Dia Mundial do Ambiente

Primeira edição da Semana da Sustentabilidade realizou-se no início deste ano

No âmbito do evento foi apresentado o Relatório de Sustentabilidade e nasceu uma horta solar

3 alunos numa mesa, na semana da sustentabilidade

A Semana da Sustentabilidade foi organizada por estudantes da Faculdade

Núcleo Eco-Social

Neste Dia Mundial do Ambiente recordamos a Semana da Sustentabilidade, uma semana inteira dedicada à sustentabilidade que decorreu de 19 a 25 de março - um conjunto de eventos organizado por núcleos de estudantes da Faculdade, com o apoio da Associação de Estudantes e do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade.

Sete dias, sete temáticas: educação ambiental e ativismo; resíduos; florestas e ordenamento do território; recursos hídricos; clima; política, economia e sociedade; energia e mobilidade. Entre palestras, mesas-redondas, workshops e um documentário, foram cerca de 30 as atividades dinamizadas pelos alunos durante esta semana.

O evento, organizado pelos núcleos de estudantes Eco-Social, Núcleo de Estudantes de Biologia (NEBFCUL) e Núcleo Estudantes de Geologia, contou igualmente com o apoio de outros estudantes da Faculdade, na conceção de ideias e mobilização de estudantes para a participação.

Mafalda Antunes, presidente do Núcleo Eco-Social, conta que a ideia foi surgindo aos poucos, mas depressa se pôs de pé, graças à conjugação de esforços entre os núcleos de estudantes. O propósito foi, por um lado, mostrar que “aqui” [na Faculdade] se faz boa investigação, e, por outro, ter uma abordagem multidisciplinar, envolvendo diferentes áreas científicas relacionadas com a sustentabilidade e permitindo que todos os cursos da Faculdade se possam relacionar com as atividades desta semana, explica.

A estudante diz que a organização ficou “muito feliz por ver pessoas de outros cursos [para além de Biologia e Geologia] a aderir às iniciativas”, tendo as sessões contado com grande envolvimento e feedback muito positivo por parte dos estudantes.

plantação da horta
Na Horta Solar foram plantados três talhões com sistemas de irrigação diferentes – sequeiro, rega por temporizador e irrigação inteligente, com base na humidade do solo e previsões de precipitação. Dentro de cada fileira, existem zonas distintas com condições de sombreamento ligeiramente diferentes, de forma a permitir o estudo do seu impacto no crescimento das plantas.
Fonte DCI Ciências ULisboa

Para Carlos Gonçalves, presidente do NEBFCUL, a “experiência foi muito enriquecedora a nível pessoal e também ao nível das competências de organização”. Na sua perspetiva, a ideia tem potencial para crescer e se tornar ainda mais abrangente, envolvendo mais a comunidade académica e integrando o calendário anual das atividades da Faculdade, como complemento às unidades curriculares dos vários cursos.

O dia 21 de março, Dia Internacional das Florestas, foi dedicado a atividades do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade, que incluíram a apresentação do Relatório de Sustentabilidade da Faculdade, por Filipa Pegarinhos, coordenadora do Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade (G3S); a apresentação da palestra "HortaFCUL, contributos da permacultura para a regeneração do campus", por David Avelar; e a plantação de uma horta solar, no laboratório exterior de energia solar do campus da Faculdade.

 

Plantação de uma Horta Solar

A plantação da Horta Solar brotou não apenas de um, mais de um conjunto de vários projetos de investigação que estão a ser desenvolvidos nos Departamentos de Biologia e Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia (DEGGE), relacionados com as áreas dos solos, irrigação, biologia animal e energia solar.

Com mais de 10 anos de existência, o projeto do campus solar, surgiu com o intuito de experimentar soluções inovadoras de energia solar. Este projeto surge nesta sequência, com o objetivo de estudar as sinergias possíveis entre a produção agrícola e fotovoltaica, realizadas num mesmo espaço físico.

A configuração da horta foi idealizada de forma a explorar o efeito do sombreamento dos painéis solares na produtividade e nas necessidades de irrigação das culturas plantadas na zona subjacente. O estudo destas sinergias é um dos principais focos da investigação, tendo-se já registado diversas vantagens:

  • para as plantas: contrariamente ao que se poderia pensar, as plantas poderão vir a beneficiar do sombreamento dos painéis, especialmente no verão, uma vez que este reduzirá o stress térmico e as necessidades de rega;
  • para os painéis: na presença das plantas, menos poeiras são depositadas nos painéis, permitindo um melhor funcionamento; os painéis tornam-se mais eficientes quando a temperatura é mais baixa, situação favorecida pela evapotranspiração das plantas; embora constituíam um sistema mais caro, os painéis bifaciais (o caso destes), produzem mais pois estão mais afastados do chão e recebem mais radiação solar.

A coordenação do projeto da Horta Solar está a cargo de Miguel Centeno Brito, Ivo Costa e Guilherme Gaspar, investigadores do Instituto Dom Luiz; David Avelar e Florian Ulm, investigadores do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais; João Manita e Jobim Convié, estudantes de mestrado na Ciências ULisboa; António Vedes, gestor de projeto na empresa IMAGE4ALL.

 

Relatório de Sustentabilidade da Faculdade

A apresentação do Relatório de Sustentabilidade teve como objetivo dar a conhecer a atividade da Faculdade entre 2019 e 2021, no que diz respeito às questões da sustentabilidade no campus.

Foi primeiramente apresentado o panorama da instituição e da sua comunidade, com destaque para os seus mais de 5600 alunos, 700 funcionários, 11 edifícios, 80.683 m2 de área coberta, 15 000 m2 de espaços verdes, 1788 painéis solares, 525.000 kWh produzidos/por ano, 204 estruturas de reciclagem, 1 central de compostagem e outra de vermicompostagem.

No âmbito da comunidade Ciências ULisboa, Filipa Pegarinhos sublinhou a importância da interação entre os agentes internos e parceiros externos, ambos peças essenciais na “engrenagem” da Faculdade. No capítulo “Ciências Sustentável”, enfatizou quatro pontos estratégicos nos quais Ciências ULisboa tem vindo a implementar:

relatorio de sustentabilidade
O relatório foi fundamental não só para mostrar o que tem sido feito e de que forma Ciências ULisboa tem crescido nestes últimos anos, como também foi essencial para compreender o potencial de melhoria e quais os objetivos que se pretende alcançar, ao longo de um percurso em permanente construção.
Fonte G3S

  • ensino - no que toca à formação científica e tecnológica base; inclusão de unidades curriculares na área da sustentabilidade em todos os ciclos de estudo; reforço das competências dos docentes;
  • investigação - contribuição de teses de mestrado, doutoramento e projetos para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), destacando-se as menções aos ODS’s 3 – Saúde de Qualidade e 15 – Proteger a Vida Terrestre, e reconhecendo-se como pouco mencionados os ODS 1 – Erradicar a Pobreza, 5 – Igualdade de Género, 8 – Trabalho Digno e Crescimento Económico, 10 – Reduzir as Desigualdades e 16 – Paz e Justiça;
  • indicadores de desempenho - melhorias para diminuir o impacto ambiental das atividades em Ciências ULisboa  nas áreas da energia, água e serviços, tais como: colocação de lâmpadas LED, substituição de caixilharia e estores exteriores, substituição de condutas de água subterrâneas, colocação de torneiras com sensor, redução do caudal, racionalização da rega, redução do consumo de papel, coffee breaks mais sustentáveis, gestão adequada dos resíduos, promoção da biodiversidade, controlo das emissões de gases com efeito de estufa, entre outras;
  • Laboratório Vivo para a Sustentabilidade – projeto em curso desde 2015 com o intuito de promover boas práticas de sustentabilidade na comunidade, e que inclui serviços de ecossistemas, manutenção de espaços verdes no campus, um concurso de ideias, e diversos projetos que trabalham em todas as dimensões da sustentabilidade.
Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas