Opinião

Dragon Dreaming HortaFCUL 2014


Íris Mota
Fonte HORTAFCUL

Uma vela acendeu-se e, com ela, os nossos sonhos para a Horta. Iniciou-se assim o Dragon Dreaming

John Croft, um australiano, apercebendo-se da perda de biodiversidade do nosso planeta decidiu conceber uma ferramenta designada por Dragon Dreaming, que visa desenvolver uma postura de estar “ao serviço da Terra” enquanto desenvolvemos os nossos projectos. Hoje em dia, em resultado da elevada especialização que caracteriza as sociedades mais desenvolvidas, cada pessoa tende a isolar-se em áreas muito especializadas perdendo uma visão holística do mundo em que vive. Uma forma de contrariar esse isolamento é através da promoção da cooperação.

Por isso, as ferramentas do Dragon Dreaming estão associadas ao propósito de “criação de comunidades”, estimulando as pessoas a contrariar a sua tendência em querer estar nas suas zonas de conforto e abrirem-se para lá, onde se encontram os medos.

vela
Fonte Horta FCUL

Os medos são os dragões e o Dragon Dreaming, diz-se, é dançar com os nossos dragões, provar a zona de desconforto, arriscar e sonhar. A zona de desconforto cria momentos de iluminação e trás novas perspectivas, e o uso do Dragon Dreaming é uma forma de as partilhar com outras pessoas. Através da promoção de ideias próprias e partilha das mesmas o mundo avança e dá-se o “crescimento pessoal”.

A vivência de Croft com tribos aborígenes australianas, marcou a sua visão. O “sonho” é muito importante para os aborígenes e eles recorriam a rituais para acederam à criatividade colectiva e à compreensão profunda de certos problemas (ambientais, de comunidade,etc.). Um dos rituais das tribos consistia em reunir os seus membros à volta da fogueira para tomarem decisões ou sonharem o seu futuro, designados por “Nódulos”. Cada membro, quando tem o “Pau falante” nas suas mãos, tem a oportunidade de partilhar os seus sonhos.

Pessoas em atividade
Fonte Horta FCUL

Estes nódulos estão ligados por linhas, as “Song Lines”, uma designação que está associada ao facto de, após ter sido tomada uma decisão, os membros cantarem até à decisão seguinte.

Dois componentes e quatro fases são essenciais para o Dragon Dreaming. Os dois componentes são a Pinakarri (escuta profunda) e a comunicação carismática (transmissão integral de uma mensagem). As quatro fases são: Sonhar – Planear - Implementar - Celebrar (contribuição para transformação pessoal).

Dragon Dreaming na Horta

Em contacto com a natureza (a Horta), à volta da fogueira (uma vela) e com um “pau falante” (um cantil), o Dragon Dreaming iniciou-se com a questão: “O que é que este grupo de pessoas ambiciona para a Horta FCUL nos próximos tempos?”

Pessoas em atividade
Fonte Horta FCUL

Os “sonhos” começaram a surgir, de pessoa em pessoa, tais como a Arte na Horta, Celebrar o pôr-do-sol, construção de casinha para pássaros, contactar hortas noutros países, fazer uma bio-construção com um dragão por cima da horta, e muitos, muitos mais.

De seguida, organizaram-se todos os sonhos por diversas categorias: Actividades, Projectos, Pessoas e “Ciências e Educação” e decidiu-se que cada pessoa escrevesse uma frase memorável e inspiradora. Essa frase, que deveria reflectir o objectivo da Horta FCUL para este ano, foi escolhida por todos em conjunto: Horta FCUL, uma ideia, um projecto, uma comunidade, celebrar o sonho a caminho da sustentabilidade, aqui e no mundo!”

Depois, com um grande papel (o tabuleiro do dragão ou Karabirrdt, nome arborígene) definiram-se um conjunto de tarefas SMART (Specific, Measurable, Accepted, Realistic, Timely) para realizar os sonhos. Como seria de esperar, foram muito diversas essas tarefas, desde contactar docentes e planear formação de workshops a comprar ferramentas, realização de protocolos com a direcção, etc..

Pessoas em atividade
Fonte Horta FCUL

Estas tarefas foram ordenadas de acordo com as quatro fases referidas antes (sonhar-planear-  implementar- celebrar).  Depois de ordenadas, fizeram-se círculos (“Nódulos”) e “Song lines”, ligando os assuntos aparentados e sequenciais.

Com os Nódulos feitos, distribuíram-se as pessoas do projecto pelos respectivos nódulos. Cada pessoa pode agora escolher o papel que pretende ter em cada Nódulo, escrevendo o seu nome junto ao Nódulo, usando uma de três cores: Mentor (a preto), Líder (a verde) ou Aprendiz (a vermelho).

Com os sonhos partilhados, a visão do projecto co-criada, as tarefas definidas e as responsabilidades distribuídas pelas pessoas, chegou-se à fase da Celebração.

Pessoas em atividade
Fonte Horta FCUL

O grupo voltou a sentar-se à volta da fogueira (vela) e cada membro expressou a suas emoções relativamente a este acontecimento, ao Dragon Dreaming. Uma sensação de união pairava no ar e a vontade de moldar o futuro estava bem acesa dentro do grupo.

Era altura de concluir o Dragon Dreaming relembrando os rituais dos aborígenes recitando uma canção, de olhos fechados e em contacto com todos os outros através da música. A nossa “Song line”.

Nota da redação: Por vontade dos autores o texto não segue o acordo ortográfico em vigor.

Íris Mota, guardiã da HortaFCUL
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas