Entrevista a…

Diego Rubiera-Garcia

Diego Rubiera-Garcia

"Já analisei mais de 80 artigos para 17 revistas"

cedida por DRG

Diego Rubiera-Garcia, investigador pós-doutorado do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) do polo de Ciências ULisboa, desde outubro de 2015, deixou-se deslumbrar aos 14 anos pelo livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. A Física passou, desde esse momento, a ser uma área de grande interesse para si.

Hoje em dia, para além da investigação centrada no estudo de modificações à teoria da gravitação de Einstein de modo a descrever o espaço-tempo em regimes de densidade extrema, evitando os valores físicos infinitos previstos pela teoria clássica, Diego Rubiera-Garcia é revisor científico. Até ao verão passado já havia analisado mais de 80 artigos para 17 revistas científicas. Em 2017, a revista científica a Europhysics Letter, reconheceu o seu trabalho atribuindo-lhe o prémio Distinguished Referee Award. Foi o único investigador em Portugal a ser distinguido nesse ano, período em que foi distinguido com um Peer Review Award 2017 pelo website Publons.

Como surgiu o interesse pela Física?

Diego Rubiera-Garcia (DRG) - Era um garoto de 14 anos quando li o livro "A Criação do Universo", chocou-me muito saber o que tinha acontecido alguns segundos após o big-bang. Desta forma, decidi estudar Física.

Quais foram até agora as principais experiências profissionais?

DRG - Fui pós-doutorado no Observatório de Paris-Meudon, em França, na Universidade de Oviedo, em Espanha, na Universidade Federal da Paraíba, no Brasil, na Universidade de Fudan, na China e, desde 2015 no polo de Ciências ULisboa do IA.

Diego Rubiera-Garcia é o orador do próximo seminário do Departamento de Física de Ciências ULisboa. “Black holes, other fantastic beasts, and how to find them” é o tema do evento, que ocorre a 7 de novembro, pelas 14h00, no edifício C1, sala 1.4.14.

Como é o seu dia-a-dia?

DRG - O meu dia-a-dia é baseado principalmente em pesquisas da Física fundamental: passo muito tempo a fazer cálculos e a escrever artigos. Também faço outras atividades como: gestão de projetos, leitura de artigos, ser juiz, editor, dou palestras, entre outros. O que mais gosto mesmo é de fazer pequenos cálculos sobre ideias que me vêm à mente.

Quando é que começou a sua atividade como revisor científico (e como é que surgiu essa possibilidade)?

DRG - O primeiro artigo que recebi foi o da revista Physics Letters A em 2011. Normalmente, as revistas enviam artigos para revisão quando consideram que é um especialista em algum assunto. Isso normalmente requer ter publicado vários artigos sobre esse assunto ou relacionados.

Em que consiste esse trabalho?

DRG – Temos de ler o artigo em detalhes, determinar se é tecnicamente correto, original, se traz algo novo, se está bem escrito, se é entendido e, finalmente, se o seu nível é bom o suficiente para a revista. Isto requer um grande esforço.

O que é mais gratificante nesse trabalho?

DRG - Aprendo coisas novas e vejo como outros autores tentam entender um problema do começo ao fim.

Com quantas revistas colabora, nesta altura?

DRG - Desde o meu primeiro artigo, já analisei mais de 80 artigos para 17 revistas.


O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

Quais são os assuntos tratados nesses artigos?

DRG - Um pouco de tudo: gravitação, buracos negros, Cosmologia, big-bang, eletrodinâmicas, estrelas de neutrões, buracos de minhoca, Astrofísica, relatividade, matéria e energia escura, Matemática aplicada, ondas gravitacionais, singularidades, mundos-brana, gravidade quântica, inflação, defeitos topológicos...

O que significam para si estas distinções?

DRG - É um reconhecimento importante do esforço investido na compreensão da nova Física.

Ficou surpreendido?

DRG - É o primeiro prémio que uma revista me atribui a propósito deste assunto. Sou o único investigador em Portugal que recebeu este prémio nesse ano, o que me deixa orgulhoso. Além disso, a revista teve o bom gesto de me enviar uma versão em papel da distinção e uma agenda!


Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang

A sua investigação é centrada no estudo de modificações à teoria da gravitação de Einstein de modo a descrever o espaço-tempo em regimes de densidade extrema, evitando os valores físicos infinitos previstos pela teoria clássica. Qual a finalidade deste trabalho?

DRG - Existem certos fenómenos físicos que não são bem compreendidos dentro da Relatividade Geral de Einstein, como as singularidades dentro dos buracos negros e no universo primitivo, bem como a introdução de matéria escura e energia, das quais ainda não temos confirmação experimental direta. O meu trabalho concentra-se em estudar o limite de altas energias da Relatividade Geral, com o objetivo de resolver as singularidades, bem como buscar modificações nos buracos negros e outros objetos compactos. Finalmente, procuro também cenários observacionais onde os desvios da Relatividade Geral possam ser testados, por exemplo, através de ondas gravitacionais ou diferentes fenómenos astrofísicos relacionados a estrelas de neutrões. O objetivo final é ajudar a determinar se existe uma teoria gravitacional mais fundamental do que a relatividade. Quase nada!

Que planos tem para o futuro?

DRG - Muitos! Já que a verificação da existência de ondas gravitacionais a partir do colapso de duas estrelas de neutrões permitiu eliminar muitas propostas de teorias gravitacionais (que eram perfeitamente viáveis do ponto de vista da Cosmologia). As minhas pesquisas estão no estudo de diferentes fenómenos astrofísicos. Em particular, estou interessado no estudo da Astrofísica dos objetos compactos (em particular, buracos negros, mas também estrelas de neutrões), e em descobrir um mundo de novas possibilidades para observações experimentais através das ondas gravitacionais, do intenso desvio gravitacional, das massas máximas das estrelas de neutrões... Há tantas coisas para fazer! 

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Participantes da missão oceanográfica a bordo do RV METEOR

Resultados preliminares da missão oceanográfica a bordo do RV METEOR parecem confirmar a presença de eventos catastróficos e que afetaram a costa portuguesa ao longo dos últimos 12 mil anos.

ASSISIbf

"Robots mediating interactions between animals for interspecies collective behaviors" da autoria de Frank Bonnet, Rob Mills, Martina Szopek, Sarah Schönwetter-Fuchs, José Halloy, Stjepan Bogdan, Luís Correia, Francesco Mondada e Thomas Schmickl é um dos artigos da Science Robotics, publicado a 20 de março de 2019.

Direção Ciências ULisboa

A Direção da Faculdade visitou em fevereiro e março os dez departamentos de Ciências ULisboa. “Acho que foi muito positivo”, comenta Luís Carriço, diretor de Ciências ULisboa mencionando ainda que as reuniões permitiram a apresentação e discussão de ideias muito interessantes.

Margarida Amaral

Margarida Amaral, diretora do BioISI e professora no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências ULisboa, proferiu duas palestras na Johns Hopkins University School of Medicine em Baltimore, nos EUA, sobre terapêutica personalizada da Fibrose Quística, nos passados dias 6 e 7 de março de 2019.

ETAR de Beirolas

Uma equipa de Ciências ULisboa e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil foi distinguida com o Prémio WEX Global 2019 “Inovação em Tecnologia” pela produção sustentável de novos carvões ativados a partir de cascas de pinhão e sua aplicação na remoção de compostos farmacêuticos em estações de tratamento de águas residuais urbanas.

Mohan Munashinghe em Ciências ULisboa

O Prémio Nobel da Paz em 2007 – Mohan Munashinghe - na época vice-presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), das Nações Unidas -, esteve em Ciências ULisboa no passado dia 15 de março.

Tarifa, sul de Espanha, província de Cádiz

“Recomendamos que as autoridades reconheçam este impacto alargado da produção de energia eólica e estabeleçam novas medidas reguladoras a aplicar em áreas importantes para a migração de aves planadoras que permitam conciliar a produção de energia eólica com a conservação da vida selvagem”, diz Ana Teresa Marques, estudante de doutoramento em Biodiversidade, Genética e Evolução e primeira autora do artigo “Wind turbines cause functional habitat loss for migratory soaring birds”, publicado no Journal of Animal Ecology.

Nélson Pinto

A Glintt - Global Intelligent Technologies conta já com mais de 1050 colaboradores, entre eles alguns ex-alunos de Ciências ULisboa, como é o caso de Nélson Pinto, licenciado em Engenharia Informática e mestre em Engenharia Informática, especialização em Sistemas de Informação. Leia o seu testemunho, fique a par das vantagens do curso e de como é que é trabalhar nesta empresa, que opera a partir de dez escritórios, sediados em seis países - Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda, Angola e Brasil.

IEEE

​Nuno Neves, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa, foi eleito vice-presidente do IEEE Technical Committee on Dependable Computing and Fault Tolerance (TCFT). A tomada de posse ocorreu este mês e o mandato tem a duração de dois anos. Na sequência desta eleição, Nuno Neves tomará posse como presidente do IEEE TCFT em 2021, por um período de dois anos.

Pavilhão do Conhecimento

A Ciência Viva volta a homenagear as mulheres cientistas portuguesas, destaque para as personalidades de Ciências ULisboa - Cristina Branquinho, Cristina Máguas, Diana Prata, Margarida Santos-Reis, Margarida Telo da Gama,Maria Ivette Gomes e Vanda Brotas.

Lucanus cervus macho

Pela primeira vez em Portugal continental realiza-se um plano de inventariação sistemática de insetos. Um grupo de entomólogos iniciou a 9 de março, o primeiro trabalho de campo, na costa sudoeste e barlavento algarvio. A primeira sessão pública ocorre no dia 24 de março, na Estação de Biodiversidade de Mértola.

tabela periódica

Vinte e duas escolas do ensino secundário da zona da grande Lisboa participam na semifinal das Olimpíadas de Química Mais (OQ+) em Ciências ULisboa.. Os participantes das OQ+ têm a chance de se qualificar para a 53ª Olimpíada Internacional de Química e para as Olimpíadas Ibero-americanas de Química.

Anfiteatro Ciências ULisboa

Cerca de 70 alunos do 9.º ano da Saint Dominics' International School participaram numa mesa-redonda e ficaram a saber um pouco mais sobre as áreas de Matemática, Matemática Aplicada, Estatística Aplicada, Informática, Engenharia Geoespacial e Bioquímica.

C7

Após o evento de 12 de fevereiro, que antecedeu o Flash Mob Tabela Periódica Humana de Ciências ULisboa estão programadas duas tertúlias sobre a tabela periódica com os cientistas Raquel Gonçalves Maia e Miguel Castanho, respetivamente nos dia 10 de abril e 9 de maio.

Cruz

Fernando Roldão Dias Agudo, jubilado de Ciências ULisboa desde o ano de 1996, faleceu no passado dia 23 de fevereiro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Fernando Roldão Dias Agudo.

Reitoria ULisboa

Em 2018 os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos foram atribuídos aos investigadores de Ciências ULisboa Cristina Branquinho, Francisco Couto, Nuno Araújo e Pedro Antunes. A edição de 2018 do Prémio Científico ULisboa/ Santander Universidades também distinguiu a professora Carla Silva.

Logotipo

Sentiu o sismo de 28 de fevereiro de 1969? Conhece relatos desse acontecimento? Se as respostas forem afirmativas, então responda ao inquérito macrossísmico nacional por ocasião dos 50 anos sobre o grande sismo de 1969, lançado este mês pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera,Instituto Superior Técnico, Ciências ULisboa e Instituto Dom Luiz.

Ciências ULisboa e Milestone Consulting assinam protocolo

Ciências ULisboa e a Milestone Consulting assinaram recentemente um protocolo de cooperação para a atribuição de um Prémio para o Melhor Aluno do 1.º ano do Mestrado em Matemática.

Curso de campo do IFiT

O primeiro Curso de Campo do Projeto IFiT integrado no Programa Erasmus+ realiza-se entre 20 de maio e 2 de junho de 2019, em Aljezur, na Costa Vicentina. As candidaturas ao Student Project Week terminam a 4 de março.

C2

Cerca de 45 alunos do 11.º ano conheceram o Microscópio Eletrónico de Varrimento e participaram na palestra "Imagem Médica: Como a Física permite ver o interior do corpo humano".

Pessoas

"Umas das primeiras etapas para o estabelecimento de limites é tomar consciência e reconhecer as suas próprias necessidades e sentimentos para que, de forma saudável possa cuidar delas nas relações", aconselha a psicóloga Andreia Santos.

Composição de uma imagem de Vénus obtida no infravermelho com a Via Láctea em fundo

A investigação liderada por Javier Peralta, da missão japonesa Akatsuki, teve a participação de Pedro Machado, professor do Departamento de Física de Ciências ULisboa e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciência do Espaço.

O papel da alimentação na microbiota intestinal

"Tanto os probióticos como os prebióticos têm demonstrado melhorar os biomarcadores associados ao cancro colon retal e, relativamente à Síndrome do Intestino Irritável, a evidência refere que os probióticos têm um papel importante no alivio dos sintomas e qualidade de vida dos doentes", escreve a nutricionista Maria Inês Antunes.

Geocachers, cache e tritão-marmoreado-pigmeu

O geocaching é utilizado pela primeira vez como indicador para avaliar os serviços culturais prestados pelos ecossistemas. Inês Teixeira do Rosário, investigadora do cE3c, doutorada em Ecologia por Ciências ULisboa, é a primeira autora do artigo da Ecological Indicators.

Catarina Frazão Santos

A apresentação de Catarina Frazão Santos durante a ICES ASC 2018 valeu-lhe o Best Early Career Scientist Presentation Award. O tema da apresentação corresponde ao projeto de investigação por si coordenado e que termina em 2021.

Páginas