Entrevista a…

Diego Rubiera-Garcia

Diego Rubiera-Garcia

"Já analisei mais de 80 artigos para 17 revistas"

cedida por DRG

Diego Rubiera-Garcia, investigador pós-doutorado do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) do polo de Ciências ULisboa, desde outubro de 2015, deixou-se deslumbrar aos 14 anos pelo livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. A Física passou, desde esse momento, a ser uma área de grande interesse para si.

Hoje em dia, para além da investigação centrada no estudo de modificações à teoria da gravitação de Einstein de modo a descrever o espaço-tempo em regimes de densidade extrema, evitando os valores físicos infinitos previstos pela teoria clássica, Diego Rubiera-Garcia é revisor científico. Até ao verão passado já havia analisado mais de 80 artigos para 17 revistas científicas. Em 2017, a revista científica a Europhysics Letter, reconheceu o seu trabalho atribuindo-lhe o prémio Distinguished Referee Award. Foi o único investigador em Portugal a ser distinguido nesse ano, período em que foi distinguido com um Peer Review Award 2017 pelo website Publons.

Como surgiu o interesse pela Física?

Diego Rubiera-Garcia (DRG) - Era um garoto de 14 anos quando li o livro "A Criação do Universo", chocou-me muito saber o que tinha acontecido alguns segundos após o big-bang. Desta forma, decidi estudar Física.

Quais foram até agora as principais experiências profissionais?

DRG - Fui pós-doutorado no Observatório de Paris-Meudon, em França, na Universidade de Oviedo, em Espanha, na Universidade Federal da Paraíba, no Brasil, na Universidade de Fudan, na China e, desde 2015 no polo de Ciências ULisboa do IA.

Diego Rubiera-Garcia é o orador do próximo seminário do Departamento de Física de Ciências ULisboa. “Black holes, other fantastic beasts, and how to find them” é o tema do evento, que ocorre a 7 de novembro, pelas 14h00, no edifício C1, sala 1.4.14.

Como é o seu dia-a-dia?

DRG - O meu dia-a-dia é baseado principalmente em pesquisas da Física fundamental: passo muito tempo a fazer cálculos e a escrever artigos. Também faço outras atividades como: gestão de projetos, leitura de artigos, ser juiz, editor, dou palestras, entre outros. O que mais gosto mesmo é de fazer pequenos cálculos sobre ideias que me vêm à mente.

Quando é que começou a sua atividade como revisor científico (e como é que surgiu essa possibilidade)?

DRG - O primeiro artigo que recebi foi o da revista Physics Letters A em 2011. Normalmente, as revistas enviam artigos para revisão quando consideram que é um especialista em algum assunto. Isso normalmente requer ter publicado vários artigos sobre esse assunto ou relacionados.

Em que consiste esse trabalho?

DRG – Temos de ler o artigo em detalhes, determinar se é tecnicamente correto, original, se traz algo novo, se está bem escrito, se é entendido e, finalmente, se o seu nível é bom o suficiente para a revista. Isto requer um grande esforço.

O que é mais gratificante nesse trabalho?

DRG - Aprendo coisas novas e vejo como outros autores tentam entender um problema do começo ao fim.

Com quantas revistas colabora, nesta altura?

DRG - Desde o meu primeiro artigo, já analisei mais de 80 artigos para 17 revistas.


O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

Quais são os assuntos tratados nesses artigos?

DRG - Um pouco de tudo: gravitação, buracos negros, Cosmologia, big-bang, eletrodinâmicas, estrelas de neutrões, buracos de minhoca, Astrofísica, relatividade, matéria e energia escura, Matemática aplicada, ondas gravitacionais, singularidades, mundos-brana, gravidade quântica, inflação, defeitos topológicos...

O que significam para si estas distinções?

DRG - É um reconhecimento importante do esforço investido na compreensão da nova Física.

Ficou surpreendido?

DRG - É o primeiro prémio que uma revista me atribui a propósito deste assunto. Sou o único investigador em Portugal que recebeu este prémio nesse ano, o que me deixa orgulhoso. Além disso, a revista teve o bom gesto de me enviar uma versão em papel da distinção e uma agenda!


Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang

A sua investigação é centrada no estudo de modificações à teoria da gravitação de Einstein de modo a descrever o espaço-tempo em regimes de densidade extrema, evitando os valores físicos infinitos previstos pela teoria clássica. Qual a finalidade deste trabalho?

DRG - Existem certos fenómenos físicos que não são bem compreendidos dentro da Relatividade Geral de Einstein, como as singularidades dentro dos buracos negros e no universo primitivo, bem como a introdução de matéria escura e energia, das quais ainda não temos confirmação experimental direta. O meu trabalho concentra-se em estudar o limite de altas energias da Relatividade Geral, com o objetivo de resolver as singularidades, bem como buscar modificações nos buracos negros e outros objetos compactos. Finalmente, procuro também cenários observacionais onde os desvios da Relatividade Geral possam ser testados, por exemplo, através de ondas gravitacionais ou diferentes fenómenos astrofísicos relacionados a estrelas de neutrões. O objetivo final é ajudar a determinar se existe uma teoria gravitacional mais fundamental do que a relatividade. Quase nada!

Que planos tem para o futuro?

DRG - Muitos! Já que a verificação da existência de ondas gravitacionais a partir do colapso de duas estrelas de neutrões permitiu eliminar muitas propostas de teorias gravitacionais (que eram perfeitamente viáveis do ponto de vista da Cosmologia). As minhas pesquisas estão no estudo de diferentes fenómenos astrofísicos. Em particular, estou interessado no estudo da Astrofísica dos objetos compactos (em particular, buracos negros, mas também estrelas de neutrões), e em descobrir um mundo de novas possibilidades para observações experimentais através das ondas gravitacionais, do intenso desvio gravitacional, das massas máximas das estrelas de neutrões... Há tantas coisas para fazer! 

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Levada Wanderungen, Madeira

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

Constituição da AMONET no notário em 2004

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

Vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF no JBT

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

Homenagem a Helena Iglésias Pereira

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

Pormenor da impressão artística do processo de fusão da galáxia NGC 6240

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Carlos Lopes e Margarida Amaral

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

Campus Ciências ULisboa

À Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior compete a avaliação e acreditação de ciclos de estudos. Este ano letivo estão em avaliação 21 ciclos de estudos. Leia o artigo de Rebeca Atouguia, coordenadora da Área de Estudos, Planeamento e Qualidade da Faculdade.

Zygodon forsteri (Dicks. ex With.) Mitt

“Tive uma educação científica de excelência”, conta César Garcia, que concluiu os estudos em Ciências ULisboa, primeiro a licenciatura em Biologia Vegetal Aplicada, depois o doutoramento em Biologia, especialidade em Ecologia, com um trabalho sobre a Biodiversidade de Carvalhais da Rede Natura 2000.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta a ocorrência que, no passado sábado, vitimou mortalmente um ex-aluno da licenciatura em Tecnologias de Informação. Estamos todos em estado de choque e transmitimos aos familiares e amigos as mais profundas condolências.

Dia Internacional em Ciências 2019

As candidaturas a um período de estudos ou de investigação ao abrigo do Programa Erasmus+ na Faculdade começaram a 1 de dezembro, mas os estudantes puderam informar-se logo no Dia Internacional em Ciências dos tipos de mobilidade em curso, bem como dos requisitos necessários para a respetiva candidatura, que termina no último dia do ano.

Tabela Periódica no C8

Isabel Pinheiro podia ter escolhido uma carreira na área da investigação, mas optou pelo ensino. “Cada descoberta, cada aula, cada aula partilhada com um colega é um momento diferente”, refere a professora de Física e Química da Escola Seomara da Costa Primo, apaixonada pela educação e pela tabela periódica, que em 2019 celebra 150 anos.

"A memória da FFCUL, instituição, que soube merecer uma apreciação inequivocamente positiva dos investigadores que serviu, e de todas as instituições que financiaram as suas atividades, será mantida no seu site, onde se encontram todos os relatórios e contas desde 2009, e onde se pode seguir, com toda a transparência, a vida da FFCUL." Leia o artigo de José Manuel Rebordão, ex-presidente do Conselho Diretivo e da Comissão Liquidatária da FFCUL.

Universidade Agostinho Neto

Após o sucesso dos mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, dos quais resultaram os primeiros 25 mestres em Angola nestas áreas, iniciou-se este ano, a 2.ª edição do mestrado em Gestão e Governança Ambiental, com novos 25 alunos. José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, esteve em serviço externo em Angola, tendo regressado a Portugal este sábado, dia 14 de dezembro, após fechar com sucesso o 1.º ano curricular de mais uma edição deste programa.

Imagem abstrata Ciências ULisboa

"A compreensão do tempo pode ser feita em função dos ganhos e perdas de informação. Assim, a adaptação é um ganho de informação, a degradação é um tipo de perda e implica um aumento de entropia. Os fenómenos complexos aparecem entre os estados de baixa e os de alta entropia, onde a baixa entropia dá-nos a ordem da complexidade", in no Campus com Helder Coelho.

O Tec Labs - Centro de Inovação da Faculdade participou numa missão de quatro dias, na Alemanha, organizada pelo Health Cluster Portugal (HCP). Leia a crónica publicada no blog do Centro de Inovação da Faculdade e saiba como decorreu a visita.

O Prémio Breakthrough em Física Fundamental 2020, um dos mais prestigiantes em Física, foi atribuído ao projeto Event Horizon Telescope (EHT) e a cada um dos 347 membros, incluindo o português Hugo Messias, antigo aluno da Ciências ULisboa e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Hugo Messias foi ainda galardoado este ano com o prémio GQ Men of the Year, na categoria ciência.

Andreia Tracana, Giulia Sent e Carolina Sá junto ao Discovery em Ponta Delgada

Carolina Sá, professora do DBV e investigadora do polo da Faculdade do MARE, doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no cruzeiro AMT29, que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Rui Agostinho com alunos

Rui Agostinho, professor do Departamento de Física e investigador do polo da Faculdade do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, recebe no Dia Nacional da Cultura Científica o Grande Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019, pela sua ação notável na promoção da cultura científica como professor, investigador, autor e divulgador na área da Astronomia.

Sala da aula

Ana Eliete dá aulas de Matemática há cerca de 15 anos e sempre quis ser professora. Escolheu a profissão por vocação. É licenciada em Ensino da Matemática, pela Universidade de Évora, e em 2011 concluiu o mestrado em Matemática para Professores, pela Ciências ULisboa.

A fibrose quística é uma doença genética hereditária rara que afeta cerca de 400 pessoas em Portugal

Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas, foi distinguida com o Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award 2019, que visa homenagear os cientistas cuja missão é encontrar a cura para a fibrose quística.

Representantes da Delta Soluções, Nevaro, Vawlt e equipa do Tec Labs no Web Summit 2019

O Tec Labs voltou a marcar presença no Web Summit, com a Delta Soluções, a Nevaro, a Vawlt Technologies e a UpHill, segundo o blog do Centro de Inovação da Faculdade. Entretanto, já é possível efetuar o pré-registo na edição 2020 do mediático certame dedicado à inovação tecnológica.

Maria Elvira Callapez e Vânia Carvalho, do Museu de Leiria, recebem o prémio das mãos de Thomas Misa, presidente da SHOT e Arwen Mohun, presidente eleita da SHOT

A exposição “Plasticidade – uma História dos Plásticos em Portugal” - em exibição no Museu de Leiria - ganhou o Dibner Award for Excellence in Museum Exhibits. A exposição premiada é uma das metas do projeto “O Triunfo da Baquelite – Contributos para uma História dos Plásticos em Portugal”, coordenado por Maria Elvira Callapez, investigadora do polo da Ciências ULisboa do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia.

Páginas