Opinião

Compostor FCUL

Um ano: 40m3 de resíduos e 11,2 toneladas de composto

pilhas de compostagem

Arejamento das pilhas de compostagem

HortaFCUL

A compostagem, apesar de recente na FCUL, é um processo bastante natural e conhecido da nossa espécie. Os primeiros registos datam de há 4500 anos, na Mesopotâmia.

Produziu-se cerca de 11,2 toneladas de composto fino, que tem sido utilizado no viveiro para a propagação de plantas, nos vários projetos e canteiros da HortaFCUL, doação a voluntários e partilhados com a comunidade FCUL na banca da dádiva.

Desde então, vários povos e civilizações - incluindo os romanos, gregos, egípcios e chineses -, amontoavam em pilhas a matéria vegetal, estrumes, restos de comida ou outros resíduos orgânicos, deixando-os a decompor onde eram posteriormente devolvidos ao solo, com o intuito de os fertilizar e nutrir. No entanto, após a II grande Guerra Mundial, com o auge da industrialização, surge a crescente utilização de fertilizantes químicos e os métodos tradicionais de fertilização acabaram por cair em desuso e esquecimento.

pilhas de compostagem
Arejamento das pilhas de compostagem
Fonte HortaFCUL

Com a temática da sustentabilidade este é um tema que volta a estar na agenda, e a FCUL tem dado o exemplo. O compostor da FCUL foi inaugurado há pouco mais de um ano, em 27 de novembro de 2016, numa parceria entre a HortaFCUL, o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da FCUL e o cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, pelo que esta é uma excelente desculpa para refletir sobre este primeiro ano de vida.

Rosto de David Avelar
David Avelar

Rosto de Floriam Ulm
Floriam Ulm

 

Rosto de Gul Penha-Lopes
Gil Penha-Lopes

Desde o seu início, realizaram-se cinco ciclos de compostagem, ou seja, desde a criação da pilha de compostagem, dois momentos de arejamento, até se peneirar o composto já depois de maturo e o processo de compostagem finalizado. Tentou-se seguir as boas práticas de compostagem, sendo que os resultados esperados são a eliminação de substâncias tóxicas, a redução de organismos patogénicos, a eliminação de sementes indesejadas, a redução da capacidade de fermentação com a estabilização da matéria orgânica e a eliminação de maus odores.

Digeriu-se cerca de 40 m3 de resíduos de jardim, dos quais deram entrada na zona de receção de resíduos cerca de 9m3 de ramos, 18m3 de folhas e castanhos e 14m3 de relva. Estes resíduos de jardins levaram um pré-tratamento, tendo sido triturados cerca de 7 m3 de ramos.

Os 40m3 de resíduos correspondem a cerca de 28 toneladas, sendo que se criaram cinco pilhas de compostagem e reviraram-se duas vezes cada pilha, o que quer dizer que os voluntários carregaram cerca de 80 toneladas de material orgânico, em cerca de 45 horas de trabalho. 

Este composto pode ser utilizado como corretivo agrícola, dado que os teores de matéria orgânica da maioria dos solos agrícolas portugueses são baixos, particularmente no sul do país, devido às condições ambientais que favorecem a mineralização e por más práticas agrícolas, que contribuem para perdas de matéria orgânica no solo superiores à incorporação. Portugal continental apresenta os valores mais desfavoráveis entre os países do Sul da Europa, com 66% dos seus solos classificados de baixa qualidade, de acordo com a Carta de Solos de Portugal.

O compostor tem chamado a atenção de muitos interessados, tendo sido objeto de formação em compostagem, utilizado em aulas práticas de Biologia e o centro de inúmeros visitantes. 

Pessoas no compostor
Visitas ao compostor
Fonte HortaFCUL

Fica o desafio à comunidade para levar um pouco deste composto e testar nos vasos lá de casa o seu sucesso. As plantas e o planeta agradecem!

David Avelar, Floriam Ulm e Gil Penha-Lopes, guardiões da HortaFCUL
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas