Dia Mundial da Terra

César Andrade: pioneiro da Geologia costeira em Portugal

Anfiteatro com os participantes da homenagem

César Andrade foi homenageado pelos colegas e antigos alunos durante o Dia Mundial na Terra

GJ Ciências ULisboa
Pedro Costa durante a conferência
As palavras do Pedro Costa deixaram César Andrade muito emocionado
Fonte GJ Ciências ULisboa

Este ano a celebração do Dia Mundial da Terra no Departamento de Geologia (DG) foi ainda mais especial. Além de atribuírem cartas de reconhecimento de mérito aos melhores alunos da licenciatura em Geologia de 2019/2020 e 2020/2021 organizaram a conferência “A evolução da Geologia costeira em Portugal e principais desafios futuros” com o objetivo de surpreender e homenagear César Andrade, professor na Faculdade há 43 anos.

“Tínhamos na agenda secreta homenagear o professor César Andrade, que vai aposentar-se em breve e é uma pessoa que criou escola científica e também uma personagem muito importante no Departamento”, diz Ana Azerêdo, presidente do DG Ciências ULisboa, para quem o acontecimento foi uma forma delicada, mas muito merecida de homenagear o colega.

O DG Ciências ULisboa sempre organizou encontros presenciais com alguma regularidade e este ano já houve condições para voltarem a fazê-lo. “Existe muito boa relação entre professores e alunos, com proximidade, padrões de exigência e momentos de informalidade, como este, com o reconhecimento quando se esforçam. Esta iniciativa não foi inédita, já aconteceu em anos anteriores e retomámos os anos que ficaram em suspenso”, acrescenta Ana Azerêdo.

“Tínhamos na agenda secreta homenagear o professor César Andrade, que vai aposentar-se em breve e é uma pessoa que criou escola científica e também uma personagem muito importante no Departamento.”
Ana Azerêdo

A tarde passada no edifício C6 foi isso mesmo, um acontecimento descontraído e muito emotivo.

Pedro Costa, doutorado em Geologia pela Faculdade e atualmente a dar aulas na Universidade de Coimbra, foi o orador da conferência, preparada também por outros antigos alunos  - Celso Pinto, Paula Freire e Paulo Borges -, a forma encontrada para surpreender e homenagear César Andrade.

“Criámos esta apresentação como uma forma de agradecimento por tudo o que aprendemos não só do ponto de vista científico, mas também para homenagear o homem e o mentor que ainda é e vai continuar a ser e com quem aprendemos muito. Homenageamos aquele que consideramos pai científico”, diz Pedro Costa, que continua a colaborar com o Instituto Dom Luiz (IDL).

“Criámos esta apresentação como uma forma de agradecimento por tudo o que aprendemos não só do ponto de vista científico, mas também para homenagear o homem e o mentor que ainda é e vai continuar a ser e com quem aprendemos muito."
Pedro Costa

Mais de 40 anos ao serviço da Faculdade

César Andrade foi apanhado completamente de surpresa: “Não fazia ideia nenhuma que me tinham preparado esta surpresa. Imaginava que íamos assistir a uma palestra sobre a Geologia costeira que é a área em que eu trabalho, mas apenas isso e no contexto da reunião que costumamos fazer todos os anos, que é um momento importante na vida do Departamento, porque o Departamento na verdade são as pessoas e este tipo de reunião em que as pessoas se encontram e conversam de forma informal, é muito importante. Criar objetivos comuns passa pela cumplicidade e pelas relações humanas por aquelas relações imateriais que não tem que ver com o dinheiro do projeto, nem com o trabalho conjunto, são as pessoas é aquilo que une os seres humanos e nos faz melhores. Era isso que eu estava à espera, é uma tradição da Geologia que temos mantido e que só interrompemos por causa da COVID-19, ainda bem que foi reatada”.

Anfiteatro com pessoas durante homenagem
A comemoração do Dia da Terra foi um encontro de gerações
Fonte GJ Ciências ULisboa

“Tive a felicidade de trabalhar naquilo que gosto.”
César Andrade

As palavras do Pedro Costa deixaram-no muito emocionado. “Ao terceiro diapositivo comecei a desconfiar”, conta César Andrade, que por coincidência formalizou o pedido de aposentação precisamente nesse dia, ainda que tencione continuar por cá, durante algum tempo e enquanto for útil, caso seja do interesse do Departamento, da Faculdade e do IDL, onde também é investigador no grupo Earth Surface Processes. Sobre os 43 anos de trabalho diz terem sido o melhor tempo da sua vida. “Tive a felicidade de trabalhar naquilo que gosto. A Terra e os seus processos são qualquer coisa que me fascina e ter a oportunidade de trabalhar e ser remunerado para investigar e estudar um assunto que me fascina é uma oportunidade única”, declara.

"Espero que este conhecimento se perpetue para outras gerações e que haja uma impressão digital na nossa sociedade. Acredito que vá acontecer."
César Andrade

Quanto ao futuro dos jovens cientistas, César Andrade tem esperança e fé, pelo que acredita que será risonho e abordado de forma diferente pela geração vindoura. “As pessoas que aqui se formaram estão hoje em lugares chave: na Agência Portuguesa de Ambiente (APA), no Instituto Hidrográfico, em laboratórios de estado, noutras universidades. Espero que este conhecimento se perpetue para outras gerações e que haja uma impressão digital na nossa sociedade. Acredito que vá acontecer”, conclui.

Distribuição de livrros pelos participantes
O livro que recebeu inclui 30 testemunhos de antigos alunos e colegas
Fonte GJ Ciências ULisboa

A surpresa não se ficou só pela conferência. César Andrade foi presenteado com uma garrafa de Vinho do Porto de 1979 - ano em que entrou ao serviço na Faculdade; com um objeto que muito aprecia - um canivete suíço com lupa e uma gravação “Recordação dos antigos alunos” - e com um livro composto por 30 testemunhos, mensagens a expressar a admiração científica, pedagógica e pessoal.

Testemunhos emocionantes de colegas e ex-alunos

Para Anabela Cruces César Andrade foi determinante no seu percurso académico. “Este professor fez-me mudar de área. A maneira dele dar as aulas e de cativar os alunos é fora de série e por causa dessas aulas – adorei toda a temática da Geologia costeira - acabei por direcionar o meu percurso académico para a Geologia costeira. No mestrado e no doutoramento fui orientada pela professora Conceição Freitas, mas o professor César Andrade esteve sempre presente. Acompanhou-me sempre em todas as campanhas de campo. Há mais de 20 anos que trabalhamos em conjunto. Também continuo a trabalhar com a professora Conceição Freitas, com publicações conjuntas e campanhas de campo, na sequência também da ligação que mantenho com o IDL, uma colaboração muito saudável e que gosto muito”, refere.

"A maneira dele dar as aulas e de cativar os alunos é fora de série e por causa dessas aulas – adorei toda a temática da Geologia costeira - acabei por direcionar o meu percurso académico para a Geologia costeira."
Anabela Cruces

A professora da Faculdade de Engenharia da Universidade Lusófona foi aluna da licenciatura de Geologia, concluiu o mestrado em Geologia Aplicada do Ambiente e o doutoramento em Geologia, especialidade em Geologia Económica e do Ambiente e chegou mesmo a dar aulas uma série de anos na Ciências ULisboa. Na sua opinião é de saudar a promoção deste tipo de iniciativa. “Estiveram aqui alunos que foram agraciados pelo seu excelente desempenho e são eles que vão dar seguimento a todos estes estudos”, acrescenta.

Conceição Freitas assinala que a comemoração do Dia da Terra sempre foi muito importante para o DG Ciências ULisboa e a homenagem a César Andrade insere-se perfeitamente na celebração já que foi pioneiro na Faculdade e no Departamento. “O estudo da Geologia costeira começou com ele, fez uma grande escola e é uma homenagem muito merecida. Os seus estudantes estão um pouco por todo o país, em todas as universidade e organismos do Estado e isso do ponto de vista da formação é muito importante”, refere a professora do DG e investigadora do Instituto.

Celso Pinto e Cesar Andrade
Para Celso Pinto César Andrade deixou uma marca em muitas gerações, um lastro de conhecimento e experiência
Fonte GJ Ciências ULisboa

“A Geologia costeira e a gestão costeira em Portugal confundem-se com o nome do professor César."
Celso Pinto

Um desses exemplos é Celso Pinto, a trabalhar na APA há dez anos, há mais de 20 na Administração Pública e colaborador periódico do DG e IDL Ciências ULisboa. Para Celso Pinto César Andrade deixou uma marca em muitas gerações, um lastro de conhecimento e experiência. “A Geologia costeira e a gestão costeira em Portugal confundem-se com o nome do professor César e enquanto estiver na APA não consigo imaginar estar a trabalhar sem ter o professor César como consultor, fonte de conhecimento e experiência.  É mesmo muito importante”, salienta.

“Foi com ele que aprendi muitas das coisas que sei. Todo o meu percurso na Faculdade foi feito ao lado dele, sempre me integrou em todos os projetos que tinha – nacionais e internacionais."
Conceição Freitas

“Ele é fantástico”, diz Conceição Freitas. “É um excelente investigador, uma pessoa muito curiosa, não se fixa apenas naquilo que é o mais fácil para ele. Quando não sabe vai à procura, de tudo aquilo que são os aspetos que podem melhorar o seu conhecimento”, comenta acrescentando que como colega foi fantástico. “Foi com ele que aprendi muitas das coisas que sei. Todo o meu percurso na Faculdade foi feito ao lado dele, sempre me integrou em todos os projetos que tinha – nacionais e internacionais -, sempre me considerou muito igual, embora tivesse uma formação muito superior à minha e isso acabou por ser muito estimulante, do meu ponto de vista. Tudo o que sou hoje devo integralmente ao César.  Não tenho dúvida nenhuma”, conclui.

Para Rui Taborda “o professor César é um dos pioneiros da Geologia costeira em Portugal e uma referência”. O professor do DG e investigador do IDL refere que é espetacular trabalhar com ele: “É um livro aberto. Fazemos uma questão e ele tem a capacidade de exprimir as ideias de uma forma clara, sustentada e com muita facilidade. O conhecimento é transmitido de forma sólida e rigorosa, não é uma transferência de conhecimento pela rama”.

“O professor César é um dos pioneiros da Geologia costeira em Portugal e uma referência.”
Rui Taborda

Rui Taborda diz ainda que César Andrade olha para os fundamentos e a sua cultura geral permite-lhe também dialogar com outras áreas científicas, o que se torna uma mais valia e é essencial para comunicar com os outros e criar sinergias. “A escola de ciência é isso mesmo. Ele reflete esse espírito de ciências, eclético e abrangente”, conta. Na sua opinião, outro facto importante está relacionado também com o facto de a Geologia estar muitas vezes associada a períodos de tempo muito grandes e César Andrade, ao trabalhar com escalas temporais mais curtas, tornou mais simples a ligação desta ciência à sociedade e à própria transferência do conhecimento.

Lanche no C6, após homenagem
A celebração do Dia Mundial da Terra e a homenagem a César Andrade terminaram com um lanche
Fonte GJ Ciências ULisboa

A comemoração do Dia da Terra foi um encontro de gerações e uma data para celebrar a vida na ciência, que terminou com um lanche.

“Do meu ponto de vista deve ser cultivado este espírito. O Pedro Costa deu uma perspetiva abrangente do que tem sido a carreira do professor César. O que marca uma pessoa não é ter sido muito bom, mas o legado que deixa. Todas as pessoas se emocionaram porque se sentiram como dele. Sentem o momento como deles. Sentem este momento como deles. Isto é, uma partilha de conhecimento e de emoções que deve ser transmitida”, conclui Rui Taborda.

"O que marca uma pessoa não é ter sido muito bom, mas o legado que deixa. Todas as pessoas se emocionaram porque se sentiram como dele. Sentem o momento como deles."
Rui Taborda

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Estepe na Patagónia Argentina

O pastoreio é uma das atividades que mais área conquistou em todo o mundo, incluindo as mais áridas que, muito embora ocupem mais de 40% do planeta, albergam mais de metade de todo o gado existente nas suas pastagens. Para avaliar o impacto do pastoreio nas regiões áridas (semiáridas e sub-húmidas secas) do planeta, uma equipa internacional com mais de uma centena de investigadores, destaque para Alice Nunes e Melanie Köbel, investigadoras do cE3c Ciências ULisboa, aplicou, pela primeira vez, o mesmo método de análise em 25 países de seis continentes.

rua interior à Alameda da Universidade, na Faculdade de Ciências

A 16 de novembro de 2022 foi instalado um sensor de tubo, na entrada da rua de acesso ao edifício C7 (rua interior à Alameda da Universidade), que permite detetar a passagem de bicicletas e trotinetes. Esta instalação insere-se na atividade do projeto europeu Tr @ nsnet – Um modelo de Living Lab Universitário para a Transição Ecológica

Campus da Faculdade

A cerimónia de entrega dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2022, acontece no próximo dia 28 de novembro, pelas 17h30, no Salão Nobre da Reitoria da ULisboa.

grupo de pessoas

Ciências ULisboa coordena projeto europeu Twinning em colaboração com a Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, e a Universidade de Tel Aviv, em Israel, e em parceria com a Universidade de Cambridge, no Reino Unido. O objetivo é promover a investigação de excelência e a formação avançada em Bioquímica e Biofísica de Proteínas, com impactos e aplicações em Biomedicina e Biotecnologia.

Ibéria Medeiros

Ibéria Medeiros, professora do Departamento de Informática da Ciências ULisboa, é a protagonista do terceiro vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, divulgado no YouTube da Faculdade a 3 de novembro.

estantes com livros e revistas na biblioteca do C4

"September 2022 data-update for 'Updated science-wide author databases of standardized citation indicators'” divulga as bases de dados com os nomes dos cientistas mais citados a nível mundial em 2021 e ao longo da carreira. Estas bases de dados publicadas recentemente pela Elsevier têm o contributo de John Ioannidis, professor da Universidade de Stanford, na Califórnia.

A Faculdade presta homenagem a Carlos Sousa Reis, antigo professor da Ciências ULisboa nos domínios da Ecologia Marinha, Recursos Vivos Marinhos, Pescas e Ordenamento do Litoral.

grande auditório no evento de 2021

“Este é um momento de celebração da qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa, a ocasião ideal para a partilha de conhecimento e para o estabelecimento de colaborações", diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Ciências ULisboa para a área da investigação, a propósito do Dia da Investigação.

José Rebordão, Luís Carriço e Manuel Silva assinam o protocolo

A Faculdade e a FCiências.ID assinaram um protocolo de cooperação com a Cercal Power, uma sociedade da Aquila Clean Energy, a plataforma de energia renovável da Aquila Capital na Europa, dedicada ao desenvolvimento, construção e exploração da central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém.

Imagem de um cérebro em fundo digital

"A linha de investigação em Filosofia da Inteligência Artificial e da Computação surgiu pela primeira vez em Portugal na Ciências ULisboa, nomeadamente, no Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL), com o intuito de contribuir para um debate que interessa à sociedade no seu todo", escrevem João L. Cordovil e Paulo Castro, investigadores do CFCUL Ciências ULisboa.

logotipo do projeto

O Gabinete de Apoio Psicológico (GAPsi) da Ciências ULisboa partilhou o primeiro episódio do podcast “Chá do Dia”, no passado dia 19 de setembro. O quinto episódio deste projeto inovador já está disponível na plataforma Spotify.

Estúdio da FCCN

João Telhada é um dos protagonistas do projeto "Porquês com Ciência", nomeadamente no vídeo “É seguro pagar online com cartão VISA?”, disponível no canal YouTube da Faculdade. Para o professor do DEIO Ciências ULisboa, “a cultura científica é um aspeto essencial no progresso e desenvolvimento de um país”.

grupo de pessoas

Tom Henfrey, Giuseppe Feola, Gil Penha-Lopes, Filka Sekulova e Ana Margarida Esteves publicam na Sustainable Development, no âmbito de relatório da rede ECOLISE, da qual Ciências ULisboa faz parte.

A Faculdade presta homenagem a Henrique Manuel da Costa Guimarães, antigo aluno e professor da ULisboa, especialista em investigação sobre o ensino da Matemática.

Estátua de Alfred Nobel com flores por detrás

Os seis Prémios Nobel 2022 são anunciados entre 3 e 10 de outubro. A poucos dias de conhecer as personalidades que serão distinguidas este ano, recordamos os laureados em 2021, com a ajuda de professores e cientistas da Faculdade. Entre na breve e conheça os laureados da Fisiologia/Medicina e Física.

 

rapariga com vento no cabelo a ouvir música

"Que poder é este da música? Ela tem mesmo uma ligação com as emoções? Apesar de existirem posições contraditórias, a literatura aponta que a música é capaz de induzir emoções", escreve Marta Esteves, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa.

Sara Magalhães no estúdio da FCCN

Sara Magalhães é professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa desde 2016 e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). “Os ácaros são assim tão feios, porcos e maus?” é o tema apresentado pela professora, que inaugura o projeto “Porquês com Ciência”.

mar

Nos dias 26 e 27 de setembro decorre na Ciências ULisboa o “Fórum Oceano: Atlântico, um bem comum, visões partilhadas franco-portuguesas”, uma iniciativa organizada pela Faculdade e pelo MARE, no âmbito da Temporada Portugal-França 2022.

“Saúde, Dança e Ciência na qualidade de vida sustentável”

No próximo dia 23 de setembro irá decorrer na Ciências ULisboa um workshop que pretende sensibilizar jovens e adultos para a importância do movimento na saúde e na qualidade de vida sustentável.

livros

Ana Simões, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigadora no CIUHCT, terminou o seu mandato como vice-presidente da European Society for the History of Science no dia 10 de setembro, concluindo seis anos de envolvimento na direção.

imagem abstrata representativa de termodinamica

"Quando ensinamos temos que ter a preocupação de que os alunos compreendem as matérias da melhor forma possível, e essa é a minha forma de ensinar, que procurei refletir neste livro”, diz Patrícia Faísca, professora do DF Ciências ULisboa e autora do novo livro sobre Termodinâmica, publicado na editora CRC Press.

logotipo da iniciativa

“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Direção de Comunicação e Imagem da Faculdade e arranca no início deste ano letivo. Cinco vídeos serão lançados no YouTube até ao final de 2022 e têm como personagens principais João Telhada, Ibéria Medeiros, Marta Panão, Maria Manuel Torres e Sara Magalhães. As temáticas em foco estão relacionadas com as Bolsas de Palestras.

grupo de investigadores

O projeto LIFE PREDATOR, aprovado no âmbito do Programa LIFE, vai arrancar no próximo mês de outubro. Da equipa de trabalho europeia fazem parte sete professores e investigadores de três unidades de investigação da Faculdade, que vão colaborar no estudo e combate da espécie invasora peixe-gato europeu.

Alunos e professores

Portugal conquistou quatro medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze na 15.ª edição das Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra (IESO 2022). Esta foi a melhor participação de sempre de Portugal nestas provas internacionais.

Jovens na praia

Crónica sobre o Roteiro Entremarés da autoria do professor Carlos Duarte. Esta é a segunda aplicação que resulta da colaboração entre o Departamento de Informática da Ciências ULisboa e o Instituto de Educação da ULisboa, depois da publicação em 2017 da aplicação Roteiro dos Descobrimentos.

Páginas