Obituário – Em homenagem

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

Helena Avelar de Carvalho

Helena Avelar de Carvalho (1964-2021)

CIUHCT

Helena Avelar de Carvalho, investigadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), a primeira portuguesa a doutorar-se no Warburg Institute/School of Advanced Studies of the University of London em História da Astrologia, com a orientação de Charles Burnett, investigadora principal do projeto ASTRA: Investigação Histórica em Técnicas e Práticas Astrológicas e board member do projeto RUTTER, faleceu. As cerimónias fúnebres decorrem dia 12 de março, no Crematório dos Olivais, pelas 10h00. Ciências ULisboa apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Testemunhos

“Algures durante o ano de 2008, ao terminar uma conferência, a Helena veio falar comigo. Foi assim que a conheci. A Helena fazia-se notar pelo seu porte elegante e pela simpatia do seu olhar, mas impressionava ainda mais pela sua inteligência culta e a sua amabilidade desconcertante. No fim dessa conversa fiquei com a certeza de ter conhecido uma pessoa com um enorme potencial académico. Esse primeiro encontro foi seguido de muitos outros e ao longo dos anos passámos muitas horas a discutir assuntos de interesse comum, a comentar descobertas de manuscritos, ou a planear atividades académicas. A Helena era uma fascinante mistura de delicadeza extrema e determinação férrea. Entrava pelo meu gabinete adentro, desfazendo-se em desculpas pela interrupção, ao mesmo tempo que me apresentava planos imensos de publicações, investigações e simpósios, para os quais, na ótica dela, não havia dificuldades, não havia obstáculos. Para a Helena, nada era impossível.

Quando a conheci, a Helena estava a regressar ao mundo académico depois de uma vida profissional rica e cheia de aventuras. Era uma mulher madura, que não tinha tempo a perder nem paciência para salamaleques académicos. Sabia o que queria, e tinha pressa. Fez um Mestrado em História Medieval na Universidade Nova, e poucos anos depois foi admitida para doutoramento no Warburg Institute, em Londres, sob a orientação de Charles Burnett. Ter desempenhado algum papel no encontro entre os dois é uma das grandes alegrias da minha carreira. Mas a Helena nunca precisou de mais ajuda nenhuma. Em muito pouco tempo os seus conhecimentos incomparáveis da tradição e das técnicas da astrologia antiga e moderna, haviam-lhe feito ganhar o respeito de todos, a começar pelo seu orientador. Terminou brilhantemente o doutoramento em 2019, e a sua tese deu origem ao livro An Astrologer at Work in Late Medieval France, que vai sair muito em breve na prestigiada série «Time, Astronomy, and Calendars: Texts and Studies», da editora Brill. A Helena escreveu ainda outros livros e vários artigos, mas esta obra ficará como o monumento mais acabado ao seu saber.

A Helena fazia parte do muito reduzido grupo de estudiosos que, nos últimos anos, têm paulatinamente revolucionado a historiografia da astrologia. Embora qualquer historiador admita sem hesitação o importante papel que os saberes astrológicos desempenharam na formação da cultura e ciência europeias, praticamente nenhum sabe analisar essas ideias e essas atividades por elas próprias. Os estudos sobre história da astrologia foram sempre feitos olhando ‘de fora’. Só muito recentemente surgiram especialistas capacitados para analisar esses factos a partir ‘de dentro’, a partir da própria lógica interna da disciplina e, portanto, com possibilidade de compreender não só as ideias e as técnicas, mas também as intenções, os valores e as escolhas desses peculiares agentes históricos que foram os astrólogos. Os contributos da Helena vinham nessa linha e estavam na fronteira mais ativa desses desenvolvimentos, especialmente na área que ela mais estudou, a das práticas astrológicas do séc. XV.

Trabalhando em história da astrologia teve de suportar muitas vezes o sarcasmo e a ignorância presumida de alguns ‘universitários’, sobretudo destas estirpes mais modernas e provincianas, sempre desejosos de moralizar, sempre prontos a cancelar. A Helena, uma especialista de reputação internacional, ouvia tudo com bonomia, e sorria simpaticamente, mesmo ao escutar os mais espantosos dislates. Nunca lhe ouvi uma palavra menos elegante acerca de nenhum colega. A Helena adorava pessoas. Aliás, a sua paixão pela história vinha da sua paixão pelas pessoas e pela vida. O entusiasmo e as ajudas concretas com que incentivou tantos estudantes e tantos colegas são impossíveis de contabilizar. Foi através dela que conheci muita gente -- mas sobretudo que conheci o Luís, seu parceiro de investigações e parceiro da vida, com quem vivia uma belíssima história comum.

A Helena era, sem qualquer dúvida, uma das melhores na sua área, no mundo inteiro, e a sua carreira académica estava só a começar. Nunca tive qualquer dúvida de que estaria destinada a grandes feitos, e ela, juntamente com o Luís, haviam-se tornado já em referências obrigatórias do campo. Uma visita rápida ao seu ‘Projeto Astra’ é bem reveladora da qualidade dos seus contributos e do respeito que granjeavam entre os especialistas mais conceituados. A morte da Helena é uma perda irreparável para os estudos de história da ciência, para o CIUHCT, e para a Faculdade de Ciências. Para mim, é ainda muito pior que tudo isso; perdi uma amiga, que espalhava alegria e entusiasmo por onde passava, para quem nunca havia dificuldades intransponíveis (‘Não é possível? Claro que é possível!’), e de quem recebi sempre, com enorme delicadeza, conselhos acertados e palavras sábias. Vai fazer-nos muita falta a todos.

Henrique Leitão, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

“I met Helena several years ago, but I used to see her only once or twice a year. She was at that time studying at the Warburg Institute and only during her visits to Portugal I had the opportunity to talk with her. Casual talks. I always remember her and Luís’ original cakes for the department’s Christmas Feast. Everything changed when she concluded her PhD and returned to Portugal. Then, I had the opportunity to see her more often. I discovered an interesting and interested woman, as intelligent as sensitive. We felt immediate empathy. Then, she invited me for an interview for the Astra project. It was supposed to be an institutional interview, but then we realized that there were so many bridges between our very different fields of research. We had something else in common: the Warburg. In 2006, I had been a PhD occasional student, and we shared the same passion for the singular academic environment, the library and the photographic collection. This fact could bring together our different interests in the late medieval and early modern history of science. From then on, we shared so many dreams, and so many projects that we wanted to pursue.

In her memory, I will honour all of them, God willing.”

Ana Duarte Rodrigues, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Não tenho palavras para expressar o meu pesar pelo falecimento da Helena.

Era uma investigadora excecional, inteligente, dinâmica e amiga. Participava na vida do CIUHCT e do DHFC sempre com grande entusiasmo.

Em todas as festas de Natal aguardávamos com expetativa o bolo que a Helena e o Luís traziam sempre alusivo à história das ciências. A cobertura do primeiro foi a superfície da Lua de Galileu e a Helena revelou que o pasteleiro tinha ficado perplexo. Nós ficámos encantados.

A sua energia e vitalidade levaram-na a estabelecer um protocolo de colaboração entre o CIUHCT e o Warburg Institute e a lançar o projeto ASTRA.

Era também um prazer enorme apreciar a incrível e bonita parceria entre a Helena e o Luís, a quem deixo um grande abraço solidário."

Ana Simões, DHFC e CIUHCT Ciências ULisboa

"Foi com grande pesar que recebi a notícia da partida da Helena. Embora não tivesse tido oportunidade de com ela privar, os contactos que tivemos foram sempre marcados pela sua simpatia e forte sentido de pertença ao CIUHCT. É, pois, uma perda para o nosso centro de investigação e para todos os seus colegas. Deixo, ainda, uma palavra de conforto para o Luís nesta hora de tanta dor."

Maria Paula Diogo, CIUHCT

CIUHCT com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Auditório com pessoas

Este ano, na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior concorreram aos 16 cursos da Faculdade 5086 candidatos, tendo sido colocados 872 novos alunos em Ciências ULisboa, 527 em 1.ª opção. Até 5 de setembro decorre a apresentação da candidatura à 2.ª fase. A sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2023/2024 acontece no dia 18 de setembro.

abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

plantas com QR code do Relatório de Sustentabilidade

O primeiro Relatório de Sustentabilidade da Ciências ULisboa resulta da monitorização e análise de um conjunto de atividades enquadradas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre 2019 e 2021.

banner do evento

A EUPVSEC 2023 realiza-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica. 

copa das arvores vista de baixo

Já são conhecidos os três vencedores da edição de 2023 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias, um prémio da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO) e da Fundação Amadeu Dias que procura valorizar o trabalho de recém doutorados ao longo do seu programa doutoral. No pódio estão duas alumnae da Ciências ULisboa.

apresentação do livro

Foi concluído recentemente o projeto “Aqua – O uso eficiente da água nos jardins da idade moderna”, um trabalho interdisciplinar que cruza as áreas da História da Ciência, a Engenharia Hidráulica e a Arquitetura Paisagista.

uma rapariga e um rapaz

Todos os anos a Faculdade atribui diplomas e prémios de mérito académico aos seus estudantes, com o apoio de várias entidades e empresas, que valorizam a missão da Faculdade e que passa por investigar, ensinar e estimular a transferência do conhecimento e da inovação e a abertura à sociedade civil.

Exoplaneta e núvens

A Agência Espacial Europeia validou o desenho dos instrumentos científicos da missão Ariel, que conta com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. A missão vai observar a composição química de mil planetas em órbita de outras estrelas, e transformar a compreensão sobre como se formam e evoluem os sistemas planetários.

foto de grupo

No passado dia 26 de julho o Tec Labs - Centro de Inovação recebeu a visita de uma comitiva de representantes da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Brasil, com o objetivo de conhecer em profundidade o ecossistema de empreendedorismo e inovação nacional e os seus principais stakeholders.

árvores no campus da Faculdade

Ciências ULisboa vai implementar no ano letivo de 2023/2024 o projeto “Ciências em Harmonia”. Comprometida com o bem-estar da sua comunidade estudantil e a promoção de competências individuais e sociais dos seus estudantes, a Faculdade vai procurar dar resposta a uma preocupação: a do bem-estar no ensino superior, envolvendo toda a comunidade académica na celebração da diversidade e promoção de inclusão. As atividades têm início já em setembro e vão prolongar-se durante todo o ano letivo.

logotipo do CWTS

ranking de Leiden, que avalia a produção científica de instituições de ensino superior a nível mundial, posicionou a ULisboa na liderança da Península Ibérica, colocando-a na 28.ª posição na Europa e no 131.º lugar a nível mundial.

enguia

No dia 26 julho, pelas 16h00, decorrerá na Ciências ULisboa a sessão de encerramento do projeto “Livro Vermelho e Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental”. O novo Livro Vermelho revela que os peixes de água doce e migradores diádromos se encontram numa situação preocupante.

3 raparigas a apontarem para um ecrã num laboratório

Acontece este ano mais uma edição do “Ser Cientista”. A 8.ª edição do programa, que decorre entre os próximos dias 24 e 28 de julho, visa proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica, pela integração no dia-a-dia dos cientistas de diferentes áreas de Ciências.

António Costa, Elvira Fortunato e Salomé Pais

Salomé Pais foi galardoada com a Medalha de Mérito Científico 2023, durante o Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal, decorrido no início de julho em Aveiro. Para a professora catedrática aposentada do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa esta distinção “simboliza o reconhecimento de uma vida dedicada à ciência”.

imagem de divulgação da exposição Mirabilia

É hoje inaugurada a exposição Mirabilia “Coisas Admiráveis”, que decorre no âmbito das comemorações dos 10 anos da ULisboa e do Dia da Universidade de Lisboa. A exposição integra objetos “admiráveis” das 18 escolas da ULisboa, entre eles um telescópio utilizado por um equipa da Ciências ULisboa na campanha internacional de observação “Venus Twilight Experiment”.

costa maritima

Carlos Antunes, foi nomeado vogal de reconhecido mérito da Comissão de Domínio Público Marítimo, um órgão consultivo da Autoridade Marítima Nacional que estuda e emite pareceres sobre os assuntos relativos à utilização, manutenção e defesa do domínio público marítimo.

Šima Krtalić

Šima Krtalić, aluna de doutoramento da Ciências ULisboa, afiliada ao projeto Medea-Chart, ganhou recentemente a décima edição do prémio "Imago Mundi" 2023 da referida revista académica, destinado a homenagear o melhor artigo em História da Cartografia.

Várias pessoas num sala

Ciências ULisboa participou na 3.ª edição do roadshow EA-IDEIA - Estrutura de Acompanhamento da Investigação, Desenvolvimento, Experimentação e Inovação da Armada, organizado pela Marinha Portuguesa.

Páginas