“No fim, somos Atlântico e somos Portugal”

Última aula do professor Jorge Miguel Miranda decorreu no dia 26 de maio

Miguel Miranda e a plateia

Assistiram à lição de jubilação vários amigos, colegas e familiares de Miguel Miranda, assim como antigos e atuais governantes

DCI Ciências ULisboa

O professor e geofísico Jorge Miguel Miranda deu a sua última aula na passada sexta-feira, e despediu-se do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), laboratório do Estado que presidiu nos últimos dez anos.

A Lição de Jubilação "Política e Ciências - Renascimento das Ciências Naturais” decorreu no dia 26 de maio no Grande Auditório da Faculdade, sob o olhar atento de uma plateia de colegas da Faculdade e do mundo da ciência, antigos e atuais governantes assim como vários amigos.

Na assistência, entre os antigos governantes estavam Ana Paula Vitorino, Assunção Cristas, Eduardo Cabrita, Manuel Pinto de Abreu e Ricardo Serrão Santos. Dos atuais governantes marcaram presença António Costa Silva, ministro da Economia e do Mar; Elvira Fortunato, ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior; José Luís Carneiro, ministro da Administração Interna; José Maria Costa, secretário de Estado do Mar; e Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura. Estiveram também presentes José Manuel da Costa, presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil; Rita Faden, presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento; e Luís Ferreira, reitor da ULisboa.

imagens do evento
A reportagem fotográfica do acontecimento está disponível na página de Facebook da Faculdade.
Fonte DCI Ciências ULisboa

Após as palavras do Diretor da Faculdade, que agradeceu em nome de todos os presentes “tudo o que Miguel Miranda fez por nós, e pela forma como influenciou as nossas vidas”, Miguel Miranda iniciou a sua intervenção fazendo um breve historial dos laboratórios do Estado e da formação do IPMA, prosseguindo partilhando parte da sua experiência neste instituto, ao longo dos últimos dez anos.

Das experiências marcantes destacou, entre outras, os fogos de 2017, o furacão Lorenzo de 2019 e as cheias de dezembro de 2022, fenómenos extremos que atingiram Portugal e cujas crises teve a responsabilidade de gerir enquanto presidente do IPMA. Explicou que, casos como estes, nos quais estão presentes grandes quantidades de energia na atmosfera, “não são suscetíveis de nenhum tipo de preparação, não é possível, não estamos imunes a riscos, vão haver sempre vítimas e prejuízos – o nosso trabalho é minimizá-los”. Acrescentou que no contexto atual está a ser feita pouca adaptação, no que toca à gestão de territórios e pessoas, para tanta emergência.

Destacou o papel de “mediador honesto” que deve ter o IPMA, assim como todos os laboratórios do Estado, no estudo, estabelecimento de cenários e produção de pareceres em resultado da opinião de vários agentes, permitindo encaminhar os decisores políticos para a melhor decisão possível a tomar.

Neste âmbito, apontou como um problema a desorçamentação generalizada a que se tem assistido por parte das universidades e comunidade científica, passando os recursos para organizações mais flexíveis, de direito privado, com mais capacidade para executar a investigação, mas menos controle e vantagens do que o Estado. Com algumas críticas à administração pública e ao desinvestimento sucessivo nos laboratórios do Estado, Miguel Miranda afirma que a desorçamentação nas organizações é errada, e deve acabar.

O assunto teve destaque no Público e no Observador.

A última parte da lição incidiu sobre a necessidade de valorizar mais as ciências naturais na resolução dos problemas ambientais, para além da engenharia e da tecnologia.

Destacou o crescimento insustentável da humanidade - 97% da biomassa de mamíferos da Terra corresponde ao Homem e aos animais domésticos, restando apenas 3% para os animais selvagens. “Temos que repor uma parte do equilíbrio, tomar algumas medidas para reverter a situação, que envolvem uma nova relação homem-natureza; não podemos ficar à espera que a natureza recupere o equilíbrio por si só”, diz, em entrevista à RTP.

É urgente repor o meio natural e os ecossistemas, sendo que este objetivo “tem que se tornar a prioridade da humanidade”, e que “só será possível cumprir se todos fizerem parte da solução”.

Miguel Miranda concluiu dizendo: “Quando olhamos para a nossa comunidade, nós podemos dizer que somos melhores que alguns em muitas áreas, melhores que todos em algumas (poucas) áreas, mas no fim, para o bem e para o mal, somos Atlântico e somos Portugal”.

O professor catedrático da Ciências ULisboa e presidente do IPMA desde 2013, Miguel Miranda, despediu-se assim da universidade e de uma década na presidência daquele instituto – o laboratório do Estado incumbido de zelar no país por áreas tão diversas como a meteorologia, o clima, os sismos, os tsunamis ou a avaliação de recursos da pesca.

 

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jubilação de Jorge Miguel Miranda

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas