Crónicas em Ciências

Quake: esperar o inesperado

Instalações do Quake

O Quake – Centro do Terramoto de Lisboa – nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755, dos seus mistérios científicos aos detalhes irresistíveis da história e ao incrível sucesso que foi a reconstrução de Lisboa

Quake
Susana Custódio
Susana Custódio
Imagem cedida por SC

Luis Matias
Luís Matias
Imagem cedida por LM

Todos sabemos que o grande sismo de Lisboa de 1755 afetou de forma dramática o nosso país. Destruiu a grandiosa cidade de Lisboa do século XVIII, então capital de um império ultramarino conquistado por séculos de navegações. E criou condições para uma reforma política que abriu caminho para as ideias do iluminismo em Portugal. Mas o sismo de 1755 não faz “só” parte da nossa herança histórica. Este sismo continua ainda hoje a ter um lugar central na Sismologia do século XXI. Além de nos recordar que estamos expostos a um risco sísmico que tem de ser mitigado, levanta questões científicas notáveis que permanecem abertas.

Ao nível do entendimento mais fundamental do sismo de 1755, bem como de outros sismos que ocorrem ao largo de Portugal continental (por exemplo, o sismo de 1969 de magnitude 7.9), continuamos sem conhecer as falhas tectónicas ativas mais profundas, a cerca de 40 km, na litosfera sub-crustal oceânica, e como é que elas se relacionam e interagem com as falhas crustais mais superficiais, para acomodar uma deformação tectónica que é lenta mas inexorável.

O Quake situa-se em Belém, junto ao Museu Nacional dos Coches e perto do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. Visite o site e planeie a visita. A Faculdade e o Instituto Dom Luiz são parceiros deste projeto.

Ao nível da avaliação da perigosidade sísmica, o sismo de 1755 continua a ser um problema irresolúvel a nível europeu e mesmo global, pela dificuldade de entender um sismo de tal magnitude no nosso contexto geotectónico, tendo em conta as nossas taxas de sismicidade de fundo, a dimensão das falhas tectónicas mapeadas, e a distribuição das intensidades sísmicas observadas, dificultando assim a previsão da sismicidade futura. Ao nível da redução do risco, temos em mãos a complicada questão da preparação para os eventos extremos – eventos que causam elevados níveis de destruição, mas que são raros, o que tem o efeito perverso de diminuir a perceção de risco da população. Onde a terra tremeu, voltará a tremer, só não sabemos é quando. Pode ser amanhã. Estamos preparados?

O Quake – Centro do Terramoto de Lisboa – nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755, dos seus mistérios científicos aos detalhes irresistíveis da história e ao incrível sucesso que foi a reconstrução de Lisboa. Partindo da vontade individual de dois cidadãos que quiseram dar mais à cidade de Lisboa, e contando com uma equipa de centenas de pessoas de mais de dez nacionalidades e um investimento de dez milhões de euros, foi construído um edifício moderno com dez salas imersivas que ligam passado, presente e futuro.

Instalações do Quake e duas pessoas
O sismo de 1755 continua a ser um problema irresolúvel a nível europeu e mesmo global, pela dificuldade de entender um sismo de tal magnitude no nosso contexto geotectónico
Fonte Quake

Para nós foi uma experiência única, pelo contacto com uma equipa tão diversa e criativa e pela possibilidade de transmitirmos o que nos fascina sobre os sismos em geral e em particular sobre os sismos em Portugal. Ao longo de dois anos, trabalhámos de perto com a equipa do Quake no desenvolvimento e verificação de conteúdos, para que todos os que visitem o Quake se divirtam, envolvam, aprendam, e saiam mais preparados para conviver com os sismos do nosso território. Venha visitar. Espere o inesperado.

Susana Custódio e Luís Matias, cientistas do IDL e do DEGGE Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rosto de Teresa Alpuim

Pode-se dizer, sem risco de exagero, que a Estatística é a mais social das ciências exatas.

Programa M23

Atualmente 47 alunos estudam na FCUL através do programa Maiores de 23 anos. A FCUL conversou com uma dessas alunas, Ana Jardim, de 35 anos, aluna do 2.º ano de Engenharia Informática.

FCUL esclareceu possíveis candidatos ao programa M23 no Open Day pelo Núcleo de Formação ao Longo da Vida

“Tenho interesse em prosseguir os estudos académicos por vários motivos, entre eles o pessoal, sei que posso dar muito mais não só para mim como também para a sociedade e também porque poderei melhorar a minha condição de trabalho”, afirma Elísio Gomes, de 31 anos e visitante do Dia Aberto a Maiores de 23 da UL.

Antenas do ALMA

O primeiro de uma série de vodcasts de divulgação científica do CAAUL dedicados aos maiores tópicos da atualidade em Astronomia apresenta o ALMA.

Rosto de Luísa Maria Abrantes

“A professora Luísa Maria Abrantes será sempre recordada pela sua enorme dedicação e empenho durante os 40 anos de serviço a esta casa”, refere o seu colega e amigo Jorge P. Correia.

A FCUL volta a marcar presença na Futurália, na FIL, no Parque das Nações, juntamente com outras unidades orgânicas da UL, entre 13 e 16 de março.

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver.

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver. A tese e o prémio foram passos saborosos de um caminho longo mas que tem todo o potencial de ser gratificante e divertido”, reforça Bruno Almeida, vencedor do Prémio Cultura 2012 atribuído pela Sociedade de Geografia de Lisboa.

A reportagem multimédia sobre o Dia Aberto em Ciências inclui testemunhos de candidatos ao ensino superior, alunos e professores da FCUL, colaboradores desta iniciativa.

Prémio SAHFC 2012 - Marta Macedo

Prémio SAHFC

  A Comissão Executiva da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências (SAHFC) atribui a anualmente o Prémio SAHFC.

O Grupo de Surdez do BioFIG-FCUL, coordenado por Graça Fialho, já analisou cerca de 400 famílias portuguesas afetadas com surdez hereditária. A primeira tese de doutoramento realizada em Portugal na área da genética da surdez foi defendida em 2012, na UL, por Tiago Matos.

Anfiteatro da FCUL

Cerca de 100 alunos de 15 escolas secundárias da zona de Lisboa participaram na 9.ª edição da ação de divulgação da Física de Partículas.

“Portugal é o principal destino dos estudantes brasileiros de graduação bolsistas do Programa Ciência sem Fronteiras.

“Acho que este tipo de ações é bastante útil porque, nesta altura, precisamos de todas as informações possíveis para podermos fazer uma escolha certa”, declara Maria Buzaglo, aluna do 12.º ano, a frequentar o curso de Ciências e Tecnologias na Escola Secundária de Pedro Nunes.

Alunos no átrio do C3

O Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional organizou uma sessão de acolhimento aos cerca de 30 novos alunos de mobilidade para o 2.º semestre.

Em 2000, a UL atribuiu o título de doutor honoris causa a Laurens de Haan. Em 2013, outro gigante dos Extremos, Ross Leadbetter, honrará a UL ao aceitar a mesma distinção. Quando a universidade honra investigadores desta importância está também a honrar-se.

O Departamento de Matemática da FCUL e o CMAF organizam dois mini-cursos de Sistemas Dinâmicos de 17 a 24 de Abril 2013. Os oradores serão Rafael Ortega da Universidade de Granada e Pedro Miguel Duarte do DM da FCUL.

Gulf Labor Markets and Migration Program (GLMMP), a joint program of the European University Institute (EUI - Florence) and the Gulf Research Center (GRC - Jeddah, Geneva, Cambridge), seeks two Research Assistants (Demographer/Statistician and Lawyer).

Rosto de Vanda Brotas

Estudar a clorofila, único parâmetro biológico visível do espaço, constitui uma ferramenta essencial para se perceber se o clima está a mudar. Este artigo foi publicado no jornal "Público" no passado dia 16 de fevereiro.

Servidor da FCUL

As ações de modernização e de alargamento do Centro de Dados da FCUL ocorreram no verão de 2012. A Unidade de Informática continua a apostar na renovação das condições tecnológicas do campus.

Ilustração de animais

A Âncora Editora define-se como uma editora generalista, que tem vindo a dedicar-se, sobretudo, à publicação de autores portugueses. Até agora A. M. Galopim de Carvalho é o autor com o maior número de livros editados.

O projecto de investigação NAADIR que envolve a Faculade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa e a Faculdade de Ciências da Universidade de L

Átrio do C6

Para os SASUL ainda é prematuro avaliar o Programa Alimentação UL, cujo orçamento se estima ser na ordem dos 192.000,00 €.

Páginas