No Campus com Helder Coelho

O programa da aula

Helder Coelho

Ao ensinarmos um conhecimento repetimos com frequência certas palavras (as noções e os conceitos) com o intuito de vincar uma ideia necessária mais à frente, ou um sentido, capaz de marcar um espaço essencial para a compreensão do que explicamos. Quase sempre pretendemos simplificar o que dissemos, e juntar as peças do quebra-cabeças que sintetiza um pensamento. Por isso um MOOC (Massive Open Online Course) estrutura-se com pequenos componentes, curtos (cerca de oito minutos), que montamos com paciência em módulos e depois em capítulos (vejam-se alguns exemplos no YouTube), para dar uma continuidade ao fluxo do nosso discurso (todos sabemos que a atenção de um estudante mantem-se até ao minuto 20, e não mais). No exercício de dar uma aula sem slides e qualquer tecnologia, como no antigamente, recorrendo ao giz, quadro preto e à representação oral, era importante organizar na mente um discurso, estruturado com quebras e apartes para distender o auditório. Agora para fazer uma palestra curta TED (vejam-se exemplos na Internet) temos também de fazer uma organização mental que seja agradável e mobilizadora, para atrair a atenção da assistência e captar os visitantes do sítio TED.com.

“Usem as novas tecnologias nas aulas, que é o que nos mantém atentos.”
Marta Martins, 20 anos, Público, 2016.04.25

Ao visarmos reduzir a complexidade dos conceitos usamos frequentemente intuições (visões simples e imediatas), um método habitual em Filosofia (vejam-se as Lições de Henri Bergson). O seu propósito era comunicar plenamente, de formulação em formulação, deslocando-nos do simples para o complicado (e, em geral, apoiando-se na abstração), sem o receio de alterar o que não estava ainda claro (alguns sítios da Internet como o brasileiro Geekie, de Claudio Sassaki, tentam inventar a aprendizagem pessoal recorrendo a uma plataforma adaptativa, abordando o processo de ensino e aprendizagem por meio de tecnologias criativas – a partir do diagnóstico de que os estudantes de uma mesma aula não aprendem todos do mesmo modo). A IBM e a Samsung apostam, presentemente, na investigação em Educação para compreenderem como a tecnologia deve apoiar a aprendizagem.

Diz-se que nem sempre pensamos por linhas direitas, quase sempre seguimos por curvas, em ziguezagues, corrigindo o que estava confuso, unindo e simplificando, recorrendo a imagens e metáforas, para ajudar os outros a capturarem a essência das coisas. Tal como no futebol, o jogador avança, para a baliza do adversário, fintando e guinando. Recorrer a pares de contrários (dualismos) é outro modo de explicar o pensamento, como complicação e facilidade, superficialidade e profundidade, conjunto (de elementos) e organismo, exterioridade e interioridade, composição e evolução, inteligência e intuição, ensino e aprendizagem.

Machine teaching versus machine learning

Quando nos aproximamos de um conhecimento (e.g. doutrina, matéria de uma disciplina, conjunto de tópicos) é bom ficarmos logo a saber as suas partes (os Vários) e como eles se interpenetram e relacionam (recorre-se à Dialética, a ciência das relações), como se pertencessem a um corpo (Um). Em seguida, os estudantes gostariam de apanhar a imagem mediadora desse mesmo conhecimento, e para isso o professor terá de ir desenhando uma imagem, à medida que avança na matéria, aula a aula. A imagem (visual, auditiva) que entra (pela percepção) na cabeça do estudante é o que estava no pensamento do professor, mas agora sujeito à interpretação/tradução do próprio ouvinte. O sucesso dessa transferência depende, em parte da habilidade do professor (intuição, criatividade) e da atenção, curiosidade e trabalho (ímpeto, motivação) do estudante (por isso, a frequência às aulas dos estudantes e a preparação prévia, que devem fazer, são uma ajuda vital para aumentarmos a taxa de aprovação). Para além das palavras (frases), resta ainda o sentido que ficou no pensamento do aluno e que será objeto do seu trabalho posterior, ora nos exercícios práticos ou no trabalho para casa. O êxito desta operação de transferência será mediado posteriormente no exame, e dependerá da vontade do aluno em trabalhar (aprender), ora preparando as próximas aulas ou revisitando o conhecimento através de horas de estudo (a experiência auxiliada pelo raciocínio e pensamento crítico).

Aprender com os MOOC não é tão fácil, como se pensa. Exige esforço. Que falem os que já tiveram essa experiência de trabalhar com as lições (pelo YouTube ou graças às plataformas Coursera, Udacity ou edX), e sem professor à mão. Do mesmo modo, montar um MOOC e ir para a batalha de o promover na Internet implica esforço, pois impõe um intervalo enquanto ele não começa e é necessário estruturar o grupo diretor, a equipe de apoio aos alunos, a de correção dos trabalhos (de forma automática ou manual). Também é bom não esquecer que estruturar o conhecimento é um magnífico exercício para um professor antes de começar a lecionar. Organizar os módulos e parti-los em bocados, depois juntar os bocados em módulos consistentes exige um guião e vai levar tempo. Mas ajuda a disciplinar o que e como o professor deve dizer as partes, sem esquecer as explicações e as justificações.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

Ester Luísa Rodrigues Dias, professora jubilada do extinto Departamento de Educação da FCUL, faleceu no dia 11 de fevereiro de 2013.

As ações de formação e de sensibilização em segurança e saúde do trabalho procuram divulgar conhecimentos teóricos e práticos de maneira a prevenir acidentes de trabalho e doenças profissionais, permitindo também  intervenções eficazes e eficientes em casos de emergência.

Sala de aula com alunos sentados e tomando notas

"Os estudantes da FCUL, incluindo os estudantes de licenciatura, dispõem do background e conhecimentos certos para participar nestes módulos", esclarece Nathalie Gontier, coordenadora do laboratório AppEEL e das respetivas Escolas de Inverno e de Verão.

Rosto de Vera Carvalho

As inscrições para o programa Erasmus terminam a 10 de fevereiro. Se tens interesse neste programa de mobilidade conhece a história de Vera Carvalho, aluna Erasmus na Dinamarca.

Pormenor de obra de arte

Para os fundadores do AppEEL, este laboratório pode ser considerado o primeiro centro no mundo a reunir investigadores que estudam a evolução sociocultural a partir das teorias que formam parte da Síntese Expandida.

 

O Departamento de Matemática recebeu ontem, dia  4 de Fevereiro, cerca de 70 alunos (9º ano) do  Agrupamento de Escolas D. Miguel de Almeida - Abrantes.

Entre os empregos mais bem pagos contam-se os que estão ligados às engenharias.

Capa

Esta coleção de Livros Brancos foi organizada pela META-NET, uma rede de excelência parcialmente financiada pela Comissão Europeia, que levou a cabo uma análise dos recursos e tecnologias da linguagem atualmente disponíveis. A análise abordou as 23 línguas oficiais europeias assim como outras línguas importantes na Europa a nível nacional e regional. 

O Prémio João Branco é uma iniciativa conjunta da Universidade de Aveiro e da família do designer Jo

Dia 4 Fevereiro 2013 – 14:00h às 19:30h (Sala 2.2.15)

Primeiro plenário do IPBES

Grupo liderado por Henrique Miguel Pereira, investigador do Centro de Biologia Ambiental da FCUL, submete à apreciação da comunidade científica o desenvolvimento de um sistema de monitorização da biodiversidade baseado num conjunto de variáveis essenciais.

Rosto de Maria Antónia Amaral Turkman

“Ao longo dos últimos dois séculos a Estatística foi indispensável em confirmar muitas das maiores descobertas científicas e inovações da humanidade, tais como a partícula bosão de Higgs e a Revolução Verde na agricultura”, declaram Daniel Paulino, presidente da Sociedade Portuguesa de Estatística e Maria Antónia Amaral Turkman, coordenadora do CEAUL.

Dois artigos -- contando com docentes e investigadores do GeoFCUL no seu elenco de autores -- assinalados no “TOP 25 Hottest Papers” de Abril-Junho de 2011 da revista Journal of South American Earth Studies (Sciencedirect / Elsevier).

Henrique Leitão foi eleito membro efetivo da Académie International d'Histoire des Sciences, pela relevância da sua carreira e produção intelectual. Para o historiador das ciências foi uma “honra enorme” receber a distinção, “a maior ambição de qualquer estudioso ou cientista”.

Proposal for a REGULATION OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL.

Laying down the rules for the participation and dissemination in 'Horizon 2020 – the Framework Programme for Research and Innovation (2014-2020).

EUA represents over 850 universities and university associations across 47 European countries. Its highly diverse membership covers the full spectrum of universities participating in European research programmes.

Vai realizar-se de 18 a 20 de Março de 2013, em honra do Professor Ross Leadbetter, o "Symposium on Recent Advances in Extreme Value Theory ".

Face de Maria Amélia Martins-Loução

O Flora-On sistematiza informação fotográfica, geográfica, morfológica e ecológica de todas as espécies de plantas vasculares autóctones ou naturalizadas listadas para a flora de Portugal. Atualmente, através deste portal acede a 164 famílias, 836 géneros e 2991 espécies.

Cortejo académico na Aula Magna

A cerimónia de abertura do ano letivo de 2012/2013 marca uma nova etapa do ensino superior público.
Exegi monumentum aere perennius - Ergui um monumento mais duradouro que o bronze.
Da nova Universidade de Lisboa vê-se o mundo...

Crianças dos 5 aos 9 anos descobrem as Ciências na FCUL

A FCUL abriu as portas do conhecimento aos alunos do Colégio Infantes de Portugal, de Palmela. Durante uma manhã, os laboratórios de Biologia e de Química e Bioquímica foram explorados por cerca de 20 crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 9 anos.

Páginas