BIOgrafias

Vidas de quem estuda a Vida

Imagem da capa do livro
MP

Dezoito biólogos, 17 deles formados em Ciências, decidiram juntar-se para contar as suas histórias no terreno. O resultado é o livro “BIOgrafias – Vidas de quem estuda a Vida”.

As primeiras histórias do livro foram escritas em 2008. No total, são 35 as aventuras que contam ao leitor “a paixão com que se vivem momentos simples, a garra com que se ultrapassam adversidades e a luta constante daqueles que dedicam uma parte da sua vida à conservação da natureza”.

Na entrevista com Diogo Veríssimo e Miguel Pais, antigos alunos de Ciências e dois dos autores do livro, “folheie” os pormenores deste projeto.


Fonte: MP
Legenda: "O nosso objetivo é divulgar aquilo que nos move enquanto biólogos de campo"

Ciências - Como surge este projeto?

Diogo Veríssimo (DV) - Este projeto surgiu do trabalho que desenvolvo como autor, tendo publicado duas histórias sobre o meu trabalho de campo na revista Inglesa BBC Widllife.
Desse trabalho surgiu a vontade de fazer algo similar em português, e a ideia de uma candidatura a um projeto de comunicação de ciência do Instituto Gulbenkian. Foi nesse contexto que fui falando com vários biólogos de campo portugueses que mostraram interesse em participar.

O projeto inicial acabou por não se concretizar e eu e o Miguel Pais passámos alguns anos a bater a várias portas, até que a Escola de Mar embarcou connosco, dando apoio editorial.
Depois, conseguimos através de uma campanha de crowdfunding online recolher os fundos necessários para uma primeira tiragem de 500 exemplares, dos quais cerca de 300 já estão vendidos.

Ciências - Qual o objetivo desta compilação de histórias?

DV e Miguel Pais (MP) - O nosso objetivo é divulgar aquilo que nos move enquanto biólogos de campo. A Biologia é uma ciência muito vasta e, por isso, muitas vezes não compreendida pelo grande público. Há biólogos que centram o seu trabalho em laboratório, há biólogos muito ligados às ciências médicas, que investigam doenças, mas há também biólogos que calçam as botas e vão para dentro da floresta tropical, para cima das montanhas, para o fundo do mar, e foi esse lado que quisemos mostrar.


Fonte: MP
Legenda: Dezassete dos 18 biólogos autores do livro, são antigos alunos de Ciências

Ciências -  É a primeira edição de histórias de biólogos reunidas em livro?

DV - Tanto quanto sabemos, esta é, de facto, a primeira vez que um projeto destes vê a luz do dia, até mesmo a nível internacional.

Ciências - Quem é o público-alvo?

DV - O nosso público-alvo são todos aqueles que possam ter alguma curiosidade por este campo da ciência mas também os próprios biólogos, já que o livro pode ser uma forma de explicarmos à sociedade a nossa paixão pelo nosso trabalho.

MP - As histórias são curtas, ilustradas e contadas na primeira pessoa por quem as viveu. O objetivo era ser um livro de leitura fácil, sem grande carga científica na linguagem, e penso que o resultado foi esse. É um excelente livro para ler numa esplanada ou para ter na mesa-de-cabeceira.


Fonte: MP
Legenda: "Temos recebido manifestações de interesse por parte de colegas nossos em participar numa nova iniciativa do género. O que não falta são biólogos aventureiros com histórias para contar"

Ciências - Que tipo de histórias podem ser encontradas no livro?

DV - Dado que a maioria dos autores estão em início de carreira, muitas histórias ocorreram enquanto fazíamos trabalho de campo para licenciaturas, mestrados e doutoramentos. As experiências que contamos são muito diversas e há também bastantes histórias que não estão diretamente relacionadas com a universidade.

Ciências - Consideram que esta abordagem, de mostrar a realidade de “ser biólogo”, é uma forma de cativar futuros alunos de ciências?

DV - Sim, isso é verdade, esperamos que as histórias que contamos aqui possam servir um pouco como contraponto às narrativas de falta de oportunidades e saídas profissionais que dominam tantas das conversas sobre biólogos e Biologia em Portugal.

MP - Muitos de nós seguimos este caminho pela curiosidade e procura de conhecimento, pela paixão pela natureza. Muitas vezes, mais que o dinheiro, é isso que importa. Primeiro devemos procurar fazer algo que gostamos genuinamente, depois devemos procurar ser pagos para isso.


Fonte: MP
Legenda: "O nosso público-alvo são todos aqueles que possam ter alguma curiosidade por este campo da ciência mas também os próprios biólogos, já que o livro pode ser uma forma de explicarmos à sociedade a nossa paixão pelo nosso trabalho"

Ciências - O que significa para vós ver todas estas histórias publicadas?

DV - Tendo dedicado tanto tempo e posto tanto esforço neste projeto, é uma enorme alegria vê-lo avançar e ser bem-sucedido. É para nós uma prova que o essencial é acreditarmos nas nossas ideias, mesmo que para as realizarmos seja preciso percorrer um longo caminho cheio de obstáculos.

MP - Foi, sem dúvida, um longo caminho, desde os contactos com potenciais editoras, reuniões infrutíferas, até à decisão de ir para o crowdfunding e para o acompanhamento e divulgação de todo o processo de angariação de fundos durante um mês. Atingir o objetivo e ter o livro nas mãos foi uma grande sensação de dever cumprido para todos os autores.

Ciências - Há alguma história que queiram destacar?

DV e MP - É muito difícil distinguir uma história. O valor deste livro está na diversidade. Temos 18 autores com diferentes estilos de escrita, 35 histórias passadas nos quatro cantos do mundo, em terra, nos rios e no mar. Cabe a cada leitor decidir se quer ter uma favorita.


Fonte: MP
Legenda: "Dado que a maioria dos autores estão em início de carreira, muitas histórias ocorreram enquanto fazíamos trabalho de campo para licenciaturas, mestrados e doutoramentos"

Ciências - Que importância consideram que estas histórias têm para o público? O que distingue este livro e consegue cativar o leitor?

DV e MP - O que distingue este livro é o facto de serem histórias reais contadas na primeira pessoa pelos cientistas que as viveram. É um olhar para o dia-a-dia de um biólogo de campo, vivido por ele próprio, o que leva a que seja um livro necessariamente emotivo e apaixonante. É pouco comum em Portugal haver esta comunicação direta entre o cientista e o público, sobretudo numa linguagem tão acessível e com tão grande partilha de intimidade.

Ciências - De que forma os ensinamentos adquiridos em Ciências se refletem na vossa vida profissional e também aqui, nestas histórias?

DV e MP - Penso que o curso da FCUL nos deu bases bastante largas, com noções sobre os vários ramos da Biologia, antes de termos optado por uma especialização. Vemos isso como uma mais-valia na nossa formação, porque temos muitas vezes que lidar com problemas ambientais cuja abordagem é transversal a todo o ecossistema, desde o Homem como utilizador dos recursos, até aos outros animais, plantas, rochas, processos químicos e físicos, até a aspetos comportamentais e fisiológicos de cada indivíduo de cada espécie. Essa visão transversal facilita o trabalho em equipas multidisciplinares.
Nestas histórias o que podemos ver é a diversidade de trabalhos que existem na área da Biologia, mesmo já num ramo específico de Biologia Ambiental ou Ecologia. Não há duas pessoas a fazer exatamente o mesmo neste livro, e isso é bom. A especialização nas competências individuais faz com que haja um grande valor acrescentado ao trabalharmos juntos.


Fonte: MP
Legenda: "É um olhar para o dia-a-dia de um biólogo de campo, vivido por ele próprio, o que leva a que seja um livro necessariamente emotivo e apaixonante"

Ciências - Têm já outros projetos futuros definidos? Haverá outras edições?

DV - A existência de outras edições vai depender do volume de vendas desta primeira edição. Se os 500 exemplares forem vendidos, e estamos a trabalhar para que isso aconteça, esperamos conseguir meios para a impressão de mais cópias. Em termos de novos projetos, acabei de ganhar uma bolsa da Sociedade Britânica de Ecologistas para começar a trabalhar num novo projeto chamado “Perdidos e achados”, que irá contar as histórias de algumas espécies que, apesar de dadas como extintas, foram subsequentemente redescobertas. Será um projeto diferente do BIOgrafias, será online, de distribuição gratuita e disponível em várias línguas. O lançamento está previsto para o final do ano.

MP – Temos recebido manifestações de interesse por parte de colegas nossos em participar numa nova iniciativa do género. O que não falta são biólogos aventureiros com histórias para contar, por isso não dizemos nunca.

O livro "BIOgrafias - Vidas de quem estuda a Vida" pode ser encontrado na Livraria Escolar Editora, situada em Ciências, e no portal online  Naturfun.
Pode ainda encontrar mais informações sobre o projeto em:  https://www.facebook.com/livrobiografias
.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas