Obituário – Em homenagem

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

Helena Avelar de Carvalho

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

CIUHCT

Helena Avelar de Carvalho, investigadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), a primeira portuguesa a doutorar-se no Warburg Institute/School of Advanced Studies of the University of London em História da Astrologia, com a orientação de Charles Burnett, investigadora principal do projeto ASTRA: Investigação Histórica em Técnicas e Práticas Astrológicas e board member do projeto RUTTER, faleceu. As cerimónias fúnebres decorrem dia 12 de março, no Crematório dos Olivais, pelas 10h00. Ciências ULisboa apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Testemunhos

“Algures durante o ano de 2008, ao terminar uma conferência, a Helena veio falar comigo. Foi assim que a conheci. A Helena fazia-se notar pelo seu porte elegante e pela simpatia do seu olhar, mas impressionava ainda mais pela sua inteligência culta e a sua amabilidade desconcertante. No fim dessa conversa fiquei com a certeza de ter conhecido uma pessoa com um enorme potencial académico. Esse primeiro encontro foi seguido de muitos outros e ao longo dos anos passámos muitas horas a discutir assuntos de interesse comum, a comentar descobertas de manuscritos, ou a planear atividades académicas. A Helena era uma fascinante mistura de delicadeza extrema e determinação férrea. Entrava pelo meu gabinete adentro, desfazendo-se em desculpas pela interrupção, ao mesmo tempo que me apresentava planos imensos de publicações, investigações e simpósios, para os quais, na ótica dela, não havia dificuldades, não havia obstáculos. Para a Helena, nada era impossível.

Quando a conheci, a Helena estava a regressar ao mundo académico depois de uma vida profissional rica e cheia de aventuras. Era uma mulher madura, que não tinha tempo a perder nem paciência para salamaleques académicos. Sabia o que queria, e tinha pressa. Fez um Mestrado em História Medieval na Universidade Nova, e poucos anos depois foi admitida para doutoramento no Warburg Institute, em Londres, sob a orientação de Charles Burnett. Ter desempenhado algum papel no encontro entre os dois é uma das grandes alegrias da minha carreira. Mas a Helena nunca precisou de mais ajuda nenhuma. Em muito pouco tempo os seus conhecimentos incomparáveis da tradição e das técnicas da astrologia antiga e moderna, haviam-lhe feito ganhar o respeito de todos, a começar pelo seu orientador. Terminou brilhantemente o doutoramento em 2019, e a sua tese deu origem ao livro An Astrologer at Work in Late Medieval France, que vai sair muito em breve na prestigiada série «Time, Astronomy, and Calendars: Texts and Studies», da editora Brill. A Helena escreveu ainda outros livros e vários artigos, mas esta obra ficará como o monumento mais acabado ao seu saber.

A Helena fazia parte do muito reduzido grupo de estudiosos que, nos últimos anos, têm paulatinamente revolucionado a historiografia da astrologia. Embora qualquer historiador admita sem hesitação o importante papel que os saberes astrológicos desempenharam na formação da cultura e ciência europeias, praticamente nenhum sabe analisar essas ideias e essas atividades por elas próprias. Os estudos sobre história da astrologia foram sempre feitos olhando ‘de fora’. Só muito recentemente surgiram especialistas capacitados para analisar esses factos a partir ‘de dentro’, a partir da própria lógica interna da disciplina e, portanto, com possibilidade de compreender não só as ideias e as técnicas, mas também as intenções, os valores e as escolhas desses peculiares agentes históricos que foram os astrólogos. Os contributos da Helena vinham nessa linha e estavam na fronteira mais ativa desses desenvolvimentos, especialmente na área que ela mais estudou, a das práticas astrológicas do séc. XV.

Trabalhando em história da astrologia teve de suportar muitas vezes o sarcasmo e a ignorância presumida de alguns ‘universitários’, sobretudo destas estirpes mais modernas e provincianas, sempre desejosos de moralizar, sempre prontos a cancelar. A Helena, uma especialista de reputação internacional, ouvia tudo com bonomia, e sorria simpaticamente, mesmo ao escutar os mais espantosos dislates. Nunca lhe ouvi uma palavra menos elegante acerca de nenhum colega. A Helena adorava pessoas. Aliás, a sua paixão pela história vinha da sua paixão pelas pessoas e pela vida. O entusiasmo e as ajudas concretas com que incentivou tantos estudantes e tantos colegas são impossíveis de contabilizar. Foi através dela que conheci muita gente -- mas sobretudo que conheci o Luís, seu parceiro de investigações e parceiro da vida, com quem vivia uma belíssima história comum.

A Helena era, sem qualquer dúvida, uma das melhores na sua área, no mundo inteiro, e a sua carreira académica estava só a começar. Nunca tive qualquer dúvida de que estaria destinada a grandes feitos, e ela, juntamente com o Luís, haviam-se tornado já em referências obrigatórias do campo. Uma visita rápida ao seu ‘Projeto Astra’ é bem reveladora da qualidade dos seus contributos e do respeito que granjeavam entre os especialistas mais conceituados. A morte da Helena é uma perda irreparável para os estudos de história da ciência, para o CIUHCT, e para a Faculdade de Ciências. Para mim, é ainda muito pior que tudo isso; perdi uma amiga, que espalhava alegria e entusiasmo por onde passava, para quem nunca havia dificuldades intransponíveis (‘Não é possível? Claro que é possível!’), e de quem recebi sempre, com enorme delicadeza, conselhos acertados e palavras sábias. Vai fazer-nos muita falta a todos.

Henrique Leitão, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

“I met Helena several years ago, but I used to see her only once or twice a year. She was at that time studying at the Warburg Institute and only during her visits to Portugal I had the opportunity to talk with her. Casual talks. I always remember her and Luís’ original cakes for the department’s Christmas Feast. Everything changed when she concluded her PhD and returned to Portugal. Then, I had the opportunity to see her more often. I discovered an interesting and interested woman, as intelligent as sensitive. We felt immediate empathy. Then, she invited me for an interview for the Astra project. It was supposed to be an institutional interview, but then we realized that there were so many bridges between our very different fields of research. We had something else in common: the Warburg. In 2006, I had been a PhD occasional student, and we shared the same passion for the singular academic environment, the library and the photographic collection. This fact could bring together our different interests in the late medieval and early modern history of science. From then on, we shared so many dreams, and so many projects that we wanted to pursue.

In her memory, I will honour all of them, God willing.”

Ana Duarte Rodrigues, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Não tenho palavras para expressar o meu pesar pelo falecimento da Helena.

Era uma investigadora excecional, inteligente, dinâmica e amiga. Participava na vida do CIUHCT e do DHFC sempre com grande entusiasmo.

Em todas as festas de Natal aguardávamos com expetativa o bolo que a Helena e o Luís traziam sempre alusivo à história das ciências. A cobertura do primeiro foi a superfície da Lua de Galileu e a Helena revelou que o pasteleiro tinha ficado perplexo. Nós ficámos encantados.

A sua energia e vitalidade levaram-na a estabelecer um protocolo de colaboração entre o CIUHCT e o Warburg Institute e a lançar o projeto ASTRA.

Era também um prazer enorme apreciar a incrível e bonita parceria entre a Helena e o Luís, a quem deixo um grande abraço solidário."

Ana Simões, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Foi com grande pesar que recebi a notícia da partida da Helena. Embora não tivesse tido oportunidade de com ela privar, os contactos que tivemos foram sempre marcados pela sua simpatia e forte sentido de pertença ao CIUHCT. É, pois, uma perda para o nosso centro de investigação e para todos os seus colegas. Deixo, ainda, uma palavra de conforto para o Luís nesta hora de tanta dor."

Maria Paula Diogo, CIUHCT

CIUHCT com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jovem em frente ao computador

A 1.ª fase de candidaturas aos mestrados da Faculdade decorre até 11 de julho. Esteja atento às redes sociais da Faculdade e conheça os testemunhos de quem frequenta estes cursos. Para Fernanda Oliveira, subdiretora da Direção, “a Faculdade tem uma oferta formativa muito diversificada”.

Complexo não covalente de composição [KrSF5]+ (Fig. 1), que provem duma molécula estável, [KrSF6]+ (Fig. 2), em resultado da reação direta de hexafluoreto de enxofre com crípton ionizado

Este ano comemora-se os 60 anos da descoberta da reatividade dos gases nobres nomeadamente do xénon. Nuno A. G. Bandeira, investigador do Departamento de Química e Bioquímica e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre os gases nobres, suas aplicações e um estudo recente da sua autoria e de cientistas do Centro de Química Estrutural e que apresenta um novo composto de crípton.

Logotipo GMC

A primeira fase de decisões da primeira volta do Global Management Challenge 2022 terminou no passado dia 14 de junho. Em competição estiveram 206 equipas a nível nacional - compostas por estudantes, quadros de empresas ou mistas -, duas delas incluem estudantes da Ciências ULisboa.

Grande auditório da Faculdade com pessoas

Vale a pena recordar os 111 anos comemorados no grande auditório da Faculdade no canal YouTube, numa viagem imaginária a Marte, com a tradicional entrega de prémios e distinções e outros momentos singulares, assim como conhecer a opinião daqueles que participaram no evento.

sao jorge ao fundo e logotipo da iniciativa

“Andamentos da Ciência” é o novo ciclo de conferências da Ciências ULisboa que arranca no próximo dia 22 de junho. Nesta iniciativa, especialistas de diferentes áreas do conhecimento vão partilhar o saber sobre os temas mais atuais da sociedade, na forma de comunicações inspiradas nas palestras TED.

quatro estudantes

O Departamento de Geologia atribuiu 14 cartas de reconhecimento de mérito aos melhores alunos da licenciatura em Geologia de 2019/2020 e de 2020/2021. O Gabinete de Jornalismo entrevistou alguns dos estudantes distinguidos na ocasião. Saiba o que pensam sobre o curso que frequentaram na Faculdade e o que estão a fazer neste momento.

conjunto de pessoas no palco

Numa cerimónia realizada durante a Feira Nacional da Agricultura 2022, em Santarém, foi apresentado e contratualizado o projeto AdaptForGrazing, inscrito no Plano de Recuperação e Resiliência. O projeto é coordenado por Cristina Branquinho, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade e investigadora do cE3c.

Praia

No próximo dia 17 de junho, na praia de Albarquel, em Setúbal, decorrem as atividades “Ida à Maré e Festa na Praia”, promovidas pelo projeto bLueTIDE. Estas atividades contam com a participação de investigadores do MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa, com o apoio da Incubadora do Mar & Indústria da Figueira da Foz.

Ato solene da atribuição do título no Centro Cultural Alcazaba de Mérida

Ricardo Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigador do Instituto Dom Luiz, recebe título doutor honoris causa da Universidade da Extremadura, numa cerimónia que teve lugar no Centro Cultural Alcazaba de Mérida, em Badajoz, Espanha, no passado dia 1 de junho.

Galardoados com os Prémios Verdes

O COVIDETECT é o vencedor dos Prémios Verdes na categoria investigação. “É uma distinção que muito nos honra e que reforça o caráter inovador e visionário do projeto”, diz Mónica Vieira Cunha, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa, investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e coordenadora científica do consórcio.

lancha hidrográfica leva os alunos para o rio

Durante o mês de maio, uma turma de alunos do 3.º ano, finalistas do curso de Engenharia Geoespacial deslocou-se em trabalho de campo até à Praia de Santo Amaro, em Oeiras, para realizar um levantamento topo-hidrográfico da praia. O trabalho constitui o projeto final da disciplina de Hidrografia, ministrada pelo professor Carlos Antunes.

Anfiteatro com os participantes da homenagem

Este ano a celebração do Dia Mundial da Terra no Departamento de Geologia foi ainda mais especial:organizaram a conferência “A evolução da Geologia costeira em Portugal e principais desafios futuros” com o objetivo de surpreender e homenagear César Andrade, professor na Faculdade há 43 anos. A reportagem inclui vários testemunhos de colegas e antigos alunos.

Joana Ribeiro, Bárbara Henriques e Filipa Carvalho no simpósio

A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (SPDM) atribuiu uma bolsa de apoio à investigação Dr. Aguinaldo Cabral, no valor de 10.000€, a Bárbara Henriques, investigadora do Departamento de Química e Bioquímica e investigadora principal do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), polo da Ciências ULisboa. É a primeira vez que um investigador da Ciências ULisboa recebe este prémio.

Cinco alumni e logotipo da rubrica

Esta foi a pergunta feita a cinco alumni da Ciências ULisboa durante o mês de maio. A primeira série de lives transmitidas em direto no Instagram também está disponível no canal YouTube da Faculdade. Estas primeiras cinco conversas descontraídas e enriquecedoras contaram com a presença de Eduardo Matos, Dário Hipólito, Ana Prata, Margarida Ribeiro e João Graça Gomes.

Planta de tomate

“O efeito da competição e simbiose na virulência de um parasita de plantas" - um projeto coordenado pelas cientistas Alison Duncan e Sara Magalhães - é um dos quatro projetos vencedores da 1.ª edição do Prémio Tremplin Mariano Gago.

Paisagem antártica na zona de estudo

As alterações climáticas amplificam as ondas de calor no continente antártico. Esta é a conclusão apresentada pelos cientistas Sergi González-Herrero, David Barriopedro, Ricardo M. Trigo, Joan Albert López-Bustins e Marc Oliva num artigo publicado na Communications Earth & Environment.

Alexandre M. Ramos, Francisco S. N. Lobo, Margarida D. Amaral e Sara C. Madeira

Alexandre M. Ramos, Francisco S. N. Lobo, Margarida D. Amaral e Sara C. Madeira são as personalidades da Faculdade distinguidas com os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2021. Os seus colegas Cláudio M. Gomes e Francisco Malta Romeiras também são agraciados nesta edição com menções honrosas. A cerimónia de atribuição destes prémios e menções honrosas acontece no próximo dia 28 de junho, no salão nobre da Reitoria da ULisboa.

Fernando Antunes, João Pires da Silva e Fadhil Musa

A Delox, a spin-off do Tec Labs – Centro de Inovação da Ciências ULisboa, acaba de anunciar a angariação de 750 mil euros de financiamento para desenvolver as etapas necessárias até ao início da comercialização do novo sistema de biodescontaminação.

Estrelas

Qual é o nosso lugar no Universo? A resposta a esta e tantas outras questões encontra-se no livro do astrofísico David Sobral, que em 2015 descobriu a galáxia CR7, a mais brilhante do Universo, e que está disponível nas livrarias a partir desta terça-feira e tem lançamento marcado para esta quinta-feira, 19 de maio, pelas 18h30, no campus da Faculdade, no edifício C6, anfiteatro 6.1.36.

grande auditório da Faculddade com pessoas

O livro “ESPRESSO: Uma Aventura no Deserto de Atacama”, da autoria dos cientistas Alexandre Cabral  e Nuno Cardoso Santos, foi apresentado ao público numa cerimónia ocorrida no grande auditório da Faculdade no passado dia 14 de maio. A obra bilingue e gratuita dá a conhecer a aventura tecnológica e humana da construção do ESPRESSO, com fotografias e memórias criadas no deserto mais seco no mundo, no Chile.

logotipo radar

Vigésima terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a NBI – Natural Business Intelligence.

pessoas observam a exposição

“De Lisboa para os Trópicos” é o nome da mais recente exposição da Ciências ULisboa, patente no átrio do edifício C6 desde 21 de abril e que vai estar em exibição até ao próximo dia 21 de junho. A mostra itinerante de fotografias assinala o 2.º aniversário do Colégio Tropical, uma unidade transversal da ULisboa.

Logotipo CHI 2022

A principal conferência internacional dedicada aos fatores humanos em sistemas computacionais distinguiu com a classificação de melhor apresentação 25 papers, destaque para o paper "Investigating the Tradeoffs of Everyday Text-Entry Collection Methods" sobre as vantagens e desvantagens de vários métodos de introdução de texto.

Margarida Amaral

Margarida Duarte Amaral dirigiu o Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) durante oito anos. Esta entrevista é sobre o passado, o presente e o futuro e como “o todo é maior do que a simples soma das suas partes”.

pin sobre palavra credit

Conceição Freitas, presidente do Conselho Científico da Ciências ULisboa, escreve sobre a prestigiante subida da ULisboa no Center for World University Rankings e no SCImago Institutions Rankings.

Páginas