Nem todas as poeiras são nocivas

Membros da expedição em frente do RV Pelagia

Membros da expedição em frente do RV Pelagia no porto do Mindelo, em Cabo Verde

Jan-Berend Stuut

Atlântico Tropical em estudo - próximos passos

Na sequência desta investigação, Catarina Guerreiro abraça agora um novo desafio que a levou a integrar uma expedição multidisciplinar a bordo do navio holandês RV Pelagia, para investigar os processos biogeoquímicos relacionados com as correntes de afloramento e a deposição de poeira do deserto no Atlântico tropical do Nordeste.
"Esta nova etapa de investigação ajudará a identificar as espécies de cocolitóforos que mais influenciam a bomba biológica de carbono na região, e irá permitir calibrar o potencial paleoecológico deste grupo de fitoplâncton como ferramenta para estudar as condições oceânicas e a deposição de poeiras atmosféricas no passado geológico desta região", destaca Catarina Guerreiro.
O objetivo é combinar os dados biológicos, hidrológicos e sedimentológicos recolhidos durante a expedição com os dados destas boias e armadilhas de sedimentos para investigar a relação entre a deposição de poeiras do Sara e as mudanças nas comunidades de fitoplâncton que vivem na zona fótica subjacente. Uma vez que esta região faz parte do Sistema de Afloramento da Fronteira Oriental da Corrente das Canárias (EBUS), os resultados desta expedição contribuirão para os objetivos do projeto PRIMUS - PRIMary-productivity in Upwelling Systems, financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA), onde a investigadora lidera um trabalho na área das Ciências da Terra utilizando dados de fluxo de partículas de uma armadilha de sedimentos ancorada ao largo do Noroeste de África.

A Ciências ULisboa destacou no passado mês de dezembro - na EurekAlert - uma história sobre um estudo, que relata evidências sem precedentes de respostas ecológicas do fitoplâncton calcificante à deposição de nutrientes fornecidos pela poeira do Sara.

Este trabalho publicado em abril de 2023 na revista científica Frontiers in Marine Science tem como primeira autora Catarina Guerreiro, micropaleontóloga e investigadora em bio geociências marinhas na Ciências ULisboa, nomeadamente no Departamento de Biologia Vegetal (DBV), no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto Dom Luiz (IDL); representante nacional do SOLAS - Surface Ocean – Lower Atmosphere Interactions Study, membro da ARNET e da Direção da Fundação do INA - International Nannoplankton Association.

A deposição da poeira do Sara no oceano transporta elementos como o ferro e o fósforo, nutrientes essenciais para a fertilização do fitoplâncton marinho, sobretudo em regiões remotas e afastadas dos continentes, onde o oceano é mais quente e mais pobre em nutrientes durante a maior parte do ano. É através do fitoplâncton, um grupo de organismos constituído por minúsculas (microscópicas) algas marinhas que realizam fotossíntese para se reproduzirem, à semelhança do que acontece com as plantas terrestres, que o oceano cumpre o duplo papel de fonte de oxigénio e de "sumidouro" de CO2 atmosférico - um contributo crucial para manter a atmosfera "respirável" para a vida na Terra.

"É importante salientar que observámos um aumento da abundância de cocolitóforos - um grupo especial, muito particular e bio geoquimicamente importante de fitoplâncton marinho devido à sua capacidade de calcificação", diz Catarina Guerreiro.

Isto permite que os cocolitóforos interajam e influenciem o ciclo do carbono marinho de três formas: como sumidouro natural de CO2, através da fotossíntese; como fonte natural de CO2, através da bio mineralização do exoesqueleto; e, finalmente, como fonte natural de lastro mineral que contribui para facilitar o afundamento e subsequente sequestro de carbono no oceano profundo.

"Quaisquer alterações na produtividade deste grupo [cocolitóforos] têm um enorme potencial para alterar a bomba biológica de carbono, uma vez que esta é determinada pela taxa a que o carbono é biologicamente sequestrado da atmosfera através da fotossíntese e subsequente afundamento e sequestro no oceano profundo sob a forma de carbono orgânico e inorgânico particulado", acrescenta a cientista.

Florescimento de coccolitóforos
Floração de cocolitóforos capturada na superfície do Oceano Atlântico NE tropical, em abril de 2016. Imagem obtida através do Microscópio Eletrónico do DBV Ciências ULisboa
Fonte Telmo Nunes e Catarina Guerreiro

Este estudo resultou da colaboração entre a Ciências ULisboa -  MARE e IDL - e o Plymouth Marine Laboratory e a University of East Anglia (Reino Unido); o Royal Netherlands Institute for Sea Research (Holanda) e o Institut de Ciencies del Mar (Espanha). Baseia-se em dados multidisciplinares que foram recolhidos durante o Transecto Meridional Atlântico (AMT28) entre setembro e outubro de 2018.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.

Destaques sobre esta história nos media internacionais e nacionais: Phys Org, Life Technology, ECO Magazine, BNN Breaking,  media nacionais:Creative News, Exame Informática, Atlas da Saúde, Correio de Lagos, Medjournal, PT Jornal, Sábado, Terras do Homem, Centro TV, Ambiente Magazine, Funchal Notícias, Green Savers, Alvorada e Público.

O artigo “Response of coccolithophore communities to oceanographic and atmospheric processes across the North- and Equatorial Atlantic” é assinado ainda por Afonso Ferreira, Luisa Cros, Jan-Berend Stuut, Alex Baker, Andreia Tracana, Catarina Pinto, Vera Veloso, Andrew P. Rees, Mário Cachão, Telmo Nunes e Vanda Brotas.

Marta Daniela Santos, Gabinete de Comunicação de Ciência com Gabinete de Jornalismo da DCI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas