Crónicas em Ciências

Quake: esperar o inesperado

Instalações do Quake

O Quake – Centro do Terramoto de Lisboa – nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755, dos seus mistérios científicos aos detalhes irresistíveis da história e ao incrível sucesso que foi a reconstrução de Lisboa

Quake
Susana Custódio
Susana Custódio
Imagem cedida por SC

Luis Matias
Luís Matias
Imagem cedida por LM

Todos sabemos que o grande sismo de Lisboa de 1755 afetou de forma dramática o nosso país. Destruiu a grandiosa cidade de Lisboa do século XVIII, então capital de um império ultramarino conquistado por séculos de navegações. E criou condições para uma reforma política que abriu caminho para as ideias do iluminismo em Portugal. Mas o sismo de 1755 não faz “só” parte da nossa herança histórica. Este sismo continua ainda hoje a ter um lugar central na Sismologia do século XXI. Além de nos recordar que estamos expostos a um risco sísmico que tem de ser mitigado, levanta questões científicas notáveis que permanecem abertas.

Ao nível do entendimento mais fundamental do sismo de 1755, bem como de outros sismos que ocorrem ao largo de Portugal continental (por exemplo, o sismo de 1969 de magnitude 7.9), continuamos sem conhecer as falhas tectónicas ativas mais profundas, a cerca de 40 km, na litosfera sub-crustal oceânica, e como é que elas se relacionam e interagem com as falhas crustais mais superficiais, para acomodar uma deformação tectónica que é lenta mas inexorável.

O Quake situa-se em Belém, junto ao Museu Nacional dos Coches e perto do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. Visite o site e planeie a visita. A Faculdade e o Instituto Dom Luiz são parceiros deste projeto.

Ao nível da avaliação da perigosidade sísmica, o sismo de 1755 continua a ser um problema irresolúvel a nível europeu e mesmo global, pela dificuldade de entender um sismo de tal magnitude no nosso contexto geotectónico, tendo em conta as nossas taxas de sismicidade de fundo, a dimensão das falhas tectónicas mapeadas, e a distribuição das intensidades sísmicas observadas, dificultando assim a previsão da sismicidade futura. Ao nível da redução do risco, temos em mãos a complicada questão da preparação para os eventos extremos – eventos que causam elevados níveis de destruição, mas que são raros, o que tem o efeito perverso de diminuir a perceção de risco da população. Onde a terra tremeu, voltará a tremer, só não sabemos é quando. Pode ser amanhã. Estamos preparados?

O Quake – Centro do Terramoto de Lisboa – nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755, dos seus mistérios científicos aos detalhes irresistíveis da história e ao incrível sucesso que foi a reconstrução de Lisboa. Partindo da vontade individual de dois cidadãos que quiseram dar mais à cidade de Lisboa, e contando com uma equipa de centenas de pessoas de mais de dez nacionalidades e um investimento de dez milhões de euros, foi construído um edifício moderno com dez salas imersivas que ligam passado, presente e futuro.

Instalações do Quake e duas pessoas
O sismo de 1755 continua a ser um problema irresolúvel a nível europeu e mesmo global, pela dificuldade de entender um sismo de tal magnitude no nosso contexto geotectónico
Fonte Quake

Para nós foi uma experiência única, pelo contacto com uma equipa tão diversa e criativa e pela possibilidade de transmitirmos o que nos fascina sobre os sismos em geral e em particular sobre os sismos em Portugal. Ao longo de dois anos, trabalhámos de perto com a equipa do Quake no desenvolvimento e verificação de conteúdos, para que todos os que visitem o Quake se divirtam, envolvam, aprendam, e saiam mais preparados para conviver com os sismos do nosso território. Venha visitar. Espere o inesperado.

Susana Custódio e Luís Matias, cientistas do IDL e do DEGGE Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Encontra-se aberto concurso externo para o Banco de Portugal - Departamento de Supervisão Prudencial, com vista ao preenchimento de vagas de Técnico Superior para a área de supervisão

“A inovação é tipo ‘ovo de Colombo’, depois de se saber, parece fácil. Só que ‘saber’ significa um longo caminho de amadurecimento do conhecimento”, declara Maria Filomena Camões, docente do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, a propósito da atribuição da Bolsa Europeia de Excelência de Investigação.

A. M. Galopim de Carvalho num dos geoparques

O pioneiro da Geoconservação em Portugal sente-se agradado pelo reconhecimento dos mais de 20 anos de serviço em prol da preservação e salvaguarda dos geoparques, considerando o tributo um importante incentivo para a defesa territorial, para a promoção da geodiversidade e para o desenvolvimento sustentável baseado no património geológico.

Isaac Carrêlo e Rita Almeida, alunos do curso de Engenharia e Energia do Ambiente e Eva Barrocas, do curso de Biologia, viajaram até Cabo Verde para fazer parte da equipa Turtle Foundation. Durante um mês de experiências intensas, protegeram tartarugas e levaram os ensinamentos apreendidos na FCUL até à comunidade local.

Mapa

O Memorando de Entendimento celebrado com Portugal estabelece oito áreas programáticas para a respetiva alocação de verbas para 2009/2014. A abertura de concursos para Portugal deve acontecer ainda este ano.

Palestra por Jennifer de Jonge

Centro de Biotecnologia Vegetal/IBB

Evolução Tecnológica e o Cadastro Territorial Multifinalitário no Brasil

VicenTuna anima Sessão de Boas-vindas

Receber os novos alunos numa sessão de boas-vindas é uma das tradições da FCUL. Agora, o espírito da cerimónia pode ser conhecido pela voz dos profissionais e alunos que fizeram parte da última sessão, através de uma reportagem multimédia presente na página do YouTube da Faculdade, bem como na pasta de vídeos do Facebook.

Pormenor de obra de arte

Atualmente, o antigo aluno da FCUL é post-doc na Universidade Federal do Rio Grande - Fundação Universidade do Rio Grande, no Brasil, sendo responsável por projetos na área da Biologia Antártica – Biologia Polar.

Miguel Ramos

Miguel Ramos, professor do Departamento de Matemática da FCUL, faleceu esta quinta-feira, dia 3 de janeiro. O corpo será velado no dia 5 de janeiro, entre as 17h00 e as 24h00, na Capela da Igreja das Furnas, em São Domingos de Benfica, assim como no dia 6 de janeiro, a partir das 12h00, seguindo-se a missa pelas 15h00. A cerimónia de cremação ocorre no Cemitério dos Olivais.

Miguel Ramos (1963-2013)

Estão disponíveis os calendários de exames do 2º ciclo para as seguintes áreas:

- Mestrados de Engenharia Geográfica e SIG

Repórter e câmara de filmar

Após as palavras , chegam os sons e as imagens  do dia em que a FCUL voltou a fazer parte da “Rota das Vocações de Futuro” da associação EPIS. A reportagem está disponível na página do YouTube da Faculdade, bem como na pasta de vídeos do Facebook.

 

O histórico de aluno no Portal da FCUL foi atualizado e renovado.

Relembramos que pode utilizar os vários meios ao dispor para deixar comentários ou sugestões sobre os serviços da FCUL.

Bruno Almeida, doutorado em História das Ciências pela Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e membro do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, ganha "Prémio Cultura 2012" atribuído pela Sociedade de Geografia de Lisboa.

Alunos informam-se sobre programas de mobilidade internacional

“É uma grande oportunidade que estou a ter, a Faculdade dá um grande apoio aos alunos. (…) Estou a gostar do convívio com os colegas, das aulas, das disciplinas e da cultura portuguesa”, sublinha Daniel Martins, aluno oriundo do Brasil a estudar Biologia na FCUL.

Pela 2.ª vez, o Dia Internacional proporcionou a divulgação de programas de mobilidade internacional junto dos alunos, esclarecendo dúvidas e curiosidades. Durante o acontecimento, trocaram-se experiências, conheceram-se hábitos e tradições de diferentes países e, acima de tudo, enalteceu-se o espírito de convívio em ambiente "além-fronteiras".

Candidaturas para Base de Recrutamento de Professores Auxiliares Convidados do DF

“MARAVILHAR-SE: reaproximar a criança da Natureza” 

Foi duplicado o espaço de armazenamento nas áreas de alunos. A nova quota é agora de 1 Gb.

Páginas