Entrevista com... Jorge Buescu

Matemática

"O mundo moderno exige cada vez mais Matemática, não menos!", diz Jorge Buescu

unsplash - Antoine Dautry
Jorge Buescu
Jorge Buescu
Imagem cedida por JB

O novo livro de Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática de Ciências ULisboa é apresentado ao público esta quarta-feira, 5 de dezembro, no anfiteatro do Caleidoscópio da ULisboa, sito no Jardim do Campo Grande, em Lisboa. A obra "Curvas Ideais, Relações Desconhecidas e outras histórias de Matemática", editada pela Gradiva é apresentada nesta sessão por Henrique Leitão, investigador de Ciências ULisboa e por Filipe Oliveira, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.

Leia a entrevista com o matemático e escritor que através da Matemática "rasga horizontes e abre novos mundos a mentes sequiosas".

Há quantos anos dá aulas em Ciências ULisboa?

Jorge Buescu (JB) - Há 12 anos: vim para a Faculdade em 2007. Depois de ter saído, 20 anos antes, como licenciado, onde fiz o curso de Física.

O que mais aprecia nas aulas e nos alunos?

JB - O que mais me apaixona é a sensação de rasgar horizontes e abrir novos mundos a mentes sequiosas. De mostrar que a Matemática trata, não de fazer contas, mas de ideias elegantíssimas e de uma beleza extraordinária. 

Como é o seu dia-a-dia?

JB - O dia-a-dia de um professor e investigador: ler, estudar, aprender, ensinar, escrever. Não necessariamente por esta ordem.

Os seus alunos costumam comentar os seus livros?

JB - Enquanto são meus alunos, nem tanto... Julgo que o facto de existir a relação professor/aluno inibe um pouco essa interação. No entanto, com alguns dos alunos mais interessados mantém-se uma relação depois de concluídas as disciplinas. E continuamos pela vida fora a falar de Matemática. De facto, três antigos alunos (um dos quais da Faculdade, o João Ferreira, hoje a fazer doutoramento em França) apoiaram-me na revisão do livro. Um deles até encontrou erros de cálculo!

E qual tem sido a reação dos seus colegas?

JB - A reação é de apoio e simpatia. Acho que todos gostamos quando alguém explica por que é que aquilo que fazemos é interessante!

A Matemática é a principal fonte de inspiração. O que representa para si escrever?

JB - É mais uma forma, particularmente nobre, de comunicar. Chegar à publicação em forma de livro tem um atrativo muito interessante: se ao falar com alunos estou a pregar para convertidos, nos meus livros toco também pessoas que dificilmente teriam acesso, ou talvez mesmo interesse, à beleza da Matemática... Traz experiências muito curiosas. A última foi há poucas semanas: uma aluna do secundário mostrou-me o exame de Português de 12.º ano de 2015, em que um dos textos a trabalhar era do meu primeiro livro.

Dedica a sua vida à Matemática. Como encara o futuro desta disciplina?

JB - A Matemática vai ser cada vez mais importante, e de uma forma cada vez mais acelerada. Vê-se, até de pessoas com responsabilidades políticas ou intelectuais, afirmar que a importância da Matemática vai diminuir porque há calculadoras ou computadores. Isso é apenas uma manifestação de ignorância de quem fala. A conceção de algoritmos e de métodos matemáticos para lidar com os novos desafios, por exemplo, da Ciência dos Dados ou da aprendizagem automática (machine learning), é um enorme motor para desenvolvimento da nova Matemática. Quando se fala em "algoritmos", a propósito do Facebook ou dos carros sem condutor, está-se a falar de Matemática. O mundo moderno exige cada vez mais Matemática, não menos!

Por fim, já está a pensar no próximo livro?

JB - Neste momento, de licença sabática, estou totalmente concentrado em problemas de investigação, em Matemática dura. Mas os temas de Matemática estão sempre à nossa volta, basta saber olhar. Material para novos livros nunca há de faltar!


Capa do novo livro de Jorge Buescu,editado pela Gradiva

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas