Opinião

Lisboa Cidade + Resiliente + Segura

260 anos do Terramoto de 1755

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) assinala em 2015 os 260 anos do Terramoto de 1755, organizando um conjunto de atividades integradas no programa “Lisboa Cidade + Resiliente + Segura”.

Os principais objetivos passam por sensibilizar para os riscos dos fenómenos sísmicos e mostrar aos cidadãos como agir antes, durante, e depois de situações de emergência causadas por sismos e outros desastres naturais. Ao longo de 2015, a CML vai organizar um conjunto de atividades alusivas à memória do Terramoto de 1755, desde simulacros, formação de equipas de segurança e de voluntários da proteção civil, conferências, palestras, workshops, exposições e percursos a zonas emblemáticas com referência ao terramoto.

Na apresentação do programa, que decorreu nos Paços do Concelho no dia 26 de janeiro, esteve presente também o presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, Jorge Miranda, professor catedrático do DEGGE. Numa alusão à importância da preparação, quer a nível das infraestruturas, quer a nível da interiorização de procedimentos e comportamentos adequados em casos de emergência, focou a necessidade de "preparar infraestruturas para que haja informação a tempo e para que as pessoas consigam decidir ao último minuto".

logotipo
Resiliência numa cidade = Capacidade de resistir aos efeitos de uma catástrofe através do planeamento e da prevenção, propiciando bem-estar e segurança aos cidadãos
Fonte Cedida por DPC - CML

A iniciativa insere-se também no programa “100 Resilient Cities”, promovido pela Fundação Rockefeller, e que se dedica a ajudar as cidades a melhorarem a resposta a catástrofes naturais, às alterações climáticas ou a desafios sociais. A capital portuguesa foi uma das 35 cidades escolhidas em dezembro de 2014 para integrarem o grupo das “100 Cidades Resilientes”, que serão apoiadas pela Fundação Rockefeller. Segundo a fundação, os membros da rede – que estarão interligados com vista à troca de experiências e soluções – receberão apoio logístico, financeiro e técnico. No caso de Lisboa, os desafios centram-se nas temáticas da resistência sísmica, envelhecimento da população, envelhecimento das infraestruturas e capacidade de respostas a inundações, subida do nível do mar e derrocadas. Em 2013 foram escolhidas as primeiras 32 cidades. Em 2014 concorreram mais de 300 câmaras municipais, tendo sido escolhidas apenas 35, entre as quais a de Lisboa. Em 2015 serão conhecidas as restantes 33, que completam o grupo das “100 Resilient Cities”. A rede, além de Lisboa, já inclui cidades como Barcelona, Londres, Paris, Milão, Boston, Chicago, Sidney, Singapura, Los Angeles, Nova Iorque, Rio de Janeiro e Roma.

Ciências associa-se ao programa “Lisboa Cidade + Resiliente + Segura – 260 Anos do Terramoto de 1755”, apoiando várias atividades de formação e sensibilização do Departamento de Proteção Civil da CML. Os investigadores do grupo de Sismicidade, Vulcanismo e Processos Litosféricos do Instituto Dom Luiz marcaram presença no dia 14 de janeiro no 24.º aniversário do Tinoni. A casa do Tinoni , localizada nos serviços de proteção civil da capital, integra o projeto municipal Crescer (na) Segurança, criado em 1992 e tem como população-alvo crianças dos cinco aos dez anos. Neste espaço, cada criança aprende a identificar os riscos que corre no seu dia-a-dia e as regras mais ajustadas a cada situação.

O mesmo grupo de investigadores esteve também presente no dia 26 de janeiro na sessão de esclarecimento “Quando o chão nos falha” no Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, onde se realizaram atividades de simulação de tremores de terra e tsunamis e o impacto dos abalos sísmicos em diferentes tipos de edifícios, e onde se debateu a sismicidade que afeta a cidade de Lisboa, a vulnerabilidade dos solos e dos diferentes tipos de construção, as medidas preventivas e os planos de intervenção em caso de sismo.

O Centro Europeu de Riscos Urbanos, que também integra docentes e investigadores de Ciências, está envolvido na sensibilização e divulgação do risco sísmico e de tsunamis. Com a colaboração da CML, apoia e participa estas atividades através do projeto INsPIREd, financiado pelo Conselho da Europa.

Laboratório da Faculdade
Visita ao C2
Fonte Cedida por DPC - CML

Importa reforçar que a melhoria das condições de segurança depende da melhoria dos comportamentos e atitudes de cada indivíduo, mas também da cultura institucional e das intervenções práticas que contribuem para a melhoria das respostas institucionais. Com base neste princípio, Ciências solicitou a ajuda do Departamento de Proteção Civil (DPC) da CML para dar início a um plano de intervenção para a redução do risco sísmico nos seus edifícios. Numa primeira fase, que decorrerá até setembro de 2015, os laboratórios de Ciências irão receber a visita de uma equipa do DPC-CML para diagnóstico e elaboração de recomendações e propostas de melhoria. A Assessoria para a Segurança do Trabalho e a Unidade de Infraestruturas e Apoio Técnico acompanharão essas visitas e a implementação das medidas recomendadas. A primeira destas visitas realizou-se no dia 5 de fevereiro nos laboratórios do edifício C2. A Faculdade conta ainda com a presença do DPC-CML nos simulacros e exercícios de evacuação dos edifícios a realizar durante o ano de 2015 e em ações de sensibilização que decorrerão no mês de setembro em Ciências.

Ao evocar o Terramoto de 1755, pretende-se ir construindo uma cultura de prevenção nos caminhos de Lisboa e, com isso, aumentar a resiliência e a segurança da capital face aos riscos de catástrofes. Ao passar pelo Campo Grande, o mote é o mesmo: “Ciências Faculdade + Resiliente + Segura”.

Júlia Alves, técnica superior da Assessoria para a Segurança do Trabalho da Faculdade de Ciências da ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas