Grande Prémio Ciência Viva 2021

Entrevista com… Maria Amélia Martins-Loução

Maria Amélia Martins-Loução

Maria Amélia Martins-Loução é doutorada em Biologia e agregada em Ecologia e mais recentemente concluiu o mestrado em Comunicação de Ciência

ACI Ciências ULisboa

Salvar a biodiversidade: ainda vamos a tempo?

Em setembro passado a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), durante a Feira do Livro de Lisboa, organizou uma sessão de apresentação do livro “Riscos Globais e Biodiversidade”, da autoria de Maria Amélia Martins-Loução, acompanhada do debate “Salvar a biodiversidade: ainda vamos a tempo?”. Questionada com igual pergunta, Maria Amélia Martins-Loução responde: “Eu sou otimista por natureza por isso julgo - e acredito - que sim. Não a totalidade, mas também isso seria impossível tendo presente o conhecimento sobre a evolução e adaptação das espécies”.

A obra com uma tiragem de 5000 exemplares e preço de capa 3,5€ tem como público alvo a sociedade em geral, especialmente estudantes a partir do ensino secundário. Maria Amélia Martins-Loução ficou muito contente por ter sido convidada pela Fundação e acha que estes temas são importantes em termos de difusão do conhecimento.

Para António Araújo, diretor de Publicações da FFMS, trata-se de uma obra que integra a coleção de Ensaios, uma iniciativa própria da Fundação, que entendeu ser essencial abordar a temática das alterações climáticas e da biodiversidade, convidando para o efeito uma das mais conceituadas especialistas na matéria. “A urgência do problema e a sua magnitude farão, aliás, com que este não seja o último livro da FFMS sobre riscos globais, existindo até o firme compromisso de, no próximo ano, as alterações climáticas se converterem numa das linhas prioritárias da ação da Fundação Francisco Manuel dos Santos”, conclui.

Para Maria Amélia Martins-Loução, o título deste livro pretende realçar a ligação entre diferentes riscos globais e a biodiversidade, como ferramenta para minimizar os presentes problemas ambientais. “Este livro aborda as causas e consequências de muitos dos riscos globais atuais, através das lentes do metabolismo energético, da necessidade de alimentar uma população que aumenta exponencialmente e, por consequência, da sobre-exploração dos recursos naturais. Na primeira parte, intitulada ‘Riscos das Alterações climáticas’, tratam-se alguns conceitos sobre o metabolismo energético e as alterações climáticas, profundamente ligados à dependência energética dos seres vivos. Todos os processos metabólicos necessitam energia e todo o ecossistema está dependente de fluxos energéticos contínuos. A complexidade de formas de vida, o aparecimento do Homem e o crescimento e desenvolvimento social daí inerente, aumentou a necessidade de mais energia, da sua exploração e diversificação de consumo. Toda a utilização de fontes de energia traz desperdícios. Enquanto nos ecossistemas naturais os fluxos energéticos tendem para o equilíbrio através dos ciclos de nutrientes, nos sistemas urbanos os desperdícios perdem-se no ambiente alterando a atmosfera, a qualidade da hidrosfera e a diversidade funcional do solo. O ‘Risco inerente à produção de alimento’ é abordado na segunda parte. Quando se fala nos riscos devido às alterações climáticas explicam-se que advêm, sobretudo, da dependência dos combustíveis fósseis, para produção de energia e na mobilidade. Mas o aumento de população pressupõe e exige aumento de alimento. Alimento que é simultaneamente fonte e gasto de energia. Esta parte procura mostrar os atuais desafios da ciência muito ligados ao modo como se pode aumentar a produção, minimizando os impactes através da diversificação de sistemas agrícolas e da alteração de hábitos alimentares. A terceira e última parte deste livro aborda os ‘Riscos da Perda de Biodiversidade’. Mais do que alterações climáticas assiste-se a uma alteração global profunda do planeta em resultado da escassez de reservas e do excesso populacional. A perda de biodiversidade é, sobretudo, o resultado da alteração no uso da terra, principalmente a conversão de ecossistemas nativos em sistemas agrícolas para alimentar o mundo, e da sobre-exploração dos oceanos. A minimização dos riscos e dos subsequentes impactes pode ser realizada através do desenvolvimento de projetos de restauro ecológico com vista a repor e assegurar os serviços do ecossistema”, conta.

O Grande Prémio Ciência Viva 2021 distinguiu Maria Amélia Martins-Loução pela sua “ação notável na promoção da cultura científica enquanto professora, bióloga e divulgadora na área da Ecologia”.

A professora aposentada com acordo de cooperação do Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade, investigadora no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), polo da Faculdade e presidente da Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco) “sempre fez aquilo que gostava de fazer” – disse-o à Ciência Viva antes da cerimónia de atribuição do prémio, num vídeo que passou durante o evento transmitido pelo YouTube, que contou com testemunhos, que a deixaram emocionada e salientaram a sua generosidade, sentido de responsabilidade, cidadania ativa e enorme alegria de aprender, marca dos grandes cientistas e comunicadores de ciência.

Nesta entrevista, publicada na área de notícias do site da sua Faculdade, partilha um comentário com os leitores: “Não parem nunca de querer saber. O conhecimento científico adquire-se aprendendo. Por isso, o esforço contínuo em inovar e cruzar saberes vale sempre a pena. Não para procurar distinções, mas por vocês, pelo puro prazer da aprendizagem e da transmissão do conhecimento”.

Estava à espera de ser distinguida com este prémio? Porquê?

Maria Amélia Martins-Loução (MAML) - Nunca esperei esta distinção. Aliás, todas as que tenho tido ao longo da minha vida, não faço nada por elas. Eu faço o que faço não para angariar louvores ou com ideias preconcebidas de valorização. Nunca fiz enquanto necessitava de fazer curriculum académico, muito menos agora. O que faço é por puro prazer, pela necessidade de divulgar, pela responsabilidade que sinto em continuar a transmitir o que sei aos outros.

Que comentário gostaria de deixar aos nossos leitores sobre esta distinção?

MAML - Não parem nunca de querer saber. O conhecimento científico adquire-se aprendendo. Por isso, o esforço contínuo em inovar e cruzar saberes vale sempre a pena. Não para procurar distinções, mas por vocês, pelo puro prazer da aprendizagem e da transmissão do conhecimento.  

Como analisa a cultura científica em Portugal?

MAML - Julgo que apesar do fraco investimento financeiro que ainda subsiste, o mundo académico tem tido a capacidade de mobilizar a juventude para o interesse genuíno em programas científicos, criando um caldo de cultura que tem crescido. Acho que as universidades sentem agora essa necessidade de se abrir à sociedade e de criar um élan de qualidade e novidade que motive e incentive os jovens a vir ter connosco. E isso é muito positivo.  Por outro lado os museus e centros de ciência estão muito pro-ativos levando até eles muito mais pessoas que, a pouco e pouco, vão levando a cultura científica e especialmente o interesse pela ciência a muito mais pessoas. Isto cria uma onda de atividades que se vai repercutindo e aumentando a cultura científica dos portugueses.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

MAML - Neste momento há ofertas diversificadas e em certos períodos do ano de tal modo elevadas que pode levar a um certo desinteresse. Por isso, há que desenvolver programas cada vez mais inovadores onde o público possa participar de forma ativa para se sentir envolvido na própria atividade. As tertúlias interdisciplinares, os world café são muito inspiradores e bem-sucedidos se forem bem conduzidos. E quando digo interdisciplinares digo mesmo isso, por exemplo, entre ciências e letras, à volta da ligação entre literatura e ciências ou arte e ciências ou mesmo entre Matemática e outras ciências. Eu fiz isso na exposição da Aventura da Terra no Ano da Matemática e foi espantoso como consegui levar diferentes matemáticos a interagir com biólogos, geólogos, físicos (é mais natural) e químicos de forma complementar e intuitiva. Tudo a propósito da evolução da Terra e da vida neste nosso planeta. Tudo isto foi organizado aos sábados de manhã e tivemos pessoas dos 15 aos 60, com formação em letras ou ciências. Que eu me lembre não houve adultos com o ensino secundário, apenas alguns jovens do 3.º ciclo e secundário. Infelizmente nunca tratei estes dados e devia!

Que planos tem para curto/médio prazo? 

MAML - Enquanto tiver saúde quero continuar a fazer o que tenho feito até aqui. Continuar a estudar, a ler todas as novidades científicas que surjam e a procurar transmitir o meu conhecimento aos jovens. Espero para o ano começar a implementar os cursos curtos para estudantes universitários dentro da área da Ecologia, cursos de formação de professores e conteúdos educativos para disponibilização online. E escrever… e é melhor não prometer mais nada porque são tantos os projetos que tenho em mente que já nem sei quais são os de curto e os de médio prazo.

Lançamento dos filmes LTER Portugal ocorreu na Faculdade

Maria Amélia Martins-Loução deu as boas-vindas e acompanhou todos aqueles que participaram na sessão de lançamento dos filmes LTER Portugal, ocorrida no passado dia 23 de novembro, no campus da Faculdade. Durante a iniciativa organizada pela Speco foi possível assistir aos quatro filmes produzidos e realizados por Miguel Cortes Costa e Carolina Castro Almeida e que retratam o trabalho de décadas de investigação dos ecossistemas portugueses de norte a sul do país. A Rede Nacional de Sítios e Plataformas de Investigação Ecológica de Longo-Prazo (LTER) tem uma escala espacial muito vasta e nela é realizada investigação a longo prazo. Margarida Santos-Reis, coordenadora da LTER Portugal e do LTsER Montado, foi uma das oradoras do acontecimento.

Maria Amélia Martins-Loução é doutorada em Biologia e agregada em Ecologia e mais recentemente concluiu o mestrado em Comunicação de Ciência. É autora de mais de 250 títulos, entre capítulos, livros, artigos e textos de divulgação.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista com… Rui Agostinho
João Lin Yun

João Lin Yun distingue-se na área da Física e da Astronomia. No seu currículo, diversidade de atividades organizadas e desenvolvidas dentro do território nacional e fora dele são um marco evidente. Para além da forte aposta na carreira profissional, a vida do professor da FCUL é marcada também pela escrita.

João Lin Yun

“Quando escrevo, há alturas em que as ideias e o material fluem de forma tão espontânea que me surpreendo com o resultado! É como se as personagens tomassem as rédeas e dissessem: ‘quero dizer isto e fazer aquilo!’ E eu limito-me a obedecer-lhes…”, comenta o professor da FCUL, João Lin Yun.

As candidaturas à formação avançada decorrem até 13 de dezembro. Para esta 1.ª edição, que se inicia a 13 de janeiro de 2014, devem ser atribuídas seis bolsas mistas cujos trabalhos decorrem em Portugal e no estrangeiro, com o intuito de desenvolver projetos conjuntos entre países.

Paulo Veríssimo, professor catedrático do DI-FCUL, participou no passado dia 25 de novembro de 2013, no programa "Sociedade Civil", transmitido na RTP2.
 
António Branco

Um dos resultados chave da análise levada a efeito é o de que a língua portuguesa é um dos idiomas para o qual a preparação tecnológica para a era digital é "fragmentária".

Imagem abstrata da  "Philosophy of Science in the 21st Century - Challenges and Tasks"

Durante o evento será lançado o programa doutoral em Filosofia da Ciência, Tecnologia, Arte e Sociedade, recentemente aprovado pela FCT, com a mais elevada classificação: “Exceptionally strong with essentially no weaknesses”.

Rita Cascão

O sucesso do Biobanco-IMM é promovido pelo contínuo aumento de parcerias e colaborações não só com empresas de biotecnologia e unidades de saúde, mas também com institutos de investigação científica e investigadores académicos de ciências básicas, como os investigadores da FCUL.

SIMPLES AZULEJOS

Azulejos quadrados e Matemática

 

Bandeira de Marrocos

Atualmente a equipa prossegue com os trabalhos de correção de falhas e de afinação do CuCo de modo a dar apoio às sete faculdades marroquinas e a prepará-lo também para entrar em operação no DI-FCUL já no próximo ano letivo.

José Afonso

Chama-se galáxia IRAS 08572+3915 e é a mais luminosa do universo local. José Afonso é um dos membros da equipa de astrónomos internacionais, que anunciou recentemente a descoberta. O investigador da FCUL e dirigente do CAAUL é muito otimista quanto ao presente e futuro desta área científica.

Consulte informação adicional aqui.

Bill Fyfe foi um grande amigo de Portugal. Orientou ou coorientou vários doutoramentos de portugueses, acerca de temas relevantes para Portugal e fomentou as ligações científicas entre Portugal-Brasil-Canadá. Em 1990 a Universidade de Lisboa outorgou-lhe o grau de doutor honoris causa.

Uma das consequências do aumento da disponibilidade de fontes laser de maior potência, compactas e a baixo preço é o aumento da sua má utilização.

Circo Matemático

“O objetivo do Circo é mostrar que é possível utilizar resultados matemáticos para produzir resultados espetaculares e para divertir e motivar as pessoas”, explicou o professor da FCUL, Pedro Freitas.

Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias.

Inscrições 2013/2014

Atualmente estudam na FCUL mais de cinco mil alunos, a maioria conhece bem os cantos da casa centenária, outros nem tanto, por isso é especialmente importante o acolhimento dado durante o arranque do ano letivo, que o digam a Catarina, a Leonor e o Ricardo!

Joaquim Dias

Num planeta com mais de 7000 milhões de pessoas, vão ser necessárias quantidades enormes de alguns recursos naturais que começam a escassear. Chegará em breve a era da mineração submarina? Existe tecnologia adequada? Será possível a mineração em condições de preservar a diversidade natural dos ecossistemas marinhos?

Ana Bastos

Através de diversas atividades práticas vamos aprender qual o papel do sol na dinâmica da atmosfera e do oceano, qual a importância dos oceanos, das calotes polares e da vegetação, como se formam as nuvens e os sistemas meteorológicos, e como funciona o ciclo da água.

Foi a 26 de Outubro que se realizou a Maratona Inter-Universitária de Programação, 2013, (MIUP2013).

Uma das surpresas do Dia Internacional passa pela exposição do concurso de fotografia lançado recentemente e alusivo ao tema “Mobilidade Internacional”.

Maria Inês Cruz

Atualmente, para além do “básico” lápis de grafite com que todos ainda escrevemos, até o desenvolvimento dos carros híbridos está dependente da evolução e extração dos recursos da nossa “casa”.

Susana Custódio

Como é que são gerados os tremores de Terra? E os tsunamis? Como é que nós reconhecemos no terreno a existência de tsunamis antigos? Porque é que na Nazaré vemos ondas tão grandes? Todos estes fenómenos são o reflexo de um enorme dinamismo do nosso planeta.

SCOPUS é também uma ferramenta para estudos bibliométricos e avaliações de produção científica.

Páginas