê-los.

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode

Elisabete Malafaia, doutorada em Ciências ULisboa, deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira em Paleontologia.A primeira autora do artigo do Journal of Paleontology é investigadora do IDL e da UNED e na prestigiada revista internacional apresenta os resultados do estudo feito ao conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro, descoberto em Torres Vedras e que indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos.

O SMART FARM CoLAB ficará localizado nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho, em Torres Vedras

Ciências ULisboa participa através do cE3c, do BioISI e do IDL no recém-criado SMART FARM CoLAB.

Inscrições Ciências 2018

O primeiro período de matrículas para os alunos do 1.º ano, 1.ª vez em Ciências ULisboa termina a 14 de setembro. Pela primeira vez o processo é feito online.

Teresa Rodrigues

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Teresa Rodrigues, técnica superior da Biblioteca de Ciências ULisboa.

Tejo

Vanessa F. Fonseca, investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE-ULisboa), doutorada em Biologia Marinha e Aquacultura por Ciências ULisboa, coordena o projeto Biopharma, que deverá terminar em 2019.

Jardim do Campo Grande

Os jardins do Campo Grande surgem entre os preferidos de Lisboa, de acordo com os resultados de um inquérito online desenvolvido pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa.

Alunos no átrio do C1

Ciências ULisboa preenche a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Este ano houve mais de cinco mil candidaturas aos cursos da Faculdade.

Solidariedade

Colegas e amigos homenageiam José Rufino, falecido em julho passado, com uma missa em ação de graças e uma recolha de fundos para a Ciências Solidária, que será entregue a esta associação em nome do professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, ficou a conhecer os carros solares de Ciências ULisboa

Sara Freitas, doutorada em Sistemas Sustentáveis de Energia por Ciências ULisboa, foi um dos membros da organização do Festival Solar de Lisboa 2018. O acontecimento contribuiu para a atribuição à cidade de Lisboa do prémio Capital Verde Europeia 2020.

Figura feminina

Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, deixa uma questão para cada um pensar sobre si próprio: “Qual é a minha atitude perante aquilo que geralmente não pode ser mudado?”.

Mais de um milhão de euros para quatro projetos da ULisboa, ao abrigo do 1.º Concurso da FCT e da Aga Khan Development Network. Ciências ULisboa é a instituição proponente de um desses quatro projetos, participando noutro. Ao todo foram selecionados 16 projetos.

Samuel Barata

Samuel Barata estuda na Faculdade no mestrado de Química e é atleta com algumas medalhas alcançadas. Conheça mais pormenores do percurso do estudante, entrevistado por Ciências ULisboa.

Euryphara ribauti

Se ainda não conhece o projeto das cigarras marroquinas, entre no Instagram e acompanhe as aventuras de Gonçalo Costa, distinguido este ano com uma bolsa de início de carreira pela National Geographic Society.

campus universitário

A ULisboa continua a ser a universidade portuguesa melhor classificada no Ranking de Shanghai. Acima do intervalo em que é classificada a ULisboa – 151 a 200 – encontram-se 52 universidades europeias, mas nenhuma delas é do sul da Europa ou do espaço ibero-americano.

Páginas