Obituário – Em homenagem

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

Helena Avelar de Carvalho

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

CIUHCT

Helena Avelar de Carvalho, investigadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), a primeira portuguesa a doutorar-se no Warburg Institute/School of Advanced Studies of the University of London em História da Astrologia, com a orientação de Charles Burnett, investigadora principal do projeto ASTRA: Investigação Histórica em Técnicas e Práticas Astrológicas e board member do projeto RUTTER, faleceu. As cerimónias fúnebres decorrem dia 12 de março, no Crematório dos Olivais, pelas 10h00. Ciências ULisboa apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Testemunhos

“Algures durante o ano de 2008, ao terminar uma conferência, a Helena veio falar comigo. Foi assim que a conheci. A Helena fazia-se notar pelo seu porte elegante e pela simpatia do seu olhar, mas impressionava ainda mais pela sua inteligência culta e a sua amabilidade desconcertante. No fim dessa conversa fiquei com a certeza de ter conhecido uma pessoa com um enorme potencial académico. Esse primeiro encontro foi seguido de muitos outros e ao longo dos anos passámos muitas horas a discutir assuntos de interesse comum, a comentar descobertas de manuscritos, ou a planear atividades académicas. A Helena era uma fascinante mistura de delicadeza extrema e determinação férrea. Entrava pelo meu gabinete adentro, desfazendo-se em desculpas pela interrupção, ao mesmo tempo que me apresentava planos imensos de publicações, investigações e simpósios, para os quais, na ótica dela, não havia dificuldades, não havia obstáculos. Para a Helena, nada era impossível.

Quando a conheci, a Helena estava a regressar ao mundo académico depois de uma vida profissional rica e cheia de aventuras. Era uma mulher madura, que não tinha tempo a perder nem paciência para salamaleques académicos. Sabia o que queria, e tinha pressa. Fez um Mestrado em História Medieval na Universidade Nova, e poucos anos depois foi admitida para doutoramento no Warburg Institute, em Londres, sob a orientação de Charles Burnett. Ter desempenhado algum papel no encontro entre os dois é uma das grandes alegrias da minha carreira. Mas a Helena nunca precisou de mais ajuda nenhuma. Em muito pouco tempo os seus conhecimentos incomparáveis da tradição e das técnicas da astrologia antiga e moderna, haviam-lhe feito ganhar o respeito de todos, a começar pelo seu orientador. Terminou brilhantemente o doutoramento em 2019, e a sua tese deu origem ao livro An Astrologer at Work in Late Medieval France, que vai sair muito em breve na prestigiada série «Time, Astronomy, and Calendars: Texts and Studies», da editora Brill. A Helena escreveu ainda outros livros e vários artigos, mas esta obra ficará como o monumento mais acabado ao seu saber.

A Helena fazia parte do muito reduzido grupo de estudiosos que, nos últimos anos, têm paulatinamente revolucionado a historiografia da astrologia. Embora qualquer historiador admita sem hesitação o importante papel que os saberes astrológicos desempenharam na formação da cultura e ciência europeias, praticamente nenhum sabe analisar essas ideias e essas atividades por elas próprias. Os estudos sobre história da astrologia foram sempre feitos olhando ‘de fora’. Só muito recentemente surgiram especialistas capacitados para analisar esses factos a partir ‘de dentro’, a partir da própria lógica interna da disciplina e, portanto, com possibilidade de compreender não só as ideias e as técnicas, mas também as intenções, os valores e as escolhas desses peculiares agentes históricos que foram os astrólogos. Os contributos da Helena vinham nessa linha e estavam na fronteira mais ativa desses desenvolvimentos, especialmente na área que ela mais estudou, a das práticas astrológicas do séc. XV.

Trabalhando em história da astrologia teve de suportar muitas vezes o sarcasmo e a ignorância presumida de alguns ‘universitários’, sobretudo destas estirpes mais modernas e provincianas, sempre desejosos de moralizar, sempre prontos a cancelar. A Helena, uma especialista de reputação internacional, ouvia tudo com bonomia, e sorria simpaticamente, mesmo ao escutar os mais espantosos dislates. Nunca lhe ouvi uma palavra menos elegante acerca de nenhum colega. A Helena adorava pessoas. Aliás, a sua paixão pela história vinha da sua paixão pelas pessoas e pela vida. O entusiasmo e as ajudas concretas com que incentivou tantos estudantes e tantos colegas são impossíveis de contabilizar. Foi através dela que conheci muita gente -- mas sobretudo que conheci o Luís, seu parceiro de investigações e parceiro da vida, com quem vivia uma belíssima história comum.

A Helena era, sem qualquer dúvida, uma das melhores na sua área, no mundo inteiro, e a sua carreira académica estava só a começar. Nunca tive qualquer dúvida de que estaria destinada a grandes feitos, e ela, juntamente com o Luís, haviam-se tornado já em referências obrigatórias do campo. Uma visita rápida ao seu ‘Projeto Astra’ é bem reveladora da qualidade dos seus contributos e do respeito que granjeavam entre os especialistas mais conceituados. A morte da Helena é uma perda irreparável para os estudos de história da ciência, para o CIUHCT, e para a Faculdade de Ciências. Para mim, é ainda muito pior que tudo isso; perdi uma amiga, que espalhava alegria e entusiasmo por onde passava, para quem nunca havia dificuldades intransponíveis (‘Não é possível? Claro que é possível!’), e de quem recebi sempre, com enorme delicadeza, conselhos acertados e palavras sábias. Vai fazer-nos muita falta a todos.

Henrique Leitão, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

“I met Helena several years ago, but I used to see her only once or twice a year. She was at that time studying at the Warburg Institute and only during her visits to Portugal I had the opportunity to talk with her. Casual talks. I always remember her and Luís’ original cakes for the department’s Christmas Feast. Everything changed when she concluded her PhD and returned to Portugal. Then, I had the opportunity to see her more often. I discovered an interesting and interested woman, as intelligent as sensitive. We felt immediate empathy. Then, she invited me for an interview for the Astra project. It was supposed to be an institutional interview, but then we realized that there were so many bridges between our very different fields of research. We had something else in common: the Warburg. In 2006, I had been a PhD occasional student, and we shared the same passion for the singular academic environment, the library and the photographic collection. This fact could bring together our different interests in the late medieval and early modern history of science. From then on, we shared so many dreams, and so many projects that we wanted to pursue.

In her memory, I will honour all of them, God willing.”

Ana Duarte Rodrigues, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Não tenho palavras para expressar o meu pesar pelo falecimento da Helena.

Era uma investigadora excecional, inteligente, dinâmica e amiga. Participava na vida do CIUHCT e do DHFC sempre com grande entusiasmo.

Em todas as festas de Natal aguardávamos com expetativa o bolo que a Helena e o Luís traziam sempre alusivo à história das ciências. A cobertura do primeiro foi a superfície da Lua de Galileu e a Helena revelou que o pasteleiro tinha ficado perplexo. Nós ficámos encantados.

A sua energia e vitalidade levaram-na a estabelecer um protocolo de colaboração entre o CIUHCT e o Warburg Institute e a lançar o projeto ASTRA.

Era também um prazer enorme apreciar a incrível e bonita parceria entre a Helena e o Luís, a quem deixo um grande abraço solidário."

Ana Simões, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Foi com grande pesar que recebi a notícia da partida da Helena. Embora não tivesse tido oportunidade de com ela privar, os contactos que tivemos foram sempre marcados pela sua simpatia e forte sentido de pertença ao CIUHCT. É, pois, uma perda para o nosso centro de investigação e para todos os seus colegas. Deixo, ainda, uma palavra de conforto para o Luís nesta hora de tanta dor."

Maria Paula Diogo, CIUHCT

CIUHCT com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Ignacio Schoendorff, diretor geral da Gilead, Perpétua Gomes, da Comissão de Avaliação dos Projetos de Investigação em Virologia, Margarida Gama Carvalho e a sua equipa

O projeto de investigação miThic-eSwitch na área da Virologia – Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Adquirida/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, coordenado por Margarida Gama Carvalho, professora do DQB e líder de um dos grupos do BioISI, foi um dos vencedores da 9.ª edição do Programa Gilead GÉNESE, com um prémio no valor de 34 mil euros.

Fotografia de António M. Vallêra

“Neste ensaio analiso a descarbonização simultânea dos transportes terrestres e do sistema elétrico, tomando Portugal como um caso de estudo, e comparo os resultados de vários modelos possíveis para esta transição”, diz António M. Vallêra, autor do livro “The Transition”.

Carlos Marques da Silva à frente do globo do C6

O estudo coordenado por Carlos Marques da Silva, professor do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz (IDL), venceu a 2.ª edição do Prémio Paleontologia e Estratigrafia de Portugal, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Paleontologia (SPdP) e pela empresa Chronosurveys.

Exemplo de linhas de costa derivadas da ferramenta CASSIE

Daniel Pais, estudante de doutoramento em Geologia na Ciências ULisboa, é um dos autores do  artigo - “Benchmarking satellite-derived shoreline mapping algorithms” - publicado na Communications Earth & Environment, e que apresenta uma avaliação inédita da precisão na deteção da linha de costa, através de imagens satélites disponíveis ao público.

Representantes do Tec Labs e das suas startups e spin-offs posam para fotografia

O Tec Labs esteve no LISPOLIS a celebrar os resultados da call INNOV-ID, promovida pela Agência Nacional de Inovação e pela Portugal Ventures e que financiou nos últimos três anos, com mais de 5,5 milhões de euros, mais de 55 projetos inovadores e startups nascidos no ecossistema científico e tecnológico português. Nesta terceira call, como ignition partner da Portugal Ventures, o Tec Labs conseguiu ajudar duas startups do seu ecossistema  - a Generosa e a KeepIT - garantindo um investimento de 100 mil euros cada.

várias pessoas sentadas em volta de uma mesa

No dia 6 de novembro, o MARE ULisboa recebeu nas suas instalações Tibor Králik, embaixador da Eslováquia em Portugal, numa reunião preparatória da visita de estado a Portugal da presidente daquele país, Zuzana Čaputová, agendada para os dias 5 e 6 de dezembro.

Zita numa sala com livros

"Portugal é mais mar que terra”, diz a professora cientista - Maria José Costa – bióloga marinha, nesta curta entrevista a propósito do Grande Prémio Ciência Viva 2023, que lhe é atribuído, pela sua colaboração na disseminação da cultura científica nas áreas da biodiversidade marinha, ambiente e literacia do oceano.

Alan Phillips, investigador no Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e no Laboratório de Genómica e Microbiologia Translacional, no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), foi novamente distinguido na lista de investigadores altamente citados de 2023 da Clarivate Analytics, na categoria de Ciência Vegetal e Animal. O investigador Alan Philips desenvolve trabalho na área da Microbiologia e foi, este ano, reconhecido pela 6ª vez consecutiva pela Clarivate como um dos investigadores mais citados a nível mundial.

Atribuição dos prémios BfK

"Em Ciências ULisboa decidimos candidatar à edição deste ano do BfK o projeto “Block-Based Accessible Tangible System” desenvolvido por Filipa Rocha, estudante de doutoramento em Informática no LASIGE Ciências ULisboa e participante no Impact Program do nosso ScienceIN2Business. A ideia do projeto é tornar a aprendizagem digital mais acessível às crianças com dificuldades visuais". Leia a crónica do Tec Labs sobre o assunto.

Einstein com estudantes da Lincoln University

"Ao longo destas décadas, a presença da Filosofia da Ciência tem sido enriquecedora no trajeto de muitos nesta Faculdade e um elemento diferenciador relativamente a outras escolas", escreve João L. Cordovil, coordenador científico do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

Foto de grupo com delegação chinesa e representantes da Ciências ULisboa

A 10 de novembro a ULisboa recebeu a visita de uma delegação chinesa de altos dignitários, professores, investigadores e estudantes de doutoramento, durante a qual foi renovado o protocolo entre a ULisboa e a Universidade de Xangai. Após uma sessão de abertura na reitoria da Universidade, a delegação visitou Ciências ULisboa e o Instituto Superior Técnico.

11 estudantes

Este ano 11 estudantes da Ciências ULisboa foram premiados com Bolsas Gulbenkian Novos Talentos, nas áreas da Biologia, Física, Matemática e Ciências Sociais.

Representação de cinco estrelas e de braço humano

Os rankings “Times Higher Education (THE) World University Rankings 2024 by Subject”, “QS World University Rankings by Subject 2023” e “ShangaiRanking’s Global Ranking of Academic Subjects 2023” atribuem à ULisboa posições de destaque nas áreas de ensino e investigação da Faculdade.

Bombeiro e participante a apagar um fogo com extintor no campus

Em outubro, Ciências ULisboa organizou um conjunto de ações de sensibilização dedicadas à segurança no campus da Faculdade. A iniciativa “Ciências em Segurança”, promovida pela Associação de Estudantes, contou com a ajuda do Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade  e do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa. 

Catarina Frazão Santos

O Conselho Europeu de Investigação atribui bolsa de arranque, no valor de 1,499,819.00 euros, a Catarina Frazão Santos, investigadora e docente no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora integrada no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, pelo seu projeto “Planeamento do Uso Sustentável do Oceano na Antártida num contexto de Alterações Ambientais Globais (PLAnT)”.

imagem ilustrativa de inteligencia artificial

"Conceitos que no passado eram aplicados exclusivamente à mente e ao cérebro humano estão agora a ser aplicados aos sistemas computacionais", escreve Klaus Gärtner, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

"Este acontecimento é uma oportunidade para divulgar e celebrar a qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa”, diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Faculdade para a área da investigação, a propósito da 5.ª edição do Dia da Investigação e Inovação.

imagem gerada por IA

"A realização de determinadas funções biológicas é explicada como efeito de uma “computação natural” executada pelo organismo. O objetivo destes programas é, como bem exemplificado por este recente artigo de Joshua Bongard e Michel Levin, promover uma confluência entre biologia e engenharia", escreve Lorenzo Baravalle, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas a escavar na terra

Pegadas de dinossauros com 195 milhões de anos foram descobertas em Alvaiázere, no distrito de Leiria, sendo as mais antigas da Península Ibérica, segundo estudo publicado na revista científica Historical Biology. Carlos Neto de Carvalho, investigador do Instituto Dom Luiz, é um dos autores do trabalho.

Anfiteatro com pessoas

A 4.ª edição do acontecimento organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Física (Physis), em colaboração com IA Ciências ULisboa e o Núcleo de Física e de Engenharia Física (NFEF) da Ciências ULisboa começou esta sexta-feira, dia 13 de outubro, no campus da Faculdade e termina este domingo, dia 15. Um dos pontos altos do programa é o debate “Há futuro na exploração espacial?”.

anffiteatro com cientistas

A Ciências ULisboa conta com 26 investigadores colocados nos rankings “World’s Top 2% Scientists”, de acordo com o mais recente estudo publicado pela Elsevier, comprovando a relevância da sua produção científica.

Laureados com o Nobel da Química

O Nobel da Química de 2023 foi atribuído conjuntamente a Moungi G. Bawendi, Louis E. Brus e Alexei I. Ekimov, pelo trabalho que levou à descoberta e ao desenvolvimento de pontos quânticos, nanopartículas tão minúsculas que o seu tamanho determina as suas propriedades, segundo comunicado oficial da Real Academia das Ciências da Suécia.

rato

O estudo “Resistência a rodenticidas anticoagulantes desafia esforços do controlo de pragas em Portugal” - realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar – visa recolher informações que tornem a gestão do ratinho doméstico mais eficiente, minimizando os seus impactos.

Katalin Karikó e Drew Weissman

A 2 de outubro de 2023 o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina foi atribuido a Katalin Karikó e Drew Weissman por descobertas biotecnológicas subjacentes à formulação das vacinas de mRNA (RNA mensageiro) para COVID-19. Em todo o mundo, mais de três mil milhões de pessoas receberam pelo menos duas doses destas vacinas (vacinas Comirnaty da Pfizer e Spikevax da Moderna). Em Portugal, cerca de sete milhões de pessoas receberam pelo menos três doses.

Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Páginas