Personalidades em Ciências

“Physical Tourist in Lisbon”

Em Portugal há lugar para um turismo de cariz científico. Há cerca de quatro anos, Ana Simões foi convidada a escrever para a rubrica Physical Tourist da revista americana “Physics in Perspective”, uma publicação de História das Ciências dirigida essencialmente aos professores do ensino secundário. O artigo “Physical Tourist in Lisbon” assinado por Ana Simões, juntamente com outras duas colegas, já foi aprovado pelos editores da revista e deverá ser publicado até ao final do ano. Os percursos pedestres sugeridos pelas autoras podem ser realizados em dois dias, tendo como ponto de partida a Estátua do Fernando Pessoa, no Chiado. Caso a candidatura portuguesa à organização do próximo congresso da European Society for the History of Science saia vencedora, quem sabe se em 2014 os congressistas não irão poder efetuar este roteiro!

Um destes dias a professora e investigadora Ana Simões trará às instalações da FCUL um historiador da Química para apresentar a obra “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry”, um livro escrito em colaboração com Kostas Gavroglu, professor de História das Ciências da Universidade de Atenas, na Grécia, desde 1994.

“É mais do que uma ideia”, comenta a docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e coordenadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, uma unidade de investigação que tem como instituições de acolhimento a FCUL e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Em entrevista, a historiadora das ciências, nascida a 13 de outubro de 1958, dá-nos a conhecer este último trabalho, publicado em outubro passado pelo MIT Press. “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” não existe nas livrarias portuguesas, mas pode ser encomendado pela Amazon. O livro, redigido em cerca de dois anos, reflete o trabalho desenvolvido pelos investigadores nos últimos 18 anos. Ana Simões diz que se trata de “um livro que não é propriamente muito fácil de ler porque estamos a tratar de uma disciplina que é complexa, que usa muito o formalismo matemático da mecânica quântica. Escrevemos o livro praticamente sem equações. A temática é relativamente circunscrita e técnica”. Outro “megaprojeto” de Ana Simões com Kostas Gavroglu consiste na escrita de um livro dedicado às relações entre a Química e a Matemática, procurando perceber qual foi o papel que a Matemática e a matematização tiveram na Química.

A antiga aluna de Física, professora na Faculdade de Ciências desde 1982, dedica muito do seu tempo à História da Ciência em Portugal. No final do verão espera finalizar, juntamente com outros quatro colegas, um livro sobre a história da Faculdade de Ciências, desde a sua criação até à Democracia. Para além desta obra, Ana Simões também participou recentemente noutro  livro sobre a história da UL,  consagrado à universidade contemporânea, séculos XIX e XX e que, em conjunto com outro sobre a universidade medieval, deverão ser apresentados publicamente num futuro muito próximo.

A história da FCUL é singular, mas pouco conhecida, por isso, projetos como estes assumem particular importância. Para Ana Simões, “um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto e até é, do meu ponto de vista, importante para percebermos o momento presente, projetarmos o futuro e percebermos que há muitas questões que vão reaparecendo”, como por exemplo, as coligações e conflitos entre faculdades, um tema tão na ordem do dia e igualmente presente na génese da Faculdade de Ciências.

A preservação e divulgação do património científico português tem grande importância na vida da antiga aluna da licenciatura de Física da FCUL, mais tarde estudante de doutoramento em História, com especialização em História e Filosofia das Ciências, na Universidade de Maryland em College Park, nos EUA. Inclusivamente, Ana Simões, bem como outros colegas, têm escrito alguns papers usando os arquivos dos Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do Observatório Astronómico de Lisboa. O espólio patrimonial destas instituições é, de facto, uma mais-valia para a História das Ciências em Portugal. Recentemente, o reitor da UL, António Sampaio da Nóvoa, recebeu o título de membro honorário da Universeum – European Academic Heritage Network, uma rede reconhecida pelo Conselho Europeu e que procura valorizar o património científico, museológico, monumental, botânico e arquivístico das universidades europeias.

Com mais de 90 publicações no currículo, a professora da FCUL coordenou juntamente com o colega Henrique Leitão a coleção História e Filosofia das Ciências, publicada pela Porto Editora e entretanto encerrada. Esta coleção integra 14 volumes de traduções de livros importantes para a História das Ciências, como é o caso de “Galileu, Cortesão”, de Mario Biagioli, traduzido por Ana Sampaio e que recebeu a esse propósito uma menção honrosa na 15.ª edição do Prémio de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa.

Outro volume incluído nesta prestigiada coleção é a obra “Cidadão do Mundo. Uma Biografia Científica do Abade Correia da Serra”. A obra escrita por Ana Simões, Maria Paula Diogo e Ana Carneiro sobre o naturalista e um dos fundadores da Academia das Ciências foi traduzida recentemente para Inglês, pela Universidade de Califórnia, Berkeley, uma opção que teve em consideração as relações entre o cientista português e os primeiros presidentes americanos. O encerramento da coleção História e Filosofia das Ciências foi determinado pelo limitado número de vendas. Ana Simões acredita que existe público para estes livros e que as editoras devem continuar a investir neste tipo de edições, apostando fortemente na divulgação das obras. “Estes livros não tinham grande saída porque eu acho que eles não tinham grande visibilidade”, conclui. Segundo a direção editorial da Porto Editora, “a decisão de não dar continuidade à coleção demorou algum tempo e foi difícil de tomar”. A empresa fundada em 1944 explica que enfrentou dificuldades em rentabilizar a coleção devido, sobretudo, à pequena dimensão do mercado português e aos elevados investimentos a que este tipo de publicações obriga. Para a direção editorial daquela sociedade por quotas: “estes aspetos foram sendo agravados pelo recurso frequente a fotocópias e à facilidade com que os alunos portugueses leem textos em língua estrangeira, preferindo nalguns casos as edições originais às traduções, mesmo que muito cuidadas e de grande qualidade, como é o caso das da coleção História e Filosofia das Ciências”.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Ana Rita Carlos, investigadora no polo da Faculdade do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e antiga aluna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas premiadas na 16ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, com um estudo sobre os mecanismos que desencadeiam as distrofias musculares congénitas.

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho, investigadores do Departamento de Física e do Laboratory of Optics, Lasers and Systems da Ciências ULisboa, foram distinguidos com o Scientific Achievement Award e com o SET Panel Excellence Award, pelo Conselho de Ciência e Tecnologia da NATO.

Mais de 500 pessoas inscreveram-se no Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas, uma iniciativa organizada pela Ciências ULisboa em parceria com o IDL e a CML, no âmbito da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. O acontecimento visa debater a melhor investigação em alterações climáticas que é realizada em Portugal. O programa integra oito sessões temáticas e uma sessão de posters, com 47 trabalhos.

Ciências ULisboa participou no “Matchmaking” da EIT Health. “O balanço final é bastante positivo pois foi possível obter a participação da Faculdade em duas summer schools e ainda angariar parceiros para propostas campus e innovation lideradas ou comparticipadas pela Faculdade”, refere Ana Faisca, técnica do GAI da Direção de I&D da Ciências ULisboa.

Em Portugal existem atualmente 12 licenciaturas de Bioquímica com um total de 615 vagas. Leia o artigo da autoria do professor Francisco Pinto sobre o importante dinamismo desta comunidade estudantil.

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

À Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior compete a avaliação e acreditação de ciclos de estudos. Este ano letivo estão em avaliação 21 ciclos de estudos. Leia o artigo de Rebeca Atouguia, coordenadora da Área de Estudos, Planeamento e Qualidade da Faculdade.

“Tive uma educação científica de excelência”, conta César Garcia, que concluiu os estudos em Ciências ULisboa, primeiro a licenciatura em Biologia Vegetal Aplicada, depois o doutoramento em Biologia, especialidade em Ecologia, com um trabalho sobre a Biodiversidade de Carvalhais da Rede Natura 2000.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta a ocorrência que, no passado sábado, vitimou mortalmente um ex-aluno da licenciatura em Tecnologias de Informação. Estamos todos em estado de choque e transmitimos aos familiares e amigos as mais profundas condolências.

As candidaturas a um período de estudos ou de investigação ao abrigo do Programa Erasmus+ na Faculdade começaram a 1 de dezembro, mas os estudantes puderam informar-se logo no Dia Internacional em Ciências dos tipos de mobilidade em curso, bem como dos requisitos necessários para a respetiva candidatura, que termina no último dia do ano.

Isabel Pinheiro podia ter escolhido uma carreira na área da investigação, mas optou pelo ensino. “Cada descoberta, cada aula, cada aula partilhada com um colega é um momento diferente”, refere a professora de Física e Química da Escola Seomara da Costa Primo, apaixonada pela educação e pela tabela periódica, que em 2019 celebra 150 anos.

"A memória da FFCUL, instituição, que soube merecer uma apreciação inequivocamente positiva dos investigadores que serviu, e de todas as instituições que financiaram as suas atividades, será mantida no seu site, onde se encontram todos os relatórios e contas desde 2009, e onde se pode seguir, com toda a transparência, a vida da FFCUL." Leia o artigo de José Manuel Rebordão, ex-presidente do Conselho Diretivo e da Comissão Liquidatária da FFCUL.

Após o sucesso dos mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, dos quais resultaram os primeiros 25 mestres em Angola nestas áreas, iniciou-se este ano, a 2.ª edição do mestrado em Gestão e Governança Ambiental, com novos 25 alunos. José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, esteve em serviço externo em Angola, tendo regressado a Portugal este sábado, dia 14 de dezembro, após fechar com sucesso o 1.º ano curricular de mais uma edição deste programa.

"A compreensão do tempo pode ser feita em função dos ganhos e perdas de informação. Assim, a adaptação é um ganho de informação, a degradação é um tipo de perda e implica um aumento de entropia. Os fenómenos complexos aparecem entre os estados de baixa e os de alta entropia, onde a baixa entropia dá-nos a ordem da complexidade", in no Campus com Helder Coelho.

O Tec Labs - Centro de Inovação da Faculdade participou numa missão de quatro dias, na Alemanha, organizada pelo Health Cluster Portugal (HCP). Leia a crónica publicada no blog do Centro de Inovação da Faculdade e saiba como decorreu a visita.

O Prémio Breakthrough em Física Fundamental 2020, um dos mais prestigiantes em Física, foi atribuído ao projeto Event Horizon Telescope (EHT) e a cada um dos 347 membros, incluindo o português Hugo Messias, antigo aluno da Ciências ULisboa e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Hugo Messias foi ainda galardoado este ano com o prémio GQ Men of the Year, na categoria ciência.

Carolina Sá, professora do DBV e investigadora do polo da Faculdade do MARE, doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no cruzeiro AMT29, que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Páginas