Entrevista com... Jorge Buescu

Matemática

"O mundo moderno exige cada vez mais Matemática, não menos!", diz Jorge Buescu

unsplash - Antoine Dautry
Jorge Buescu
Jorge Buescu
Imagem cedida por JB

O novo livro de Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática de Ciências ULisboa é apresentado ao público esta quarta-feira, 5 de dezembro, no anfiteatro do Caleidoscópio da ULisboa, sito no Jardim do Campo Grande, em Lisboa. A obra "Curvas Ideais, Relações Desconhecidas e outras histórias de Matemática", editada pela Gradiva é apresentada nesta sessão por Henrique Leitão, investigador de Ciências ULisboa e por Filipe Oliveira, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.

Leia a entrevista com o matemático e escritor que através da Matemática "rasga horizontes e abre novos mundos a mentes sequiosas".

Há quantos anos dá aulas em Ciências ULisboa?

Jorge Buescu (JB) - Há 12 anos: vim para a Faculdade em 2007. Depois de ter saído, 20 anos antes, como licenciado, onde fiz o curso de Física.

O que mais aprecia nas aulas e nos alunos?

JB - O que mais me apaixona é a sensação de rasgar horizontes e abrir novos mundos a mentes sequiosas. De mostrar que a Matemática trata, não de fazer contas, mas de ideias elegantíssimas e de uma beleza extraordinária. 

Como é o seu dia-a-dia?

JB - O dia-a-dia de um professor e investigador: ler, estudar, aprender, ensinar, escrever. Não necessariamente por esta ordem.

Os seus alunos costumam comentar os seus livros?

JB - Enquanto são meus alunos, nem tanto... Julgo que o facto de existir a relação professor/aluno inibe um pouco essa interação. No entanto, com alguns dos alunos mais interessados mantém-se uma relação depois de concluídas as disciplinas. E continuamos pela vida fora a falar de Matemática. De facto, três antigos alunos (um dos quais da Faculdade, o João Ferreira, hoje a fazer doutoramento em França) apoiaram-me na revisão do livro. Um deles até encontrou erros de cálculo!

E qual tem sido a reação dos seus colegas?

JB - A reação é de apoio e simpatia. Acho que todos gostamos quando alguém explica por que é que aquilo que fazemos é interessante!

A Matemática é a principal fonte de inspiração. O que representa para si escrever?

JB - É mais uma forma, particularmente nobre, de comunicar. Chegar à publicação em forma de livro tem um atrativo muito interessante: se ao falar com alunos estou a pregar para convertidos, nos meus livros toco também pessoas que dificilmente teriam acesso, ou talvez mesmo interesse, à beleza da Matemática... Traz experiências muito curiosas. A última foi há poucas semanas: uma aluna do secundário mostrou-me o exame de Português de 12.º ano de 2015, em que um dos textos a trabalhar era do meu primeiro livro.

Dedica a sua vida à Matemática. Como encara o futuro desta disciplina?

JB - A Matemática vai ser cada vez mais importante, e de uma forma cada vez mais acelerada. Vê-se, até de pessoas com responsabilidades políticas ou intelectuais, afirmar que a importância da Matemática vai diminuir porque há calculadoras ou computadores. Isso é apenas uma manifestação de ignorância de quem fala. A conceção de algoritmos e de métodos matemáticos para lidar com os novos desafios, por exemplo, da Ciência dos Dados ou da aprendizagem automática (machine learning), é um enorme motor para desenvolvimento da nova Matemática. Quando se fala em "algoritmos", a propósito do Facebook ou dos carros sem condutor, está-se a falar de Matemática. O mundo moderno exige cada vez mais Matemática, não menos!

Por fim, já está a pensar no próximo livro?

JB - Neste momento, de licença sabática, estou totalmente concentrado em problemas de investigação, em Matemática dura. Mas os temas de Matemática estão sempre à nossa volta, basta saber olhar. Material para novos livros nunca há de faltar!


Capa do novo livro de Jorge Buescu,editado pela Gradiva

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

Páginas